quarta-feira, 30 de abril de 2008

Viva a PETROBRAS !!!

O Brasil é auto-suficiente em petróleo, obrigado PETROBRAS.
A PETROBRAS é líder mundial em exploração de petróleo em águas profundas, parabéns!!!
Ops... será que alguém se lembrou de perguntar: quanto custa isso? Para os que gostam da PETROBRAS aí vai uma informação: nos Estados Unidos a gasolina atingiu hoje seu preço mais alto na história, custando em média 3,6 dólares por galão. Um galão tem aproximadamente 3,8 litros. Assim, grosso modo, a gasolina americana custa 1 dólar o litro. O dólar está cotado ABAIXO de 1,70 reais. Ou seja, a gasolina MAIS CARA da história nos Estados Unidos é uma verdadeira pechincha quando comparada aos 2,70 reais/litro da gasolina brasileira. É verdade que a gasolina brasileira, tal como tudo no Brasil, paga um montande absurdo de impostos. Mas mesmo assim, esta breve comparação ilustra bem o custo da estatal brasileira.

Se a PETROBRAS é tão eficiente, e competitiva, como afirmam seus admiradores, então por que a mesma precisa estar associada ao Estado? Está na hora de nos livrarmos dessa empresa. Está na hora de terminarmos com a “boquinha” das centenas de políticos empregados nessa estatal. Está na hora de acabarmos com as mamatas que outros tantos políticos recebem dessa estatal. Uma empresa estatal de petróleo só interessa aos que participam desse conchavo. PRIVATIZAÇÃO JÁ!!!! QUE A PETROBRAS SIGA SEU CAMINHO COMO EMPRESA PRIVADA.

terça-feira, 29 de abril de 2008

Brasil Telecom, Oi e o gol contra da PUC-Rio

Não bastasse o absurdo que representa a fusão da Brasil Telecom com a Oi ainda temos que ouvir “especialistas” falando besteira. Vamos aos fatos:
1) O governo federal está mudando as regras do jogo APENAS para tornar essa fusão legalmente possível;
2) O governo vai financiar, pelo BNDES, parte dessa transação;
3) Fundos de pensão estatal também devem participar da jogada;
4) O setor de telecomunicações que já é razoavelmente concentrado vai ficar ainda mais concentrado.

Enfim, num país minimamente civilizado já teria gente perdendo o emprego por essa afronta às leis do país. Mas aqui parece correr tudo as mil maravilhas. Pior, aparece um professor da PUC-Rio dizendo, num programa televisivo nacional, que tal fusão pode favorecer o consumidor!!!! É o fim da picada. Eu não lembro do nome do professor, mas não creio que ele fosse do departamento de economia (que é certamente um dos melhores do país). Mas uma dica: em termos teóricos quase tudo é possível. Uma pessoa pode cair de um penhasco e sair ilesa, outra pode levar 6 tiros e continuar viva. Em termos teóricos isso é possível, mas não provável. Em termos teóricos, é possível que a REDUÇÃO do número de firmas melhore a qualidade do atendimento, mas na prática uma redução na competição leva mesmo é a uma redução na qualidade dos serviços ou a um aumento nos preços.

Reduzir a competição no setor de telecomunicações não parece ser um movimento isolado por parte do governo federal. No setor de petróleo o movimento parece ser similar, com a PETROBRAS comprando empresas privadas e concentrando ainda mais o setor. Parece que o governo atual quer reverter as privatizações ocorridas no passado. Afinal, tão logo exista apenas uma empresa no setor, bastará ao governo estatizá-la e teremos de volta as grandes estatais do passado. Para os que não se lembram, essas “pérolas” estatais do passado eram carinhosamente chamadas de ELEFANTES BRANCOS.

domingo, 27 de abril de 2008

Por que acreditar que alguém que ganha 100 mil/ano pode ser mais esperto que outro que ganha 1 milhão/ano NA MESMA PROFISSÃO?

