quinta-feira, 31 de julho de 2008

Se beber não leia.....

Claudio Shikida organizou o EXCELENTE e-book "A Quem Servem os Bafômetros". O e-book traz uma série de argumentos a favor e contrários a lei seca no trânsito.

Tive o prazer de participar e ler o e-book. Confesso que não concordo com algumas posições lá defendidas, principalmente a que se refere a democracia popular. Esse papo de que a população votou então é democrático soa como ditadura. Não custa lembrar que na Alemanha nazista as pessoas também votavam. Democracia não é só voto, democracia é respeito às liberdades individuais e respeito às minorias. Não é porque o povo votou contra o rico que devemos implementar leis contra a riqueza, isso não é democracia é ditadura.

O e-book é gratuito e pode ser obtido aqui. O download é gratuito.

Parabéns pela iniciativa Shikida.

quarta-feira, 30 de julho de 2008

"As pessoas querem comer do bom e do melhor, mas pagar pelo ruim e do pior. Temos que regular esse mercado" (Presidente Lula)

A frase acima foi dita pelo presidente Lula na Hora do Brasil do dia 29/07. Ele se referia ao fato de que os pescadores de comunidades carentes enfrentavam várias dificuldades, pois todos querem comer um bom peixe mas querem pagar um preço baixo por isso. Na opinião do presidente Lula o Estado deveria regular esse mercado para proporcionar um preço melhor ao peixe vendido pelos pescadores.

Eu confesso que não entendi o problema levantado pelo presidente. Afinal, que mal existe em se querer comprar o melhor produto pelo menor preço? Problema mesmo seria se fosse o contrário, ou seja, se as pessoas quisessem comprar os piores produtos pelos maiores preços. Notem que é justamente o fato dos indivíduos demandarem os melhores produtos aos menores preços que pressiona as empresas a melhorarem. No final do dia as empresas investem, e desenvolvem novas tecnologias, justamente para melhorar e baratear os produtos aos consumidores. É justamente pelo fato dos consumidores demandarem os melhores produtos aos menores preços que temos crescimento econômico.

terça-feira, 29 de julho de 2008

Berlim, 1936 ...... China, 2008

Pois é, as vezes ficamos imaginando que fanático marcaria os jogos olímpicos para acontecerem numa ditadura como a Alemanha nazista. O tempo passa e agora temos essa olimpíada na China. O lado bom é que tal como no passado, a olimpíada desse ano servirá para desmascarar essa ditadura horrorosa que é a China.

Hoje a China já deu um cano, avisou que vai censurar a internet dos jornalistas (ela havia prometido não fazer isso). Mais uma vez a história mostra que não se deve confiar na disposição de países comunistas em cumprir acordos estabelecidos. Alguma surpresa?

PS: obrigado aos colegas que me corrigiram sobre a data.

Contra fatos não há argumentos

O número de acidentes de trânsito caiu drasticamente após a aprovação da lei seca. Este é um fato. O número de vítimas decorrentes dos acidentes também caiu. Este também é um fato. Os defensores da lei seca dirão: “contra fatos não há argumentos”. É verdade, contra fatos não há argumentos. Contudo, a interpretação dos fatores que geraram os fatos é sim sujeita a questionamentos.

Para ilustrar o parágrafo acima imagine que Janjão diga: “Vai chover amanhã”. E no dia seguinte efetivamente ocorre uma chuva. Janjão disse que iria chover e choveu. Isso é um fato. Contudo podemos interpretar o resultado de pelo menos três maneiras distintas: 1) Janjão veio do futuro, e assim sabia o que aconteceria no dia seguinte; 2) Janjão era um excelente cientista e por meio de análises estatísticas previu corretamente a chuva; ou 3) Janjão apenas deu um palpite que se realizou. Assim, da próxima vez que você ouvir alguém dizer que os acidentes de trânsito se reduziram após a lei seca, lembre-se de que isso é um fato. Mas, existem várias interpretações sobre o que gerou tal fato. Talvez a proibição de beber e dirigir (lei seca) deva receber esse crédito. Talvez essa redução tenha se originado apenas por causa do aumento da fiscalização que se seguiu após a aprovação da lei seca.

Alguns podem argumentar que não importa o motivo, o fato é que os acidentes se reduziram e assim devemos manter a lei seca. Discordo dos que pensam assim. Meu argumento é simples: que tal proibirmos o uso de rádio dentro do carro? Afinal, ouvir música enquanto dirige é a terceira causa de acidentes por distração nos Estados Unidos. Além disso, mudar de estação de rádio é a primeira causa de acidentes por distração nos EUA. Nada mais natural do que proibirmos o uso do rádio nos carros. Ou seja, é fato que rádio no carro aumenta o risco de acidentes. Contudo, a interpretação dos fatores é importante. Afinal, por que impedir TODOS de ouvirem música no carro? Quanto a lei seca, meu ponto é o mesmo. O problema não está no casal que saiu para tomar uma jarra de vinho. Também não está no pai de família que tomou uma latinha de cerveja na festa junina da escola. São os excessos que devem ser coibidos.

