sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Parabéns Plínio

Ontem ocorreu o primeiro debate presidencial, e forçosamente tenho que dar os parabéns a Plinio de Arruda Sampaio. Ele fez o que todo candidato decente deveria fazer: deixou claro seu posicionamento em questões vitais para a sociedade.

1) Plinio deixou claro que é a favor das invasões de terra.
2) Plinio deixou claro que é contra o pagamento integral da dívida pública.
3) Plinio deixou claro que é a favor da limitação do tamanho da propriedade rural.

Eu DISCORDO DE TUDO ISSO, mas ele assumiu os custos de seu posicionamento. Pena que infelizmente não temos nenhum candidado liberal com a mesma postura. Alguém que com a mesma coragem diga:

1) Temos que prender os líderes do MST. Invasão de propriedade privada é crime.
2) Lugar de bandido e de terrorista é na cadeia.
3) Competição é bom pois protege o consumidor e o trabalhador, e mais competição é melhor ainda.

Mas em um detalhe eu e Plinio concordamos: propostas tem custos, e estes custos devem ficar claros.

10 comentários:

Anônimo disse...

Perfeito.

Chutando a Lata disse...

quinta-feira, 5 de agosto de 2010
Plínio de Arruda Sampaio – Ele é o cara!
O que não é uma democracia, até mesmo capenga? É a mesma coisa que uma economia de mercado, sob a batuta de mecanismos que garantam um ambiente competitivo de forma ampla e irrestrita, mesmo que com oligopólios e monopólios não naturais. Existem sempre saídas.

No debate político de hoje, tivemos a prova de que a democracia capenga pode ser valiosa. De onde veio a luz do fim do túnel? Pasmem, do socialismo tupiniquim, na pessoa de Plínio de Arruda Sampaio. Brasileiro de grandeza incomensurável. Foi dele que nos veio a esperança; algo fundamental que nos foi retirado pelos demais candidatos, inclusive a Marina que se mostra igualzinha aos demais, sobressalentes de um mesmo pneu velho e gasto. Plínio de Arruda Sampaio mostrou que o Brasil está dividido e que a saída não será sem traumas para os que oprimem os mais humildes e se valem de ardis os mais sórdidos para por o povo brasileiro no estado de miséria secular.

Foi ele quem disse claramente que temos que invadir o campo, pois sem lutas nada virá; até mesmo se for ele o eleito presidente da república. Está certíssimo. Campo produtivo é riqueza. Campo improdutivo é pobreza. Um líder só pode liderar, se houver povo que assim o queira. Foi ele quem falou claramente que a jornada de trabalho tem que mudar. Está ele de novo muito certo, pois sem boas referências não temos o padrão do que é bom. Não será o peleguismo que nos dará o rumo da negociação justa. Há de se ter participação ativa dos trabalhadores, já sabendo o que querem reivindicar nessa peleja da negociação entre patrões e trabalhadores. Se o mercado é de todo ruim, regras ad hoc nele para evitar a espoliação generalizada. Claro, depois desse teto a produtividade tem que ser o guia para aumentos justos de salários. Foi ele quem falou que a renda está se concentrando, apesar da subida dos pobres na pirâmide social. As coisas só não são piores, porque os funcionários públicos estão buscando à força seu quinhão nesta pilhagem generalizada que promovem os políticos em serviço de uma elite escravocrata. O lucro imposto na malandragem tem que ceder. Estou com ele. Foi ele quem tocou na questão da saúde pública de forma clara e definitiva: saúde socializada e portanto para todos. É um modelo que deu certo na Alemanha, na Inglaterra, na França e não existe nos Estados Unidos que hoje brigam para mudar o seu sistema de saúde privatizado e excludente. Está certíssimo. Não há como atender o pobre sem um sistema público de saúde socializado por completo.

