sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Lições da Destruição de Atenas para o Brasil

Geralmente abro minhas palestras citando uma frase. De uns tempos para cá passei a adotar essa: "Isso só acabaria com o incêndio do Pireu" (Tucídides, A História da Guerra do Peloponeso). Logo após uma derrota militar, o general ateniense Tucídides rapidamente compreendeu que aquele seria o fim de Atenas (que teria seu ápice com o incêndio do Pireu, o porto da cidade ateniense). Essa lição nos serve hoje: as loucuras econômicas de 12 anos de governo petista só terminarão com a destruição de nossa economia.

Tal como Tucídides fez ao verificar a importância estratégica de determinada derrota, é possível verificar a implicação dos desastres que estão por vir. Aqui você pode saber mais sobre os 4 ajustes que ocorrerão ano que vem (ou logo após as eleições). Lembrando que já venho alertando sobre isso há um bom tempo.

Mas a destruição que o PT causou ao Brasil não foi só econômica, foi também moral. Nossas instituições estão em frangalhos: STF, Banco Central, Tesouro Nacional, IPEA, Congresso Nacional, apenas para citar algumas das instituições que tiveram sua credibilidade severamente abalada pelos desgovernos petistas. Além delas, é digno de nota ressaltar a decadência moral de nossas escolas. Os professores simplesmente perderam sua autoridade frente a alunos e pais. Para piorar, determinados professores estão mais interessados em doutrinar seus alunos do que em propriamente ensiná-los a raciocinar e aprender. E, como não poderia deixar de ser, boa parte das escolas foi invadida por gangues, tornando o estudo uma profissão de risco.

Há muito tempo alerto meus amigos que o verdadeiro embate em nosso país se dará em 2018, nas próximas eleições presidenciais. Talvez o fenômeno Marina Silva tenha puxado o desastre mais para perto, mas o fato inquestionável é um só: tal como os atenienses, nós ainda nem sonhamos com o desastre que se aproxima.

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

VideoCast Do Sachsida: Mais Crédito Para Imóveis, O Resultado Será Aumentar o Custo do Ajuste

O ministério da fazenda continua insistindo em direcionar mais crédito ao mercado imobiliário, impedindo assim o seu ajuste natural. A consequência disso é simples: o custo do ajuste no mercado imobiliário será maior do que seria na ausência desse estímulo. Para assistir clique aqui.

Pastor Everaldo, Aécio Neves e o Risco Marina Silva

"Não tenho vergonha de mudar de ideia, porque não tenho vergonha de pensar" (Pascal)

Não há duvidas de que o Pastor Everaldo é o candidato que explicita os anseios dos eleitores conservadores ou liberais clássicos. Suas propostas apontam claramente para a redução do papel do Estado na economia (privatizações, corte de gastos públicos, e redução da carga tributária), aliadas a uma agenda conservadora em questões morais (contra o aborto, contra a liberação das drogas, e a favor do casamento tal qual especificado na Constituição).

Duas dúvidas sensatas pairam sobre a candidatura do Pastor Everaldo. Em primeiro lugar, são necessárias explicações acerca de seu passado de apoio a candidaturas de esquerda. Sim, é inegável que o Pastor Everaldo apoiou o PT no passado. Contudo, o argumento dele me pareceu honesto: para quem nasceu e foi criado numa favela o discurso de esquerda parecia fazer mais sentido. Sejamos francos, há muito tempo perdemos o diálogo com essa importante parcela da população. Não porque o liberalismo clássico seja ruim para os pobres, mas simplesmente porque a esquerda soube vender melhor seu discurso. Cabe a nós, e com o Pastor a nosso lado, mostrarmos que as políticas liberais são o melhor remédio contra a pobreza e a desigualdade social. Outro detalhe: FHC não deixou para trás uma série de ideias que tinha quando virou presidente? Lula também não fez o mesmo? Qual o problema do Pastor ter mudado de ideia? Acaso nenhum de nós aqui nunca flertou com ideias esquerdistas? Tão logo o Pastor teve assessores mais liberais a seu lado, foi apresentado a uma nova literatura, novos autores clássicos, que o convenceram de que o liberalismo é a melhor política para erradicar a pobreza, e gerar desenvolvimento econômico. Já dizia o sábio: "Não tenho vergonha de mudar de ideia, porque não tenho vergonha de pensar". Por fim, uso um argumento mais simples: entre votar em um candidato que ao menos professa defender ideias liberais e outro que nem isso faz, prefiro votar no primeiro.

A segunda dúvida refere-se ao risco Marina Silva. Eu mesmo já alertei nesse blog: nosso objetivo imediato é evitar um segundo turno entre Dilma e Marina. Assim, muitos tem argumentado que, apesar de preferirem o Pastor Everaldo, irão votar em Aécio Neves para evitar Marina no segundo turno. Sim, este é um risco real. Contudo, que tal darmos tempo ao tempo? Nas próximas pesquisas de opinião, no facebook, nas redes sociais, vamos apoiar o Pastor Everaldo (e vamos nos abster de criticar Aécio Neves). Se no final da campanha eleitoral a disputa estiver entre Marina e Aécio, votemos em Aécio. Mas até lá vamos dar um voto de confiança a candidatura do Pastor. Afinal, será que um candidato que prometeu privatizar a Petrobras no horário nobre do Jornal Nacional não merece um voto de confiança?