Para finalizar quero deixar duas perguntas: 1) alguém se lembrou de analisar o efeito substituição? Ou seja, talvez alguns troquem o consumo de álcool pelo do de drogas. Outros podem substituir o álcool pela violência. Afinal, se você limita uma veia de escape (chopp com os amigos) outras veias de escape irão surgir. Minha segunda pergunta parece estúpida, mas tente respondê-la e você verá quão difícil ela é: será justo condenarmos alguém por antecipação? Quando a polícia prende um bêbado dirigindo, ela o fez por ASSUMIR que ele não tem condições de dirigir. No fundo, ele está sendo condenado por antecipação. Assume-se que um bêbado irá provocar um acidente de trânsito, mas isso é apenas uma suposição. Experimente expandir esse argumento para o resto da sociedade e você verá o quão perigoso ele é. Essa segunda pergunta me foi feita pelo Daniel Marchi, e confesso que eu gastei um bom tempo tentando respondê-la. Note que essa segunda pergunta é muito semelhante ao argumento central de um filme com Tom Cruise (Minority Report).

Faça o que eu digo, mas não o que eu faço

O governo brasileiro tem criticado duramente as autoridades europeias por causa da nova política de migração. Os países europeus querem aumentar a punição e o rigor contra imigrantes ilegais.

Mas se o Brasil é tão solidário assim com os imigrantes ilegais na Europa, por que não demonstra a mesma preocupação com os imigrantes ilegais no Brasil? Afinal, são milhares de bolivianos, venezuelanos e refugiados de outros países que aqui residem ilegalmente. Por que o governo brasileiro, tão preocupado com os ilegais na Europa, não legaliza os ilegais que estão em nosso país?

Vá a São Paulo e você verá vários ilegais trabalhando em condições semelhantes a escravidão, qual é a dificuldade de legalizar essa mão-de-obra? Qual é o grande empecilho para conceder cidadania brasileira a esses ilegais?

Ao invés de querer dar lição de moral a governos estrangeiros, o governo brasileiro deveria dar o exemplo: mostre como o Brasil trata bem dos imigrantes que aqui vem procurar trabalho. Vamos facilitar a vida dos que aqui vem em busca de trabalho honesto. Liderar pelo exemplo é a melhor maneira de intervir na política de outros países.

domingo, 27 de julho de 2008

Impressões de Natal – RN

Tive o prazer de passar alguns dias em Natal, tempo este em que fiz algumas observações. A mais importante delas foi sobre a localização: estivesse nos Estados Unidos seria Miami, estando no Brasil é Natal. Não quero com isso menosprezar essa linda cidade, mas apenas salientar a incrível inabilidade do Brasil em explorar suas vantagens comparativas. Tal como um garoto que é um excelente jogador de futebol mas insiste em ser campeão de peteca, o Brasil despreza suas vantagens para se lançar em empreitadas onde tem reconhecidamente pouca habilidade.

Apesar de praias lindas, Natal tem pelo menos três graves problemas: 1) falta um calçadão a beira-mar (está em construção); 2) existe uma perigosa avenida separando parte dos hotéis da praia e separando também parte dos hotéis dos restaurantes, assim um grande número de turistas precisam cruzar uma grande avenida para chegar a praia ou ir almoçar (não só não existem semáforos como também não existem passarelas); e 3) os guias turísticos estão longe de conhecer os fatos sobre a cidade (apesar de serem extremamente divertidos). Notem que nenhum desses problemas se refere a falta de recursos, se referem apenas a má alocação destes. Isto é, deve-se a más escolhas. Como uma cidade com mais de 400 anos, que depende do turismo, não possui um calçadão? Uma passarela facilitaria enormemente o cruzamento da avenida, qual a dificuldade de construí-la? Será tão difícil assim organizar um tour pelos fatos históricos da região?

Natal é mais um exemplo de como o Brasil utiliza mal seus recursos. Com um mínimo de bom senso pararíamos de subsidiar indústrias ineficientes, e projetos megalomaníacos, e construiríamos uma simples passarela. O Brasil não precisa de um PAC, precisa de uma passarela.

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Como Combater o Terrorismo? (primeiro post publicado por esse blog)

Há um ano atrás este blog iniciava suas atividades com o post abaixo.

Uma breve inspeção pelos jornais parece indicar um incremento das atividades terroristas ao redor do mundo. Qual seria a justificativa para isso? Para os democratas americanos a invasão americana ao Iraque é a explicação. Já seus adversários políticos, os republicanos, argumentam que sem a invasão ao Iraque o nível de ataques terroristas seria ainda maior. A meu ver, essa discussão não toca na principal questão: quem é o inimigo da liberdade? Se o Iraque era um potencial inimigo da liberdade então nao interessa se sua invasão aumentou ou não o número de atentados terroristas, pois esta teria sido a escolha correta. Os Estados Unidos e seus aliados estariam lutando contra um inimigo (tal como a guerra contra o nazismo no passado), e custos de curto prazo são uma condição necessária para a estabilidade de longo prazo. Assim, a questão a ser respondida é: Era o Iraque um pais inimigo da liberdade?