Só falta que ele, Plínio de Arruda Sampaio, acredite que os economistas que estudaram em livros de reputação liberal apóiam suas propostas. É o tal do segundo teorema do bem estar que nos autoriza a acatar uma distribuição dos recursos de forma a se buscar uma alocação desses mesmos recursos não apenas de maneira eficiente, mas sobretudo equânime. Além disso, há de se evitar o crescimento do poder econômico que se dá fora do mercado competitivo. Estou com Plínio de Arruda Sampaio e não abro, mesmo em seu socialismo democrático.

Deixou ele, Plínio de Arruda Sampaio, de falar do fracasso do modelo de substituição de importações, aprofundado sem limites na ditadura militar, com o apoio da intelectualidade da esquerda, sendo Celso Furtado o ícone idolatrado, mesmo tendo sido execrado no passado pela esquerda (provavelmente a que sumiu do mapa). A tal da indústria naval é o exemplo caricato dessa política de favores, fora do mercado. Só conseguiram remontá-la com dinheiro público, importando quase a indústria por completo, gerando maior desemprego que antes. De fato, os recursos públicos desviados para montar esse esquema de enriquecimento de poucos seriam muito mais produtivos se fossem distribuídos aos mais carentes que tratariam de montar pequenos negócios pelo Brasil afora. Por tudo que vi hoje na Band, não posso deixar de expressar: Plínio de Arruda Sampaio é o cara.

Paulo Henrique disse...

Adolfo, assino embaixo. Serra perdeu várias chances de lembrar que o PT foi contra as grandes ideias e projetos que melhoraram o país: Constituição de 1988, Plano Real, LRF, Proer... isso foi o que permitiu ao país se safar da grande crise. Isso Serra não disse. E merecer perder por isso. Não precisa xingar a Dilma de terrorista, se estão com medo da repercussão. Mas não se pode deixar de lembrar que o PT está colhendo os louros plantados por outros, e contra os quais a petralhada tanto lutou contra.
abs

Demetrio Carneiro disse...

Vc está certo Adolfo.

O Plínio impactou na hora que se mostrou disposto a discutir um projeto.
A ironia foi o detalhe, o gancho midiático, mas o que realmente marcou a diferença é que ele tem uma proposta.

Precupados em disputar o eleitorado abaixo de cinco salários nem Dilma e nem Serra acham que essa faixa de eleitorado se preocupe com algo mais que o dia-à-dia. E não estão dispostos a "perder tempo" com essas questões.
Serra, na falta de um proposição que amarre os assuntos, vai disparando pontos programáticos. Dilma faz o mesmo, gerando uma disputa "faço mais ou faço melhor", típica das eleições para prefeito.
Marina, cercada por uma boa equipe, acaba desorientada e também não faz o debate programático.

Quando o Plínio chama os três de candidatos chapa-branca não está tão errado, pois os três acreditam nessa copnversa do "pós-Lula" como se tratasse apenas de "melhorar" o que ai está.

Falta sim quem tenha a coragem de colocar os pingos nos "i"s e assumir o risco de propor um amplo projeto que passe pelo desenvolvimento, pelo papel do Estado, pelas políticas econômicas capaz de contrapor a visão nacionaldesenvolvimentista e estatizante.

Anônimo disse...

o cara que chuta a lata postou a mesma bobagem no Selva Brasilis. Então, cá como lá, não me furtarei a dar uma estocadinha no moço. A fantasia do socialista Plínio Sampaio não passa de... fantasia. É coisa de socialista moderno: detona o capitalismo e se dá bem com ele. A verdade verdadeira sobre essa múmia socialista é que, segundo consta no site do TSE, ele detém em aplicações financeiras R$ 2,15 milhões. Vou repetir: aplicações financeiras de R$ 2,15 milhões. E esse picareta ataca o capitalismo. E, o que é pior, há gente bem formada que o aplaude.

Cuidado blogueiro da lata. Pode restar-lhe um pé sujo de fezes.

Anônimo disse...

Que nada! ele nada tem a perder!

D. disse...

"É o tal do segundo teorema do bem estar que nos autoriza a acatar uma distribuição dos recursos de forma a se buscar uma alocação desses mesmos recursos não apenas de maneira eficiente, mas sobretudo equânime."

