domingo, 17 de janeiro de 2010

A Incomparável Bondade do Povo Americano

A catástrofe ocorrida no Haiti mostra o lado caridoso da sociedade americana. Uma breve olhada nos números mostra a bondade de países como França e Inglaterra. Em geral os países europeus, tão admirados pela sua “humanidade”, fizeram doações ridículas ao Haiti. Já o governo americano, sempre visto como o “leviatã”, doou mais que todos os outros países juntos.

Durante os jogos de futebol americano desse final de semana apareciam mensagens pedindo doações para o Haiti. Somente a associação dos jogadores da NFL irá doar 1 milhão e meio de dólares ao Haiti, valor superior a doação da Austrália. Esse é o país que brasileiros ficam criticando, dizendo ser um país insensível e de população burra.

É um mistério o por que da admiração do Brasil pela Europa, e o desprezo pela democracia mais antiga de nosso planeta. Além da ajuda em dinheiro, os EUA já enviaram navios e pessoal para ajudar na logística da distribuição de suprimentos e medicamentos.

Para finalizar, é fundamental que o Brasil envie mais soldados para o Haiti. Esse é o momento de fazer a diferença, de evitar saques e de acabar de vez com as gangues que assolam aquele país. Falhar agora significa passar o controle do Haiti para as gangues locais. Claro que ocorrerão perdas, mas se o Brasil almeja mesmo a um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU este é o preço a se pagar. Eu não vejo vantagens no Brasil pertencer a esse seleto grupo, mas essa é outra história. Interessante notar que enquanto no exterior os militares brasileiros servem de exemplo, internamente um grupo de ex-terroristas (se é que existe ex-terrorista), com o apoio do governo, tenta criar confusão com o Exército Brasileiro.

14 comentários:

Fábio Mayer disse...

É a mais absoluta verdade, Adolfo.

Só o governo dos EUA colocou 100 milhões de dólares no país, mais um porta-aviões com 2 esquadrõesde helicopteros, um navio-hospital e milhares de militares.

O Brasil, sejamos justos, foi o segundo maior doador e faz o que pode, mas por aqui, parece que é mais importante desqualificar as ações americanas que exaltar as nossas.

lelê disse...

Caro Adolfo,
Sem sombra de dúvidas acredito que o momento é de ajuda. Um povo carente que perece por comida, abrigo, água por conta de uma catástrofe. Acredito que todo tipo de ajuda é bem vinda e não disputa por quem ajuda mais ou menos o importante é erguer o país, a economia, e principalmente a auto-estima das pessoas. Agora eu pergunto, por que não se permite a migração desse povo? É notório que cedo ou tarde haverá outro terremoto nesse país, por ficar em área de risco de atrito tectônico. Isso nem os EUA, nem Europa, e muito menos o Brasil querem, ou seja, refugiados por quaisquer motivos mesmo sendo ele de sobrevivência. Nesse aspecto eu defendo a liberdade de migração mais que tudo. Mas não, que reconstruam o país, que joguem donativos do alto, que soldados vão... mas em nosso país, não queremos refugiados!

Alessandra Santos

Todynho disse...

No século 17, a França e a Espanham invadiram o Haiti, escravizaram aquele povo, roubaram suas riquezas como o ouro e o café e em vista a uma revolução local, a França solicitou uma grande indenização àquele povo para declará-los "livres", o que arruinou a sua economia.
A soma das doações de todos os países não se equipara ao total doado pelos EUA. E os malditos franceses e espanhóis fazem doações de dar pena, sendo que o Brasil doou mais do que a França, isso sem contar na ajuda com equipes, mantimentos e equipamentos médicos.
Engraçado que todo mundo coloca a Europa em um pedestal, como sendo exemplo de países desenvolvidos, cultos! São na verdade uns desgraçados que ferraram com os outros países, como o exemplo da França e Espanha no caso da colonização do Haiti, e Portugal no caso da colonização do Brasil. E agora como eles se retratam? Com nada.

Segue um link do ranking dos países que mais doaram.
http://noticias.bol.uol.com.br/internacional/2010/01/18/paises-anunciam-mais-us-24-milhoes-em-ajuda-ao-haiti-veja-lista-de-doacoes.jhtm

Rafael disse...

e da onde será que saiu todo esse dinheiro da bondade da 'sociedade' americana? quem sabe se fosse algum pais do oriente medio a ter uma tragedia dessa o sr. Obama mandaria de brinde junto com a ajuda algumas tropinhas pra dar uma 'pacificada' na região

Anônimo disse...

A democracia mais antiga é a Suíça.

Ginno disse...