O senso comum parece sugerir dois grandes inimigos, fortes o bastante, para ameaçar a liberdade: regimes ditatoriais e radicais islâmicos. As duas principais implicações de políticas que se seguem são: 1) Os Estados Unidos deveriam pressionar paises ditatoriais pela adoção de regimes democráticos; e 2) Esforços para aumentar a luta contra radicais islâmicos deveriam ser incluídos na guerra contra o terror. Note que o argumento (1) foi a justificativa para a intervenção americana no Iraque.

Antes de aceitarmos que ditaduras e radicais islâmicos são os adversários a serem batidos, vamos analisar três países: Irã, Coréia do Norte e Venezuela. Todos eles possuem posições muita claras contra os Estados Unidos e não são exemplos de países que respeitem as liberdades individuais. Enquanto podemos comprovar a presença de radicais islâmicos no Irã, é muito difícil acreditar que tal grupo seja parte integrante da população venezuelana (onde a maioria da população é cristã) ou da Coréia do Norte (onde o culto religioso não é considerado prioridade de estado). Já em relação a regimes ditatoriais temos que enquanto a Coréia do Norte é uma ditadura, tanto Irã como Venezuela são países democráticos (pelo menos no que diz respeito à existência de eleições periódicas com mais de um único candidato).

Após a leitura do parágrafo acima, devemos questionar nossa crença inicial sobre a força de regimes ditatoriais e de radicais islâmicos para ameaçarem a liberdade. Parece que a origem do poder que ameaça a liberdade repousa sobre algum outro fator que é comum não somente ao Irã, a Coréia do Norte e a Venezuela, mas esta presente também na Síria, Afeganistão e em todos os outros países que ameaçam a liberdade. O que é que todos esses países têm em comum? A resposta é simples: todos eles possuem um alto grau de controle do governo sobre a atividade econômica. Em outras palavras, o inimigo real a ser vencido é o controle estatal sobre amplos setores da atividade produtiva. Ou, de maneira mais simples, o verdadeiro inimigo são os países de economia centralmente planejadas.

Talvez você concorde comigo, talvez não, mas gaste algum tempo analisando os exemplos acima e você verá que os países de economia centralmente planejadas são aqueles mais propensos a investirem contra a liberdade dos indivíduos. Esta afirmativa tem uma importante implicação de política: o verdadeiro desafio no Iraque não é a implementação de um regime democrático, mas sim a implantação de uma economia de mercado. Quanto mais a liberdade econômica se desenvolver no Iraque menos seus cidadãos irão depender do governo, e menor será a força do governo iraquiano para pressionar seus cidadãos a tomarem atitudes que vão contra seus próprios interesses (suas vidas inclusive). O mesmo vale para o Irã, para a Venezuela, e Coréia do Norte entre outros.

A existência de economias centralmente planejadas será sempre uma ameaça àqueles países que baseiam suas sociedades na liberdade de fazer escolhas.

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Amanhã é o Aniversário do Blog

Meus Caros,

Amanhã esse blog completa 1 ano, para relembrar a data vou postar o primeiro post novamente.

Acabo de ver o Jornal Nacional, engraçado ver a complacência da imprensa com a China. Vou repetir o que já disse antes: a China é um país pobre, miserável. É ridículo esse assédio da mídia por um país tão fechado, mas tão fechado, que até o google chinês sofre limitações. Lá palavras como liberdade e democracia são proibidas. Por que idolatrar um país como esse? Resposta: porque ela é a vedete comunista do momento. Assim que se provar o engodo, e a pobreza, que é a China e rapidamente ela deixará de ser esse paraíso dos comunistas.

Os comunistas são assim, inventam o sucesso dos países comunistas que não conhecem. Lembro que quando eu era aluno de graduação, e a União Soviética estava se desfazendo, meus professores diziam que o verdadeiro país comunista era a Albânia....

Lá estão os chineses aprendendo a torcer, o país é tão fechado que até pra ser torcedor tem que ter aval do governo. Lá estão eles aprendendo a não cuspir na rua. Lá estão eles aprendendo a respeitar filas.... o comunismo não destrói apenas a economia, destrói todos os valores morais de uma sociedade.

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Caso Isabella

Um comentário meio que sem nada com nada: acabei de ver a montagem eletrônica do caso Isabella. Na minha opinião o vídeo inocenta o casal, um bom advogado enterra o caso com esse vídeo. Note que o vídeo deveria ser usado como ACUSAÇÃO, mas ele esta tão estranho que vai inocentar o casal. Falhas do vídeo:

1) Tem sangue demais. O vídeo se refere a uma agressão da madrasta, mas a ferida fica na testa da menina. Só existem 3 lugares na face que geram muito sangramento: supercílio, nariz e orelha. O ferimento da menina é na testa: nesse lugar não dá pra ter tanto sangramento.

2) Se o ferimento fosse tão sério teria sido encontrado sangue na roupa do pai.

3) Existe uma marca de mão com sangue na cama, como justificar essa marca se a menina estava desacordada?

