quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

von Tresckow e a Oposição no Brasil

A oposição no Brasil é virtualmente inexistente, então nesse final de ano eu deixo aqui um presente para os principais partidos que se dizem de oposição: DEM, PSDB e PPS. Aprendam com Tresckow. Tresckow não estava em Brasília, ele estava na frente russa (a frente de combate mais violenta da história do mundo). Tresckow não combatia um presidente com 85% de popularidade, ele combatia um ditador (Adolfo Hitler) com os mesmos 85% de popularidade.

Que em 2011 o povo brasileiro em geral, e a oposição em particular, aprendam com o que vai escrito abaixo* (esse evento ocorreu logo após a tentativa de golpe contra Hitler de 20 de julho de 1944 fracassar):

"Na manhã de 21 de julho de 1944, o general Henning von Tresckow, que havia sido o coração e a alma da conspiração entre os oficiais da frente oriental, despediu-se de seu amigo e ajudante Schlabrendorff, o qual recordou-se de suas últimas palavras:

"Todos se voltarão agora contra nós, cobrindo-nos de injúrias. Minha convicção, contudo, permanece inabalável (...) Fizemos o que era justo. Hitler não é só o arquiinimigo da Alemanha; é também o arquiinimigo do mundo. Daqui a poucas horas estarei diante de Deus, respondendo pelos meus atos e faltas. Creio que poderei sustentar, com a consciência limpa, tudo o que fiz na luta contra Hitler (...). Todo aquele que aderiu ao movimento de resistência envergou a túnica de Nesso. O homem só tem valor quando está preparado para sacrificar a vida por suas convicções".

Naquela manhã, Trescow dirigiu-se de automóvel à divisão do 28o Corpo de Fuzileiros. Desceu furtivamente na terra de ninguém e puxou o pino de uma granada de mão".

*: extraido do livro "Ascensão e Queda do Terceiro Reich" de William L. Shirer, pg. 609.

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Mensagem de Ano Novo

Há alguns anos atrás ocorreu o primeiro Big Brother na rede Globo. O vencedor foi o saudoso Bambã. Um fato me chamou a atenção naquele programa: Bambã transformou uma vassoura numa boneca, e ficava andando pra cima e pra baixo com ela. Para deixar Bambã bravo, seus colegas de programa esconderam a boneca. Bambã teve então um colapso nervoso, ele chorava sem parar em verdadeiro desespero... tudo porque esconderam a boneca dele.

Eu comecei a rir sem parar do Bambã, que coisa ridícula, um homem adulto chorando por causa de uma boneca... mas de repente pensei comigo: será que eu sou tão diferente assim? Será que eu também não ando brigando por "bonecas"?

Na verdade, a maioria esmagadora de nossas preocupações são similares à boneca de Bambã: não tem importância alguma. Assim, nesse novo ano que se aproxima, pense bem: será que vale a pena brigar tanto? Será que o motivo da briga com algum parente, chefe ou amigo não é apenas mais uma "boneca de Bambã"?

Feliz 2011, repleto de paz, saúde, felicidade, realizações e sucessos a todos. E pra animar ainda mais 2011, segue o vídeo que eu já havia postado em 2009. Vale a pena ver e se divertir!!! Confie em mim, o vídeo vale a pena!!! (o vídeo foi uma dica do blog Coturno Noturno)

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

O Futuro do Sistema de Metas de Inflação

Eu não estou entre os grandes admiradores do sistema de metas de inflação. Deve-se ressaltar que desde que o sistema de metas foi implementado ele falhou em metade dos anos. E tenho minhas dúvidas acerca de sua eficácia na outra metade. Além disso, em determinado ano, o Brasil inaugurou um sistema de metas que admitia mudança nas metas (que era ajustado dependendo de choques). Do ponto de vista técnico temos uma regra que muda dependendo do choque, ou seja, nada mais é do que um sistema discricionário (reconhecidamente o pior dos regimes monetários). Além disso, um sistema de metas que aceita uma inflação acima de 6% ao ano (em seguidos anos) não pode ter seu sucesso muito comemorado.

Dito isso, devemos nos lembrar que no mundo real muitas vezes temos que abrir mão do ideal em prol do possível. E, talvez, no momento atual, o regime de metas de inflação seja a melhor das alternativas possíveis. Sendo assim acredito que, pelo menos até que outras reformas sejam feitas, devemos manter o regime de metas de inflação da maneira como se encontra hoje.

Existem muitas maneiras de se alterar o regime de metas de inflação. Uma que tem recebido muita atenção refere-se a mudança no horizonte temporal da meta: alguns sugerem que o Banco Central deveria perseguir a meta de inflação por horizontes de tempo superiores a um único ano (como é feito hoje). Apesar de tal mudança poder fazer sentido do ponto de vista teórico, sou contra ela. Sem as reformas estruturais que o país precisa, mudar o horizonte temporal da meta parece muito mais procurar uma desculpa para se tolerar a inflação do que exatamente um aprimoramento da política monetária.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Mensagem de Natal

Estava andando pelo Terraço Shopping em Brasília quando paro em frente à livraria Leitura. Para meu espanto, lá estava NA VITRINE E EM DESTAQUE o livro "Minha Luta" de Adolf Hitler.

Em "Minha Luta" Hitler destila todo seu ódio contra judeus e deixa claro seu caráter belicoso. Exatamente por que um livro desse estava em destaque na vitrine de uma livraria na época de Natal? Só existe uma resposta: existe grande demanda por esse livro. Em palavras, o mal ainda vive. O germe do autoritarismo e do ódio racial ainda está entre nós.

Existe uma grande diferença entre ler livros sobre Hitler e ler "Minha Luta". Estudar Hitler é uma maneira de nos anteciparmos e evitarmos desastres similares. Contudo, os interessados em "Minha Luta" dificilmente estão interessados em evitar um outro Hitler, é mais provável que queiram aprender com Hitler.

Essa é minha mensagem de Natal: o mal ronda nossa sociedade, e apenas a vigilância e o sacrifício são capazes de manter as conquistas da civilização. A liberdade não é um presente isento de custos, e sua manutenção nunca deve ser atribuída a terceiros. Defender a liberdade é um dever de todo homem e mulher que prezam a vida em sociedade.

Que neste Natal o espírito natalino ilumine todos os lares, e que o amor a nossa família e ao próximo nos de forças para nos opormos a todo atentado contra a liberdade individual.

FELIZ NATAL!!!

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Hino Nacional do BNDES

Acredito que o BNDES deveria ter uma música tema, algo tipo um hino nacional. A idéia é que a música tema reflita o papel e a importância do BNDES para a sociedade brasileira. Como alguém que pensa no bem do BNDES, sugiro que eles contratem a dupla Teodoro e Sampaio para usar a música "O Bocão" como hino nacional do BNDES. Só falta a dupla trocar a palavra "mulheres" da música por "BNDES" e pronto, taí a exata medida da importância das brilhantes idéias do BNDES. Aqui você pode ouvir a música que certamente inspirará essa nobre instituição. Abaixo segue a letra da homenagem ao BNDES.

Bocão era um empresário
Mais sabido ninguém viu
Montou uma grande empresa
Aqui em nosso Brasil
Roupas para o verão
E também roupas de frio
Contratou o BNDES
Pagamento até hoje ninguém viu

O povo tá comentando
Que ele vai se dar mal
BNDES que ele deve
Vai meter o Bocão no pau

Se o Bocão está devendo
Um dinheiro pra você
Fica esperto é agora
A hora de receber
O Bocão tá vindo aí
Uma chance melhor não tem
Se ele pintar na parada
Se junte com o BNDES
E põe o Bocão no pau também

O povo tá comentando
Que ele vai se dar mal
BNDES que ele deve
Vai meter o Bocão no pau

domingo, 19 de dezembro de 2010

Quem será o próximo presidente do IPEA?

O IPEA tem um corpo técnico de ponta. Não faltam doutores e nem faltam pesquisadores de destaque. Sendo assim, por que é tão difícil ao IPEA ter um presidente que seja técnico do próprio IPEA? Por que a maioria dos diretores do IPEA tem que ser de fora do IPEA?

Veja, eu não tenho nada de xenófabo. Se existem pessoas melhores de fora do IPEA, então que a elas sejam dados os cargos de presidência e direção. Mas elas devem ser NECESSARIAMENTE melhores que os técnicos do IPEA. É ridículo levar para dentro do IPEA, para assumir posições de destaque, pessoas sem a qualificação necessária.

O IPEA tem o potencial humano, estrutura física, e recursos financeiros para ser o melhor instituto de pesquisas econômicas do hemisfério sul do planeta.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

A Revolta de Atlas, Ayn Rand

Meu amigo Helio Beltrao, do Mises Institute, me mandou um exemplar do excelente livro de Ayn Rand "A Revolta de Atlas".

Há 2 ou 3 anos atrás meu mentor na academia, Professor Joao Ricardo Faria, já havia me presenteado com o excelente "Anthem" da mesma autora. Ayn Rand é leitura obrigatória.

Ter amigos inteligentes é fundamental, graças a eles temos acessos a obras maravilhosas que por vezes nos passam despercebidas.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

16 + 21 = 37

Com muita alegria comunico que meu artigo de número 37 acaba de ser aceito para publicação na Structural Change and Economic Dynamics. Agora são 16 artigos internacionais e 21 nacionais, o que na área de economia é uma excelente marca.

o artigo "Inflation, Unemployment, and the Time Consistency of the US Monetary Policy" foi escrito em conjunto com o José Angelo Divino (UCB) e Daniel Cajueiro (UnB).

Obviamente, como de praxe, estou pagando a cerveja hoje no Fausto e Manoel do Sudoeste.

A Estratosférica Burrice Econômica de O Globo

É inaceitável o profundo grau de desconhecimento econômico do jornal O Globo. Agora, na edição online, temos o seguinte título "Ritmo Acelerado nas Importações ajudou a frear o crescimento do PIB". Ou seja, o O Globo culpa o aumento das importações pela redução no crescimento do PIB. Estupidez econômica pura e simples.

É necessário um alto grau de analfabetismo econômico para se fazer a afirmação feita pelo O Globo. Os analfabetos confundem identidade contábil com teoria de crescimento. Explico: na contabilidade do PIB as importações entram com sinal negativo. Contudo, isso É APENAS UMA IDENTIDADE CONTÁBIL, isso NÃO quer dizer que um aumento das importações reduz o PIB.

No primeiro curso de macroeconomia, todos os alunos aprendem que a identidade contábil do PIB NÃO PODE ser usada como teoria. Isto é, não se pode fazer a inferência feita pelo jornal O Globo. Quando as importações aumentam elas se destinam tanto ao consumo como também ao investimento (aumentando por exemplo a produtividade da economia), ou seja, o crescimento das importações costuma ser um importante acelerador do PIB e não o contrário.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Continuam culpando o Chuchu

O tempo passa, a inflação vai ficando fora de controle e adivinhem em quem botam a culpa?

Não, ninguém bota a culpa no presidente do Banco Central que não aumentou os juros em janeiro (afinal ele queria ser candidato a vice-presidente da república; e depois nego ainda elogia o Meirelles como alguém que manteve o BC longe de pressões políticas). Não, ninguém culpa a farra fiscal do governo. O culpado é o pobre do chuchu!!!!!

A culpa não está na subida do preço dos alimentos, a culpa está na tremenda farra fiscal que tomou conta do Brasil em 2010. A culpa está num presidente de Banco Central que cogitou sair da presidência do BC, no meio de uma crise internacional, para se candidatar a vice-presidente da república. Leiam os posts passados e vocês verão que este blog já anunciou que a inflação estava saindo do controle. Para 2010 teremos um IPCA acima de 5%, será que ainda vamos comemorar isso como um sucesso?

domingo, 5 de dezembro de 2010

O Campeão Voltou!!!!

Depois de alguns anos se concentrando mais no exterior do que no campeonato nacional, o Fluminense (maior campeão mundial carioca do século XX) venceu mais um título nacional. Foi uma goleada histórica em cima do limitado time do Guarani (que acreditem é considerado um time grande em São Paulo).

Existem algumas lendas no mundo futebolístico, mas nenhuma é tão propagada e errada como a que se refere a supremacia dos times paulistas. Mais um campeonato passou e mais uma vez deu o óbvio: time carioca campeão e timeS paulistas rebaixados.

