terça-feira, 20 de novembro de 2007

Por que as Escolas Brasileiras são tão Ruins? Ou Catch 22 (Ardil 22)

No Brasil, apenas 5% dos alunos que terminam o segundo grau possuem os conhecimentos que deveriam possuir em língua portuguesa. Essa porcentagem cai para 4% quando refere-se ao conhecimento dos alunos sobre matemática. Em resumo, os alunos terminam o segundo grau com conhecimentos insatisfatórios em português e matemática. Em comparações internacionais, o Brasil ocupa rotineiramente a última, penúltima ou ante-penúltima colocação em exames de matemática e ciências. Por que as escolas brasileiras são tão ruins?

Muitos irão argumentar que os dois grandes vilões são: a péssima infra-estrutura das escolas e o baixo salário dos professores. Contudo, isso não explica porque países mais pobres que o Brasil (pagando piores salários a seus professores e com infra-estrutura similar a brasileira) se saem melhor que nosso país em comparações internacionais. Sou de opinião que o problema das escolas brasileiras é outro. O problema é que as escolas brasileiras pararam de ensinar matérias e começaram a ensinar doutrinas. Vamos ao exemplo mais óbvio: geografia. No passado, estudar geografia significava estudar mapas, bacias hidrográficas, clima, vegetação, etc. Hoje parece que o estudo de geografia está muito mais centrado em geografia política. Não é de se admirar que a grande maioria dos brasileiros não consegue localizar o Brasil no mapa Mundi. Isso tem acontecido com todas as matérias. A idéia agora não é formar alunos, a idéia é formar cidadãos. O custo dessa política é que deixamos de formar alunos e passamos a formar pessoas com forte viés ideológico. O péssimo desempenho dos estudantes brasileiros em testes internacionais é apenas um reflexo dessa política educacional.

Outro problema grave das escolas brasileiras é a hipocrisia. Os alunos mal sabem falar português, mas queremos que eles aprendam outro idioma. Os alunos não sabem matemática ou história, mas os formuladores de políticas educacionais não param de incluir novas matérias nos currículos escolares. Seria muito mais razoável restringir o curriculo a um pequeno número de matérias – tipo português, matemática e ciências -, e deixar outras disciplinas como opcionais. Claro que isso tem um custo, mas creio que o custo maior é a formação de alunos que mal sabem escrever ou somar 2 + 2.

Outro problemas sério é que no Brasil a maior parte das escolas privadas têm como principal objetivo preparar um aluno para o vestibular. Isso dá um poder gigantesco às instituições que elaboram e corrigem o vestibular. Afinal, como uma escola particular pode adotar livros que ensinam que as respostas fornecidas por tais instituições estão erradas? Assim, as próprias escolas privadas são obrigadas a ensinar de maneira incorreta para garantir a aprovação de seus alunos no vestibular. Este é o famoso Catch 22: se as escolas privadas ensinam certo, elas estão erradas. Se ensinam errado, então estão certas.

4 comentários:

Anônimo disse...

acho que o problema e outro. O Brasil e um pais cartorial. Obviamente ha excecoes, mas em geral mais vale um bom padrinho do que anos de estudo. Se os incentivos sao esses, nao e de se admirar que o aluno nao se aplique e nao queira aprender mesmo. Se o papai tem dinheiro, o rapaz nao precisa estudar pois tudo se arranja. Se o aluno nao tem costas-quente, em geral acontece um das duas coisas a seguir: (1) o sujeito rala pra caramba e vai ate onde da em uma empreitada de risco e coragem (essa e a minoria) ou (2) o sujeito deixa pra la e vai curtir outros prazeres, tentando sempre e claro fazer amizade com os que tem grana. A questao da ideologia existe mesmo, mas e consequencia dos incentivos que descrevi, nao a origem.

Anônimo disse...

Em uma sociedade onde o setor público é idolatrado, não se pode esperar mais nada. Os estudantes terminam o ensino médio de qualquer jeito depois passam 2 anos estudando para concursos e pronto.
Como ninguém pensa em enfrentar o mercado então o ensino brasileiro está ótimo para a mediucridade do funcionalismo público!!!

Leonardo Monasterio disse...

Adolfo,

A escola brasileira eh tao ruim que nem serve para doutrinar. Se o problema fosse doutrinacao apenas, os brazucas nao iriam mal tb nas outras materias. Veja que mesmo na Russia de Stalin (ou na Cuba de Fidel) os moleques aprendiam Matematica para valer! Para doutrinar, eh necessario ter o professor me sala de aula, ensinando. Isso nao acontece no Brasil.

Acho que o Anonimo estah certo quanto a escolas privadas. Jah as escolas publicas sao ruins pelo mesmo motivo que as ruas dos bairros de periferia nao sao calcadas: a conhecida incompetencia do Estado brasileiro , especialmente para os pobres.

Consultora Educacional disse...

Gosto muito dos artigos de ótima qualidade do seu Blog. Quando for possível dá uma passadinha para ver nosso Curso de Ingles. Melissa
[

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email