4) a diferença de tempo entre as versões da polícia e do casal é irrelevante: 2 minutos não é tempo o suficiente para se apontar uma irregularidade grave.

5) Onde estão as marcas de pegadas das outras pessoas na cama?

6) Parece que o vídeo foi montado para culpar o casal, e não para esclarecer o crime.

Sei não, mas acho que o casal só será preso se: 1) confessar o crime; ou 2) o juri decidir por emoção, e não por provas. Caso contrário ninguém será condenado por esse crime brutal.

Dureza....

Ano passado esse blog disse com todas as letras que a CPMF NÃO IRIA fazer falta para o governo. Não deu outra: a arrecadação do governo continua batendo recordes.

sábado, 19 de julho de 2008

E agora Lula??????

A FARC sequestrou mais 10 pessoas, e agora Lula? Vai repreender a FARC? E agora Itamaraty? Vai mandar alguma mensagem de repudio????

Eh humilhante ter um presidente tao MAU assim. Lula eh um cara mau, so maldade para explicar esse comportamento. Quanto ao itamaraty, bom esse nunca fez grande coisa mesmo....

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Vice é para essas coisas

O Vice-presidente da Argentina impos uma derrota gigante ao governo ao REJEITAR o aumento de impostos sobre a exportação de grãos.

Paralelamente ganha popularidade a proposta do Casseta e Planeta de transformar a Argentina num grande estacionamento de Shopping Center.

A Argentina é um excelente exemplo de como destruir uma nação em menos de 100 anos. Deve ter sido um dos países que menos cresceu no século passado. Para os que não sabem, ao redor de 1900 a Argentina era um dos países mais ricos do mundo, em 1980 já estava falida. Bastou as idéias cepalinas ganharem força que a Argentina entrou pelo cano. Enquanto confiava no livre-mercado a Argentina prosperou, por dar as costas a ele a Argentina continua derrapando. O governo atual é uma piada, só não caio na gargalhada pois tenho medo de Lula fazer o mesmo e emplacar sua esposa Marisa para presidente em 2010.

Shakira para Secretária Geral da ONU

Shakira já participou de várias camapanhas pela libertação do reféns em poder das FARC. Domingo ela faz mais um show pedindo pela libertação dos reféns.

Shakira tem meu voto para assumir a Secretaria Geral da ONU. Afinal ela já fez mais do que todos os burocratas daquele lugar.... chamou os terroristas da FARC de terroristas. Coisa que até hoje a ONU é incapaz de fazer.

Valeu Shakira!!! Enquanto intelectual brasileiro fica visitando Fidel Castro, você foi no x da questão. Quem mantém refém é bandido!!!

quarta-feira, 16 de julho de 2008

O Gato Comeu

Os juizes federais estavam se preparando para pedir o impeachment do presidente do STF… o que aconteceu??? Eles assinaram abaixo-assinado, botaram a boca no mundo, se reuniram e disseram que iriam fazer e acontecer…. Pois eh…. parece que o gato comeu a iniciativa dos bufoes.

A verdade eh uma so: nao ha base legal para recriminar o presidente do STF. Tanto eh verdade que agora os bufoes dizem que o que ocorreu foi estritamente legal…. O juiz federal teve uma interpretacao e o president do STF teve outra interpretacao. Ora se eh assim, entao por que os juizes federais iriam pedir a saida do presidente do STF???

Falando de futebol, nunca gostei de jogador de futebol amarelao, voce nunca pode contar com ele. Nunca gostei de juiz amarelao, sempre apitam para o time da casa.

Baboseiras de Jabour

Acabei de ver os comentários de Arnaldo Jabour no Journal da Globo: em 60 segundos ele afirmou que a) as eleições presidenciais americanas foram fraudadas; b) a Suprema Corte americana sabia e apoiou a fraude; c) os EUA são culpados de serem vítimas do terrorismo; d) sutilmente elogia a democracia européia (aquela mesma que foi a responsável direta pela exploração de colonias e originou duas guerras mundiais); e e) talvez Bush saia "atirando" e crie um conflito com o Irã.

Nunca fui grande fã de Jabour, nem de seus comentários e nem de seus filmes. Mas até para baboseiras existem limites, as instituições americanas não são como as brasileiras. Crime lá costuma resultar em prisão, não só em televisão.

Por fim, um detalhe importante: É O IRÃ que está criando tensões no Oriente Médio, não os EUA. Chego a dizer que se não fosse pela intervenção americana Israel já teria dado um basta na valentia iraniana. O que aliás não é absurdo. Que povo tolera que seu direito a sobreviver seja recursivamente questionado? O presidente iraniano já deixou claro que não reconhece o direito à existência de Israel.

Greve

Greve dos Correios. Greve dos Petroleiros. Greve do Tesouro. Greve da Receita. Greve da Polícia.... estão notando como os funcionários públicos têm entrado em greve nos últimos meses?