VideoCast do Sachsida: Pastor Everaldo no Jornal Nacional, Mais Brasil e Menos Brasília

Neste vídeo comento minhas impressões sobre o desempenho do Pastor Everaldo no Jornal Nacional. Privatizar empresas estatais, diminuir impostos, diminuir o tamanho do governo, contra o aborto e a favor da família. Em resumo, o Pastor Everaldo defende o liberalismo clássico. Para assistir clique aqui.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

VideoCast do Sachsida: Dilma no Jornal Nacional, Lições para a Oposição

Neste vídeo descrevo o desempenho de Dilma no Jornal Nacional: um erro inacreditável de Bonner, a levantada de bola de Patrícia Poeta, e lições que devem ser aprendidas pela oposição. Para assistir clique aqui.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Você é a favor da Socialização dos Meios de Produção? Então vote MARINA!!!

Eu tenho o péssimo hábito de confiar no que as pessoas dizem. Confio mais ainda quando escrevem o que pretendem fazer. Pois bem abaixo esta o link do estatuto do PSB, partido de Marina Silva. Que tal olharem o artigo 1o parágrafo 3o:

§ 3º O PSB, fiel à democracia pluralista como valor político permanente, ao regime republicano e à forma federativa de organização administrativa do país, às elaborações socialistas e à luta pelos direitos individuais, coletivos, sociais, econômicos e políticos da cidadania, exerce suas atividades visando à realização de seus objetivos programáticos, em particular:

II democratizar o Estado através de mecanismos que garantam a participação da
sociedade civil organizada na formulação, execução e fiscalização das políticas públicas;

III socializar os meios de produção considerados estratégicos e fundamentais ao
desenvolvimento, social, cultural e da democracia, e a preservação da soberania nacional;


O inciso II mostra que o PSB é a favor dos conselhos populares que Dilma quer emplacar (e Marina já se disse favorável). O Inciso III mostra que o PSB quer socializar os meios de produção considerados estratégicos e fundamentais ao desenvolvimento, social, cultural e da democracia, e a preservação da soberania nacional.... então é isso, se você concorda com a ideia vote Marina Presidente!

Um Voto Faz Diferença?

Será que um voto pode fazer a diferença? Do ponto de vista prático não. As possibilidades estatísticas de um voto mudar o resultado de uma eleição são próximas de zero. Na teoria pode-se argumentar que se todos pensam assim, então ninguém irá votar, logo um voto fará a diferença. Modelos teóricos a parte, a importância de um voto não se limita a capacidade do mesmo definir um resultado eleitoral. Mas engloba o apoio que determinada ideia tem na sociedade.

Quando votamos em um candidato, outros políticos prestam a atenção nessa votação. Com base nesse resultado muitos decidem apoiar, ou não, determinado conjunto de ideias. Qundo um candidato a favor do porte de armas para civis perde uma eleição, isso não quer dizer que a ideia perdeu a eleição. Se o candidato foi bem votado nas próximas eleições outros se sentirão animados a defender a facilitação do porte de armas.

A real importância de se votar não está em se eleger seu candidato, mas sinalizar para o conjunto de ideias que se quer ver defendidas. Nesse sentido, acho estranho alguns grupos apoiarem o voto nulo. Basicamente o voto nulo sinaliza para o seguinte tema: sou contra a tudo que ai está. Contudo, não sinaliza para um conjunto de ideias que se quer defender. Isso é algo próximo do que ocorreu durante as manifestações de junho do ano passado. Do ponto de vista político, isso tende a favorecer grupos que estejam politicamente mais organizados.

Se você quer um país mais a direita, se quer um país mais liberal e com menos Estado, não adianta votar nulo. A próxima geração de políticos interpretará seu voto nulo como um repúdio a tudo que aí está, mas provavelmente entenderá que você quer algo ainda mais a esquerda (exatamente como ocorreu nos desdobramentos das manifestações de junho).

Não fuja da luta política, não abra mão dessa arena de batalha por medo de votar em Aécio Neves ou em Pastor Everaldo. Talvez eles não te representem, mas certamente Dilma, Lula ou Marina te representam menos ainda. Não deixe de votar em deputados e senadores que defendem ideias mais similares as suas, mesmo que eles não te representem totalmente, pois se você não votar neles outros mais a esquerda ainda vencerão.

Na vida nem sempre podemos optar pelo ótimo. As vezes temos que nos contentar com o bom, ou com o menos pior. Mas um fato é certo: ideias bem votadas serão cada vez mais defendidas por políticos, ideias menos votadas serão gradativamente abandonadas. Tem certeza que quer votar nulo?

Google+ Followers

Share It

Follow by Email