quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Reagan, IPEA e o Setor Público

"Aqueles que aceitam a desonra em troca do perigo acabam como escravos, e mereceram isso" (Alexander Hamilton).

Aqui coloco mais um dos grandes discursos de Ronald Reagan. Espero que isso nos sirva de inspiração. Reagan diz algo como: a) nossos inimigos devem entender que não estamos dispostos a paz a qualquer preço. Existe um ponto além do qual não iremos e nem eles devem avançar; b) a paz não é tão doce e nem a vida é tão boa para aceitarmos abrir mão de nossos princípios em troca delas; e c) nós podemos evitar a guerra a qualquer momento, podemos evitar a guerra agora mesmo, para isso basta uma palavra: rendição. (O texto do discurso está aqui).

Pergunto aos meus amigos do IPEA, do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal, da Petrobras, de Furnas, dos Ministérios, e todos do serviço público: é isso? Estamos nos rendendo? Claro que existem riscos em ir para o confronto, mas é isso que queremos deixar aos nossos filhos?

Partido político algum é dono do patrimônio nacional. No entanto o IPEA é tratado como se fosse. No Banco do Brasil e na CEF ocorre o mesmo, idem na Petrobras e na esplanada dos ministérios. Isso está errado. Temos que reagir, temos que dizer NÃO. Temos que dizer BASTA de interferência política em órgãos técnicos.

Todo funcionário público tem um compromisso com a lei. Aceitar a dilapidação do patrimônio público em brigas políticas é inaceitável. Temos um compromisso não só com a lei e com o Estado Brasileiro, mas também com nossos filhos. É isso que queremos ensinar a eles? Covardia, medo, trocar a honra por segurança? É essa a lição que deixaremos?

Claro que em qualquer escolha existem riscos associados, todos sabem disso. De minha parte a escolha está feita: prefiro morrer de pé do que viver de joelhos. Eu quero um presidente capaz para o IPEA, quero diretores do nível que o IPEA merece. Digo o mesmo para o BB e a CEF, para a Petrobras, para Furnas e para todo corpo técnico do governo. Chega de nomeações políticas. Chega de dilapidar o patrimônio público. Nenhum partido, por mais forte que seja, é dono do Brasil.

11 comentários:

Anônimo disse...

Pelo que vejo o dono do blog entendeu oque eu escrevi no outro post. Ao sr. Meus parabens, pois teve coragem de mostrar seu inconformismo com certos fatos sem medo de ser reconhecido.
Espero que sirva de liçao para os outros e ainda quero dizer que nao ha motivo para se esconderem atraz do anonimato. Corram atraz do que realmente querem.
Nunca quis ofender ninguem, sei da importancia dos funcionarios publicos, mas voces nao podem desistir do que quere, tenham coragem.
Carlos Eduardo.

Anônimo disse...

Parabéns pelo post.
Não julgam-se apenas donos dos órgãos públicos. Arvoram-se em superiores ao País, suas Instituições e sua Constituição que as preceitua. Ninguém pode sequer supor almejar tal coisa.
Dawran Numida

Anônimo disse...

Acho que devemos agir. Devemos nos reunir e reivindicar, antes que seja nomeado outro presidente que não tem compromisso com o IPEA, junto ao Ricardo Paes de Barros e ao Moreira Franco, que seja escolhido servidor de carreira.

Carlos

lucio.andreile disse...