O motivo é simples: toda vez que uma categoria recebe um reajuste mais alto que a média, todas as outras categorias se mobilizam para receber o mesmo benefício. Mais greves de funcionários públicos virão por ai.

terça-feira, 15 de julho de 2008

“Um Olho na Lei e Outro na Realidade” (Juiz Fausto Martin de Sanctis)

É O FIM DA PICADA!!!!! O Juiz Sanctis julga, segundo suas próprias palavras, com “um olho na lei e outro na realidade”. O que isso quer dizer??????

Em bom português: o Juiz Sanctis tem que explicar o que é isso. Quem tem mais valor para o juiz: a lei ou a realidade???? Afinal, bandido é bandido. Que história é essa de julgar com um olho na realidade?

Quer dizer que o Juiz Sanctis afronta as leis em prol de corrigir a realidade? Que palhaçada é essa? Lei foi feita para ser seguida, juiz não tem que interpretar a realidade tem sim é que seguir a lei.

Juiz não é Robin Hood, juiz não é mulher maravilha. Juiz tem que fazer valer a lei, não tem que interpretar a realidade. Até porque a justiça é cega.

segunda-feira, 14 de julho de 2008

O Caso Dantas

“Quando se confrontar com um caso aparentemente insolúvel, elimine todas as impossibilidades. A alternativa que sobrar, por mais implausível que seja, será a resposta para sua pergunta” (Sherlock Holmes).
Seguindo a sugestão do nobre detetive, vamos tentar adaptar o método Sherlock Holmes para o caso Daniel Dantas. Eu não tenho formação jurídica e nem sei ler a mente das pessoas, mas um ser humano capaz sempre pode eliminar certas inconsistências. Esse é o objetivo desse post.
1) Gilmar Mendes (Presidente do STF): concedeu o habeas corpus a Dantas tanto da primeira como da segunda vez. Certo ou errado, ele foi consistente.
2) Fausto Martin de Sanctis(Juiz Federal): pediu a prisão de Dantas, mas se “esqueceu” de fazer o mesmo para Gilberto Carvalho (secretário de Lula) e Greenhalgh (ex-deputado do PT). Ambos são flagrados em conversas telefônicas tão estranhas quanto as evidências apresentadas contra Dantas. O Juiz parece não ser tão severo com membros da elite petista, isto é um sinal de inconsistência.
3) Senador Eduardo Suplicy: apareceu no Jornal Nacional para fazer o que sempre faz. Suplicy me lembra um juiz de luta livre: nunca vê a cadeirada nas costas. Nenhuma inconsistência.
4) Juizes Federais: fizeram um abaixo-assinado de repúdio a decisão do STF. Juiz não tem que fazer abaixo-assinado, juiz tem que fazer sentença. Se o STF está errado, os Juizes, a OAB e os demais deveriam tomar as providências JURÍDICAS, e não ficar fazendo abaixo-assinado.
5) Protógenes Queiroz (delegado): onde está o som dos vídeos feitos? Onde estão os vídeos que mostram Daniel Dantas cometendo atos ilegais? Até agora temos vídeos de pessoas negociando em “nome” de Dantas. Não é preciso ser advogado para saber que essa prova não se sustenta num tribunal.
6) Tarso Genro (Ministro da Justiça): quer um crivo mais severo para Dantas do que o que pediu para os companheiros de partido no caso do mensalão. Incosistente até debaixo d’água.
7) Daniel Dantas: não sei se é inocente ou culpado. Mas sei de uma coisa: a fama de inteligente é pura cascata. Um homem inteligente nunca estaria na companhia de pessoas que ele está. Isto não é crime, mas certamente não é inteligência. Inteligente é Bill Gates, foi Henry Ford, Dantas é alguém normal que se associou ao Estado para obter vantagens.

Para finalizar, essa investigação tem pouquíssima credibilidade. Basta lembrar que originalmente se cogitou que Dantas teria informação privilegiada sobre o comportamento futuro do FED (Banco Central Americano). Nem o jornal mais conspiracionista dos Estados Unidos levou isso a sério. Quando uma investigação divulga uma informação como essa já mostra que não pode ser levada a sério.

A Venezuela que Funciona

Miss Venezuela acaba de ser eleita Miss Universo. Impressiona a tradição da Venezuela nesse concurso.

Nesse ritmo, já já o bufão Hugo Chaves vai querer estatizar a mulher venezuelana dizendo que é uma riqueza natural do país. Interessante notar que a final foi entre Venezuela e Colombia. Deu Venezuela no Miss Universo, mas deu Uribe no concurso melhor líder. A propósito mais um BANDIDO das FARC foi preso. Aposto que o Itamaraty já está preparando uma carta de parabéns a Chaves (pelo miss universo) e uma de repulsa a Uribe (por prender mais um companheiro...).

domingo, 13 de julho de 2008

Ranking Sachsida dos 10 Melhores Blogs

Abaixo vai minha relação dos 10 melhores blogs brasileiros. Como todo ranking ele é viesado e passível de críticas. Também é evidente que ele segue minhas preferências. Eu selecionei os blogs que acredito terem credibilidade, conteúdo e bom humor. Tem 5 minutos sobrando? Ótimo, leia qualquer um dos 10 blogs abaixo que é informação e diversão garantida.