No fundo essa é a crença de todo indivíduo que acredita no sucesso da intervenção governamental: acreditar que um regulador, que ganha 100 mil/ano, é mais esperto (e pode se antecipar) que um especulador que NA MESMA PROFISSÃO, mas trabalhando no setor privado, faz 10 vezes mais por ano.

Claro que existem exceções, claro que existem pessoas extremamente capazes trabalhando no setor público. Talvez até a média de habilidade dos servidores públicos seja maior que a média de habilidades de seus pares no setor privado. Contudo, no que tange à regulação não estamos nos referindo a média dos trabalhadores, mas sim ao topo dos executivos e dos funcionários públicos. Nessa sub-amostra, que inclui apenas o topo da distribuição de habilidades, parece ser pouco provável assumir que a média de habilidades dos servidores públicos seja maior que a dos executivos trabalhando no setor privado. O motivo é simples: a diferença salarial entre eles é gigantesca, não parece correto assumir que o mercado pagaria tanto a mais para ficar com os menos capazes.

Assim, toda vez que você defender a intervenção do setor público lembre-se de que o setor privado, cedo ou tarde, conseguirá burlar a regra e tirar proveito dela. Pior: as grandes corporações, capazes de contratar os melhores profissionais, estará sendo BENEFICIADA pela regulação. Uma vez que podem se ajustar mais rapidamente à regulaçao que as pequenas empresas, que não possuem os profissinais necessários para tanto. Dessa maneira, o efeito prático de QUASE toda regulação governamental é diminuir a competição e favorecer as grandes empresas.

Esse post tem um endereço: a idéia dos Bancos Centrais de aumentarem a regulação no setor bancário. Esse blog é CONTRA tal idéia. Ela apenas REDUZIRÁ a competição entre os bancos, piorando a situação de toda a sociedade. E o que será pior: com menos bancos, teremos bancos necessariamente maiores, ou seja, os problemas potenciais de um banco serão cada vez mais onerosos para a sociedade, implicando que o governo irá no futuro ajudá-los em caso de crise. Tal procedimento apenas aumentará o custo das crises bancárias. O melhor mesmo é aumentar a competição entre os bancos, diminuindo o tamanho dos mesmos e tornando as crises bancárias muito mais restritas e menos onerosas.

sexta-feira, 25 de abril de 2008

Press Release do Livro

Por que alguns países são tão ricos enquanto outros são tão pobres? Economistas, filósofos, cientistas e políticos têm se debatido sobre essa questão com afinco, mas uma resposta definitiva parece não estar próxima. O objetivo desse livro é analisar uma série de variáveis, que comumente são associadas ao crescimento econômico, e verificar se tais variáveis efetivamente promovem a riqueza de um país. Neste livro, estudaremos os efeitos da educação, do empreendedorismo, da infra-estrutura, da presença de instituições estáveis, da taxa de inflação, da abundância de riquezas naturais, da globalização, da corrupção, da poupança interna e da estrutura tributária sobre a riqueza, e a taxa de crescimento, de um país. Quais dessas variáveis realmente importam para a prosperidade econômica de uma nação? Responder a essa pergunta é o objetivo desse livro.

Esse livro pode ser usado então por uma gama muito ampla de profissionais: 1) formuladores de políticas públicas interessados em maneiras de promover o crescimento econômico; 2) estudantes de economia e áreas afins que buscam um maior conhecimento sobre o processo de crescimento econômico; 3) jornalistas econômicos e comentaristas internacionais em busca de subsídios para suas matérias; 4) acadêmicos e pesquisadores que estudam teorias de crescimento econômico; 5) partidos políticos que buscam aprimorar seus programas de governo; 6) empresários em busca de oportunidades de negócio ao redor do mundo; e 7) pessoas comuns, interessadas apenas em entender sobre maneiras de se promover o crescimento de uma nação.

quinta-feira, 24 de abril de 2008

Convite para o Lançamento do Livro



Estão todos convidados ao lançamento do livro "Fatores Determinantes da Riqueza de uma Nação". Haverá um coquetel no dia 07 de maio, quarta-feira, às 19:30 horas na Livraria Leitura do Patio Brasil para celebrar o evento. Teremos também uma breve palestra de 15 minutos na ocasião, ressaltando a importância do livro e suas implicações para a realidade brasileira.

