quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Reflexões sobre a Crise III: O Efeito Manada e a Irracionalidade dos Mercados

Nessas últimas semanas temos ouvido muito os analistas reclamarem da irracionalidade dos mercados. Afirmam eles que o sobe e desce nas bolsas de valores não é racional, mas sim resultado de um efeito de manada. Isto é, basta um grande investidor começar a vender (ou comprar) que todos os demais o seguem. Tal comportamento gera enorme instabilidade nas bolsas de valores.

Na minha modesta opinião quem é louco rasga dinheiro, se não rasga dinheiro então é porque não é louco. Até o momento não vi ninguém rasgar dinheiro, sendo assim não posso concordar que falte racionalidade ao mercado. Aliás, o único que eu vi rasgar dinheiro até o momento é o governo, então este sim pode ser o louco. Mas acreditar que alguém que comanda um fundo de 1 bilhão de dólares é louco não me parece razoável.

O sobe e desce das bolsas de valores tem outra explicação muito mais razoável: especulação aliada à necessidade de se saldar posições previamente assumidas. Acontece que muitas empresas sofreram prejuízos razoáveis na bolsa americana. Com isso elas precisam vender suas posições em outras partes do mundo para saldarem suas dívidas. Quando um número grande de empresas vende suas posições é natural que o preço das ações caiam. Sabendo que várias empresas precisam saldar suas posições num curto espaço de tempo, o especulador faz uso dessa informação para lucrar mais. Grandes especuladores apenas se retiram do mercado por um período curto de tempo para forçar a queda de preço das ações, quando estas caem eles entram comprando. Note que tal comportamento replica muito bem o sobe e desce atual das bolsas de valores.

Um detalhe importante e que não pode passar despercebido é o papel fundamental assumido pelo Estado para AGRAVAR essa situação. Se as empresas tivessem CERTEZA de que o governo não iria intervir no mercado, elas iriam vender suas posições aos poucos (justamente para evitar a pressão dos especuladores). Vendendo suas posições aos poucos as empresas não evitariam prejuízos, mas evitariam o desespero de ter que vender tudo de última hora. Isso geraria uma queda suave no mercado de ações. Pelo lado do especulador, este saberia que caso se ausentasse do mercado não teria muito a ganhar. Afinal, as empresas agora podem esperar mais e não estão mais esperando até o último minuto para vender suas posições. CONTUDO, quando o governo sinaliza que irá intervir na economia várias empresas param de vender suas posições. Elas agora aguardam até o último momento na esperança de receber ajuda do governo. Quando a ajuda do governo não aparece tais empresas são obrigadas a agir de última hora e temos então as grandes quedas da bolsa. Quedas essas que se transformam em grandes altas nos dias seguintes, quando os especuladores tomam vantagem de sua posição.

Em resumo, basta o governo parar de ajudar, ou de tentar ajudar, as empresas ineficientes que rapidamente esse sobe e desce das bolsas desaparecerá. É a perspectiva da ajuda governamental, e não o efeito manada, o responsável pela instabilidade atual dos mercados. Isto é, o mercado NADA TEM DE IRRACIONAL. Irracional é a atitude do governo.

5 comentários:

Pedro H. Albuquerque disse...

Bom resumo da ópera Adolfo!

Anônimo disse...

Gostei do post professor. Porém, talvez o mercado raciocine de maneira análoga ao sentido inverso do seu raciocínio.

Anônimo disse...

Companheiro Adolfo,

Fundos e Tesourarias muitas vezes agem de forma irracional devido a um mecanismo chamado stop loss. O Fundo ou Tesouraria é OBRIGADO a vender um determinado ativo de sua carteira após atingir um determinado nivel de perda, a qualquer preço. Logo, em alguns momentos quando seria um bom momento de entrada, vemos o mercado vendendo mais e a qualquer preço. Aí se diz que o mercado "stopou". Isso tem acontecido com MUITA frequencia nos ultimos dias.

Vender quando seria bom comprar é irracional, ou nao é?

Anônimo disse...

Alo Adolfo, estamos vendo que a crise é grave. Os especuladores em manada estão a pular em cima do governo. Vemos claramente que existem acordos feitos nas calandras empresariais e estão sendo rigorosamente cumpridos. Dão nomes esquisitos a essa mutreta sem fim, tal como swap cambial com ou sem reverso, câmbio para exportador e por ai vai. O fato é que esse governo que tinha evitado os pacotes não teve outra alternativa a não ser cumprir os seus contratos marotos. Como vimos, eles pensam que a política monetária é neutra: podem imprimir moeda à beça que não tem importância. Veremos nossas economias irem pelo ralo e nossos salários idem. Se querem bagunçar o capitalismo, vamos logo pra estatização geral, começando pelos bancos.
um abraço
Marco B

lelê disse...

Olá!

Todos acham que o governo é como um pai que socorre o filho quando esse está em apuros, e toda vez o pai socorre, porque é pai. Mas quando quer disciplinar o pai não ajuda e sim disciplina. O mesmo digo com relação ao governo, a disciplina seria negar ajuda e não doar dinheiro, e o retorno disso cadê? Não estou vendo, e sim observando trilhões indo para bancos que não estou repassando para a população. Não admira que o cineasta Michael Moore tenha dito que o plano de socorro aos bancos é o roubo do século. Engraço que não aparece trilhões para a cura da AIDS, para a metástase do câncer, para ajudar o desenvolvimento tecnológico da África...
Alessandra Santos

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email