1) Reinaldo Azevedo
2) De Gustibus
3) Orlando Tambosi
4) Selva Brasilis
5) Diogo Mainardi
6) Nemerson Lavoura
7) Coturno Noturno
8) Fantasma do Maracanã
9) Noblat
10) Ação Humana

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Entrevista para o De Gustibus

Ai vai minha entrevista para o EXCELENTE blog De Gustibus. Obrigado ao amigo Shikida pela gentileza de sua entrevista.

O País dos Vereadores

Para que servem vereadores? Por que uma cidade com 50 mil habitantes precisa gastar grandes somas de recursos com vereadores? Vereadores cuidam da legislação da cidade, mas será que a legislação de uma cidade muda tanto assim para justificar tamanho gasto? Se muda, então está errado. Afinal, estabilidade da legislação é fundamental para um bom ambiente de negócios. No Brasil, o salário dos vereadores gira em torno de 10 mil reais/mês. Nos Estados Unidos, na maior parte dos casos, um vereador não ganha mais de 500 dólares/mês.

Os vereadores dão uma boa medida da situação brasileira: aqui o Estado interfere em tudo. Os vereadores têm poder suficiente para interferir decisivamente no sucesso/fracasso de qualquer empreitada a nível municipal. Daí a quantidade enorme de corrupção presente entre vereadores.

Nada ilustra tão bem o poder dos vereadores quanto uma passagem da antiga novela das 8 da Globo. Nela um poderoso advogado está falando mal do jovem que namora sua filha (apenas porque o jovem é pobre e negro). Sua esposa vira para ele e diz: “Cuidado, já já esse jovem vira vereador e aí você vai ficar em dificuldades”. Notaram? Não importa se a pessoa é qualificada, trabalhadora e honesta. Mas se ela pode se tornar um vereador, então todos devem tratá-la com respeito. Essa é uma ótima medida do poder do Estado de interferir conosco: temos que temer a todos, afinal basta alguém se tornar vereador para poder complicar nossas vidas.

quarta-feira, 9 de julho de 2008

Quando Todos são Culpados não Existem Inocentes

Leis draconianas são características de regimes totalitários: afinal se todos são culpados, então por definição não existem inocentes. Se não existem inocentes, então todos dependem da discricionariedade do Estado. Se o Estado o perdoa, então você está a salvo. Caso contrário, a cadeia será seu destino. Num ambiente como esse, não há como ser contrário ao Estado. Todos são obrigados a serem cordeiros do lobo da estepe.

A recente lei que proíbe motoristas de dirigirem após beberem uma única cerveja se assemelha muito a leis absurdamente draconianas. O problema de acidentes de trânsito se refere a motoristas bêbados, não a motoristas que beberam uma latinha de cerveja. Essa lei não vem desacompanhada: note que novas leis, igualmente draconianas, andam sendo aprovadas no Brasil. Hoje chamar um gay de gay pode resultar em cadeia. Fumar em locais públicos logo será crime. Policiais que combatem traficantes de drogas já são punidos diariamente. Não creio que esse sejam movimentos isolados.

O Brasil parece querer criminalizar abolutamente tudo, exceto os bandidos. Bandido no Brasil não é bandido, é vítima da sociedade. Quanto aos demais, se fumam são bandidos. Bebem? Bandidos. Educam seus filhos? Bandidos. Trabalham muito? Bandidos. Isso não é um movimento isolado, é uma preparativa para algo maior. Quando todos são culpados, não existem inocentes. Quando não existem inocentes, todos dependem das benesses do Estado.

terça-feira, 8 de julho de 2008

Politica de Desenvolvimento Produtivo, escrito por Roberto Ellery Jr.

Abaixo segue o texto escrito por Roberto Ellery Jr.

O governo apresentou recentemente sua Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP) e trouxe de volta a idéia que o estado tem um papel fundamental na organização do crescimento econômico. A lógica é mais ou menos a seguinte, eu e você não sabemos o que é melhor para gente, é preciso algum funcionário público (que podemos ser nós mesmos, agora com poderes mágicos) dizer o que devemos fazer. Parece razoável? Pense assim, o Antonio Erminio de Morais, o Eike Batista ou o Paulo Otávio não sabem como investir o dinheiro deles, mas eu, que sou professor, e meu amigo Adolfo, que é do IPEA, sabemos. Pessoas como eu e o Adolfo, investidos de cargos públicos e autoridade acadêmica, são as detentoras da verdade sobre o que deve ser feito para o país crescer.
Como numa espécie de volta dos que não foram os planos nacionais de desenvolvimento estão de volta. O governo propõe metas para a taxa de investimento, para as exportações, define o quanto as empresas devem gastar em pesquisa e desenvolvimento e, por fim, estipula o número de micro e pequenas empresas que devem se tornar exportadoras até 2010. Como prever o passado é uma ciência exata, eu posso afirmar que esta estratégia vai gerar crescimento de médio prazo e estagnação no longo prazo. Cada uma destas metas tem um enorme potencial destrutivo para economia, nós próximos ‘posts’ vou comentar cada uma delas. Mas não fiquem preocupados, se a PDP for igual às outras ações deste governo nada vai acontecer, ela vai ficar só no papel... isto é um elogio ao governo.