Parabéns ao Fluminense, que esse título mostre a diretoria tricolor que o campeonato brasileiro (embora pequeno diante das conquistas tricolores) é um campeonato bacana de ser vencido.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Rio de Janeiro: A Bagunça vai ser Grande

Para deixar claro: para mim lugar de bandido é na cadeia. Eu sou contra indulto de natal para presos, sou fã do Capitão Nascimento e concordo com Lucio Flávio: polícia é polícia e bandido é bandido. Dito isso, observo que a bagunça no Rio de Janeiro será grande.

Um dos comandantes da polícia disse claramente que todas as casas seriam revistadas, inclusive aquelas onde os moradores se recusassem a dar tal permissão. Essa afirmação tem dois problemas: a) operacionalmente é bem pouco provável que isso seja possível; e b) É ILEGAL.

Agora no Jornal Nacional apareceram moradores saqueando uma casa (que deveria pertencer a um traficante) na presença de policiais. Desnecessário dizer que isso é crime.

O governador do Rio já disse que espera que o exército fique na favela por 7 meses. Isso é tempo demais: "exposição constante e por tempo prolongado sempre resulta em algum grau de contaminação" (Spock). A força financeira do tráfico é grande, tão logo a pressão da imprensa abaixar os militares ficarão expostos a tentação da vida ilícita por tempo demais. O exemplo histórico óbvio é a entrada de drogas nos EUA em decorrência dos soldados no Vietnã.

As operações no Rio praticamente não prenderam ninguém, isso não é sucesso. Operações como essa realizada no Rio devem se basear na velocidade e no avanço contínuo, guerra relâmpago, para ter sucesso contra o crime. Manter grandes contingentes do exército estagnados numa posição, sem atacar a próxima favela, será a ruína dessa operação. Dará tempo para os bandidos se reorganizarem e corromperam toda a operação.

Exatamente por que falta de caráter é mérito?

Nessa transição presidencial estamos assistindo algo inédito no país: a idolatria dos sem caráter. O exemplo mais óbvio é Palocci. A imprensa e vários especialistas gostam de elogiá-lo como alguém “pragmático”. Mas exatamente de onde vem o pragmatismo de Palocci? Esse pragmático ex-ministro foi sem dúvida alguma pragmático ao tentar se privilegiar da quebra ilegal de sigilo bancário de um simples caseiro. Palocci foi igualmente pragmático ao mentir na CPI dos bingos, parece que o pragmatismo do ex-ministro não tem limites.

O Brasil precisa de pessoas de princípios, que defendam suas idéias e que não mudem de posição em decorrência de quem está no poder. Claro que entender da operacionalização de procedimentos é importante. Claro que em alguns momentos é melhor aceitar o possível do que o improvável. Mas o norte a ser seguido sempre deve ser dado por princípios.

Pragmatismo é importante, mas existe uma diferença gigantesca entre pragmatismo e bandidagem.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Village People no Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro já chamaram a polícia, o bombeiro, e a marinha. Se chamarem mais um índio e um pedreiro vira o Village People.....

Cadê o Presidente Lula????

O Rio de Janeiro está em plena guerra civil, autoridades oficiais dizem que estão RECUPERANDO o terreno (ou seja, afirmação que reconhece implicitamente que tal terreno estava perdido), alguém pode me responder ONDE ESTÁ O PRESIDENTE LULA????

Uma crise dessas e nosso “estimado e nobre” líder escolhe ir viajar ao exterior..... esse é o presidente Lula.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Rio de Janeiro: Jornalistas demais, Planejamento de menos

A guerra civil no Rio de Janeiro continua. O que vimos hoje foram muitos jornalistas e pouco planejamento. Não, eu não culpo o comando da polícia. A culpa é de uma única pessoa: do governador do Rio de Janeiro.

Pressionado pela opinião pública, o governador do Rio quis dar uma resposta rápida a seus críticos. O problema é que nessa ânsia de mostrar trabalho não houve tempo para a concentração necessária de homens e equipamentos. Só deu tempo mesmo de chamar a imprensa.

A imagem dos bandidos fugindo pela retaguarda mostra o óbvio: não haviam tropas o suficiente para bloquear a retirada dos bandidos. Toda manobra de cerco envolve necessariamente em se cortar a rota de fuga dos bandidos. É evidente que o comando da polícia sabe disso. Para a polícia faltaram homens, faltou mais apoio aéreo e mais blindados. A escassez de homens e blindados evitou que a polícia fizesse uma operação simultânea que a tornasse capaz de cortar a rota de fuga dos bandidos.

No final essa mega-operação prendeu menos de 20 pessoas. Esse fracasso tem que ser posto na conta do governador. Combater o crime em favelas envolve o deslocamente de grandes efetivos, e para isso é necessário tempo para um minucioso planejamento. Planejamento esse que a pressa e ansiedade do governador não permitiu ser executado.

Guido Mantega continua na direção errada

Agora em entrevista ao Jornal da Globo, o Ministro da Fazenda Guido Mantega afirmou:

"Estou do lado do produtor nacional".

Resumindo, ele não está nem aí para o consumidor nacional. Não está nem aí para os milhares de brasileiros obrigados a pagar muito mais caro por bens de pior qualidade.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

2011: O Começo de um Longo Pesadelo

2011 será um ano ruim tanto do ponto de vista econômico como político. Do lado político teremos as quatro grandes forças éticas do país brigando entre si: PT e PMDB pelo controle do governo, PSDB brigando consigo mesmo para nada fazer, e o que sobrar do DEM tentando fazer alguma oposição (o que parece ser a única boa notícia no campo político).

Do lado econômico teremos a volta da inflação. Em 2011 a inflação começará sua escalada sob aplausos de boa parte dos que deveriam lutar para detê-la. As contas públicas continuarão bagunçadas, e a situação fiscal brasileira ficará cada vez mais deteriorada. Cedo ou tarde as operações parafiscais entre Tesouro e BNDES começarão a dar resultados: isto é, piorar ainda mais a situação fiscal. O petróleo do pré-sal (caso único no mundo onde uma empresa descobre petróleo e perde valor acionário) cobrará seu preço. O fracasso do trem bala (que o governo insiste em construir) se encarregará de mostrar a dura realidade: dinheiro não cai do céu.

O cenário externo também será um duro golpe: a crise americana (que por aqui os gênios julgam águas passadas) vai lembrar ao mundo (e ao Brasil) que o aval do governo NÃO É capaz de eliminar os custos de decisões erradas, ele é capaz apenas de transferir esses custos. O custo fiscal que vários países incorreram para salvar seus bancos irá começar a pressionar negativamente o crescimento econômico. Ajustes mundo afora terão que ser feitos, ajustes esses que marcarão 2011 como um ano difícil.

Mas, para o Brasil, a desgraça vai vir mesmo quando o governo, sob o aplauso dos especialistas, desvalorizar o câmbio por medidas artificiais. Esse erro gigantesco que será feito terá duas consequências imediatas: aumento dos juros e mais inflação. Mas fiquem tranquilos, com ministros da categoria de Guido Mantega e Miriam Belchior não temos o que temer...

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

José Dirceu, o ético

A imprensa, na grande maioria das vezes preocupada em agradar a esquerda (ainda mais se essa estiver no poder), não se cansa de dizer que ainda não conhece os nomes dos futuros assessores de Dilma. PAPO FURADO.

Dois nomes são evidentes (estando eles dentro da estrutura oficial do governo ou não): Palocci e José Dirceu. Sobre Palocci eu já comentei. Vamos agora a José Dirceu, o ético.

José Dirceu é um consultor de empresas de sucesso. Afinal, é assim que ele tem ganho a vida desde que teve que sair do Ministério de Lula. Coincidentemente ele só presta consultorias para empresas que tem negócios com o governo. Um gênio das finanças sem dúvida alguma.

José Dirceu é o bastião ético do governo Dilma, é a garantia de que os ideais do PT estarão representados no poder.

Será que é tão difícil assim dar nome aos bois? O que a imprensa ainda espera?

sábado, 13 de novembro de 2010

Palocci, o enganador

Palocci é o grande nome do governo Dilma, segundo os "especialistas" Palocci é a garantia da manutenção dos radicais petistas fora da área econômica.

Eu não compartilho desse papo-furado. Palocci é o homem que mentiu a CPI dos bingos. Palloci é o homem que quebrou o sigilo bancário e tentou incriminar um simples caseiro. Palloci é o homem que está envolvido em escândalos na prefeitura de Ribeirão Preto. Palloci é o homem que tem medo de perder o status de parlamentar, pois teme ser preso.

Acima está a descrição exata do grande nome do governo Dilma: um homem em quem não se pode confiar. Mentiroso, covarde (usou da força do Estado brasileiro para incriminar um caseiro), e cara de pau. Palocci não me engana: seu único mérito foi não fazer nada. Isso mesmo, enquanto ministro da fazenda ele teve o bom senso de manter as coisas exatamente iguais ao do governo FHC. Esse é o mérito de Palocci. Claro que no meio de tanta ruindade alguém com bom senso se destaca. Foi por isso que Palocci se destacou: teve o bom senso de não mudar a política econômica de FHC.

Uma vergonha alguém com essa ficha ser destaque no governo.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Capitão Nascimento para Ministro da Educação

Depois de mais um escândalo no ENEM só existe um homem capaz de moralizar o Ministério da Educação: capitão Nascimento.

Já posso até ouvir nosso nobre herói gritando com a comissão que baniu Monteiro Lobato das escolas:

"Vocês fizeram o que? Baniram o Lobato?? Putaqueopariu 01 tu ta de sacanagem comigo 01!!! 01 você é um fanfarrão!!!"

ou então o capitão dando um tabefe (também conhecido por pedala robinho) na testa do atual ministro e exclamando:

"Bota essa na conta do papa".

Perder riqueza é bom negócio?

Meus jovens, imaginem que vocês tenham uma riqueza equivalente a 200 reais. Quando o real perde valor isso significa que vocês ficaram mais pobres. Se o real valorizar vocês ficam mais ricos. Simples assim. Será que alguém poderia me explicar por que tem tanto país querendo desvalorizar sua moeda?

Desvalorizar a moeda doméstica implica em empobrecer a população, implica em deixar o pobre mais pobre. Aliás, alguém sabe o nome dado a desvalorização da moeda? O processo pela qual uma moeda perde valor chama-se inflação. Alguém poderia me explicar exatamente por que gerar inflação irá tornar um país mais rico?

A idéia dos Estados Unidos de inundarem o mundo de dólares só irá empobrecer os americanos. Mas não é porque os americanos decidiram saltar de uma ponte que devemos fazer o mesmo. Sim, é verdade que outros países do mundo fazem o mesmo. Mas o fazem movidos por um fraco entendimento da teoria econômica.

Se desvalorizar a moeda é a solução, então basta o governo brasileiro jogar o gasto público lá em cima (política fiscal expansionista), e pagar essa conta imprimindo papel moeda (política monetária expansionista). Qual a dificuldade de se fazer isso? Nenhuma, não existe dificuldade em fazer isso. Mas, se essa fosse a solução então os problemas do mundo tinham acabado. Bastava o governo gastar e imprimir dinheiro para pagar a conta.

Imprimir papel moeda não é a solução para nada. Desvalorizar a moeda só irá embobrecer ainda mais nosso país.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

A culpa é do chuchu

A inflação medida pelo IPCA bateu em 0,75% em outubro... a explicação dos experts: a culpa foi do item alimentos. Resumindo, o tempo passa mas continuamos culpando o pobre chuchu.

Eu sou CONTRA a volta da CPMF

Impostos sobre movimentação financeira estão entre os piores tipos de impostos: não só geram grandes distorções na economia como também pressionam a taxa de juros para cima (o que encarece a rolagem da dívida pública).

Economistas discordam em muitas coisas, mas nesse ponto NÃO HÁ DISCUSSÃO. A teoria econômica adverte: a CPMF faz mal à economia, faz mal à sociedade, faz mal a todos nós.

Assine o abaixo-assinado contra o retorno da CPMF.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

O Brasil que queremos

A oposição tem se vangloriado que recebeu 44 milhões de votos. Acredito ser essa uma versão equivocada dos fatos.

O PSDB não recebeu 44 milhões de votos. Serra não recebeu 44 milhões de votos. 44 milhões foram os brasileiros que votaram contra Lula, que votaram contra esse modelo de governo.

É o momento da mudança. Os partidos políticos que querem se dizer oposição devem entender que o Brasil é um país conservador. Nossa população é conservadora. Não queremos esmola, queremos menos impostos. Queremos proteção a propriedade privada, proteção dos direitos individuais e liberdade de mercado. Será que algum partido político pode nos oferecer isso?

