segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Rio de Janeiro: A Bagunça vai ser Grande

Para deixar claro: para mim lugar de bandido é na cadeia. Eu sou contra indulto de natal para presos, sou fã do Capitão Nascimento e concordo com Lucio Flávio: polícia é polícia e bandido é bandido. Dito isso, observo que a bagunça no Rio de Janeiro será grande.

Um dos comandantes da polícia disse claramente que todas as casas seriam revistadas, inclusive aquelas onde os moradores se recusassem a dar tal permissão. Essa afirmação tem dois problemas: a) operacionalmente é bem pouco provável que isso seja possível; e b) É ILEGAL.

Agora no Jornal Nacional apareceram moradores saqueando uma casa (que deveria pertencer a um traficante) na presença de policiais. Desnecessário dizer que isso é crime.

O governador do Rio já disse que espera que o exército fique na favela por 7 meses. Isso é tempo demais: "exposição constante e por tempo prolongado sempre resulta em algum grau de contaminação" (Spock). A força financeira do tráfico é grande, tão logo a pressão da imprensa abaixar os militares ficarão expostos a tentação da vida ilícita por tempo demais. O exemplo histórico óbvio é a entrada de drogas nos EUA em decorrência dos soldados no Vietnã.

As operações no Rio praticamente não prenderam ninguém, isso não é sucesso. Operações como essa realizada no Rio devem se basear na velocidade e no avanço contínuo, guerra relâmpago, para ter sucesso contra o crime. Manter grandes contingentes do exército estagnados numa posição, sem atacar a próxima favela, será a ruína dessa operação. Dará tempo para os bandidos se reorganizarem e corromperam toda a operação.

Exatamente por que falta de caráter é mérito?

Nessa transição presidencial estamos assistindo algo inédito no país: a idolatria dos sem caráter. O exemplo mais óbvio é Palocci. A imprensa e vários especialistas gostam de elogiá-lo como alguém “pragmático”. Mas exatamente de onde vem o pragmatismo de Palocci? Esse pragmático ex-ministro foi sem dúvida alguma pragmático ao tentar se privilegiar da quebra ilegal de sigilo bancário de um simples caseiro. Palocci foi igualmente pragmático ao mentir na CPI dos bingos, parece que o pragmatismo do ex-ministro não tem limites.

O Brasil precisa de pessoas de princípios, que defendam suas idéias e que não mudem de posição em decorrência de quem está no poder. Claro que entender da operacionalização de procedimentos é importante. Claro que em alguns momentos é melhor aceitar o possível do que o improvável. Mas o norte a ser seguido sempre deve ser dado por princípios.

Pragmatismo é importante, mas existe uma diferença gigantesca entre pragmatismo e bandidagem.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Village People no Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro já chamaram a polícia, o bombeiro, e a marinha. Se chamarem mais um índio e um pedreiro vira o Village People.....

Cadê o Presidente Lula????

O Rio de Janeiro está em plena guerra civil, autoridades oficiais dizem que estão RECUPERANDO o terreno (ou seja, afirmação que reconhece implicitamente que tal terreno estava perdido), alguém pode me responder ONDE ESTÁ O PRESIDENTE LULA????

Uma crise dessas e nosso “estimado e nobre” líder escolhe ir viajar ao exterior..... esse é o presidente Lula.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Rio de Janeiro: Jornalistas demais, Planejamento de menos

A guerra civil no Rio de Janeiro continua. O que vimos hoje foram muitos jornalistas e pouco planejamento. Não, eu não culpo o comando da polícia. A culpa é de uma única pessoa: do governador do Rio de Janeiro.

Pressionado pela opinião pública, o governador do Rio quis dar uma resposta rápida a seus críticos. O problema é que nessa ânsia de mostrar trabalho não houve tempo para a concentração necessária de homens e equipamentos. Só deu tempo mesmo de chamar a imprensa.

A imagem dos bandidos fugindo pela retaguarda mostra o óbvio: não haviam tropas o suficiente para bloquear a retirada dos bandidos. Toda manobra de cerco envolve necessariamente em se cortar a rota de fuga dos bandidos. É evidente que o comando da polícia sabe disso. Para a polícia faltaram homens, faltou mais apoio aéreo e mais blindados. A escassez de homens e blindados evitou que a polícia fizesse uma operação simultânea que a tornasse capaz de cortar a rota de fuga dos bandidos.

No final essa mega-operação prendeu menos de 20 pessoas. Esse fracasso tem que ser posto na conta do governador. Combater o crime em favelas envolve o deslocamente de grandes efetivos, e para isso é necessário tempo para um minucioso planejamento. Planejamento esse que a pressa e ansiedade do governador não permitiu ser executado.