Surpresa Inflacionária???

Do jeito que os jornais noticiam dá a impressão de que o aumento da inflação brasileira foi uma completa surpresa, algo gerado apenas por um cenário externo desfavorável. Parece inegável que o aumento do preço do petróleo contribuiu para o aumento do nível de preços. Também é evidente que o preço dos alimentos tem subido no mercado internacional. Mas será que isso explica a inflação brasileira?

Para responder a pergunta vamos recorrer a uma tecnicalidade: é fato conhecido entre economistas que quanto mais dinheiro o governo coloca na economia, maior será o nível de preços do período. De posse dessa informação simples, vamos coletar dados no Banco Central:
a) De janeiro de 2003 a janeiro de 2004 a quantidade de moeda (M1) na economia brasileira aumentou em 6,1%. De jan/04 a jan/05 esse aumento foi de 21,2%. De jan/05 – jan/06 de 9,4%. De jan/06 a jan/07 de 19,7%. De jan/07 a jan/08 de 22,3%.
b) De janeiro de 2003 a janeiro de 2008 o M1 aumentou em incríveis 105,8%.

Parece que antes de culparmos o resto do mundo por nossa inflação devemos culpar nossas autoridades monetárias. Permitir que a quantidade de moeda na economia cresça a uma taxa aproximada de 20% ao ano, e depois reclamar da inflação é algo estranho.

Ao invés de reclamar da ganância dos ricos, o governo brasileiro deveria gastar MENOS. Está é a maneira de combatermos a inflação brasileira: menos gasto do governo e mais competição na iniciativa privada.

segunda-feira, 7 de julho de 2008

Tem uma bolha na minha casa?, escrito por Rodrigo Pereira

Ai vai mais uma contribuicao de Rodrigo M. Pereira.

Os Estados Unidos vivem atualmente uma das piores crises de sua história econômica recente. A origem do problema foi um processo de bolha especulativa no mercado imobiliário, onde as casas passaram a custar mais do que deveriam. Muitas pessoas compravam casas não porque precisavam delas para morar, mas sim porque tinham uma expectativa de que elas se valorizariam bastante. Com a formação de uma demanda excessiva por casas, a valorização acabava acontecendo, numa espécie de profecia auto-realizável. Foi um processo muito parecido com o cataclismo das ações das empresas “ponto com”, ainda na era Bill Clinton. A combinação juros baixos e crédito farto era uma espécie de solo adubado propício ao surgimento desse processo de bolha imobiliária.

Quando a bolha começou a estourar, no final do ano passado veio a crise que se alastrou para outros mercados, notadamente o de crédito. O processo de contaminação se deu mais ou menos assim. Eu financio minha casa que custa 500 mil. Ao final do primeiro ano, digamos que eu tenha pago 30 mil. Ainda devo algo em torno de 470 mil. Mas ocorre que eu comprei minha casa sobrevalorizada no auge do processo de bolha. Agora a bolha estourou, houve uma correção geral de preços, e a minha casa vale 400 mil. Então, pra mim é mais negócio devolver a casa pro banco do que terminar de pagá-la. O banco toma então um prejuízo de 70 mil, porque troca uma dívida de 470 por uma casa que agora vale 400. Quando milhões de famílias fazem a mesma coisa, o prejuízo se acumula e o banco quebra, a não ser que o FED (Banco Central) o socorra com dinheiro dos impostos pagos pelas famílias americanas. Foi o que aconteceu.

Nos últimos anos Brasília tem experimentado uma explosão no preço de seus imóveis. Por exemplo, um apartamento de 3 quartos na 403 sul que hoje é negociado por 320 mil reais, em 2000 custava 90 mil. Uma sala comercial na asa norte que hoje vale 45 mil reais, em 2000 valia 15 mil. Terrenos, quitinetes, vagas de garagem e imóveis na planta também tiveram uma apreciação muito forte nesse período. Nos últimos oito anos pode-se dizer que o valor dos imóveis no DF sofreu uma apreciação média de uns 200%, enquanto a inflação oficial acumulada durante esse período, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi de 75%. Ou seja, a grosso modo, os preços dos imóveis em Brasília triplicaram enquanto que os demais preços da economia menos que dobraram. Será então que estamos num processo de bolha especulativa a lá Estados Unidos?

Eu tenho feito essa pergunta para alguns amigos economistas, e as respostas são divergentes. Uns acham que estamos numa bolha (um até vendeu seu imóvel, para aproveitar a fase de alta, aplicar o dinheiro, e comprar algo quando a bolha estourar). Outros acham que não, que os preços estão altos porque as pessoas estão ganhando mais, porque a oferta em Brasília é particularmente limitada, etc.