Se ainda tivéssemos aula, você iria chegar à sala de aula e perguntar ‘o que mais chamou atenção nessa semana? ‘, com certeza iria responder o fato de Cuba ter aberto o espaço aéreo para os Estados Unidos. Mas fazer o que? Um semestre foi pouco! rsrs

A Marinha do Brasil gastou mais de 600 mil reais procurando aquele padre tosco que se pendurou em balões e não sabia nem usar um GPS. Esta gastando agora, mas pelo menos temos um propósito.

ps: o dinheiro será que vem dos bens e serviços que o EUA produz, que por sinal tem o maior PIB do mundo. Os EUA já foi colônia um dia, e hoje tem o maior PIB do mundo. Vamos trabalhar mais meu povo e parar de criticar quem trabalha.

Ginno Guimarães

Anônimo disse...

Todynho

Sem insultar e generalizar, por favor...

Todynho disse...

Engraçado que na Suíça, cada cidadão possui uma arma de fogo em sua casa. Um dos esportes principais de lá é o tiro. O país possui um dos melhores índice de segurança do mundo. O ladrão que for assaltar uma casa tem a certeza de que o dono tem uma arma e foi treinado, às vezes desde de criança, para usá-la.
A bandidagem hoje no Brasil possuem armas mais potentes do que as usadas pela própria polícia. Acho que a resposta daquele referendo de 2005 foi errada, faltaram mais informações para que a população tivesse mais subsídios para decidir, mas é o Brasil, a massa acredita sempre no que convém aos caricatas do poder, que, diga-se de passagem, são os bandidos mais perigosos, pois são lobos de pele de cordeiro.

Lord disse...

offtopic
2010 chegou! O BRASIL ESPERA QUE FAÇAMOS NOSSA PARTE LIMPAMDO O CONGRESSO
“ELEJA, NÃO REELEJA”, O CONGRESSO, AQUELE SHOW DE HORRORES, COM CPIS TERMINANDO EM PIZZA, CONGRESSISTAS ARROGANTES E CORPORATIVISTAS, ACOBERTANDO UNS AOS OUTROS.
OS CONGRESSISTAS SABEM O QUE ALI OCORRE, POREM SÃO CONIVENTES!
ALGUNS CRITICAM SEUS PARES, MAS FALTA CORAGEM.
LAMENTÁVEL PORQUE PRECISAMOS DE HOMENS QUE MORALIZEM AQUELAS INSTITUIÇÕES.

Estou divulgando em meu blog uma lista com todos os Fichas Suja.
Peço que visite o blog, copie a lista e poste no seu, esta chegando a hora da gente reagir contra toda aquela bandalheira.

grato
Lord - http://caranovanocongresso.blogspot.com/2010/01/lista-de-politicos-com-ficha-suja.html

Anônimo disse...

Os EUA também foram muito bonzinhos no Afeganistão, no Iraque, Nicaragua, etc.

Luis Gustavo disse...

No Brasil as pessoas têm a mania de antagonizar os americanos. em situações como essa do Haiti, os americanos procuram sempre ajudar e de fato eles podem fazê-lo, afinal são a maior economia do mundo, maior potência bélica, etc.
Já os europeus que têm uma dívida histórica com a america pelos prejuízos deixados aqui após a colonização, parecem não estar muito preocupados em reparar as cicatrizes que eles deixaram em muitos países do nosso continente.

Isso me lembra a frase do tio Ben fala pro Peter Parker: "com um grande poder vem sempre uma grande responsabilidade." É um retrato da atitude americana frente a situação!

Viva o mundo livre!;)

Dorth disse...

O que não se ouve ou se lê sobre o Haiti e os EUA.

Dorth.



As veias abertas do Haiti
Luciano Rezende *
A terrível catástrofe que abate o Haiti expõe ainda mais suas débeis veias secularmente garroteadas pelas velhas e novas metrópoles que insistem em sugar o seu sangue.
Um país que aparece na mídia de tempos em tempos, quase invariavelmente envolto a infortúnios de todos os tipos, o Haiti é a expressão máxima das consequências da exploração capitalista que desde a época da “sacarocracia” moia o seu povo para produzir o açúcar mais “doce” do mundo. Tão perto dos EUA e da Europa, tão longe do céu.

