quarta-feira, 7 de abril de 2010

O Crime Compensa?

Um dos princípios básicos de qualquer sociedade é de que o crime não compensa. Afinal, se compensasse as pessoas mais habilidosas estariam investindo sua energia e talento no crime, ao invés de em atividades produtivas legais. É impossível a um país desenvolver-se com sua elite mais preocupada em auferir ganhos ilegais do que trabalhando.

Nesse ambiente me preocupa a atuação do BNDES. Quando um banco estatal, sem compromisso algum com a rentabilidade de seus investimentos, começa a emprestar somas da ordem de 100 bilhões de reais algo de muito errado está acontecendo. O BNDES é financiado por recursos do FAT, que provém dos recursos do FGTS (que é uma poupança do trabalhador). Além disso, o BNDES também recorre ao Tesouro Nacional para se capitalizar. Resumindo: toda a sociedade brasileira financia o segmento mais rico de nossa população. O BNDES deve ser um dos mecanismos mais perversos de distribuição de renda da sociedade para os ricos. Irônico notar que os defensores de políticas industriais e regionais recorrem ao BNDES com o argumento de distribuir melhor a renda da sociedade brasileira.

Numa sociedade onde um banco estatal opera sem critério algum de rentabilidade, e seguindo estratégias por vezes duvidosa, emprestando vultuosas somas de recursos a grandes conglomerados financeiros (alguns deles em nítida dificuldade financeira) abre-se a porta para escândalos financeiros de proporções catastróficas. Em situações como essa, pequenos desvios de conduta prometem altos retornos financeiros. Ou seja, cria-se a possibilidade do crime valer a pena. E se o crime vale a pena, não faltarão pessoas dispostas a dedicar seus talentos a essa atividade.

Num país civilizado, o BNDES deveria prestar contas a sociedade. Afinal, o BNDES opera com recursos públicos. Num país civilizado o BNDES não existiria, pois o BNDES é uma porta constantemente aberta para transformar o crime numa atividade que compensa. Enfim, uma pergunta simples: se o BNDES financia atividades lucrativas para que ele serve? Afinal, para financiar investimentos lucrativos já temos o setor financeiro privado. Se o BNDES financia atividades não-lucrativas, então quem decide quais maus empreendimentos serão beneficiados com o dinheiro público?

11 comentários:

Anônimo disse...

o objetivo do BNDES deveria ser se extinguir um dia. Enquanto não houver fontes privadas de financiamento de longo prazo no Brasil, ele me parece essencial.

Uma questão preocupante é a governança no BNDES, onde interesses políticos momentâneos são colocados à frente do desenvolvimento sustentável do país.

Ginno disse...

O BNDS como exemplo de mal uso do dinheiro publico ficou para traz quando fiquei sabendo que o MEC em conjunto com o Ministério da Pesca só financia ONG´S que alfabetizam jovens e adultos no Método Cubano.

O BNDS promove a distribuição de renda ou a concentração de renda?

Porque o governo me OBRIGA a poupar parte do meu salário através do FGTS?

Gostaria de administrar o meu próprio salário, pois acredito que faria isso melhor do que o governo. Exemplos de mal uso do dinheiro público é o que não falta.

Anônimo disse...

Vultuoso fiquei eu!

Marcelo disse...

Adolfo,

O que vc acha que aconteceria caso um funcionário, ou melhor, o presidente de uma instituição financeira, subscrevesse R$250 milhões em ações de um frigorífico e 3 meses depois ele quebrasse? A coisa poderia ter sido muito pior, a subscrição total era de R$ 450 milhões!!!

"Brasil um país de todos, e lucro de poucos"

abs

Anônimo disse...

Enquanto houver BNDES não haverá fontes privadas de financiamento de longo prazo no Brasil...

Roberto

Anônimo disse...

Adolfo,
Obviamente não preciso te dizer que não vivemos em um país civilizado. Vivemos em um lugar onde o comodismo impera.
Uma das missões do BNDES é reduzir a desigualdade social e regional. A meu ver é uma teoria muito bonita se não fosse um órgão completamente dominado por aqueles que, como dito, dedicam seu talento para o crime, pois para uma considerável gama de pessoas que permanecem impunes, acima de suspeitas, ele compensa. Lógico que não podemos provar, pois o interesse de uma minoria poderosa está em jogo. Afinal, como pode um banco financiar o PAC, por exemplo, programa com a ação mais duvidosa desde muito tempo. Como apoiar um programa que inicia sua segunda etapa sem ter concluído a 1ª. Para onde vai o dinheiro.
Aparentemente vamos continuar sem saber para onde vai até ele aparecer em meias, malas e cuecas e enquanto nossa sociedade permanecer na inércia, permitindo que o nosso dinheiro seja utilizado para uma "melhor distribuição de renda", devemos questionar: melhor para quem?

Ana Carolina Croner de Abreu

Augusto Freitas disse...

Eike Batista é o 8º mais rico do mundo, segundo a revista Forbes. Diz ele que, se não me engano em 5 anos, será o homem mais rico do mundo.

Num país como o Brasil e com um banco como o BNDES, até eu que sou mais bobo seria capaz de ter tamanha fortuna caso estivesse dentro desses esquemas...

Hugo disse...

BNDES é mais um meio de desvios. Afinal o Tesouro financia o BNDES captando recursos, por meio de emissão de títulos públicos que pagam um pouco mais que a Selic (hoje em 8,75%) enquanto o BNDES cobra TJLP( 6%).

Abs.

Hugo L. Mol

Chutando a Lata disse...

Excelente registro historico.

Sorriso disse...

Caro Adolfo,

Cheguei em Salvador nessa madrugada. Falei de voce com meu pai. E aproveitamos para ler seu blog. Foi muito amirado! Sucesso total! Meu pai assina em baixo, ele foi do Banco do Brasil, e fundador do Banco de Desenvolvimento do Estado. Ele diz que você escreveu o retrato do que aconteceu aqui na Bahia.
Abraços, Thiago Andrade

Anônimo disse...

Tem certeza que o FAT é constituído com recursos do FGTS?

http://www010.dataprev.gov.br/sislex/paginas/42/1990/8019.htm

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email