Talvez falte ao nosso país algo como o Tea Party nos EUA. O que fazer?

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Lula, uma liderança negativa

Lula não pediu a volta da CPMF no começo desse ano. Lula não mencionou a CPMF durante a campanha presidencial. No segundo turno, nada de Lula defender a CPMF. Lula NUNCA disse: "Independente de quem vença as eleições precisaremos da volta da CPMF". Por que ele nunca disse isso? Simples, Lula nunca disse isso pois se Serra fosse eleito Lula seria CONTRA a CPMF. Bastou Dilma ser eleita que logo em seguida Lula já pede mais impostos.

Lula é assim, essa é sua ética, essa é sua carta de princípios: ele é a favor de mais impostos se o PT for governo, mas é contra se o PT for oposição. Lula é isso, uma liderança negativa.

Mas o pior mesmo será ver Aécio Neves liderar a oposição rumo a aprovação de mais esse imposto. A CPMF é uma má idéia, a literatura econômica é unânime nesse ponto. Nem 10 países no mundo devem adotar esse tipo de imposto. A CPMF é um caso de livro texto de um imposto que foi rejeitado na teoria e na prática.

domingo, 31 de outubro de 2010

Quem sabe a Dilma ouve um bom conselho...

Para mostrar que gosto de contribuir, informo aqui o programa MÍNIMO, mas suficiente, para garantir a riqueza, a prosperidade, e o desenvolvimento econômico e social de uma nação.

Abaixo seguem as recomendações de políticas econômicas para o futuro governo Dilma. Nos próximos dias estarei comentando especificamente uma a uma as 5 recomendacoes abaixo. Elas não abrangem todos os problemas de uma sociedade, mas o governo que adotá-las terá direcionado definitivamente seu país no rumo do sucesso econômico e social.

1) Abertura comercial progressiva e unilateral

2) Corte brutal na burocracia requerida para a abertura de novos negócios

3) Reforma tributária que progressivamente, e no longo prazo, reduza a carga tributária para valores ao redor de 20% do PIB. Reforma essa acompanhada de uma imediata, e progressiva, redução nos gastos do governo de modo a preservar o equilíbrio fiscal

4) Flexibilização gradual das leis trabalhistas

5) Política monetária consistente com uma inflação abaixo de 4% ao ano.

sábado, 30 de outubro de 2010

Monteiro Lobato no Paredão

Dilma ainda não ganhou, mas já colocaram Monteiro Lobato no paredão!!!

Você ainda acredita que vai escapar??? Votar em Dilma é votar na ditadura.

Pobre Monteiro Lobato, pobre democracia brasileira. Vamos juntos dizer NÃO a ditadura, vamos juntos dar um basta nessa baderna que assola nosso país.

Domingo é Serra!!!

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Eu digo NÃO a Ditadura

Eu digo NÃO a ditadura.

Vamos lutar pela democracia enquanto ela ainda existe em nosso país. Dilma é o fim da democracia; Dilma é o fim das liberdades individuais; Dilma é o fim da liberdade de imprensa; Dilma é o fim do Estado de Direito; e cedo ou tarde Dilma também se voltará contra alguns dos que a estão ajudando no momento. Lula irá se dar mal com Dilma; empresários que se acham muito espertos também irão se dar mal com Dilma.

TODOS os que tem filhos se darão mal com Dilma, a ditadura não irá poupar ninguém.

Há três meses atrás eu devo ter sido o primeiro (ou um dos primeiros) a dizer e escrever que Dilma representava um caminho para a ditadura. Muitos me criticaram. E agora? Ainda duvidam que Dilma irá implementar uma ditadura em nosso país? Se esconder não irá salvar ninguém. Só nos resta ir votar, convencer nossos amigos e parentes, e evitar o desastre.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

O Milagre da Multiplicação

O governo Lula é realmente miraculoso... agora ele realiza o milagre da multiplicação do superávit primário. Por qualquer critério honesto, o governo teve um déficit primário em setembro. Contudo, eis que surge o milagre da multiplicação e o governo apresenta um superávit primário recorde!!!! Daqueles como nuncaantesnessepaís foi visto. Um verdadeiro escândalo, palhaçada mesmo, verdadeiro desrespeito ao país. O Brasil teve um déficit primário em setembro, mudar o nome disso não muda o caos fiscal em que estamos mergulhando.

Sem querer ser chato, leiam abaixo o que eu JÁ HAVIA ESCRITO em 5 de maio de 2010 no post: Considerações Sobre o Superávit Primário. Como podem notar, eu já havia alertado sobre a inadequação de se olhar para o saldo primário na nova realidade brasileira.

Considerações Sobre o Superávit Primário (post escrito em 5 de maio de 2010)

Políticos, acadêmicos, policy-makers e jornalistas estão sempre falando sobre a importância do governo gerar superávits primários. Os experts são rápidos em responder que superávit primário é o montante que o governo arrecada menos o que ele gasta, sem considerar a conta de juros. Contudo, essa definição esconde uma série de truques.

Primeiro, e mais importante, devemos lembrar o objetivo básico do superávit primário: poupar receitas para abater a dívida pública. Contudo, aproximadamente metade do superávit primário é obtida por meio de receitas vinculadas. O que isso quer dizer? Receitas vinculadas são receitas com destinação específica, isto é, o governo é proibido por lei de gastar esses recursos para abater a dívida pública. Ou seja, um montante expressivo do superávit primário só serve para fazer volume, uma vez que não pode ser usado para abatimento da dívida pública.

Segundo, nem todos os gastos públicos são computados na hora de se contabilizar o superávit. Quem define quais gastos entrarão na conta do superávit é a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Por exemplo, no ano que vem teremos um superávit que NÃO LEVA em consideração os gastos com infra-estrutura ou os gastos do PAC considerados prioritários. Quais gastos públicos entram, ou não, na contabilidade do superávit pode mudar de ano para ano. Assim, é importante que os economistas acadêmicos prestem muita atenção nesses truques contábeis.

Infelizmente a academia brasileira não presta muita atenção na maneira como os dados de finanças públicas são produzidos no Brasil. Estudos de macroeconomia são recorrentemente viesados pelos erros, mudanças de definições, mudanças de regras, e omissões presentes nos dados do governo brasileiro. O superávit primário é um caso de livro texto sobre como o governo pode manipular DENTRO da LEI uma informação tão importante para a sociedade. Hoje o superávit brasileiro é uma peça de ficção científica, ele simplesmente não serve para verificarmos a responsabilidade fiscal de um governo. E também não serve para abatermos a dívida pública no montante que a sociedade acredita que estaria ocorrendo.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Câmbio de Equilíbrio

Não faltam especialistas dizendo que o câmbio brasileiro está valorizado. Isto é, na opinião deles, o real está muito caro (frente ao dólar).

Eu concordo. O real realmente está valorizado. Aliás, a teoria econômica básica já sugere que toda vez que você limita as importações o câmbio tende a valorizar. As importações cumprem um papel importantíssimo na estabilização cambial. Quando o real fica caro, as importações ficam baratas, com as importações baratas as pessoas importam muito, com o aumento das importações ocorre um aumento na demanda por dólares, o aumento da demanda por dólares faz com que o preço do dólar suba, desvalorizando assim o real.

Resumindo: basta abrir a economia e o real irá se desvalorizar, simples assim.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Ler panfletos agora é crime!!! Bem vindo a democracia petista!!!!

Cuidado com o que você lê.... se você ler algo que não agrada aos petistas você poderá ser preso.

Homem de 74 anos de idade foi intimado..., quem será o próximo?

Agora quem é contra apanha.....

As tropas de assalto nazistas, digo petistas, atacaram o candidato José Serra hoje. Ontem elas prenderam um inocente. Anteontem impediram a circulação de idéias contrárias e constrangeram um inocente.

Votar em Dilma é apoiar a ditadura.

Ops... estou dizendo que votar na Dilma é apoiar a ditadura, será que devo ser preso também? Será que meu blog deve ser retirado do ar?

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Começou a Prisão dos Inocentes

Dilma ainda não foi eleita, mas o PT e suas ordas já começaram a prender inocentes. "Celso Felski foi autuado em Campos do Jordão, em São Paulo, por distribuir o “Apelo a Todos os Brasileiros”, um manifesto contra o aborto redigido pela Comissão em Defesa da Vida da Regional Sul I, da CNBB".

Pelo melhor de meu conhecimento, meu blog foi um dos primeiros a alertar sobre o risco de ruptura institucional ligado a eleição de Dilma. Em vista do exposto acima, alguém ainda discorda de mim?

Veja bem, um inocente (Celso Felski) foi preso por distribuidor panfletos que NÃO CONTÉM UMA ÚNICA MENTIRA. Seu único crime: defender sua crença no direito à vida (sendo contrário ao aborto). Desde quando isso é crime? Será que eu devo ser preso também? Será que devemos prender todos aqueles que se opõe ao PT? O Brasil caminha rapidamente para uma ditadura, Dilma é o caminho da opressão.

O pior de tudo é ver que meus colegas de profissão permanecem em silêncio. Eles realmente acreditam que o silêncio irá salvá-los...

domingo, 17 de outubro de 2010

Ainda existem juízes em Brasília?

Onde estão os juízes de Brasília?

Tal como venho alertando, o governo Dilma é a porta de entrada de uma ditadura. Bastou Serra encostar nas pesquisas e a selvageria petista disparou ainda mais. Não vou me referir aos escândalos petistas, não vou me referir ao desvio de verbas públicas, não vou me referir ao loteamento de cargos públicos. Mas estamos diante do crime mais sério já cometido pelo PT até hoje.

Notem bem: estamos diante do MAIOR atentado a democracia já cometido pelo PT. O fato acontecido no sábado (16/10/2010) é a manifestação viva da volta das SA nazistas, mas agora carregando o emblema do PT. Partidários do PT em absurdo ato de “justiça pelas próprias mãos” tentaram impedir o dono de uma gráfica de trabalhar. Motivo: ele imprimia panfletos direcionados para que católicos não votassem em candidatos pró-aborto. É inaceitável que a imprensa nacional se cale sobre isso.

Qualquer pessoa TEM O LEGÍTMO DIREITO de se manifestar. Se um grupo qualquer se reúne e quer imprimir um panfleto dizendo “não voto em quem é a favor do aborto”, isso está dentro da legalidade. É inaceitável que as hordas totalitárias, os fascínoras do PT tentem impedir isso. Estamos diante de um caso grave de cerceamento de liberdade individual: estamos sendo proibidos de defender nossas idéias. Hoje um juíz do TSE proíbe que grupos se manifestam de maneira contrária ao aborto. O que esse juíz irá proibir amanhã? Onde estão os juízes de Brasília? Ainda existem juízes em Brasília?

A Folha notíciou assim o fato. Isso já mostra que a Folha já assimilou a idéia de perder a liberdade de opinião. Na melhor das hipóteses, a Folha parece não entender o que está em jogo aqui. O fato da milícia petista atacar o contador da empresa, inclusive o coagindo demonstra que a SA petista está em ação. O que está em jogo é o nosso direito de defender nossas crenças, é inaceitável que esse fato passe como um simples incidente. Esse ataque da milícia petista é um ataque direto a democracia, é um ataque direto ao nosso direito de nos manifestar, é um ataque direto ao nosso inalienável direito de defendermos nossas crenças.

O que está em jogo aqui não é a questão do aborto. O que está em jogo aqui é o direito a defendermos nossas crenças. O juiz do TSE que apoiou as milícias petistas já demonstrou que o estado de direito já foi por água abaixo. O que este juíz irá vetar amanhã?

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Por que a Petrobras não pode ser privatizada?

Vendo o debate presidencial temos a falsa impressão de que a Petrobras é dos brasileiros. Não, não é. Quem ganha com a Petrobras não é o povo brasileiro, quem ganha com a Petrobras são os acionistas da empresa e seus funcionários (que muitas vezes recebem salários muito acima do que seria de se esperar em empresas privadas).

A fala dos candidatos à presidência dá a falsa impressão de que se a Petrobras não pertencer ao governo então a riqueza simplesmente desaparece. Isso está completamente errado. A riqueza não é criada ou desaparece dependendo do status de uma empresa ser pública ou privada.

Privatizar a Petrobras não faz com que a riqueza desapareça, faz sim com que desapareçam os cabides de emprego que são usados como moeda de troca pelo partido no poder.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Ela está descontrolada!!!!