Prezado professor

Gostei muito do seu texto, mas acho q devíamos ampliar o conjunto ao qual ele aborda. Não seria mais o caso de pensar q a esplanada, IPEA, Banco do Brasil, Caixa e outros órgãos públicos sejam alvos de dilapidação do patrimônio público construído por uma carga tributária injusta do ponto de vista da população e eficiente do ponto de vista de arrecadação do governo. O serviço público hj prestado no brasil é "PÚBLICO" na acepção jurídica e legal, mas é "PRIVADO" na pessoa q o executa. O Serviço Público Nacional, da forma q está, está infestado de parasitas ou, como bem mencionado no livro ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO, no capítulo q trata da corrupção, de caçadores de renda. Os médicos concursados sabotam o atendimento público para atender pacientes em seus consultórios privados. Os policiais deixam de realizar seu trabalho de prevenção ao crime para trabalhar como vigilantes privados nos estabelecimentos comerciais. Os municípios e administrações regionais direcionam as licitações para os bolsos dos amigos e familiares empresários. A população se revolta e é repreendida fortemente pelo aparato estatal que ela mesma sustenta. Então, acredito q a epidemia de caçadores de renda não é só do meio político, mas é na sociedade pública como um todo. Claro, existem exceções, mas estas são engolidas pela péssima categoria já incrustada na máquina governamental.
Meus préstimos e, por favor, VOLTE PARA A CATÓLICA!!!

Anônimo disse...

O lucio.andreile generalizou demais o serviço público. Acabou se esquecendo que tem muita gente séria no serviço público. Inclusive o dono deste blog.

Anônimo disse...

A COISA É TÃO ESCANCARADA, QUE ELES FICAM SE DIFAMANDOS, OU SEJA, UM QUERENDO DERRUBAR O OUTRO PARA ABOCANHAR OS CARGOS, ONDE NÃO HÁ NENHUM EXIGENCIA TÉCNICA PARA EXERCER TAL FUNÇÃO.
VEJA UM TRECHO DA NOTICIA ABAIXO:

DEPUTADO LIGADO A FURNAS AMEAÇA PT COM DENÚNCIAS
CUNHA AMEAÇA PETISTAS

Autor(es): A gência o globo : Cassio Bruno e Dandara Tinoco
O Globo - 28/01/2011

Deputado do PMDB lembra o caso dos aloprados, insinuando ter revelações contra o PT

Pressionado diante das denúncias de tráfico de influência em Furnas, que atribui a integrantes do aliado PT, o deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) começou a ameaçar petistas e até o antigo aliado e companheiro de partido Anthony Garotinho, ex-governador e deputado federal eleito. Em mensagens no Twitter, referindo-se à série de reportagens publicadas no GLOBO desde segunda-feira, Cunha fez ameaças até a Valter Cardeal, diretor de Engenharia e Planejamento da Eletrobras e homem de confiança da presidente Dilma Rousseff...

Edvaldo Frazão

Anônimo disse...

Foi o meu partido que fêz isso, implementou aquilo, criou não sei mais o quê, asim ia o rapaz passando e mostrando as coisas que tinham sido feitas pelo seu partido. E no final: sabem qual é o meu partido? É o partido "PQP"do ministro tal, aliado do PT.
Êle se referia a um feudo do partido, contanto que vá rezar na cartilha maior do Monarca todo poderoso dono de todo o Estado. Assim se instalam os regimes totalitários, que hoje, com esse modelo administrativo que foi instituido no Brasil e que não é de agora, fica altamente facilitado.

Anônimo disse...

"Temos que reagir, temos que dizer NÃO. Temos que dizer BASTA de interferência política em órgãos técnicos."

Como fazer isso?

Por acaso os economistas do IPEA vão coletivamente colocar o cargo à disposição em caso de ingerência administrativa ou nomeação estritamente política?

Blog do Adolfo disse...

Caro Anonimo,

A primeira coisa a fazer eh se responsabilizar por seus atos. Isto eh, assinar o que escreve.

Adolfo

Anônimo disse...

Adolfo!
Já viu o novo Zeitgeist? http://www.youtube.com/watch?v=4Z9WVZddH9w&feature=feedf

Anônimo disse...

Não sei se é falta de coragem ou não. Mas uma coisa é óbvia: no Brasil, a força do estado é tamanha que parece não haver alternativa profissional, a não ser funcionário público. Querem uma evidência disso? Perguntem a um jovem universitário (de qualquer área de estudo) sobre o que ele deseja quando se formar. A resposta será, na maioria das vezes, funcionário público.

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email