Aguardo vocês.

Capa do Livro



O livro já está a venda nas livrarias, ao preço de R$ 27 você terá acesso a algumas surpresas referentes a origem da riqueza das nações.

O livro foi editado pela interciência e, em Brasília, está a venda na Livraria Leitura.

terça-feira, 22 de abril de 2008

ONG’s: mais uma vez o governo vai na direção errada

Já dizia o velho filósofo que: “ONG demais não cheira bem”. A idéia básica de uma Organização Não-Governamental (ONG) é muito similar à caridade. Isto é, a sociedade observa um problema e a própria sociedade tenta solucioná-lo sem a ajuda do governo. Perfeito, nenhum problema nisso. Aliás, é típico de economias de mercado gerarem organizações sem fins lucrativos para ajudarem os mais necessitados: a Cruz Vermelha é um exemplo claro disso. O problema é que no Brasil nós não temos tanto trabalho voluntário assim. Em palavras, o brasileiro não parece ser um povo tão caridoso para justificar a existência de tantas ONG’s por aqui.

A explicação mais paupável para a existência de tantas ONG’s no Brasil é a malandragem pura e simples. As ONG’s não precisam se submeter a uma série de procedimentos que são exigidos de outras empresas (tipo não precisarem participar de licitação pública). Assim, abre-se uma brecha jurídica enorme para todo tipo de irregularidades. Por exemplo, o Ministério das Cidades funciona à base de ONG’s, basta investigarem e aposto que aparece coisa errada por lá.

Atualmente as ONG’s estão sofrendo uma JUSTIFICADA crise de credibilidade. Afinal, se duvidar, é capaz de existirem mais ONG’s para cuidarem de crianças de rua no Rio de Janeiro do que crianças de rua propriamente ditas. Parece evidente que tem algo errado nesse mercado. Para tentar moralizar, e disciplinar, as ONG’s o governo, como de praxe, vai no caminho errado. A idéia do governo é AUMENTAR a fiscalização e a regulamentação das ONG’s. Mas por que o governo quer regulamentar a CARIDADE? Afinal, esse é o papel das Organizações NÃO-Governamentais. Ao invés de fiscalizar, e regulamentar, o Estado deveria apenas NÃO DAR DINHEIRO para as ONG’s. Afinal, se elas não estão no governo, não disputam licitação, não pagam uma série de impostos, e fazem questão de dizer que não são o governo, então por que querem receber dinheiro do governo?

Existem ONG’s que fazem trabalhos sérios, outras não. Isso não vem ao caso aqui, caridade é uma decisão pessoal, que não envolve governo. Assim, o melhor mesmo é que a caridade seja PRIVADA, ou seja, SEM recursos públicos. Tentar normatizar uma ONG, para que a mesma possa receber dinheiro do governo, é o mesmo que transformá-la numa repartição pública. O Brasil já está cheio de repartições públicas, não precisamos de outras delas.

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Uma homenagem a Dith Pran

Ele morreu e ninguém no Brasil ficou sabendo. Acabei de ver a noticia de sua morte na Revista Veja. Para os que não sabem, Dith Pran foi o fotógrafo que inspirou o filme “Os Gritos do Silêncio”. Pran fotografou as barbaries comunistas cometidas no Camboja quando da tomada de poder pelo Khmer Vermelho. Essa ONG pacifista conhecida como Khmer Vermelho EXECUTOU 1 milhão de cambojanos. Números esses somente comparáveis em escala a outras repúblicas democráticas e populares tipo a Chinesa. Independentemente de ideologias, esse é o resultado prático das idéias comunistas: em tempos de paz, executa 1 milhão de seus próprios cidadãos.

