quarta-feira, 15 de agosto de 2007

O óbvio é para poucos

Se não me engano, Einsten costumava dizer que só os gênios reconhecem o óbvio. Impressiona a dificuldade de algumas pessoas em aceitar o que é óbvio. Vamos a uma comparação simples: Coréia do Sul x Coréia do Norte. O que estes países têm em comum e no que diferem? Em comum: o mesmo povo, a mesma cultura, o mesmo estoque de riqueza inicial, ou seja, os países são praticamente os mesmos. Diferença: a Coréia do Sul que é rica é capitalista; a Coréia do Norte que é pobre é comunista. Será isso uma coincidência? Bom, vamos buscar outro exemplo: Alemanha Ocidental x Alemanha Oriental. Entre 1945 e 1990 foram países diferentes. Contudo tinham o mesmo povo, a mesma cultura, o mesmo estoque inicial de riqueza; eram praticamente idênticos (e arruinados pela guerra) em 1945. Depois de 45 anos, a Alemanha Ocidental era rica e capitalista; a Alemanha Oriental pobre e comunista. Precisam de outro exemplo? Ok, mesmo raciocínio para Hong Kong e China. Não existem exceções, toda vez que dividimos um país em 2 partes distintas a parte capitalista torna-se rica e livre; a comunista pobre e sem liberdade.

Em termos de sucesso econômico, desenvolvimento e garantias de liberdade individuais, a evidência empírica é amplamente favorável a economias capitalistas. Em termos de fracasso econômico, genocídios em massa e falta de garantias às liberdades individuais, a evidência empírica é amplamente favorável a economias comunistas. Então por que tantas pessoas querem a implantação de um regime comunista em nosso país? Evidentemente, tal pergunta tem respostas diferentes para grupos diferentes de pessoas. Alguns querem o comunismo pois temem a competição, e a promoção dos melhores e mais capacitados, que está implícita no regime capitalista. Outros, querem o poder. E o poder nunca é tão concentrado em economias de mercado como o é em economias centralmente planejadas. Uma outra razão, é bem mais simples: entender o óbvio é para poucos.

Enquanto o Brasil acreditar que a solução para os problemas econômicos estiver no aumento do tamanho do setor público, ou no aumento do número de funcionários públicos, ou na diminuição da esfera de atuação do setor privado; pouco se fará para se desenvolver este país. Qualquer instituição de pesquisa, que tenha anseios de influenciar POSITIVAMENTE o crescimento e desenvolvimento de nossa nação, deveria se perguntar quais instituições, e quais leis, deveriam ser alteradas e/ou criadas para aproximar nosso país de uma economia capitalista. Infelizmente, o óbvio é para poucos.

11 comentários:

Badger disse...

As cidades na fronteira dos EUA com o México oferecem um outro exemplo, mais próximo do caso Brasileiro. A despeito da cultura e do povo serem os mesmos dos dois lados da fronteira, observamos que do lado americano, capitalista e onde impera o livre mercado, a população é rica e a criminalidade é baixa, enquanto que do lado mexicano, socialista e onde impera a intervenção governamental, a população é pobre e a criminalidade é alta. Isto a despeito do fato de que a posse de armas é liberada do lado americano e altamente regulada do lado mexicano da fronteira! Prova definitiva de que um modelo econômico superior produz resultados superiores independente de cultura e do povo.

Montito disse...

Como certo professor da Católica costumava dizer "o comunismo foi a pior praga que ja existiu na humanidade" muitos admiram mas ninguém quer mudar pra Cuba ou Coréia do Norte!!!

J. Coelho disse...

Adolfo,

Você pergunta "...por que tantas pessoas querem a implantação de um regime comunista em nosso país?". Ora, bolas! Porque na cabeça delas, a liberdade individual expõe suas incopetências (convivo com um monte de gente assim!). Quer um exemplo disso? Um sindicato. Um sindicato nada mais é do que um ajuntamento de fracassados individuais. (Por que será que no Brasil há tantos sindicatos?) Outro exemplo? Os partidos políticos. Já viu algo mais irrelevante do que um político? Quer mais um exemplo? O governo, cuja principal característica é coordenar as ações de sujeitos sem a menor importância individual. Quer algo mais propenso a dominar o indivíduo do que o governo?

