terça-feira, 24 de março de 2009

The Producers in Wall Street

“Os Produtores” foi um clássico da Broadway, nele uma dupla de picaretas descobre que a única maneira de ganhar dinheiro é perdendo MUITO DINHEIRO dos outros. Para tanto montam um espetáculo que tem tudo para ser um grande fracasso de bilheteria. Contudo, o espetáculo acaba sendo um sucesso e a dupla de picaretas tem que fugir.

Parece que “Os Produtores” passou a ser encenada recentemente em Wall Street. A diferença é que agora ao invés de dois, temos um bando inteiro de picaretas que descobriu o segredo para ganhar dinheiro: perdendo TODO O DINHEIRO dos outros. É isso que tem se visto em Wall Street: um bando de executivos do mercado financeiro que levaram seus bancos e corretoras à falência, perderam o dinheiro de seus clientes, e adivinhe o que aconteceu com eles? Isso mesmo, foram PREMIADOS com bônus milionários. O exemplo mais recente, mas não o único, é o da corretora AIG que teve que receber mais de 100 bilhões de dólares em ajuda do governo para não quebrar. Em compensação por esse brilhante desempenho, os executivos da AIG foram agraciados com mais de 100 milhões de dólares em bônus POR DESEMPENHO.

Quando o governo decide usar o dinheiro dos contribuintes para premiar executivos milionários, por seu desempenho medíocre, é porque o capitalismo de mercado, com firmas competindo ofertando combinações de preços baixos e qualidade alta, está a beira do colapso. “Os Produtores” na Broadway era uma comédia engraçada; em Wall Street está mais para uma tragédia.

10 comentários:

Anônimo disse...

Bush poderia ter passado para a história como um grande presidente não compreendido em sua época, poderia... Ao embarcar nesta história de ajudar empresa quebrada deu o mote para os absurdos do atual governo e dificultou muito a capacidade do partido republicano fazer oposição as medidas anti-mercado que estão sendo tomadas. Que pena...

Abraço,

Roberto

Pedro disse...

Profesor: quanto lobby estes mega bancos e instituiçeos tem de força? Economicamente não há razão para o Obama e o governo americano fazer o que fez, politicamente pegou muito mal.

Anônimo disse...

Pois é. Se analisarmos bem a uns dois anos atrás essas mesmas empresas eram quem fundamentavam o sucesso total de economia americana e mundial.

Foi apenas o sonho de uma noite de verão...

Marcos

Anônimo disse...

Eu prefiro acreditar que é o governo que está em colapso.
Um abraço
marco b

Anônimo disse...

apenas uma informacao: o governo americano vai aprovar uma lei que cobra 90% de imposto de renda sobre os bonus pagos a executivos de empresas que receberam (ou vao receber) ajuda do governo. é uma boa medida para reaver o dinheiro perdido com picaretas...
abs

Anônimo disse...

Acho que a questão é mais complicada do que isso.

A AIG não pagou os executivos porque eles foram bonzinhos e sim porque é o que constava no contrato. O que a empresa deveria fazer? Quebrar o contrato? Quem decide quando a moral é mais importante do que as leis e que leis devem ser quebradas em nome da moral? Rola plebicito ou o Obama dá um carteiraço?

Num pais que tem canceres como o MST, achei que seria mais facil entender o problema e a complexidade em se dobrar a republica em questões de principios sociais

Blog do Adolfo disse...

Caro Anonimo das 12:51

Esse blog nao defende que se quebre contratos de salarios de executivos.

O post eh claro: a ajuda do governo aos bancos falidos gera incentivos errados, so isso.

Adolfo

Anônimo disse...

O blog, ao defender quebra de contratos - quaisquer contratos -, está errado. Um dos princípios a ser defendido deveria ser: cumpra seus contratos. Mesmo aqueles que você assinou erradamente. Pois quando os assinou, supunha lucrar com eles. Isso é democracia de mercado. O resto é o que fazem as ditaduras. O problema aqui é: os governos não devem ajudar bancos(ou quaisquer outros tipos de empreendimentos) falidos. Isso é o deve ser defendido e ponto final.

Blog do Adolfo disse...

Caro Anonimo das 03:33,

voce parece uma pessoa inteligente, entao faca um favor a voce mesmo e leia o post com atencao.

Voce notara que em nenhum momento o post defende a quebra de contratos. O que o post mostra eh que a ajuda do governo a bancos gera incentivos errados do tipo vale a pena ter prejuizo.

Adolfo

Anônimo disse...

Li o comentário das 19:53 hs às pressas. Não notei a palavra "não" ali grafada. Foi uma baita mancada e peço desculpas por isso.

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email