Dith Pran presenciou, fotografou e denunciou o extermínio de seus cidadãos. Foi preso e enviado para trabalhar nos campos de cultivo cambojanos, carinhosamente conhecidos como “campos da morte”. Ficou preso por 4 anos até conseguir fugir para o grande satã Estados Unidos, onde foi recebido com o prêmio Pulitzer e trabalhou até o fim de sua vida. Um quarto da população cambojana não teve a mesma sorte, morreu de fome trabalhando nos campos da morte. Em termos proporcionais, isso equivale a matar de fome 50 milhões de brasileiros. Esse é o sonho do MST, da FARC e de outors movimentos subversivos, impor a sua miséria sobre todo o resto da população. Assim, antes de dormir cabe a pergunta: por que o PT, por que o PSDB, por que TODOS os partidos de esquerda do Brasil apoiam o MST? Será que o exemplo cambojano não serviu de lição? Será que o trabalho de Dith Pran não nos ensinou nada?

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Novo Livro de Macroeconomia



Na foto acima eu apareco ao centro, entre os autores Sergio Gadelha e Geraldo Goes. Eles acabaram de lancar o EXCELENTE livro: Macroeconomia para Concursos e Exame da Anpec, vol.1. Esse livro eh leitura OBRIGATORIA para todos que pretendem fazer o exame da ANPEC (pos-graduacao em economia). Alem disso, o livro tambem tem forte foco na preparacao de alunos para concursos publicos que requeiram conhecimentos em macroeconomia.

Conheco pessoalmente os autores, e tenho muito orgulho de te-los no meu rol de amizades. Ambos sao muito bem preparados tecnicamente e possuem ampla experiencia ministrando aulas para concursos. Esse livro vai virar referencia para concursos publicos.

Fotos do Encontro Liberal em Goiania - 4



Momento de descontracao ao final do Encontro.

Fotos do Encontro Liberal em Goiania - 3



Nao eh uma batalha facil, mas eh possivel preparar o terreno para que no futuro as ideias liberais se estabelecam no Brasil. O auditorio lotado, com 60 participantes entre alunos, professores e profissionais liberais, prova que com trabalho duro e persistencia podemos vencer.

Fotos do Encontro Liberal em Goiania - 2



Os participantes do seminario discutiram ativamente sobre a importancia de se preservar a liberdade individual.

Fotos do Encontro Liberal em Goiania - 1



Fabio G. Franco durante sua palestra sobre Liberdade e Tamanho do Estado

terça-feira, 15 de abril de 2008

Juros e Inflação

Hoje o COPOM decide se aumenta a taxa de juros ou não. Se tivesse que apostar, apostaria que o COPOM vai elevar a taxa de juros em 0,25 pontos percentuais. Acredito ser essa uma decisão equivocada.

Tal como esse blog previu no ANO PASSADO, a inflação brasileira nesse ano iria aumentar. Motivo: o PAC, programa de aceleração do crescimento, promovido pelo PRÓPRIO governo brasileiro iria puxar a demanda agregada para cima e gerar inflação. Ou seja, a inflação brasileira esta sendo gerada pelo PRÓPRIO governo brasileiro. Ao invés de aumentar os juros, o governo federal deveria CORTAR gastos.

Aumentar os juros agora irá pressionar ainda mais as contas públicas. Isto é, a dívida pública irá aumentar tanto pelo fato do Estado brasileiro estar gastando mais como também por estar tendo que se financiar a uma taxa de juros mais elevada.

Entenderam a participação do Estado? Ele cria um programa para “ajudar” o crescimento, só que para isso ele pressiona a inflação para cima. Para reduzir a inflação o Estado aumenta os juros, o que afeta negativamente o investimento privado. No final do processo teremos mais investimentos públicos e menos investimentos privados. Ou seja, teremos mais Estado e menos iniciativa privada. Aí esta mais uma contribuição do Estado para seu bem-estar.

Por que alguns chineses são tão maus?