Em “As veias abertas da América Latina” (aquele mesmo livro que Hugo Chávez presenteou o presidente Obama), Eduardo Galeano faz uma narrativa comovente do país mais pobre do hemisfério ocidental. Escreveu Galeano, no posfácio de 1978, que “Lá existem mais lava-pés que sapateiros: meninos que, em troca de uma moeda, lavam os pés de clientes descalços, que não têm sapatos para engraxar. Os haitianos vivem, em média, pouco mais de trinta anos. De cada dez haitianos, nove não sabem ler nem escrever. Para o consumo interno são cultivadas as ásperas encostas das montanhas. Para a exportação, cultivam os vales férteis: as melhores terras são dedicadas ao café, açúcar, cacau e a outros produtos requeridos pelo mercado norte-americano. Ninguém joga beisebol no Haiti, mas o país é o principal produtor de bolas de beisebol. No país não faltam oficinas onde crianças trabalham a um dólar por dia armando cassetes e peças eletrônicas; são, é claro, produtos de exportação. Também está claro que os lucros são exportados, uma vez deduzida a parte que corresponde aos administradores do terror”. Pouca coisa mudou de lá pra cá.

Hoje, aproveitando-se de mais essa desgraça, os descendentes diretos dos assassinos de Toussaint L’Ouverture aparecem para dar conselhos na “reconstrução” do Haiti. Em 1802, o general Leclerc dava sua opinião sobre o país: “há que suprimir todos os negros das montanhas, homens e mulheres, conservando-se somente as crianças menores de 12 anos, exterminar a metade dos negros nas planícies e não deixar na colônia nem um negro que use jarreteiras”. Os Estados Unidos, que promoveram as piores ditaduras no Haiti, já enviaram ao país um enorme contingente de militares com o claro intento de quebrar a liderança do Brasil à frente das forças de paz da ONU na região. O aeroporto de Porto Príncipe já está sob o controle da força aérea americana.

Por trás do discurso solidário de ajuda humanitária vindo dos mesmos que saquearam o país, soa a hipocrisia assistir os grandes meios de comunicação enfatizar a cada minuto a nacionalidade norte-americana de vários médicos e bombeiros que ajudam nesse momento a população do Haiti (omitindo, por exemplo, a contribuição sistemática e permanente dada por Cuba), sem ao menos mencionar que os Estados Unidos são um dos principais responsáveis pela atual miséria que assola o país. Oferecem ajuda com uma mão para depois roubarem com mil.

O Brasil, liderado pelo governo pacifista do presidente Lula, mais que nunca deve ser o representante da ONU para ajudar a conduzir, juntamente com o governo e o povo haitiano, a reconstrução deste país. Se os EUA assumirem o posto, as forças de paz da ONU, aí sim, se configurarão como força de ocupação. Exemplos pelo mundo afora e no próprio Haiti é o que não faltam.

Os “benevolentes” norte-americanos ocuparam o Haiti durante vinte anos, e ali, nesse país negro que fora o cenário da primeira revolta vitoriosa dos escravos, introduziram a segregação racial e o regime de trabalhos forçados, como bem lembra Galeano.

Através do big stick ou da “diplomacia do dólar” os EUA farão de tudo para tirar proveito de mais essa desgraça que aflige o povo haitiano. Nessa hora, a verdadeira solidariedade internacionalista de todos os democratas, será fundamental para soerguer esse país caribenho do maior de todos os males: o imperialismo estadunidense.

Anônimo disse...

Quanta exaltação ao EUA por nada, eles não estão fazendo mais do a obrigação deles, já que existem países do oriente que estão sucumbindo em miséria muitas vezes causada pelos Estados Unidos.
Aonde se encontra o Vaticano, um lugar cheio de ostentação, também não vejo o socorro partir daquele lugar, somente falácias.

Já que é pra ficar nessa competição de quem doou mais ou menos, a Madonna doou menos do que Brad Pitt, já que ela veio ao Brasil buscar donativos para a caridade que ela está fazendo não sei aonde, ela deveria ter doado muito mais.
O nosso país é solidário e hospitaleiro, mas tem gente que está se aproveitando disso. No Brasil também tem miséria, não vi ninguém do exterior se oferecendo para ajudar as vítimas das enchentes ou àqueles q foram soterrados em Angra e outros locais.
Estão falando em mandar mais soldados, deve ser pq não tem ninguém na sua própria família pra correr risco por lá. Então faça o seguinte, peça licença de todas as coisas q vc faz aqui no Brasil e vá ajudar o Haiti, ou seja, fazer mais e falar menos, assim vc doará o seu suor, que representa mais do que o dinheiro, óbvio que lá as duas coisas farão efeito.

Anônimo disse...

Tem isso mas teve mais.
A ignorância machuca mais que a má fé e o crime.
O povo bondoso doa, mas ignora o que seu governo faz.
Incomparável besteira que o público desconheçe foi impor a abertura de mercado e inchar as favelas da capital com agricultores arruinados pelos preços baixos da comida americana subsidiada.

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email