Ela está descontrolada:

Uma hora é a favor do aborto, na outra é contra.
Uma hora é a favor do MST, na outra apóia o agronegócio.

Ela não sabe conjugar... alguém consegue entender a nova língua falada pela ex-terrorista?

Temos que aproveitar o momento, o Brasil não merece ex-terroristas com tendências autoritárias ocupando a Presidência da República.

Finalmente a campanha de Serra tomou o rumo da vitória: temos que insistir na análise do passado de cada um. Uma era terrorista, mentiu no cv lattes (disse que era doutora e não era), montou dossiês, tem assessores próximos envolvidos em escândalos de corrupção. Não é possível eleger alguém assim para comandar o Brasil.

Boa Serra!!!

Finalmente um desempenho sensacional de Serra.

Parabéns Serra!!! Essa tem que ser a sua linha de campanha: botar muita pressão na ex-terrorista. Serra deu um show no debate, foi agressivo, botou a ex-terrorista (que lutou pela implementação de uma ditadura marxista no Brasil) na defensiva.

domingo, 10 de outubro de 2010

The King of Black Cocada

Meus amigos, esse post é uma homenagem a um dos maiores artistas de todos os tempos, um verdadeiro craque, um gênio.

Esse post serve para nos lembrar que no final o que vale mesmo é o talento, é a habilidade individual. Claro que no Brasil, dada a importância dos contatos políticos, muitas vezes o mérito individual é deixado de lado. Mas esse post nos lembra que talento é fundamental.

Por favor, vejam esse vídeo (especialmente a partir dos 3 minutos). Me digam: o cara era ou não era o Rei da Cocada Preta? Talento é fundamental, é isso que torna o mundo um local melhor.

Peço a meus amigos blogueiros que divulguem esse post: temos que reforçar que o mérito individual faz a diferença.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Finalmente o Nobel da Paz acerta uma!!!!

Finalmente o Nobel da Paz vai pra quem merece!!!!

Ele lutou pela liberdade e pagou o preço.... esse blog apóia e dá as felicitações a Liu Xiaobo. Obrigado por sua luta em favor da liberdade.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Liberdade na Estrada em Brasília

Nessa sexta-feira (08/10) o Liberdade na Estrada estará em Brasília.

Tema: O Brasil que queremos ser

Local: Universidade de Brasília (UnB)
Auditório Joaquim Nabuco - Faculdade de Direito (FA)

Horário: 14:00 horas

Enquete

Dizem que brasileiro não sabe votar. Citam como exemplo a eleição de Tiririca e Romário. Mas vamos a uma enquete. Se você tiver que escolher entre:

Tiririca x Maluf

Romário x Garotinho

Quem você escolheria? Talvez o problema seja menos escolhermos o Tiririca. O problema real é termos deputados com tantos poderes para alterar nossa vida.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Os Militares Brasileiros ainda Vestem Calças?

Os militares brasileiros ainda vestem calças? Temos uma terrorista que irá se tornar presidente da república. Temos uma terrorista que já deixou claro que não se esqueceu do passado, ou seja, irá buscar o revanchismo contra os militares.

Em vista de um absurdo desses, qual é a postura dos militares? Eles protegem a terrorista!!! Exatamente por que o Superior Tribunal Militar (STM) protege a terrorista? Por que o STM se recusa a mostrar à sociedade brasileira o passado da terrorista? Por que o STM escondeu o histórico da terrorista e se recusa a mostrá-lo aos civis de nosso país?

Claro que você pode argumentar que o STM não representa os militares. Nesse caso faço uma pergunta simples: os militares brasileiros ainda vestem calças? Se vestem, está na hora de mostrar a sociedade brasileira quem é a terrorista!!!!

Deixo claro aqui que eu respeito as forças armadas brasileiras. Eu respeito os soldados brasileiros. Quem não os respeita são os covardes que os estão comandando. Covardes esses que sacrificam uma instituições tão nobre como as forças armadas à interesses alheios ao bem estar da população brasileira. Viva o Brasil!!!! Abaixo o terrorismo.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

O mineiro só é solidário no câncer ou Bonitinha mas Ordinária

Nelson Rodrigues era genial. Entre suas melhores obras certamente Bonitinha mas Ordinária tem lugar de destaque. Essa obra é ainda mais importante no atual cenário político brasileiro. Aécio Neves é a personificação óbvia do mineiro do título. Talvez bonitinho, mas certamente ordinário. Aécio Neves só é solidário no câncer.

Aécio Neves certamente se acha gênio, sugiro que ele procure conhecer a obra de Nelson Rodrigues e verifique que fim levou a “santinha” Ritinha (magistralmente interpretada por Lucélia Santos no cinema).

Será que Aécio Neves não aprendeu nada com o episódio Ciro Gomes? Ciro Gomes também tentou fazer o papel que Aécio irá tentar: bancar o amigo do PT e acreditar que com isso irá ganhar a confiança petista para as próximas eleições. Ciro Gomes foi destruído pelo PT, e o fim de Aécio será o mesmo. Não existe futuro para Aécio num governo Dilma. Claro que num eventual governo Serra irá demorar um pouco para ele ter sua chance à presidência, mas ao menos ele terá essa chance. Com Dilma eleita Presidente da República só restarão duas opções a Aécio: ser destruído politicamente ou ir para o PMDB (partido que talvez lhe dê guarita para usá-lo como trunfo contra o PT).

De qualquer maneira, Aécio fez por merecer seu destino: seu comportamento durante o primeiro turno foi vergonhoso. Nas palavras de Nelson Rodrigues: Bonitinha, mas ordinária.

domingo, 3 de outubro de 2010

O Absurdo Comportamento dos Institutos de Pesquisa de Opinião

Até o momento é ridículo o comportamento de institutos tais como o Datafolha e o IBOPE. Ontem o IBOPE anunciva 51% para Dilma, e o Datafolha 50%, ambos adotaram uma margem de erro de 2%.

Com quase 99% dos votos apurados temos Dilma com 46,7%; e Serra com 32,6%. Resumindo: ambos os institutos de pesquisa erraram. É incrível que ninguém comente isso. Os analistas de plantão culpam o efeito Marina, o efeito aborto, o efeito escambau a quatro. Contudo ninguém diz o óbvio: o IBOPE e o DATAFOLHA erraram. E não venha me dizer que erraram por pouco: eles erraram acima da margem de erro. Digo mais: erraram muito acima da margem de erro.

Se Dilma conseguir chegar a 47% dos votos isso implica que o IBOPE deveria DUPLICAR SUA MARGEM DE ERRO!!!! Se Dilma conseguir chegar a 47% dos votos isso implica que o DATAFOLHA deveria aumentar em 50% sua margem de erro. Esse NÃO SÃO ERROS PEQUENOS do ponto de vista estatístico.

No final do dia parabéns ao Blog Coturno Noturno que até ontem sustentava que Dilma não passaria de 45%, usando a margem de 2%, o Coronel acertou na mosca.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Eu não voto em terrorista

Eu não voto em terrorista.
Eu não voto em quem acha as FARC um movimento legítimo.
Eu não voto em quem quer implementar uma ditadura de partido único.

Eleger Dilma para a Presidência da República é assegurar o fim da liberdade de expressão no Brasil, é dar adeus ao estado de direito.

Nossos filhos não merecem isso. Pai não destrua o futuro de seu filho. Mãe não vote na ditadura.

Dilma não tem e nunca terá meu voto. Eu a desprezo, ela é o símbolo de tudo que esta errado e não presta em nosso país: não tem mérito algum, está onde está por conexões e apadrinhamento político.

Os votos do Sachsida

Abaixo seguem os candidatos que receberão meu voto. Lembrem-se que eu voto no Distrito Federal.

Presidente: Eymael (27) – Partido Social Democrata Cristão

Governador: Newton Lins (17) – Partido Social Liberal (ele desistiu da candidatura em 30 de setembro, assim seus votos serão contabilizados como nulos)

Senador 1: Gerônimo (178) – Partido Social Liberal
Senador 2: NULO

Deputado Federal: Augusto Carvalho (2323) – Partido Popular Socialista

Deputado Distrital: João, o abençoado (20.050) – Partido Social Cristão

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Diga-me com quem andas...

Dilma é ligada a José Dirceu, aquele acusado de ser o chefe do mensalão
Dilma é ligada a Palloci, aquele que violou o sigilo de um simples caseiro
Dilma é ligada a Erenice, aquela da Casa Civil
Dilma é ligada a grupos que tinham “dossies” de inimigos políticos
Dilma foi ligada a um grupo terrorista, que sequestrava e matava pessoas

Talvez Dilma não seja chefe de quadrilha, mas um de seus assessores é acusado disso. Talvez Dilma não viole sigilos fiscais e bancários, mas um de seus assessores já esteve metido nisso. Talvez Dilma não esteja envolvida nos escândalos da Casa Civil, mas seu “braço direito” está. Talvez Dilma não esteja ligada a quebra de sigilo de inimigos políticos, mas seus assessores tinham esses dados. Talvez Dilma não seja assassina, mas terrorista certamente ela já foi. Talvez Dilma não tenha sequestrado ninguém, mas o grupo terrorista do qual fazia parte esteve envolvido com sequestros e assassinatos.

Talvez poderíamos dizer que Dilma é o exemplo de uma freira num cabaré, mas freira ela não é: freiras não pertencem a grupos terroristas e nem defendem o aborto. Além do mais, é muito maldade comparar um nobre cabaré com os amigos que cercam Dilma. Diga-me com quem andas....

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Dilma e o Estado de Direito

Liberdade de imprensa: estamos mais seguros com Dilma?
Sigilo bancário e fiscal: estamos mais seguros com Dilma?
Segurança jurídica: estamos mais seguros com Dilma?
Aparelhamento do Estado: estamos melhor com Dilma?
Capacidade gerencial: estamos melhor com Dilma?
Invasões de terra: estamos melhor com Dilma?
Manutenção das instituições: estamos melhor com Dilma?

Essa lista pode continuar, mas a resposta é sempre a mesma: com Dilma no poder estaremos sempre pior.

Dilma é o passo em direção a ditadura de partido. A vitória de Dilma nas eleições nos obrigará a torcer no futuro pelo PMDB (o único partido forte e mau o suficiente para combater a ditadura petista). Isso nos dá uma amostra de como nossa liberdade esta em risco.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Mais uma Vitória de Chávez

A grande imprensa comemora a derrota de Chávez. Segundo os especialistas, os 64 deputados eleitos pela oposição na Venezuela são em número suficiente para barrar as reformas constitucionais propostas pelo presidente venezuelano.

Este é um equivoco perigoso. Chaves não foi derrotado, ele venceu. Chávez teve a prova cabal de que a comunidade internacional ACEITA seus métodos inconstitucionais. PIOR: o povo venezuelano não tem mais como reagir aos métodos chavistas. O importante nessas eleições não era eleger deputados, mas sim combater o método chavista. Se isso não é possível, ter deputados eleitos de nada valerá para a oposição venezuelana.

Em fevereiro de 1934, Hitler não conseguiu a maioria necessária para alterar a Constituição alemã. Mas durante a campanha eleitoral ficou evidente a incapacidade do povo alemão em evitar e punir os métodos nazistas. Resultado: algum tempo depois Hitler colocou na ilegalidade o Partido Comunista Alemão, e prendeu seus deputados. Com essa manobra simples ele obteve a maioria de que necessitava para realizar suas mudanças.

Em breve Chávez fará o mesmo. Em breve Chávez irá colocar a oposição na ilegalidade, ou então irá prender os deputados da oposição (com acusações falsas), e assim, tal como Hitler, terá a maioria de que necessita para realizar suas mudanças. Chávez deveria estar preso, as eleições na Venezuela apenas mostraram a incapacidade do povo venezuelano de deter sua marcha para a escuridão.

Parabéns a Manuel Ayau

Pois é, até a Guatemala dá lição no Brasil...

domingo, 26 de setembro de 2010

Avaliação Trienal da CAPES

Participei da Comissão de Área de Economia durante a recente avaliação trienal promovida pela CAPES. Essa comissão sugeriu as notas que cada centro de pós graduação em economia deveria receber. Tais notas são importantes, pois além de serem usadas para distribuição de recursos públicos, também servem de sinalização referente a qualidade de cada centro de pós-graduação.