Impressiona a maldade de alguns chineses. Notem que vários chineses que FUGIRAM da China não querem dar o mesmo direito aos tibetanos.

Vários chineses ao redor do mundo têm aparecido na televisão com cartazes a favor do governo chinês e contra o Tibet. Ou seja, desejam para os outros o que eles não querem para eles mesmos. A grande maioria dos chineses que vive fora da China simplesmente FUGIU do Estado Chinês. Eles não pensam, e nem querem, voltar para a China, mas não aceitam que outros possam viver em sua terra natal com liberdade.

Note que não é o caso da China estar sendo invadida, nem o caso de um golpe de Estado para implementar a ditadura na China. Nada disso, os tibetanos apenas querem SE LIVRAR da escravidão imposta pelo governo POPULAR (comunista) da China. Por que alguém que fugiu do regime chinês seria contra o desejo de outras pessoas se libertarem de tal regime? Só tem uma explicação para isso: maldade pura.

segunda-feira, 14 de abril de 2008

Sucesso em Goiânia

Meus Caros,

Muito obrigado pelo apoio ao 2o. Encontro de Pensadores Liberais que ocorreu sábado passado em Goiânia. O evento foi um sucesso de público.

Em especial, quero agradecer a Thais, Cinthia e Luciana, que organizaram de forma exemplar esse Encontro. Meu muito obrigado também ao Fabio Guimaraes Franco que proferiu a palestra sobre Hayek e ao CORECON-GO que cedeu suas instalações. Agradeço também aos amigos de Brasília que se deslocaram até Goiânia para presenciarem o evento. Por fim, um grande abraço a todos que participaram do Encontro, foi um grande prazer ter tido essa chance de interagir com vocês.

Esse Encontro em Goiânia é mais uma prova de que o liberalismo ainda vive no Brasil. Claro que a maior parte das pessoas nem sabe que é liberal, mas tão logo compreendem as idéias liberais se apegam a elas. A luta ainda é grande e longa, mas aos poucos, dia após dia, estamos conquistando espaço. A lógica liberal é implacável: onde quer que o liberalismo tenha sido implementado gerou-se riqueza e liberdade.

Obrigado, e vamos nos preparar para o próximo Encontro de Liberais.

sábado, 12 de abril de 2008

Discurso de Abertura do 2º Encontro de Pensadores Liberais: Defender o Liberalismo não é uma Tarefa Fácil

Defender as doutrinas liberais não é tarefa fácil. Não porque o liberalismo não de provas suficientes de seu sucesso tanto econômico como humanitário, mas simplesmente porque economia é uma ciência extremamente difícil. Poucos são capazes de entender as sutilezas do mecanismo de incentivo que rege a economia: a vontade de melhorar de vida. Todos queremos melhorar de vida, mas poucos compreendem que essa vontade reage a incentivos que se determinados de maneira incorreta atrapalham e afetam negativamente não só a atividade econômica, mas também o bem-estar de toda a sociedade. Einsten costumava dizer que se tivesse uma segunda vida iria estudar economia, pois nada era tão desafiador e difícil quanto a ciência econômica.