Para saber se a bolha existe, primeiro precisamos saber como determinar o preço de um apartamento? Da mesma forma que o preço de uma ação deve manter uma certa proporção com o lucro esperado da empresa emissora do papel, o preço de um apartamento também deve ser proporcional à soma dos valores futuros do aluguel gerado por ele. Essa proporção se mantém relativamente estável historicamente. Quando há um descolamento grande entre o preço do imóvel e seu aluguel, tem-se uma indicação da presença de uma bolha especulativa. Em situações normais, o preço de um apartamento ou casa deve ser de 10 a 14 vezes maior que o valor anual de alugueis gerados por ele. Se esse número estiver acima de 14 os economistas tendem a suspeitar da existência uma bolha especulativa.

Tomemos nosso apartamento na 403 sul. Em 2000 ele custava 90 mil reais, e gerava um aluguel anual de 8 mil reais (670 mensais x 12 meses). Isso dá uma razão de 90/8 = 11,25. Ou seja, fica dentro do intervalo aceitável. Atualmente, o mesmo apartamento custa 320 mil reais, e o preço de mercado do aluguel gira em torno de 1200 reais mensais, o que dá 14400 anuais. A razão preço/aluguel pulou para 320/14.4 = 22,2. Ou seja, muito acima do intervalo aceitável, o que é uma indicação da presença de uma bolha.

Portanto, os imóveis do DF estão muito caros. Hoje alugar vale mais a pena do que comprar. Mesmo assim, já ouvi diversos casos de famílias antecipando decisões de compra de imóveis por medo de que a valorização futura o torne inacessível, o que é um comportamento típico de bolha especulativa.

Obviamente, o estouro da bolha é contrário aos interesses de empresários do setor imobiliário do DF. Estes decididamente inflam a bolha, plantando notícias tais como a de que o metro quadrado do futuro Setor Noroeste vai custar 6000 reais. Alguém tem uma bola de cristal? Como é que eles podem saber o preço de um mercado que ainda nem existe? Resta saber se a bolha vai estourar um dia, ou se vai ter sempre alguém jogando um sabãozinho e cuidando zelosamente para que ela não estoure nunca.

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Pergunta Indiscreta

Por que as pessoas que são contra cotas para negros na Universidade são a favor de cotas para empresas nacionais? Afinal, os argumentos e a racionale para ambos é similar.

Como pode ser visto, a política de cotas no Brasil já é adotada há muito tempo. Temos cotas para empresas nacionais. Afinal, o imposto de importação é justamente isso: uma salvaguarda para empresas nacionais terem condições de competir com empresas estrangeiras.

Os negros não precisam de cotas, são tão inteligentes e aptos quanto qualquer outro ser humano. O mesmo argumento vale para as empresas nacionais, para que elas melhorem não é necessário cotas, elas precisam sim é de competição.

Uma última observação sobre cotas: da próxima vez que você for a alguma empresa pública tente encontrar um deficiente físico. Por lei os concursos públicos devem reservar 10% de suas vagas a deficientes. Assim, onde estão eles? Acredite em mim, eles estão lá. Só que você não é capaz de vê-los. Motivo: as pessoas que são aprovados nas vagas para deficientes dificilmente tem alguma deficiência que as identifique facilmente. São pessoas que dificilmente precisariam das cotas, mas são elas que se aproveitam delas. O deficiente com um grau elevado de deficiência dificilmente se beneficia dessa medida. Esse é o resultado prático de qualquer medida de cotas: beneficia os mais aptos dentre o grupo beneficiado, mas pouco faz pelos realmente necessitados.

quarta-feira, 2 de julho de 2008

Boa Colômbia!!!!!!!!!!!! Uribe para Presidente do Brasil!!!!!!

Sensacional o resgate de Ingrid Betancourt por soldados colombianos. Lição que deveria ser aprendida pelo Brasil: não se negocia com bandido. Não se negocia com traficantes. Não se negocia com terroristas. Esse tipo de gente se combate, se prende, mas não se negocia.

Hoje vou dormir feliz sabendo que esse bando de TERRORISTAS da FARC, apoiados pelo PT, sofreu mais um duro golpe da democracia. PARABÉNS URIBE, PARABÉNS COLÔMBIA!!!

terça-feira, 1 de julho de 2008

A Segunda Leva da Ruindade

Poucos lugares levam a sério a formação econômica fornecida pela UniJanjão. UniJanjão é um monumento ao atraso, à preguiça e à incapacidade intelectual. Contudo, no Reino da Selva acredita-se que a UniJanjão é um centro de iluminados. Nesse Reino distante e isolado da civilização os economistas da UniJanjão são tratados como os mensageiros da prosperidade. Tal Reino empregou tantos, mas tantos economistas da UniJanjão que no momento existe uma verdadeira escassez destes.

Já não existem mais economistas da UniJanjão disponíveis, todos já estão empregados no Reino, mas o tamanho do Reino da Selva continua a crescer e a demandar cada vez mais economistas com a formação típica fornecida na UniJanjão. Para solucionar esse problema o Reino da Selva passou a contratar economistas formados pela UniJaca, a filial da UniJanjão localizada perto de um rio ao norte da UniJanjão.

Esse é o retrato atual do Reino da Selva: não contente em empregar os piores, passou agora a contratar também a segunda leva da ruindade.

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email