terça-feira, 8 de abril de 2008

China, Brasil e Charlton Heston

O Brasil mais uma vez brilha na diplomacia mundial. Dessa vez, a China agradece o apoio que o Brasil tem demonstrado na questão tibetana. Enquanto todo o mundo civilizado se espanta com a violência chinesa no Tibet, a selva brasileira diz ser favorável a “uma só China”. Quando a China invadir Taiwan, parece que o Itamaraty será o primeira a endossar mais esse atentado contra a liberdade promovido pelo governo “popular” da China. Engraçado, já notaram que toda republiqueta ditatorial e comunista tem no seu nome a palavra “popular” ou então “democrática”? Parece que esse é o conceito comunista de democracia.... se está no nome do pais, então deve ser verdade....

Aos mais incrédulos, aqui vai o link da matéria: Itamaraty, por que não te cala?

Nada mais justo do que relembrar o grande ator, e fervoroso defensor da liberdade individual, Charlton Heston. Heston atuou em filmes memoráveis como Ben Hur, Os Dez Mandamentos e El Cid. Mas, em minha opinião, o seu grande filme foi O Planeta dos Macacos. A cena final do filme é um alerta sobre o perigo de se dar muito poder aos governos, e sobre a necessidade de atenção dos indivíduos para limitar SEMPRE o poder do Estado.

Logo após o incidente de Columbine (quando dois garotos executaram a sangue frio vários estudantes), havia um consenso na mídia de que tudo aquilo aconteceu porque não havia restrições a compra de armas nos Estados Unidos. Heston veio a público dizer justamente o contrário: para ele o incidente só havia acontecido porque só os assassinos portavam armas. Se o acesso a armas fosse generalizado, assassinos nunca teriam a chance de matar tantas pessoas. Afinal, seriam rapidamente contidos por outros cidadãos armados.

Você não tem que concordar com Charlton Heston, mas lembre-se de que se o Estado tem um tanque de guerra, você só tem duas maneiras de se proteger: a) garantir, mantendo o Estado pequeno, que ele nunca usará o tanque contra você; ou b) comprar uma bazuca. Se o Estado insistir em aumentar de tamanho, então é direito de todo cidadão ter uma bazuca em casa. Afinal, alguém tem que protegê-lo do Estado. Ainda mais, um Estado que apóia as FARC e a INVASÃO chinesa do Tibet.

4 comentários:

Badger disse...

Falou e disse Adolfo!

Anônimo disse...

O problema de não termos tanques é que o vizinho pode se aproveitar e mandar bala na gente. Enquanto estivermos sob o domínio do conceito país, armas serão necessárias. Mas eu quero ter a minha.
Um abraço
Marco B

Anônimo disse...

O que devemos esperar de um governo, na questão diplomática, que vê as instalações de uma das suas empresas no exterior ser invadida pelo exercito e não faz nada. Só podemos esperar esse tipo de opinião mesmo, como mostrado na reportagem. Isso não me surpreende em nada. O que me dá mais nojo é saber que os petistas que convivem no nosso meio ficarem todos com o rabo entre as pernas e não dá a cara a tapa. Vamos debater petistas, mostrem seus pontos de vista, ou será que na próxima eleição vocês vão continuar mentindo dizendo que criaram o Bolsa Família para manipular as classe mais pobres? Não defendo a nenhuma bandeira partidária, mas aceitar o que este governo está fazendo com nosso país, ai é de mais pra mim.
RODRIGO
Aluno UCB

Nilo disse...

Mais uma vez o Brasil indo contra o bom senso!

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email