quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Quanto custa ser otário no Brasil?

Ser otário nunca é bom, em lugar algum do mundo um otário está isento de custos. Na civilização existem regras que são respeitadas, e elas costumam diminuir o peso da idiotice. Contudo, em países selvagens, o pobre otário não tem escapatória: não só é depenado pelo setor privado (que geralmente não enfrenta concorrência), mas também é escandalosamente roubado pelo setor público. Não, eu não estou dizendo que o otário é depenado pelos altos impostos. Estou dizendo que na selva o setor público rouba mesmo.

Vamos analisar o caso brasileiro. Há alguns anos atrás o Brasil aprovou uma lei obrigando que todo veículo fosse equipado com um kit de primeiros socorros. Nesse momento os otários, pensando que o governo fosse sério, compraram os tais kits (que custavam em média 10 reais). Outros, mais otários ainda, usaram suas economias para montar empresas que forneceriam os kits. Já os “espertos” nada fizeram.... dito e feito, em menos de 1 semana a lei foi revogada e azar dos otários que gastaram seu dinheiro. Pensam que isso é coisa do passado? Bom, no começo desse ano entrou em vigor uma lei que obriga os motoqueiros a usarem um tipo diferente de capacete. Os otários gastaram dinheiro comprando novos capacetes, ou adaptando seus capacetes antigos à nova lei. Já os “espertos” nada fizeram... dito e feito, o governo já mandou anistiar TODOS que foram multados por não usar o capacete adequado, e anunciou um novo prazo para que os motoqueiros sigam a nova regra....

Mas no Brasil não basta ser roubado pelo governo federal, os governos estaduais e municipais também querem sua parte. Aqui em Brasília, há alguns anos atrás foi aprovada uma lei que cobrava uma tal de “taxa de bombeiro” (custava 40 reais) a ser paga junto com o IPTU. Os otários (eu incluso) pagaram a taxa. Já os “espertos” nada fizeram.... dito e feito, em menos de 1 semana a lei foi revogada.... o governo disse que quem pagou seria reembolsado. Eu ainda não recebi nada de volta. Mas isso não é coisa do passado. Nesse ano, o governo estadual não deu descontos para quem pagou o IPTU adiantado. Os otários (eu sempre nessa turma) pagaram o IPTU em dia. Depois de 1 semana o governo do estado anunciou um desconto de 5% para os que pagarem adiantado (e deu novo prazo para o pagamento). Mais do que isso, alguns imóveis estão tendo seu IPTU reajustado para baixo!!! Claro que você só usará essas vantagens se você for do grupo dos “espertos”. Para o grupo dos otários (aqueles que já pagaram o IPTU), o governo estadual está dizendo que enviará uma carta pelo correio explicando como ser reembolsado....

Já dizia o filósofo Bezerra da Silva “enquanto houver otário no mundo, malandro não morre de fome”. Mas aqui no Brasil a competição por otários é uma disputa séria entre governo e iniciativa privada.

3 comentários:

Anônimo disse...

Pois bem, vamos a um terceiro caso.
De uns tempos para cá, a Confederação Nacional de Agricultura passou a cobrar imposto sindical de todos os proprietários rurais. Provavelmente, em bases proporcionais às áreas ou aos valores dos imóveis, quem sabe? Pode ter havido quem depositou e quem não depositou.
Ora, não estabelece a Constituição que a associação sindical é livre? Por que, então, mais o ônus unilateral, não contratado?
O que se sabe é que a cobrança foi suspensa. Será que descobriram a inconstitucionalidade ou já obtiveram arrecadação suficiente para os devidos fins?

Anônimo disse...

ALÔ Adolfo, eu como economista discordo completamente sobre a afirmação de que enquanto tiver otário no mundo ...... Somos economistas. A resposta é econômica. Não existe otário no mundo. O que temos são restrições diferentes. Toda e qualquer reação tem custo. Por falar nisso, tratei desse assunto no livro que você está editando.
um abraço
marco b

Fabio disse...

Somos otários porque achamos que, sem regras claras, podemos levar vantagem. Por isso pedimos a Deus "um pouco de malandragem". Mas malandro mesmo, no Brasil, muito mais do que um ou outro indivíduo, é o próprio Estado: aplica sem dó a estratégia "em cima do muro" para acumular tamanho e poder. Veja a questão da propriedade: ao mesmo tempo que não expulsa de forma imediata invasores tipo MST, não "regulariza" a posse milhões de imóveis. Veja a questão das drogas: foram praticamente descriminalizadas para o usuário, mas continuam formalmente ilegais. Veja a questão das vans "irregulares" (acho que poderíamos buscar muitos exemplos). A estratégia do Estado de ficar em cima do muro tem o propósito diabólico de fazer de todos nós, indivíduos, otários irregulares e subjugados.

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email