Guido Mantega continua na direção errada

Agora em entrevista ao Jornal da Globo, o Ministro da Fazenda Guido Mantega afirmou:

"Estou do lado do produtor nacional".

Resumindo, ele não está nem aí para o consumidor nacional. Não está nem aí para os milhares de brasileiros obrigados a pagar muito mais caro por bens de pior qualidade.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

2011: O Começo de um Longo Pesadelo

2011 será um ano ruim tanto do ponto de vista econômico como político. Do lado político teremos as quatro grandes forças éticas do país brigando entre si: PT e PMDB pelo controle do governo, PSDB brigando consigo mesmo para nada fazer, e o que sobrar do DEM tentando fazer alguma oposição (o que parece ser a única boa notícia no campo político).

Do lado econômico teremos a volta da inflação. Em 2011 a inflação começará sua escalada sob aplausos de boa parte dos que deveriam lutar para detê-la. As contas públicas continuarão bagunçadas, e a situação fiscal brasileira ficará cada vez mais deteriorada. Cedo ou tarde as operações parafiscais entre Tesouro e BNDES começarão a dar resultados: isto é, piorar ainda mais a situação fiscal. O petróleo do pré-sal (caso único no mundo onde uma empresa descobre petróleo e perde valor acionário) cobrará seu preço. O fracasso do trem bala (que o governo insiste em construir) se encarregará de mostrar a dura realidade: dinheiro não cai do céu.

O cenário externo também será um duro golpe: a crise americana (que por aqui os gênios julgam águas passadas) vai lembrar ao mundo (e ao Brasil) que o aval do governo NÃO É capaz de eliminar os custos de decisões erradas, ele é capaz apenas de transferir esses custos. O custo fiscal que vários países incorreram para salvar seus bancos irá começar a pressionar negativamente o crescimento econômico. Ajustes mundo afora terão que ser feitos, ajustes esses que marcarão 2011 como um ano difícil.

Mas, para o Brasil, a desgraça vai vir mesmo quando o governo, sob o aplauso dos especialistas, desvalorizar o câmbio por medidas artificiais. Esse erro gigantesco que será feito terá duas consequências imediatas: aumento dos juros e mais inflação. Mas fiquem tranquilos, com ministros da categoria de Guido Mantega e Miriam Belchior não temos o que temer...

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

José Dirceu, o ético

A imprensa, na grande maioria das vezes preocupada em agradar a esquerda (ainda mais se essa estiver no poder), não se cansa de dizer que ainda não conhece os nomes dos futuros assessores de Dilma. PAPO FURADO.

Dois nomes são evidentes (estando eles dentro da estrutura oficial do governo ou não): Palocci e José Dirceu. Sobre Palocci eu já comentei. Vamos agora a José Dirceu, o ético.

José Dirceu é um consultor de empresas de sucesso. Afinal, é assim que ele tem ganho a vida desde que teve que sair do Ministério de Lula. Coincidentemente ele só presta consultorias para empresas que tem negócios com o governo. Um gênio das finanças sem dúvida alguma.

José Dirceu é o bastião ético do governo Dilma, é a garantia de que os ideais do PT estarão representados no poder.

Será que é tão difícil assim dar nome aos bois? O que a imprensa ainda espera?

sábado, 13 de novembro de 2010

Palocci, o enganador

Palocci é o grande nome do governo Dilma, segundo os "especialistas" Palocci é a garantia da manutenção dos radicais petistas fora da área econômica.

Eu não compartilho desse papo-furado. Palocci é o homem que mentiu a CPI dos bingos. Palloci é o homem que quebrou o sigilo bancário e tentou incriminar um simples caseiro. Palloci é o homem que está envolvido em escândalos na prefeitura de Ribeirão Preto. Palloci é o homem que tem medo de perder o status de parlamentar, pois teme ser preso.

Acima está a descrição exata do grande nome do governo Dilma: um homem em quem não se pode confiar. Mentiroso, covarde (usou da força do Estado brasileiro para incriminar um caseiro), e cara de pau. Palocci não me engana: seu único mérito foi não fazer nada. Isso mesmo, enquanto ministro da fazenda ele teve o bom senso de manter as coisas exatamente iguais ao do governo FHC. Esse é o mérito de Palocci. Claro que no meio de tanta ruindade alguém com bom senso se destaca. Foi por isso que Palocci se destacou: teve o bom senso de não mudar a política econômica de FHC.

Uma vergonha alguém com essa ficha ser destaque no governo.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Capitão Nascimento para Ministro da Educação

Depois de mais um escândalo no ENEM só existe um homem capaz de moralizar o Ministério da Educação: capitão Nascimento.