Bonitão, agora só falta me falar como fazer as transferências LUMP-SUM. O teorema afirma que a redistribuição tem de ser do tipo LUMP-SUM!

Ou você nunca andou lendo um livro "liberal" chamado Microeconomic Theory do Mas-colell?

Quem sabe se você procurar direitinho no Capital você acha o segundo teorema do bem estar que você está falando.

Chutando a Lata disse...

Ao anônimo que me diz: " ...blogueiro da lata. Pode restar-lhe um pé sujo de fezes." Respondo-lhe: anônimo, se não sair do anonimato para se posicionar e assumir riscos certamente não sairá das fezes. A vida é assim, temos que fazer escolhas. Eu faço as minhas e gosto de repassá-las aos meus amigos, compartilhando meus argumentos e idéias. Mas jamais impo-las.

Chutando a Lata disse...

Sacanagem . Acho que são os Deuses gregos de que a nossa amiga Lu tanto fala e Zeus pôs uma pedra no meu caminho. Veja meu amigo o que o Plínio disse:
“Plínio defende Alba e taxação para produtos chineses - Agência Brasil - Publicação: 09/08/2010 17:35
O candidato do P-SOL à Presidência da República, Plínio Sampaio, afirmou hoje (9) que o Brasil deve integrar a Aliança Bolivariana para as Américas (Alba). Plínio também defendeu uma forte taxação à entrada de produtos chineses no país. (grifo meu)
“Diplomacia de país subdesenvolvido, sem poder econômico e sem poder militar, é defender o seu empreendedor. Chinês vai rebolar para entrar, porque eu vou proteger vocês”, (grifo meu) declarou o candidato, durante sabatina organizada pela Associação Comercial de São Paulo e pela Confederação das Associações Comerciais do Brasil.
O candidato propôs realizar um exame minucioso na dívida externa do país. De acordo com Plínio, o Equador reduziu sua dívida externa em 40%, após fazer uma auditoria.
Plínio quer reduzir a jornada de trabalho sem redução de salário. “É colocar população urbana desempregada no emprego. E criar poder de compra, que interessa aos senhores”, disse à platéia de empresários.
O candidato também defendeu o fim dos privilégios dos funcionários públicos da Previdência Social. O candidato disse que, se eleito, irá unificar a Previdência Social. (grifo meu) “Sou aposentado como procurador da república. Temos de fazer sistema previdenciário igual, sem privilégios para funcionários públicos”.
Veja meu amigo galego que as coisas são complicadas. O tal do socialismo e democracia já brigaram. Para não deixar a turma doida ou p da vida comigo, faço o seguinte registro: se você for ler alhures, eu sempre afirmei o seguinte: O PSTU será o PSOL de amanhã; O PSOL de hoje é o PT de ontem; O PT de hoje é o PMDB de sempre e assim tudo anda em círculos. Disse também, em aprendizagem conspiratória, que a FIESP tem sempre os seus pontas de lança (isso não é de minha lavra; veio de www.aeconomiadobrasil.com ). É fácil ver acima que o serviço muito do comuna está completo e ainda vai sobrar grana para política de substituição de importação. Se o barco vai para a esquerda, aí eles têm na casaca os radicais e moderados; cada um a seu tempo e a sua hora. Se o barco anda em céu de brigadeiro, são eles mesmos a pilotar o transatlântico Minas Gerais, presente de grego.
O meu comentário sobre o Plínio ainda está fresco e durou pouco. Eu tentei, meu irmão, mas o cara não ajuda. Que é que eu posso fazer? Resposta: aguarde meu próximo manifesto: Porra, vou rasgar meu voto!!!!!!

Anônimo disse...

Brilhante Adolfo.
Infelizmente, ser a favor: (i)do mercado, onde há os maiores benficios para os consumidores; (ii) da propriedade, onde se estabelece regras e punições; e (iii) da liberdade, onde se pode diz em voz segura aquilo que se pensa, não faz sucesso na Tv.
Uma pena.
Mas, resta sempre a chance de s comprar um bilhete, mesmo que nos obrigem comprar round trip, podemos usar somente a ida.

Brados
Martins

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email