A EPGE e a USP receberam a nota máxima (nota 7), e a mereceram. A FGV-SP também mereceu a nota 7, mas ficou com 6. Basicamente isso ocorreu pois na avaliação anterior a FGV-SP tinha nota 5, e pulos de 2 níveis são reservados apenas a situações excepcionais. Eu não sou um grande fã da UFRJ (basicamente por divergências ideológicas), mas seguindo os critérios da CAPES eles mereceram a nota 6. Temos então que, de acordo com os critérios da CAPES, dois dos melhores centros residem em São Paulo e outros dois no Rio de Janeiro. Mais importante: dois deles são privados. Isto mostra a importância do setor privado para a pesquisa econômica de alto nível no Brasil.

Numa avaliação pessoal, eu teria colocado a PUC-RJ com nota 7. Acontece que SEGUINDO AS NORMAS da CAPES, a nota 5 para a PUC-RJ está correta. O problema da PUC-RJ reside no baixo número de doutores formados por esse centro. Não vou entrar aqui no mérito se isso está correto ou não. Mas a PUC-RJ conhecia as normas da CAPES, e optou por manter um número baixo de doutores formados. A PUC-RJ é um excelente centro, mas as regras da CAPES estão dadas, se você opta por não seguí-las, também não adianta reclamar depois. Mas ressalto que acho legítma decisão da PUC-RJ.

Quanto ao mestrado profissionalizante, temos que os únicos centros notas 5 (nota máxima para mestrados) são centros privados: FGV-RJ, FGV-SP, IBMEC-RJ e INSPER. Novamente ressaltando a importância da iniciativa privada na formação de capital humano de alto nível no Brasil.

De maneira geral, a avaliação trienal da CAPES concluiu o que alguns acadêmicos já haviam apontado: a qualidade da pesquisa em economia no Brasil tem aumentado significativamente. Para a próxima avaliação trienal resta um grande desafio: discutir e aprimorar o QUALIS (ranking de periódicos que recebem pontuação na área de economia). Desnecessário dizer que o grosso da nota de um centro depende do formato do QUALIS.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Quem Julga os Julgadores?

Para começar esse texto quero deixar claro que até o momento tenho 35 artigos aceitos/publicados (15 internacionais e 20 nacionais). Dado que terminei meu doutorado em dezembro de 2000, isso implica numa média superior a 3 artigos aceitos por ano. Na área de economia essa média é excelente. Em relação a participação em congressos, já tive tantos aceites que nem os incluo mais no meu cv lattes. Para cada um desses artigos aceitos devo ter tido uns dois (ou mais) rejeites. Isto implica que já devo ter recebido umas 70 rejeições (também já parei de contar). Isto é, de artigos aceitos e rejeitados eu entendo.

Um detalhe que tem me chamado a atenção é a queda gigantesca de qualidade dos pareceres em revistas nacionais nos últimos dois anos. Quando se submete um artigo para uma revista, dois pareceristas (julgadores) emitem um parecer (sua opinião técnica) sobre a qualidade do artigo, e dizem se o mesmo deve ou não ser publicado. Dando minha opinião pessoal, noto que a qualidade desses pareceres têm caido muito. O exemplo mais claro é aquele parecerista que rejeita um paper com base em testes de raiz unitária (como se só ele conhecesse esses testes), mas se esquece que em análises bayesianas este não é um problema sério. Outro caso é daqueles pareceristas que nitidamente não leem e rejeitam o artigo.

Mas por que a qualidade dos pareceres tem caido tanto nos últimos anos? Uma hipótese plausível bota a culpa no governo. Isto é, a CAPES aumentou a pontuação das revistas nacionais frente a revistas internacionais. Ao mesmo tempo, ter artigos publicados passou a ter cada vez mais peso tanto em pedidos de recursos, como na contratação de professores, ou na avaliação dos centros. Em resumo: passou a ser muito vantajoso passar a submeter artigos para revistas brasileiras, ao invés de submeter artigos para revistas no exterior. Esse movimento intensivo em direção a revistas nacionais esgotou o números de pareceristas disponíveis. Isto é, esta cada vez mais difícil encontrar alguém para julgar artigos. Com essa escassez de pareceristas, os editores das revistas são obrigados a recorrer, cada vez mais, a pareceristas de qualidade duvidosa.

Outra explicação possível refere-se a questões políticas: revistas de determinados centros teriam menos incentivo para aceitarem artigos de outros centros (pois isso pode afetar a nota relativa do centro). Além disso, os pareceristas entendem que ao aceitarem um artigo para uma revista nacional, sobra-se menos espaço para ele e seus colegas nessa mesma revista.

Para resolvermos os problemas acima existem duas soluções: exigir que os artigos sejam escritos em inglês (pois isso aumenta o pool de pareceristas disponíveis); e/ou aumentar o número de revistas nacionais. De qualquer maneira, esse é um problema que me parece sério.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Urna Eletrônica: Tô Fora

Dados sigilosos da Receita Federal foram violados. Dados bancários sigilosos de um caseiro foram violados. Escutas telefônicas clandestinas não faltam no país. Funcionários da Agência Brasileira de Informação (ABIN) aparecem em operações não autorizadas (para não dizer ilegais). Exatamente por que devemos confiar na urna eletrônica?

Quem fiscaliza se a programação da urna eletrônica está correta? Resposta: o mesmo governo que violou sigilos fiscais e bancários de seus oponentes. Exatamente por que devo confiar mais na urna eletrônica do que na Receita Federal? Por que devo confiar mais na urna eletrônica do que na ABIN? Por que devo confiar num governo que faz dossies ilegais contra adversários políticos? Por que confiar num governo que está envolvido em tantos escândalos sem fim? Nada me leva a confiar nesse governo, exatamente por que deveria confiar na honestidade da urna eletrônica?

Vou repetir o que já disse: urnas eletrônicas que seguem o padrão das brasileiras SÃO PROIBIDAS em alguns estados americanos. Essas urnas não fornecem a segurança necessária para garantir a lisura do processo eleitoral. Não sou eu que digo isso, são especialistas em segurança digital. Vamos a perguntas simples: quem tem acesso ao código de programação das urnas? Aposto que isso é sigiloso. Quem audita as urnas eletrônicas? Aposto que é o próprio governo. Notaram: simplesmente não é possível questionar o resultado fornecido pela urna eletrônica.

Na Alemanha Nazista, os nazistas usavam marcas de leite nas cédulas eleitorais para saber quem votava a favor ou contra o governo. Quem me garante que a urna eletrônica não faça o mesmo? Aliás, ISSO JÁ FOI FEITO. Foi exatamente por violar o sigilo da votação no Congresso Nacional que os Senadores Arruda e ACM tiveram que pedir a conta. Ou seja, já há alguns anos a votação no Congresso Nacional já foi violada. Se no Congresso Nacional não se garante o sigilo, exatamente como se pretende garantir o sigilo no interior do país?

domingo, 19 de setembro de 2010

O Nascimento de um Monopólio

Uma parte considerável da população é constantemente enganada com o seguinte argumento: o desenvolvimento de novas tecnologias torna cada vez mais caro para uma empresa operar num mercado, com isso as pequenas empresas fecham e só restam as grandes. Esse argumento implica que a tecnologia diminui a competição entre empresas, ou seja, desenvolvimento tecnológico favorece o aparecimento de monopólios. ESSE ARGUMENTO É COMPLETAMENTE FALSO.

A rigor é justamente o contrário. Isto é, o desenvolvimento tecnológico combate monopólios. A tecnologia diminui o custo de entrada nos mercados, aumentando assim o número de empresas e a competição. Vamos aos exemplos: nos ANTIGOS livros texto de economia assumia-se que distribuição de energia elétrica era um monopólio natural (o número de empresas ótimo desse mercado se dava com apenas uma única empresa). O tempo passou, novas tecnologias surgiram e hoje já existe competição nesse segmento (onde eu morava no Texas haviam 3 empresas que competiam nesse mercado). Outro exemplo: telecomunicações. No passado esse mercado era um monopólio, hoje (apesar dos “esforços” do governo) temos competição aqui.

Não é a tecnologia que cria monopólios, é o governo. É o Estado, através da legislação, que cria a quase totalidade de monopólios em uma sociedade. A grande maioria dos monopólios não ocorre por motivos econômicos, ocorre por motivos legais (intervenção do governo proibindo a competição). Os exemplos mais óbvios são o caso do petróleo e dos correios.

Fui lavar meu carro, onde moro era comum que em quase toda quadra tivesse um lavador de carros (isto é, havia competição). O governo do Distrito Federal, “preocupado com o meio ambiente”, aprovou uma lei PROIBINDO lavagem com água em minha região. Agora lavagem por aqui só se for a seco. Resultado: os pobres lavadores de carro foram expulsos do mercado, e hoje apenas uma única empresa oferta esse serviço por aqui. Não foi a tecnologia que gerou a expulsão dos pobres lavadores de carro. Quem expulsou os pobres para dar o mercado de bandeja para uma única empresa foi o Estado. Assim ocorre no mercado de lavagem de carros, assim ocorre quase sempre: um grupo se apropria do Estado para impedir a competição em seu mercado, e obter lucros exorbitantes. A justificativa para impedir a competição varia: às vezes é para proteger o meio ambiente, às vezes é para o bem do país... mas no fundo no fundo a razão é uma só: proteger um grupo da concorrência e manter seus lucros em patamares artificialmente altos.

sábado, 18 de setembro de 2010

Brasileiro não entende de corrupção

Caras, vocês já notaram o absurdo que esta aparecendo nos jornais e na televisão???

Dizem que Dilma continua na frente nas pesquisas pois "o brasileiro não entende de corrupção, o brasileiro não consegue entender os casos de propina que afetam o governo federal"... cá entre nós, desde quando brasileiro não entende de corrupção???

O problema não é que o brasileiro não entenda de corrupção, o problema é que o brasileiro NÃO LIGA para corrupção. Nossos padrões morais estão tão ruins que sequer nos importamos mais com isso. Claro que existem exceções, claro que existem indignados, mas a verdade é que boa parte da sociedade não liga muito para isso.

Acontece que o Brasil NÃO É um país com liberdade econômica. Aqui quase tudo é feudo ou cartório. Num ambiente tão pouco competitivo como esse, as pessoas tem enorme dificuldade para vencer por conta própria. Resultado: a grande maioria das pessoas é obrigada a se associar a grupos. Ou seja, o sucesso individual acaba atrelado ao sucesso do grupo a que se pertence. Logo, ao invés de valorizar o mérito individual, o brasileiro (mesmo o honesto) é obrigado (por questões de sobrevivência) a lutar pelo grupo.

Quando a sociedade não se baseia em mérito individual, mas em grupos de poder, temos que o sucesso de um grupo implica em menos recursos para outro grupo. Dessa maneira, manobras ilícitas dos grupos acabam sendo toleradas por amplas fatias da sociedade. Afinal, todos os grupos lutam entre si por um volume de recursos limitados.

Em resumo, a falta de competição, o excesso de regulação e de cartórios, acabam tendo como efeito uma ampla tolerância da sociedade em relação a corrupção. Além de efeitos econômicos deletérios, a falta de competição, a falta de liberdade econômica, gera também efeitos morais adversos.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Agora é oficial: Adeus Serra

Quem me conhece sabe que me esforcei. Tentei mesmo. Fiquei firme ao lado de Serra. Mas tudo tem limite. Não dá mais. Não bastasse os absurdos que ele já falou em matéria de economia, acabo de ver mais uma proposta de Serra: salário mínimo de 600 reais. Isso representa um aumento de 17,6%. Não dá. Isso é populismo barato.

Um salário mínimo desse valor implica de cara num rombo nas contas da previdência. Implica em desemprego no setor formal da economia. Implica que pessoas com menor qualificação (geralmente os mais pobres) irão amargar o desemprego. Em sã consciência não posso compactuar com um crime desses contra a parcela menos favorecida da população.

Adeus Serra. De agora em diante eu vou de Eimael... podem rir, mas dado que ele promete abaixar impostos, e pelo que entendi é a favor da redução do gasto público, pelo menos sei que entre os candidatos ele é o que irá nos custar menos.

Dá-lhe Eimael!!!!

A Grande Escolha de Nero

Nero foi um controverso imperador romano, mas em uma coisa ele acertou: escolheu um cavalo para cônsul. Na Roma imperial, repleta de conspirações, ao menos o cavalo não tramaria para assassinar o imperador.