Já posso até ouvir nosso nobre herói gritando com a comissão que baniu Monteiro Lobato das escolas:

"Vocês fizeram o que? Baniram o Lobato?? Putaqueopariu 01 tu ta de sacanagem comigo 01!!! 01 você é um fanfarrão!!!"

ou então o capitão dando um tabefe (também conhecido por pedala robinho) na testa do atual ministro e exclamando:

"Bota essa na conta do papa".

Perder riqueza é bom negócio?

Meus jovens, imaginem que vocês tenham uma riqueza equivalente a 200 reais. Quando o real perde valor isso significa que vocês ficaram mais pobres. Se o real valorizar vocês ficam mais ricos. Simples assim. Será que alguém poderia me explicar por que tem tanto país querendo desvalorizar sua moeda?

Desvalorizar a moeda doméstica implica em empobrecer a população, implica em deixar o pobre mais pobre. Aliás, alguém sabe o nome dado a desvalorização da moeda? O processo pela qual uma moeda perde valor chama-se inflação. Alguém poderia me explicar exatamente por que gerar inflação irá tornar um país mais rico?

A idéia dos Estados Unidos de inundarem o mundo de dólares só irá empobrecer os americanos. Mas não é porque os americanos decidiram saltar de uma ponte que devemos fazer o mesmo. Sim, é verdade que outros países do mundo fazem o mesmo. Mas o fazem movidos por um fraco entendimento da teoria econômica.

Se desvalorizar a moeda é a solução, então basta o governo brasileiro jogar o gasto público lá em cima (política fiscal expansionista), e pagar essa conta imprimindo papel moeda (política monetária expansionista). Qual a dificuldade de se fazer isso? Nenhuma, não existe dificuldade em fazer isso. Mas, se essa fosse a solução então os problemas do mundo tinham acabado. Bastava o governo gastar e imprimir dinheiro para pagar a conta.

Imprimir papel moeda não é a solução para nada. Desvalorizar a moeda só irá embobrecer ainda mais nosso país.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

A culpa é do chuchu

A inflação medida pelo IPCA bateu em 0,75% em outubro... a explicação dos experts: a culpa foi do item alimentos. Resumindo, o tempo passa mas continuamos culpando o pobre chuchu.

Eu sou CONTRA a volta da CPMF

Impostos sobre movimentação financeira estão entre os piores tipos de impostos: não só geram grandes distorções na economia como também pressionam a taxa de juros para cima (o que encarece a rolagem da dívida pública).

Economistas discordam em muitas coisas, mas nesse ponto NÃO HÁ DISCUSSÃO. A teoria econômica adverte: a CPMF faz mal à economia, faz mal à sociedade, faz mal a todos nós.

Assine o abaixo-assinado contra o retorno da CPMF.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

O Brasil que queremos

A oposição tem se vangloriado que recebeu 44 milhões de votos. Acredito ser essa uma versão equivocada dos fatos.

O PSDB não recebeu 44 milhões de votos. Serra não recebeu 44 milhões de votos. 44 milhões foram os brasileiros que votaram contra Lula, que votaram contra esse modelo de governo.

É o momento da mudança. Os partidos políticos que querem se dizer oposição devem entender que o Brasil é um país conservador. Nossa população é conservadora. Não queremos esmola, queremos menos impostos. Queremos proteção a propriedade privada, proteção dos direitos individuais e liberdade de mercado. Será que algum partido político pode nos oferecer isso?

Talvez falte ao nosso país algo como o Tea Party nos EUA. O que fazer?

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Lula, uma liderança negativa

Lula não pediu a volta da CPMF no começo desse ano. Lula não mencionou a CPMF durante a campanha presidencial. No segundo turno, nada de Lula defender a CPMF. Lula NUNCA disse: "Independente de quem vença as eleições precisaremos da volta da CPMF". Por que ele nunca disse isso? Simples, Lula nunca disse isso pois se Serra fosse eleito Lula seria CONTRA a CPMF. Bastou Dilma ser eleita que logo em seguida Lula já pede mais impostos.

Lula é assim, essa é sua ética, essa é sua carta de princípios: ele é a favor de mais impostos se o PT for governo, mas é contra se o PT for oposição. Lula é isso, uma liderança negativa.

Mas o pior mesmo será ver Aécio Neves liderar a oposição rumo a aprovação de mais esse imposto. A CPMF é uma má idéia, a literatura econômica é unânime nesse ponto. Nem 10 países no mundo devem adotar esse tipo de imposto. A CPMF é um caso de livro texto de um imposto que foi rejeitado na teoria e na prática.

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email