Agisse o mercado na presença de um Estado pequeno e nosso bem-estar seria muito maior. Contudo, o Estado tenta constantemente aumentar o seu poder. Para tanto o Estado usa de um artifício simples, porém eficaz: o Estado cria dificuldades na sociedade para que a própria sociedade peça mais intervenção estatal. Por exemplo, numa economia aberta, e sujeita a muita competição, o poder dos empresários sobre os trabalhadores seria limitado. Os empresários seriam obrigados a pagar aos trabalhadores sua produtividade marginal, sob pena dos melhores trabalhadores irem ofertar seu trabalho em outras empresas que estariam dispostas a pagar mais para eles. O que faz então o Estado? O Estado tenta de todas as maneiras LIMITAR a competição – seja criando entraves burocráticos para a abertura de novas empresas, ou elevando os impostos, ou ainda proibindo a venda de produtos estrangeiros no país. Com menos competição, o poder dos empresários sobre os trabalhadores aumenta. Afinal, os trabalhadores agora não têm mais tantas alternativas de emprego. Então, para se protegerem dos empresários o que os trabalhadores fazem? Eles pedem MAIS intervenção do Estado, pedem ao Estado para que crie um conjunto de leis que protegem o trabalhador frente ao poder de mercado dos empresários. O Estado de bom grado aceita o pedido dos trabalhadores e aumenta ainda mais o seu poder na economia. Obrigados a seguir um conjunto de leis que aumenta o custo do trabalho, o que fazem os empresários? Eles pedem por mais Estado para protegê-los da competição externa. Novamente, o Estado aparece aceitando o pedido da sociedade e aumentando ainda mais seu poder. Tanto trabalhadores quanto empresários falham em identificar o AUMENTO do tamanho do Estado como seu principal inimigo. E a cada nova intervenção estatal, que cria ainda mais miséria econômica e social, a sociedade pede por mais Estado, quando a solução correta seria exatamente a oposta: DIMINUIR O TAMANHO DO ESTADO.

Marx foi um pensador famoso INCAPAZ de entender o mecanismo acima. Ele corretamente identificou a exploração dos trabalhadores, mas ao invés de sugerir a redução do tamanho do Estado, ele propôs justamente o oposto: Marx via no aumento do Estado a solução dos problemas, quando NA VERDADE o aumento do Estado é a ORIGEM dos problemas.

sexta-feira, 11 de abril de 2008

quinta-feira, 10 de abril de 2008

Programação do II Encontro Liberal - Goiânia

Neste sábado (12/04/2008), em Goiânia, no auditório do CORECON.
13:30 horas: Inscrições (gratuitas)

14:00 horas: Abertura

14:10 às 16:00 horas: O Caminho da Servidão, uma discussão sobre Estado e Liberdade. Palestrante Fabio G. Franco

16:00 às 16:15 horas: Intervalo

16:15 às 18:15 horas: Crise Americana: Falta ou Excesso de Estado?. Palestrante Adolfo Sachsida

18:20 às 18:30 horas: Encerramento

LOCAL DO ENCONTRO:
Auditório do CORECON
Rua 86, nº 617 - Setor Sul
Goiânia / GO - Cep: 74.083-330
Tel: (62) 3218-3311 ou (62) 9141-7911

quarta-feira, 9 de abril de 2008

Encontro de Pensadores Liberais em Goiania

Caros Amigos,

Infelizmente a burocracia para conseguir uma sala sábado a tarde na UFG é muito grande. Isso torna impossível a realização de nosso Encontro nessa universidade. Vou evitar fazer comentários deletérios a UFG, afinal não é qualquer universidade que aceita idéias liberais. E uma das idéias liberais mais famosas é: diminua a burocracia.

Mas não tem problema, graças aos esforços de Thais Gonçalves de Oliveira, conseguimos que o CORECON nos fornecesse o local para o Encontro. Muito obrigado ao CORECON de Goiânia por nos ceder suas instalações.

O Encontro de Pensadores Liberais será realizado nesse sábado (12/04) a partir das 13:30 horas. Abaixo segue o endereço onde será realizado o Encontro:

Auditório do CORECON
Rua 86, nº 617 - Setor Sul
Goiânia / GO - Cep: 74.083-330
Tel: (62) 3218-3311 ou (62) 9141-7911


Nos vemos no sábado.

Little Bush e Little Lula

Acabei de assistir mais um excelente episodio de “Little Bush”. La pelas tantas alguem pergunta a little Bush: “Little Bush isso nao e tortura?” ao que ele responde “So eh tortura se eu chamar de tortura. Pelo menos eh isso que o procurador-geral diz”. Excelente piada, que faz referencia ao antigo procurador-geral.