A escolha de Nero por um cavalo para ocupar o segundo mais importante cargo público romano, abaixo apenas do imperador, me parece ainda mais sensata quando vejo a escolha de Lula para o segundo cargo mais importante do governo: Erenice Guerra (antes dela Dilma, e antes de Dilma José Dirceu). Cá entre nós, sou mais o cavalo.

Lendo os jornais me deparo com o igualmente competente Ministro da Fazenda, Guido Mantega, dizendo que o governo tomará medidas contra a valorização excessiva do real. Desnecessário perguntar o que é excessiva, já que esse valor é puramente arbitrário. Será que não aprendemos ainda que fixar a taxa de câmbio não é uma boa idéia? Câmbio é preço e qualquer manual de economia é unânime em afirmar que preços devem ser flexíveis. Não bastasse isso devemos lembrar que, para evitar a valorização do real, o governo precisa comprar dólares. Mas isso é feito vendendo-se títulos públicos, e usando esses recursos para comprar dólares. Como a dívida pública é remunerada a uma taxa superior às reservas internacionais, isso implica num custo fiscal dessa operação. Existem outras distorções geradas por essa operação, mas deixemos isso para outro post. O que quero dizer aqui é mais simples: entre Mantega e o cavalo, fico com o cavalo.

Tô achando que vai faltar cavalo no mercado.... esse Nero era um gênio.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Tiririca e a Urna Eletrônica

Não confio em urna eletrônica. Se os países mais desenvolvidos do mundo não usam, é porque deve haver uma boa razão. Aliás, o tipo de urna eletrônica usada no Brasil foi PROIBIDA em estados americanos, motivo: impossibilidade de conferência e margem para alteração de resultados. Claro, o Estado brasileiro garante que a urna eletrônica é inviolável. Também é verdade que o Estado garante sigilo dos dados na Receita Federal, parece que não está funcionando bem. Além de achar que a urna eletrônica pode manipular votos, também tenho sérias dúvidas que ela garanta o sigilo (anonimato) do voto.

Mas este post tem outro objetivo: mostrar um efeito não intencional da urna eletrônica. No passado, quando votávamos em cédulas de papel, era possível fazer o voto de protesto. Foi assim, que o glorioso Macaco Tião teve seu auge. Em todos os lugares do Brasil, um macaco, um cavalo, ou cachorro, ganhava votos dos eleitores indignados com o nível dos candidatos. Hoje, com a urna eletrônica, este tipo de voto não é mais possível. Resultado: ao invés de votarmos no Macaco Tião votamos no Tiririca. O problema é que, ao contrário do Macaco Tião, Tiririca pode mesmo ser eleito. Alguns podem argumentar que é possível anular o voto. Sim, isso é verdade. Contudo, anular o voto não tem as mesmas características pejorativas que tanto atraíam os eleitores do macaco.

Em resumo, a urna eletrônica além de vários questionamentos referentes a segurança, tornou possível também a eleição de candidatos fantasia. Candidatos que ao final irão votar projetos que irão alterar nossas vidas. De maneira alguma culpo Tiririca ou seus eleitores. Afinal, não creio que Tiririca seja pior do que vários dos membros de nosso Congresso. Culpo sim a estrutura política brasileira que possibilita que pessoas sem qualquer preparo, e não raras as vezes sem qualquer escrúpulo, tenham tanto poder de interferir em nossas vidas. Não adianta reclamarmos de Tiririca: a solução está em diminuirmos o poder do Estado.

sábado, 11 de setembro de 2010

Uma data triste: 11 de setembro de 2001

Eu me lembro de 11 de setembro de 2001. Estava trabalhando quando alguém me avisou para olhar a internet. Fatos chocantes, mais de 5 mil pessoas inocentes: pais de família, bebes, crianças, idosos, mulheres. Cinco mil vidas deixaram de existir.

Mas outros fatos me chocaram naquela semana:

1) um número expressivo de professores universitários brasileiros parecia estar feliz com o acontecido;

2) pessoas honestas e de bem tentavam justificar aquele ato terrorista dizendo que os americanos finalmente tiveram o que mereciam;

3) numa academia um canalha usava uma camisa com a foto de Osama Bin Laden.

Alguns brasileiros estavam longe de estarem chocados com o ataque terrorista. Aproximadamente 6 meses após o 11/09 estive nos EUA. Andando pela Universidade do Texas vi algo incrível: uma manifestação mostrando o caráter pacífico do Islã. Nessa hora eu vi e admirei o caráter democrático e pacífico da sociedade americana. Em que outro país do mundo isso seria possível?

Esse blogueiro despreza terroristas. Desprezo assassinos que matam inocentes em nome de um "futuro melhor". Como se um futuro melhor pudesse ser construído a partir de um caminho criminoso como esse.

Este blog faz aqui uma singela homenagem a todos os inocentes e suas famílias que tiveram suas vidas destroçadas no dia 11 de setembro de 2001.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Onde está a crise americana?

Meus amigos, vocês notaram que de uma hora para outra a crise americana sumiu? Parece até que por um passe de mágica ela desapareceu. Para registro deixo claro aqui: quando muitas pessoas erram muito, por muito tempo e num volume de recursos altos, existe um custo a ser pago. A interferência do Estado NÃO ELIMINA esse custo, apenas o transfere e o posterga para o futuro. PIOR do que isso, a interferência do Estado distorce os incentivos, premia os piores, e estimula um comportamento que AUMENTA O TAMANHO E A DURAÇÃO da crise no longo prazo.

Pois bem meus amigos, a crise americana NÃO PASSOU. Os prejuízos ainda estão lá, os ajustes não foram feitos, e aconta terá que ser paga. Na surdina, estados americanos tomam medidas ridículas (tais como proibir o aluguel de casas), bancos continuam fazendo as trapalhadas de antes (contando com a ajuda financeira futura do governo), e nem de perto os consumidores reduziram seu consumo para suportar a perda de seu patrimônio (queda no valor das casas). Tal como os consumidores, o governo federal americano também não ajustou suas contas no volume necessário. Como diria o filósofo Capitão Nascimento (do filme “Tropa de Elite”): vai dar merda.

A ajuda fornecida pelo governo americano ao setor financeiro não acabou com a crise, apenas transferiu seus custos do setor financeiro para os contribuintes. Além disso, ao alterar o conjunto de incentivos da economia tornou uma crise passageira (tal como a esquecida crise de 1921) numa futura depressão (tal como a de 1929-33).

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Liberdade ou morte

Hoje, no dia de nossa independência, lembramos da famosa frase "Independência ou morte".

Acredito que hoje é o momento de todo brasileiro dizer "Liberdade ou morte". Temos que dar um basta no movimento de implementação de uma ditadura partidária que está se instalando no Brasil.

Já imaginaram o que estaria ocorrendo em nosso país se a eleição presidencial estivesse apertada, tipo 42% para Serra e 39% para Dilma? Já imaginaram o que pode ocorrer com nosso país se houver segundo turno para presidente? E mais ainda, se a disputa for acirrada?

Hoje só estamos observando eventos que ocorreram no ano passado, quando a disputa ainda parecia difícil. Se a disputa ainda estivesse apertada hoje, o que o PT e seus aliados (Lula incluído) não estariam fazendo?

Liberdade ou morte. Ditaduras partidárias não poupam ninguém.

domingo, 5 de setembro de 2010

O Genial Malandro

Há muito tempo atrás um comediante fez a seguinte piada durante uma entrevista de emprego: “Olhar o passado pra quê? Olhar currículo pra quê? Nós temos é que discutir minhas propostas para essa empresa!!!!”. Evidentemente o picareta nunca foi aceito para a vaga. Um malandro que ouvia a entrevista de emprego a contou para outro malandro, e de malandro em malandro essa idéia ganhou força não em entrevistas de emprego, mas em eleições para cargos públicos. Essa idéia cresceu tanto que hoje em dia é praticamente impossível se discutir sobre o passado de um candidato. Parece ser proibido perguntar o que o candidato já fez. Hoje é tudo na base do que ele irá fazer.

Quando era estudante de economia, me candidatei com uns amigos para o Centro Acadêmico. Nós vencemos a eleição com a seguinte proposta: “as mesmas de sempre”. Para a eleição presidencial acredito que a idéia central permanece válida: combater o crime, acabar com a fome, gerar prosperidade, etc. No final do dia, as propostas são quase sempre as de sempre. O que muda de candidato para candidato é sua honestidade e sua capacidade de cumprir suas promessas. E é justamente isso que parece ser proibido de se discutir no Brasil.

Essa idéia de discutir apenas propostas ajuda enormemente os picaretas, os bandidos, os vagabundos e os sem caráter. Não é a toa que ela é tão popular entre os políticos brasileiros. Além de se discutir propostas é vital que se discuta o passado de cada candidato. Assim, estivesse eu num debate com Dilma minha primeira pergunta seria “O que tem a dizer para as vítimas inocentes do grupo armado a qual a senhora fazia parte? A senhora pretende se desculpar por ter participado de um grupo que assassinou chefes de família inocentes?”. Por que será que é tão difícil fazer perguntas sobre o passado?

Quando eu cursava o doutorado tinha um colega que sempre dizia “vou fazer isso, vou fazer aquilo”. Até que um dia sugeriram a ele que parasse de falar no que iria fazer e começasse a fazer algo. Nunca mais vi esse colega, deve ter virado político.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Aviso de utilidade pública

Meus caros,

Há um bom tempo eu critiquei a medida do governo que possibilitava o uso do FGTS para a compra de ações APENAS da Petrobras (basta procurar no blog que você encontra meus argumentos).

Pois bem, o tempo passou e para variar mostrou que eu estava certo. Mas escrevo agora para alertar TODOS que compraram ações da petrobrás com recursos do FGTS. Por favor, vá imediatamente procurar alguém que entende do assunto ou você corre o risco de perder muito dinheiro. Motivo: com o advento do pré-sal a Petrobras irá lançar ações para se capitalizar.

A operação de capitalização da Petrobras ainda esta confusa, mas pode apostar: se o minoritário bobear vai perder MUITO dinheiro. Aliás, já estava na hora da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) dar o ar da graça e se manifestar sobre esse assunto.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

As Eleições de Fevereiro de 1933

Em 31 de janeiro de 1933 Hitler assumiu como Chanceler da República alemã. Rapidamente aproveitou a chance para convocar novas eleições parlamentares para 25 de fevereiro. Hitler tencionava com essa manobra usar todo o aparato estatal para fazer propaganda em favor do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (ou simplesmente partido nazista) e obter maioria parlamentar. Goebbels, seu assessor para propaganda, vibrou com a notícia e escreveu em seu diário “agora será fácil”.

Os nazistas mobilizaram toda a estrutura do governo, associada com toda a estrutura das SA (tropas de assalto do partido), para ao mesmo tempo convencer e aterrorizar os alemães sobre os nazistas. Uma semana antes das eleições os nazistas botaram fogo no Parlamento e culparam os comunistas. Por esse episódio você nota como foi o nível da campanha. Mesmo com tudo isso, os nazistas alcançaram apenas 44% dos votos. Isto é, insuficiente para formar uma maioria parlamentar, o que obrigou os nazistas a fazerem coligações, e ao menos deu mais tempo a Alemanha (pouco tempo é verdade). Mas o ponto importante é que mesmo em março de 1933, com Hitler já Chanceler, ainda era possível deter os nazistas.

Brasil, 01 de setembro de 2010. Será o nível da campanha petista tão diferente da dos nazistas? Não estão eles usando o poder do Estado? Não estão eles usando suas próprias SA (tais como o MST) para nos intimidar? O que quero dizer é simples: ainda temos uma chance de deter esses vândalos. Ainda é possível deter o mal. Ainda temos chance de destruir o embrião dessa ditadura que está se formando em nosso país.

Apenas a título de curiosidade histórica: os nazistas destruíram todos os partidos da Alemanha, tanto os que se oposuram a eles como os que os apoiaram. Perseguiram tanto os indivíduos que de início os apoiaram como os que se lhe oposuram. Ninguém foi poupado.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

O Brasil já está maduro o suficiente para as mulheres pagarem sua parte na conta

Parece que o maior mérito da candidata do PT à presidência da república é ser mulher. A campanha petista não para de martelar que “o Brasil já está maduro o suficiente para ter uma mulher na presidência”. Eu concordo, e digo mais: já está na hora das mulheres pagarem sua parte na conta.