Anônimo disse...

Concordo plenamente com as idéias de que comparado aos demais sistemas econômicos existentes somente o capitalismo gera os incentivos corretos para a acumulação de riqueza. Os casos da China, Coréia do Norte e Alemanha Oriental são exemplos cabais deste fato. Quanto ao comentário de que somente os gênios reconhecem o óbvio não sei se Einstein disse tal coisa, mas com certeza Nelson Rodrigues, nosso grande dramaturgo, o fez como atesta Roberto Campos na sua autobiografia.

CW disse...

Caro Adolfo,
Não me considero gênio, mas é fácil perceber que centralizar um conjunto de decisões que deveriam ser tomadas pelo mercado não é eficiente, como mostram os exemplos citados por você, além respaldo da teoria macroeconômica. Contudo, discutir o tamnaho do governo perpassa a questão de mercado e recaí na manutenção das instituições e na credibilidade do próprio governo.
Se o governo tem que crescer, eu não sei. Sei sim que o governo não tem que ocupar o papel do mercado.

Mônica disse...

O Capitalismo é uma forma plausível de promoção do desenvolvimento. Cada um deve se esforçar em prol de suas conquistas e aprender a utilizar da forma mais eficiente os seus recursos escassos, pois é o seu patrimônio que está em jogo. Em contraposição a isso, temos o comunismo - regime no qual tudo é de todos e nada é de ninguém – em que o indivíduo não tem o direito de acumular e usufruir dos frutos oriundos do seu próprio esforço. Isso, ao meu ver não parece justo. Uma sociedade para crescer deve se esforçar e ter acesso aos frutos dos seu trabalho, pois essa é principal motivação para que continue lutando. Essa luta em massa pode favorecer o crescimento nacional e se sustentável pode gerar mais desenvolvimento a uma nação.
Temos criticado tanto as atitudes cubanas, então não queiramos uma vida daquela para o povo brasileiro: Precisamos de mais liberdade e não de sermos mais reprimidos...

Anônimo disse...

Caro Adolfo, fico em duvida sobre o que nos brasileiros efetivamente somos. Será que somos comunistas e não sabíamos?
um abraço
marco bittencourt

XX disse...

Caro marco,
na minha opinião nós brasileiros estamos longe de ser ou entender o comunismo. Somos definitivamente capitalistas e por incrível que pareça muitos de nós tem orgulho de adotar um sistema falido que prova a cada dia a nossa incompetência em sustentar um sistema econômico capaz de gerar tantas riquezas e tanta liberdade... O nosso Brasil é um exemplo disso...a dualidade existente no país é avassaladora... e ainda assim insistem em afirmar que esse é o melhor caminho a ser seguido. Será mesmo? É... realmente é óbvio para poucos...

Anônimo disse...

marco versus xx

Eu constato que a liberdade no Brasil é tênue. Pergunte, se há liberdade politica? Eu digo, não. PErgunte se há liberdade econômica, eu digo não. É claro não somos comunistas, mas muito menos capitalistas. O Problema no Brasil é estritamente político e não se somos A ou B. O que de fato não existe aqui é uma economia de mercado funcionando. A economia de mercado no Brasil só vale para os padeiros, para os flanelinhas, etc.

Cláudio disse...

O brasileiro é capitalista que não gosta da meritocracia. Por isso cai na conversa dos comunistas.

alessandra disse...

Caro Adolfo, acho que alguns políticos são comunistas, alías algumas políticas e leis são...mas eu também gostaria de saber qual a solução em termos de eficiência dos nossos problemas econômicos...acho que o Brasil não acredita mas em si, achava que os "ns" economistas do nosso país tivesse a fomúla do sucesso do Brasil no Capitalismo rrssss!

alessandra

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email