Aqui no Brasil alguem pergunta a little Lula: “Little Lula isso nao eh dossier?” ao que ele responde “So eh dossie se eu chamar de dossie. Pelo menos eh o que a Dilma diz”. Infelizmente little lula nao tem a veia comica de little bush. Aqui essa piada nao tem graca, aqui ela eh levada a serio. Se nao chamarmos dossie de dossie, entao nao eh dossie. Aqui invasor de terra eh chamado de trabalhador, baderneiro de cidadao consciente, ladrao de vitima da sociedade. Basta mudarmos o nome que na cabeca de nossos filosofos muda-se tambem a essencia. Infelizmente, ao final do dia, continuamos sendo um pais atrasado e selvagem, pouco importa o nome que voce de para isso.

terça-feira, 8 de abril de 2008

China, Brasil e Charlton Heston

O Brasil mais uma vez brilha na diplomacia mundial. Dessa vez, a China agradece o apoio que o Brasil tem demonstrado na questão tibetana. Enquanto todo o mundo civilizado se espanta com a violência chinesa no Tibet, a selva brasileira diz ser favorável a “uma só China”. Quando a China invadir Taiwan, parece que o Itamaraty será o primeira a endossar mais esse atentado contra a liberdade promovido pelo governo “popular” da China. Engraçado, já notaram que toda republiqueta ditatorial e comunista tem no seu nome a palavra “popular” ou então “democrática”? Parece que esse é o conceito comunista de democracia.... se está no nome do pais, então deve ser verdade....

Aos mais incrédulos, aqui vai o link da matéria: Itamaraty, por que não te cala?

Nada mais justo do que relembrar o grande ator, e fervoroso defensor da liberdade individual, Charlton Heston. Heston atuou em filmes memoráveis como Ben Hur, Os Dez Mandamentos e El Cid. Mas, em minha opinião, o seu grande filme foi O Planeta dos Macacos. A cena final do filme é um alerta sobre o perigo de se dar muito poder aos governos, e sobre a necessidade de atenção dos indivíduos para limitar SEMPRE o poder do Estado.

Logo após o incidente de Columbine (quando dois garotos executaram a sangue frio vários estudantes), havia um consenso na mídia de que tudo aquilo aconteceu porque não havia restrições a compra de armas nos Estados Unidos. Heston veio a público dizer justamente o contrário: para ele o incidente só havia acontecido porque só os assassinos portavam armas. Se o acesso a armas fosse generalizado, assassinos nunca teriam a chance de matar tantas pessoas. Afinal, seriam rapidamente contidos por outros cidadãos armados.

Você não tem que concordar com Charlton Heston, mas lembre-se de que se o Estado tem um tanque de guerra, você só tem duas maneiras de se proteger: a) garantir, mantendo o Estado pequeno, que ele nunca usará o tanque contra você; ou b) comprar uma bazuca. Se o Estado insistir em aumentar de tamanho, então é direito de todo cidadão ter uma bazuca em casa. Afinal, alguém tem que protegê-lo do Estado. Ainda mais, um Estado que apóia as FARC e a INVASÃO chinesa do Tibet.

segunda-feira, 7 de abril de 2008

Camisinha Estatal

É leitor.... se você achava que já havia visto de tudo, se prepare... agora o Estado brasileiro se prepara para inaugurar uma fábrica de camisinhas!!! Isso mesmo, agora produzir camisinha é função do Estado.

Aqui está o link para a matéria.

Qual será a falha de mercado que o governo pretende corrigir com essa fábrica?

O interessante é que, como é praxe nos empreendimentos estatais, a fábrica NÃO FUNCIONA!!!