Não me refiro aqui a questões de microeconomia. Ou seja, não questiono aqui o fato de que boa parte das mulheres – muitas delas progressistas, orgulhosas de serem independentes, e prontas a recriminar suas companheiras que optam por ser donas de casa –, sequer se incomodam em pagar sua parte na conta quando saem com um homem. Também não questiono a repulsa de algumas feministas por homens que têm a “indelizadeza” de lembrá-las que a conta deve ser dividida.

Meu ponto é de macroeconomia, e segue um princípio simples: se alguém recebe mais do que pagou, é porque alguém está pagando mais do que irá receber. Não há como fugir dessa lógica. Transpondo isso para a previdência social, temos uma verdade comprovada pelos fatos: mulheres vivem mais do que os homens. Dessa maneira, no que se refere à previdência social mulheres devem pagar mais (ou por mais tempo) do que os homens. Isso não se refere a discriminação, é apenas um fato estatístico. Estatística esta que é levada em consideração no mercardo de seguro de automóveis: para segurar um automóvel mulheres pagam menos do que homens. Ora, se é válido usar estatística para se cobrar menos das mulheres, então qual é o problema de se usar estatística quando esta favorece aos homens?

Claro que eu conheço os tradicionais, e errados, argumentos em favor das mulheres contribuírem menos para a previdência: jornada dupla e discriminação no mercado de trabalho. Contudo, no mundo moderno, homens também cumprem jornada dupla. Seja ajudando em casa, tendo um segundo emprego, cuidando das crianças, ou fazendo as tradicionais tarefas de homem numa casa. Quanto ao fato das mulheres serem discriminadas, bem essa é apenas uma hipótese que alguns tomam erradamente como uma certeza.

Enfim, as mulheres amudereceram: botaram os homens para ajudar em casa, foram trabalhar fora, deixam que outras pessoas cuidem de seus filhos, e concorrem à cargos políticos. Sem dúvida foram grandes vitórias, mas cabe lembrar que direitos geralmente vêm acompanhados de deveres: está na hora das mulheres pagarem sua parte na conta.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Liberdade na Estrada 2

Pelo segundo ano consecutivo o Ordem Livre faz bonito e lança novamente o Liberdade na Estrada.

Deixo claro que foi uma honra para mim participar da primeira edição. E com muita honra terei o prazer de participar de parte dessa iniciativa.

Obrigado ao Ordem Livre por essa chance. E já vou avisando, em Brasília o evento vai estar lotado!!!!!!

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Lula e o Paradoxo do Malandro

De acordo com o filósofo Bezerra da Silva “Malandro demais vira bicho”. Acredito que mais cedo do que pensa, Lula irá entender essa frase. Lula se acha gênio: escolheu para substituí-lo alguém completamente desconhecido e despreparado. Na cabeça de Lula a lógica é simples: escolhendo alguém desconhecido para substituí-lo ele teria duas vantagens: 1) manteria o poder nos bastidores; e 2) voltaria para a presidência na eleição seguinte.

Não sou fã do PT, mas mesmo o PT tem quadros mais capacitados que Dilma. Então Lula elaborou a trama, escolheu alguém que acredita que poderá manipular, alguém totalmente dependente do carisma dele, e mais importante, alguém que lhe apoiará para voltar a presidência. A conta de Lula é simples: 4 anos de Dilma e depois mais 8 anos de Lula.

Mas malandro demais vira bicho. Lula realmente acredita que irá manipular uma terrorista? Ele é que está sendo manipulado. Tão logo Dilma assuma o poder, ela e o grupo que a apóia irão dar um jeito de colocar Lula de lado. Em menos de 1 ano o ex-presidente irá descobrir que o poder tem memória curta. Mas o pesadelo para Lula irá até a tragédia. Ele realmente acredita que um grupo terrorista irá permitir a existência de um concorrente tão popular? Dilma e seu grupo irão se deparar com a difícil escolha entre matar Lula ou prendê-lo. Poderão matá-lo e acusar a “direita”. Arrumando assim o motivo para um golpe de Estado, e prendendo os adversários. Nesse caso, Lula seria glorificado como o grande líder assassinado pelas elites. Nada mais justo então do que encarcerar essa elite.

Mas matar Lula não é a única opção para o grupo de Dilma: pode-se também acusar Lula de traidor do movimento. Afinal, todo regime ditatorial necessita culpar alguém por seus fracassos. Vocês já viram quantos esquerdistas dizem que Lula os traiu? Pois é, não será difícil aos terroristas incriminar Lula por alta traição, colocá-lo numa cadeia e, é claro, aproveitar para fazer um expurgo. Se isso parece absurdo para você, então leia um pouco mais sobre o destino dos líderes comunistas que perderam a briga pelo poder. O exemplo mais óbvio é Trotsky.

Lula, você acha que vai se dar bem com Dilma. Engano seu: ela irá te trair. A única dúvida caro Presidente é se você será assassinado ou preso. Dilma e seu grupo não mudaram: continuam se orgulhando de terem combatido, de terem assassinado, sequestrado, e roubado em favor da implantação de uma ditadura de esquerda. Lula, não se cria um monstro acreditando que pode-se controlá-lo. Dilma é o começo das trevas sobre nosso país.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

O Genial Danny Craig

Assistindo a série americana "Justiça Sem Limites", me deparei com um episódio excelente. Willian Shatner (o capitão Kirk de Jornada nas Estrelas) é Danny Craig, um advogado de sucesso, heterosexual, que decide se casar com outro homem.

A Associação de Defesa dos Gays e Lésbicas entra com uma ação na justiça para impedir tal casamento. Motivo: Danny Craig estaria usando o casamento para evitar pagar impostos e ridicularizando o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Segue o diálogo:

Acusação: o Sr. está se casando por motivos financeiros?

Craig: Sim, por esse motivo também, mas qual o problema? Casamentos sempre foram uma espécie de contrato. Casando pagarei menos imposto de renda. Além disso, não terei que dividir meus bens com alguma mulher que porventura se aproveite de minha natureza romântica.

Acusação: Mas esse motivo é banal. O Sr. quer apenas pagar menos impostos.

Craig: O que tem de banal em acreditar que meu dinheiro fica melhor comigo do que sustentando alguma guerra no exterior?

Acusação: Mas você irá transar com seu companheiro?

Craig: Desde quando é direito do Estado verificar se terei sexo com meu parceiro? Por acaso o Estado verifica se homosexuais transam? Não aceito esse tipo de vigilância em minha vida privada.

Acusação: Por que você quer se casar com outro homem?

Craig: As leis que regem o casamento possibilitam que um homosexual case com alguém do sexo oposto. Isso nunca foi contestado na justiça. Assim, se existe uma lei que possibilita casamento entre pessoas do mesmo sexo então essa lei deve valer para mim também.

Acusação: O Sr. esta banalizando uma conquista dos homosexuais.

Craig: De maneira alguma, eu estou apenas mostrando que essa lei também beneficia os heterosexuais.

Realmente genial.

domingo, 22 de agosto de 2010

O Curioso Caso de Jajabras Button

O cinema nos brindou com “O Curioso Caso de Benjamin Button”, filme onde o personagem principal nascia velho e ia rejuvenescendo ao longo da vida. Eu, como escritor de romances, estou escrevendo “O Curioso Caso de Jajabras Button”.

Jajabras Button é uma empresa que, ao contrário de outras empresas, nasce rica. Mas vai empobrecendo a medida que vai ficando mais velha. Jajabras Button nasce sendo dona do negócio mais lucrativo do mundo: petróleo. Tal como Bejamim Button, Jajabras Button vai na direção oposta de seus semelhantes. Enquanto seus rivais precisam fornecer produtos cada vez melhores a preços mais baixos, Jajabras não precisa se preocupar com esse detalhe.

O tempo vai passando, novas tecnologias vão surgindo, mas por alguma razão Jajabras Button vai ficando cada vez mais pobre. O climax do livro ocorre quando Jajabras Button descobre novas reservas de petróleo. Dado que o negócio de Jajabras é exatamente explorar petróleo, seria de se esperar a volta da riqueza para nosso nobre Jaja. Contudo, por uma trama que beira a tragédia grega, quanto mais petróleo encontra mais pobre Jajabras vai ficando.

O livro estava pronto para ser lançado, mas infelizmente estou tendo que brigar na justiça pelos direitos do mesmo. Uma mente maldosa me acusou de plágio, disse que meu livro é uma biografia não autorizada da Petrobras.

sábado, 21 de agosto de 2010

Os Craques das Finanças

Finanças é uma ciência extremamente séria. Só os melhores entre os melhores conseguem emprego nessa área repleta de gênios. Sou cliente do banco X, e recebi o seguinte encarte de propaganda. O objetivo do encarte é mostrar a categoria de seus especialistas em finanças e estimular você a investir nos produtos do banco. Seguem as informações:

Produto (rentabilidade nos últimos 12 meses; e nos últimos 36 meses); X representa o nome do banco:

1) XVest Plus (2,96%; 14,87%)
2) Xcarteira livre (12,56%; 5,29%)
3) XSuper DI (6,49%; 26,84%)
4) XMax DI (7,23%; 29,52%)
5) XMultimercado moderado (5,79%; 19,03%)
6) XMultimercado agressivo (7,13%; 14,81%)
7) XIndice Acoes (20,35%; 13,53%)
8) XAcoes (13,76%; 4,08%)
9) XVale (29,55%; 1,59%)
10) XPetrobras (-17,48%; 0,74%)

Atenção: lembre-se de que nas aplicações listadas acima ainda falta descontar: 1) taxa de administração; 2) IOF/IR; 3) Taxa de performance (no caso de haver um desempenho bom da aplicação). Agora vejamos o desempenho do IGP-M e da mais simples das aplicações, a poupança:

IGP-M (5,79%; 20,97%); Poupança (6,57%; 23,38%)

Realmente são tempos estranhos.... os gênios de finanças parecem ser incapazes de vencer a poupança.... e em boa quantidade de casos não conseguem sequer superar a inflação. Uma pessoa mais cética diria que está na hora de alguns gênios perderem o emprego.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Ponto para o IPEA

O IPEA tem excelentes técnicos, basta dar um pouco de liberdade e eles mostram sua qualidade. O IPEAGEO é uma grande contribuição do IPEA para a melhoria da compreensão dos problemas brasileiros.

Parabéns ao grupo que desenvolveu o software: Waldery e Ywata são técnicos do IPEA (e amigos de longa data), o Albuquerque é bolsista (e meu co-autor em dois artigos). É esse o lado do IPEA que o Brasil precisa. Técnicos altamente capacitados produzindo análises técnicas, avaliando políticas públicas, e colocando informações da economia brasileira ao alcance de um público amplo.

Acredito que os estudos de econometria espacial receberão um impulso importante com o IPEAGEO.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

O Estratosférico Analfabetismo Econômico de Serra

Impressiona o analfabetismo econômico de Serra. Eu quero votar em Serra, estou fazendo um esforço enorme para apoiá-lo. Mas Serra realmente não ajuda. Agora ele promete proteger ainda mais a ineficiênica de algumas indústrias às custas de todos os consumidores de nosso país.

Serra te faço um pedido: você é um analfabeto em matéria de economia. Reconheça isso e coloque ao seu lado uma equipe econômica competente. Sem isso, mesmo pessoas que não gostam da Dilma não irão votar em você. Eu sei que seu ego sofre com isso, mas a verdade é que você não entende de economia.

Serra você é o pior tipo de analfabeto que existe: você acha que sabe o que você não sabe. Você tem muitos méritos, mas em matéria de economia você é fraco. Faça como a Dilma fez: reconheça seus pontos fracos e explore os fortes.

Serra, se você quer ser presidente do Brasil, você precisa mudar urgentemente sua postura em relações a assuntos econômicos. Mas, verdade seja dita, em sua chapa parece que apenas Indio Costa quer vencer. O resto parece que já aceitou a derrota. Continuo votando em você Serra.

Pagar pra que?

Durante a crise de 2007-09 sempre fui um crítico das políticas de combate a crise adotadas pelo governo americano. Em minha opinião o governo deveria deixar os bancos que fizeram maus investimentos falirem. Trilhões de dólares do contribuinte americano já foram gastos, e a crise por lá só tem piorado. O que poucas pessoas entendem é que quando um banco quebra, isso não quer dizer que os recursos desaparecem. Quer dizer apenas que o banco é obrigado a vender parte de seus ativos por um preço menor, isso implica que os depositantes perdem parte do dinheiro. Quem confiou nesses bancos perde. Contudo, quando o governo intervém nesse mercado a perda não desapareceu, os bancos continuam falidos. A diferença é que agora todos os contribuintes pagam para que sejam mantidos os recursos dos depositantes do banco. A interferência do governo não apaga o prejuízo, apenas o transfere (com os consequentes problemas de coordenação e incentivos que isso gera).