Eu tenho várias críticas a essa idéia imbecil, mas no momento a que mais me preocupa é quem irá usar essas camisinhas. Será que tem alguém louco o suficiente para acreditar na segurança de um preservativo feito pelo Estado?

quinta-feira, 3 de abril de 2008

Lições de 1930 para a crise americana atual

Após a Grande Depressão americana de 1930, vários estudiosos tentaram descobrir as origens daquela catástrofe econômica. Pensadores como Milton Friedman atribuíram boa parte da responsabilidade ao comportamento desastroso do Banco Central americano (FED). Em 1930 a taxa de câmbio seguia o padrão-ouro, isto é, era fixa. Assim, superávits ou déficits comerciais tinham o poder de alterar a oferta de moeda. Para Friedman, durante o ano de 1929, o movimento da Balança Comercial americana retirou muita moeda da economia, gerando dificuldade de liquidez no setor financeiro. Essa falta de liquidez teria sido a origem da Grande Depressão. Para Friedman o FED poderia ter amenizado a depressão caso aumentasse a liquidez do sistema. Contudo, em 1929, o FED fez justamente o contrário agravando a depressão.

O FED esta usando as lições de 1930 para resolver a crise atual, ou seja, esta aumentando a liquidez do sistema financeiro para evitar falências generalizadas. Contudo, existe uma grande diferença entre 1930 e 2008: a taxa de câmbio agora é flexível. Isto é, a origem da crise não está na brutal redução da oferta de moeda em decorrência de déficits no Balanço de Pagamentos (como ocorreu em 1929), mas sim num comportamento de aceitação de risco por parte de várias empresas. Dessa maneira, AUMENTAR a oferta de moeda é a resposta ERRADA para a crise atual. E o FED, tal como no passado, está PIORANDO a economia ao invés de melhorá-la. VOLTO A REPETIR: esse comportamento do FED será usado para justificar mais intervenção governamental no futuro. E mais intervenção do governo, geralmente, é o prelúdio de crises mais severas.

Por fim, quero saber quanto a CHINA PERDEU com a crise americana. Não tenho dúvidas de que cedo ou tarde esses dados virão a tona, e ficará comprovado que o governo chinês foi QUEM MAIS PERDEU DINHEIRO com a crise americana. Afinal, grande parte dos superávits comerciais chineses estavam aplicados no mercado americano.

quarta-feira, 2 de abril de 2008

Epidemia

Estamos no comeco de abril. Ate agora ja tivemos duas epidemias: febre amarela e dengue. O governo federal ja se envolveu em dois escandalos: cartoes corporativos e dossie dos cartoes.

Estamos no comeco de abril. Em Cuba, o regime democratico ja autoriza as pessoas a irem aos hoteis do proprio pais!!!!

Estamos em abril. Na China, o regime democratico ja espancou, prendeu e matou algumas dezenas de infelizes que tiveram a ousadia de reclamar. Num ato de vergonha mundial, as nacoes parecem se calar frente as atrocidades cometidas pelo regime democratico chines. Bem fez o recordista mundial da maratona…. Disse que nao iria as olimpiadas por problemas de saude.

Estamos em abril. Parece que esta ocorrendo uma epidemia de PT pelo mundo. Essa e a pior das epidemias: a petetizacao do planeta. Parece que sera um longo ano.

terça-feira, 1 de abril de 2008

Aconteceu o esperado

Como este blog ja havia antecipado, o Banco Central Americano (FED) ira AUMENTAR o grau de intervencao nos bancos americanos. Tudo em nome de propiciar maior estabilidade ao sistema… fim da picada!!!!

Economia eh uma ciencia muito dificil. Poucos sao capazes de entender as nuances do mercado. Vejam bem, quem garante que o FED nao foi a fonte original da crise? Por anos o FED manteve a taxa de juros dos titulos do governo americano baixa, quem pode garantir que nao foi esse o motive da crise? Por anos o FED assistiu a tudo passivamente, e agora ele recebe uma autorizacao para AUMENTAR sua intervencao…. Aposto que a proxima crise sera pior ainda.

O caminho para resolver o problema bancario americano eh DIMINUIR o controle do FED sobre os bancos. A UNICA coisa que o FED tem que propiciar eh que os bancos informem seus clients sobre alguns indicadores do tipo: alavancagem, exposicao no mercado de acoes, etc. Ou seja, a unica coisa que os bancos privados devem fazer eh aumentar sua transparencia.

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email