No momento, o número de americanos com prestações hipotecárias atrasadas tem aumentado. Muitos notaram que simplesmente não vale mais a pena continuar pagando pela casa. Outros estão apostando que o governo americano vai ajudá-los. Isto é, tem condição de pagar mas apostam que se não pagarem não serão punidos, pelo contrário, serão beneficiados por uma ajuda do governo. Interessante notar que alguns bancos americanos estão gostando desse jogo. Isto é, eles não executam (não tomam a casa) do devedor. Parece que tais bancos querem estimular ainda mais o não pagamento. Objetivo: estão de olho em novas transferências do governo. Ou seja, parece que o devedor não quer pagar e o credor também não quer receber. É evidente que um sistema desse tipo não pode funcionar. O pior é que olhando para a história recente o comportamento desses agentes faz sentido: apostam que o governo irá ajudar mais quem dever mais. Logo, o melhor mesmo é não pagar (ou não cobrar os atrasados no caso dos bancos).

Quando muitas pessoas, por muito tempo, cometem erros graves, existe um preço a se pagar. A interferência do governo não diminui esse preço, apenas transfere a responsabilidade do pagamento dos devedores para os contribuintes. Pior do que isso, essa transferência de responsabilidades distorce os incentivos econômicos, tornando o ajuste final muito mais caro e doloroso para a sociedade.

domingo, 15 de agosto de 2010

Mitos sobre a Educação

Pergunte a qualquer pessoa o que um país deve fazer para crescer. A resposta quase certamente será: investir em educação. O que fazer para reduzir a criminalidade? Investir em educação. Escolher melhor os políticos? Investir em educação. Problemas com mortalidade infantil? Basta investir em educação. Educação parece ser o remédio para tudo. Infelizmente, a educação tem mais fama do que poder para consertar tantos problemas assim.

Em relação ao crescimento econômico, a maioria esmagadora dos estudos não mostra grandes impactos da educação sobre as taxas de crescimento de um país. Lembre-se que capital humano é uma variável bem diferente de educação. Capital humano inclui uma série de componentes (tal como experiência, habilidade, etc.) dos quais educação é apenas uma parte. Não é fácil encontrar efeitos positivos significativos da educação sobre a riqueza de um país. O mesmo vale para criminalidade. Se é verdade que a educação pode reduzir determinado tipo de crime (notadamente crimes violentos), é verdade também que a educação pode aumentar outros tipos de delito (crimes de colarinho branco por exemplo).

Quanto a escolha de políticos, que tal olharmos o Distrito Federal? O Distrito Federal deve ter uma das populações mais educadas do país, mas parece que a qualidade dos políticos daqui é pior do que a média nacional (basta notar o número de senadores daqui que perdem o mandato). Quanto a mortalidade infantil, a esmagadora maioria desse problema poderia ser resolvida com água e esgoto tratados, ou então fervendo a água e dando um destino mais adequado ao esgoto. Ou seja, a pior parte desse problema deve-se a infra-estrutura.

Na grande maioria das vezes, educação recebe muito mais méritos do que realmente tem. Educação é sim importante a nível individual. Indivíduos que estudam mais ganham, na média, mais do que seus semelhantes que estudam menos. Mas esse efeito nada tem de externalidade (ou seja, é o próprio indivíduo que se beneficia de seu esforço). A rigor, se existe alguma externalidade na educação ela se concentra quase que totalmente na formação básica. Isto é, educação básica e nível médio.

Governos devem sim investir na educação. Contudo, sem um mercado competitivo alocando e premiando os melhores o efeito positivo da educação fica muito reduzido. Investir em educação sem promover o livre mercado é inócuo e dispendioso, tal como o exemplo das antigas repúblicas socialistas nos ensina.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Bola Fora

Meus Caros,

No meu post sobre Imposto de Renda, teve um comentário que esculhambou o que eu escrevi. O autor era anônimo e dizia algo como:

"Você não sabe de nada, escreve mal, eu não visito muito seu blog, etc.".

Infelizmente minha internet travou e esse comentário acabou não sendo publicado. Assim, fica aqui registrado meu pedido de desculpas por não publicar esse comentário. Se o Anônimo puder re-enviar o comentário ele certamente será publicado.

O BNDES e os Livros de Geografia

Quando era garoto os livros de Geografia costumavam trazer informações do tipo “o Brasil tem o maior rebanho bovino do mundo”, ou então “o Brasil tem o maior rio em volume de água do mundo”, ou qualquer coisa parecida com isso, mostrando a grandeza de nossa nação. Inspirado nos livros de geografia, o BNDES começou um programa similar para dizer: “a maior indústria mundial do setor X é brasileira”. Por algum motivo, o BNDES acredita que é bom para o Brasil que nossas empresas sejam as maiores do mundo.

A idéia defendida pelo BNDES NÃO ESTÁ embasada em teoria econômica. Pelo contrário, a teoria econômica diz que competição é saudável para a eficiência econômica. Ora, quando o BNDES estimula empresas grandes ele automaticamente esta REDUZINDO a competição. Afinal, o BNDES não aumenta o tamanho do mercado, o que ele faz é concentrar a oferta em poucas empresas. A atitude do BNDES também é estranha pois ele dá crédito a empresas que já teriam acesso ao crédito. Ou seja, ele está apenas dimuindo artificialmente o custo de captação dessas empresas (ou seja, quem paga por isso são os contribuintes). Pior do que isso: se o BNDES estimula setores por um lado, é evidente que ele DESESTIMULA outros setores pelo outro lado. Isto é, o BNDES e NÃO o mecanismo de preços do mercado é que passa a direcionar o fluxo de recursos da economia.

Se voltarmos a década de 1990 veremos que o BNDES atua hoje como os BANCOS ESTADUAIS atuavam antes. Precisa dizer mais? Para aumentar ainda mais a semelhança, as operações entre o BNDES e o Tesouro Nacional, são virtualmente idênticas às operações que os finados bancos estaduais faziam com o governo dos respectivos estados. O Banespa emprestava para o governo de São Paulo; o Banestado emprestava para o governo do Paraná; e o BNDES pega dinheiro do Tesouro para emprestar a empresas selecionadas por critérios baseados no tamanho, na grande empresa nacional. Ora, se existem vantagens tão claras em relação a escala de uma empresa o próprio mercado (bancos privados) estaria interessado em emprestar dinheiro para essas “gigantes” nacionais. Exatamente por que o BNDES empresta dinheiro para empresas que têm dificuldade de captar recursos no mercado? O defensores do BNDES dirão “porque o mercado é míope, e o BNDES pensa no longo prazo”. A estes eu apenas respondo: vocês estão equivocados, o BNDES empresta o dinheiro para tais empresas apenas porque o dinheiro é público. Fossem esses recursos privados eles estariam em outro lugar. Será que ninguém no BNDES se pergunta: “nossa por que só nós somos geniais? Por que o mercado, repleto de pessoas talentosas e querendo ganhar dinheiro, não entende que devemos emprestar dinheiro para empresas ficarem grandes?”.

A farra com o dinheiro público está crescendo. Essa conta vai ter que ser paga cedo ou tarde. Mais um detalhe: quando seu professor de geografia dizer que o mercado concentra riqueza, lembre a ele que é o BNDES, e não o mercado, quem está tirando recursos dos contribuintes para “emprestar” (a juros extremamente subsidiados e com poucas garantias) aos empresários mais ricos do Brasil.

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Parabéns Plínio

Ontem ocorreu o primeiro debate presidencial, e forçosamente tenho que dar os parabéns a Plinio de Arruda Sampaio. Ele fez o que todo candidato decente deveria fazer: deixou claro seu posicionamento em questões vitais para a sociedade.

1) Plinio deixou claro que é a favor das invasões de terra.
2) Plinio deixou claro que é contra o pagamento integral da dívida pública.
3) Plinio deixou claro que é a favor da limitação do tamanho da propriedade rural.

Eu DISCORDO DE TUDO ISSO, mas ele assumiu os custos de seu posicionamento. Pena que infelizmente não temos nenhum candidado liberal com a mesma postura. Alguém que com a mesma coragem diga:

1) Temos que prender os líderes do MST. Invasão de propriedade privada é crime.
2) Lugar de bandido e de terrorista é na cadeia.
3) Competição é bom pois protege o consumidor e o trabalhador, e mais competição é melhor ainda.

Mas em um detalhe eu e Plinio concordamos: propostas tem custos, e estes custos devem ficar claros.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Diga NÃO à Licença Maternidade de 6 Meses

Post escrito em 20 de agosto de 2008.

Tudo indica que o governo irá sancionar a licença maternidade de 6 meses. Isto é um erro. Quem vai pagar por esse erro são TODAS as mulheres do país. O motivo é simples: quem vai se arriscar a promover uma mulher? As empresas simplesmente não vão se arriscar a promover mulheres. Afinal, caso elas engravidem a empresa terá que ficar 6 meses com o cargo vago (ou ocupado de maneira provisória).

Essa nova medida do governo TAMBÉM irá DIMINUIR a empregabilidade das mulheres pelo mesmo motivo exposto no parágrafo acima. Resumindo, a licença maternidade de 6 meses irá diminuir tanto o salário como as oportunidades de emprego das mulheres.

Da próxima vez que você ver uma pesquisa dizendo que as mulheres ganham um salário inferior ao dos homens, NÃO culpe a discriminação ou o machismo do mercado, CULPE o governo.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Pela extradição de Cesare Battisti

Campanha eleitoral: VAMOS VOTAR EM QUEM EXTRADITAR Cesare Battisti.

Como se vê, esse anjo das esquerdas, é condenado pelo assassinato de 4 pessoas. Entre elas uma criança. Esta na hora de Serra e de Dilma dizerem se vão ou não extraditar Battisti. E deixo claro no meu blog: caso Serra não extradite Battisti perde meu voto. Não posso votar em quem defende assassinos e terroristas.

Quanto a querida Marina Silva ela já deixou clara sua posição: quer Battisti no Brasil. Marina é o que é: uma protetora de terroristas. Marina ´só cresce nas pesquisas porque todos sabem que ela não ganha. O dia que ela ameaçar vencer todo mundo pula fora. De qualquer maneira, entre ela e o saudoso macaco tião, fico com o macaco tião.

domingo, 1 de agosto de 2010

Fim das Deduções do Imposto de Renda e Redução do Número de Alíquotas

As deduções permitidas hoje no Imposto de Renda geram grande perda de arrecadação, são altamente distorcionárias, e são um benefício discricionário ao setor mais rico da economia (são regressivas). Elas também dão espaço a uma infinidade de oportunidades para fraude tributária.

Em busca de um regime tributário que estimule o crescimento econômico, devemos desonerar cada vez mais o setor produtivo. Para que seja possível desonerar o setor produtivo, sem que se incorra em falta de responsabilidade fiscal, devemos compensar essa queda de arrecadação com outra fonte.

Hoje, por exemplo, é possível abater gastos com empregadas domésticas no IR. Também, a título de ilustração, cirurgias para a colocação de silicone nos seios também podem ser abatidas do IR. Fica evidente que a perda dessas receitas tributárias tem poucos motivos relacionados a eficiência econômica. Acabar com as isenções do IR seria uma maneira de se aumentar a arrecadação tributária sem prejudicar a eficiência econômica. Ao contrário, as isenções do IR é que parecem gerar as maiores distorções na economia.

Aliado a isso, devemos usar um princípio econômico básico: a perda de eficiência econômica, gerada por um imposto, esta relacionado a sua alíquota marginal. Isto é, quanto mais alíquotas tivermos mais distorções teremos, e menos eficiente será a economia. Hoje existem no Brasil 5 alíquotas diferentes sobre a renda do trabalho: 0%, 7,5%, 15%, 22,5% e 27,5%. Trabalhadores com renda até 1.499,15 reais estão isentos, e a alíquota vai aumentando de acordo com a renda do trabalhador. Este tipo de estrutura gera grandes desincentivos ao trabalho. Do ponto de vista econômico uma alíquota única, tipo 20%, sobre todos os trabalhadores, isto é sem isenções, teria potencial para a) estimular a economia pelo redução das distorções tributárias; e b) aumentar a consciência popular para os gastos públicos. Afinal agora todos estariam sendo obrigados a pagar pelos gastos do governo.

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email