segunda-feira, 25 de abril de 2011

Carga Tributária e Crescimento Econômico

No dia 16 de março de 2011 eu publiquei o artigo "Como os impostos afetam o crescimento econômico" no site "Brasil, Economia e Governo". No último sábado, o Estadão fez uma matéria sobre o artigo.

O artigo foi então comentado pelo Luis Nassif. Nassif discorda de meu artigo propondo a seguinte explicação:

"É um caso evidente de inversão das relações de causalidade, o estudo abaixo do IPEA. Na prática, acontece o seguinte:
1. Há uma demanda por gastos públicos.
2. Quando o PIB cresce, aumenta a arrecadação nominal, sem afetar a relação receita/PIB.
3. Quando o PIB cai, cai a arrecadação nominal. Para dar conta dos encargos, pressões por gastos e juros, o governo aumenta a carga tributária
".

Para Nassif a relação de causalidade é do PIB para a carga tributária, e não o contrário (como proposto por mim). Honestamente acredito que Nassif esteja equivocado. Mas vamos por pontos:

1) Em teoria Nassif pode estar certo. Contudo, quase tudo é possível em teoria. É por isso que os pesquisadores, na esmagadora maioria das vezes, estão interessados no que é provável (e não no que é possível). Por exemplo, é possível que alguém ganhe 5 vezes seguidas na mega-sena. Contudo, isso não é provável. Em ciência ocorre o mesmo.

2) Nassif propõe que "Quando o PIB cai, cai a arrecadação nominal. Para dar conta dos encargos, pressões por gastos e juros, o governo aumenta a carga tributária". Ou seja, ele propõe que a carga tributária seja contra-cíclica. Novamente, em teoria, quase tudo é possível. Mas será mesmo que isso faz sentido? Carga tributária contra-cíclica quer dizer que o governo AUMENTA a carga tributária quando a economia esta em RECESSÃO!!! Ou seja, pelo argumento de Nassif, o governo aumentaria os impostos quando a economia estivesse em crise.

3) Os gastos públicos podem ser contra-cíclicos. Afinal, alguns gastos públicos (tal como o seguro-desemprego) claramente aumentam em épocas de recessão. Tais gastos são conhecidos em economia como estabilizadores automáticos (pois aumentam durante épocas de crise, e diminuem em fases de crescimento econômico, tentando estabilizar a demanda agregada). Mas dizer que a carga tributária seja contra-cíclica é justamente dizer que o governo PIORA a intensidade da crise (não que eu discorde disso...:) ) em vez de atenuá-la.

14 comentários:

Demetrio Carneiro disse...

Pensando bem o governo está agora mesmo aumentando a tributação e o produto está em queda. O Nassif estava se referindo à leitura do governo.

Anônimo disse...

Eu não perderia meu tempo com o Nassif. Se eu tivesse contrato sem licitação com o governo eu também estaria defendendo a elevação da carga tributária. Responder a este tipo de gente é jogar tempo fora e valorizar quem não se deve. É a escória do jornalismo a serviço do governo.

amauri disse...

Bom dia Adolfo!
Seu artigo foi comentado tambem no site do Instituto Liberal, só que positivamente. abs

Anônimo disse...

Meu caro,
Só um comentário (não li seu artigo original). Se a carga tributária fosse contra-cíclica, ela deveria cair nos momentos de crescimento. Infelizmente, no Brasil, nossa carga sempre sobe!!!!! Pode a economia estar bombando, em forte depressão, ligeiramente aquecida, um pouco recessiva, a carga sempre cresce!!!!
E isto é terrível.
Saudações

Pedro disse...

Adolfo, para que ficar jogando perolas ao vendido do Nassif.
O comentário do colega anonimo acima é perfeito.
é mais do que evidente a correlação negativa de auemnto de carga tributaria e redução de crescimento.
É obvio que aqueles que defendem mais intervenção vao solicitar mais tirbutos ou desqualificar seu trabalho.
Ah, e saudações rubro-negras da páscoa.. HAHAHA

Anônimo disse...

Eu não quero entrar em ataques pessoais contra o Nassif e digo isto como mera constatação factual. Ele é um semi-analfabeto em economia e é inútil dar atenção ao que ele diz.

William dos Reis disse...

A carga tributária é um problema crônico no Brasil. Sempre se arrecada muito e se faz pouco. Contudo, acho que o o comentário do Nassif é pertinente... Me corrijam se eu esticer errado, mas pelo que perbebi ele está fazendo uma sátira com o governo. O que ele está dizendo é que quando o PIB aumenta, aumenta a carga tributária. E quando o PIB diminui, a carga tributária também aumenta. É isso mesmo? Conclusão... Inspirado por Miriam Leitão, ele tá é zombando com o governo, já que a carga tributária está em linha ascendente desde 1990! Muito boa Nassif.

William dos Reis

Anônimo disse...

Professor,

A justificativa do aumento da carga tributaria esta atrelada ao aumento da PEa e da renda média por trabalhador, que vem crescendo no mesmo periodo da pesquisa.

Fonte: IBGE

Anônimo disse...

http://www.youtube.com/watch?v=Q4rEJr3sUO8&feature=player_embedded

Olha esse vídeo muito bom!

Anônimo disse...

carga tributária = arrecadação/PIB. Não tem necessariamente relação com elevação de alíquotas. E arrecadação é variável endógena, depende do PIB. Se a elasticidade arredação/PIB for menor que 1, o Nassif está correto.

Sérgio Ricardo disse...

Professor,

Parabéns pelo artigo. Ficou claro o texto e os argumentos eficientes.
Realmente é um artigo construtivo.
Aproveito o gancho e o parabenizo também pelo artigo na Revista de Conjuntura do Corecon sobre o Salário Mínimo. O artigo ficou excelente e serve de base para o governo estudar os efeitos do salário mínimo e revogar a lei que criou o fator ajustador para o salário mínimo corrigido pela inflação mais o crescimento do PIB dos dois últimos anos. Mais um indexador para prejudicar o desempenho da economia.

Deixo uma dica de artigo para você. Escrever sobre os indexadores que influenciam os preços na economia, gerando mais inflação.

Forte abraço!
Sérgio Ricardo

Sérgio Ricardo disse...

Professor,

Dei-me a liberdade de colocar meu ponto de vista em relação ao seu artigo pela ótica do consumo.

Deixo o endereço para caso alguém se interesse pela leitura: http://bdsergio.blogspot.com/2011/04/os-impostos-que-impedem-o-crescimento.html

Forte abraço e obrigado pelo espaço!
Sérgio Ricardo

Anônimo disse...

Nassif deve ter colocado sua opinião, com base na defesa da política do governo, seja ela qual for. Quando ele fala em "há uma demanda por gastos públicos", ele está correto. A questão, porém, é que há uma grande "oferta" de gastos do governo. Mas que gastos? Os empréstimos da União, ou "capitalização" do BNDES, estão inclusos nessa "demanda", da qual fala Nassif? Mesmo com os efeitos fiscais que acarretam?
Dawran Numida

Anônimo disse...

Este post é de 2011. Estamos em 2015. Estamos em um cenário recessivo, com uma crise séria e temos o governo aumentando a carga tributária. Diz-se para realinhar a situação fiscal e reequilibrar a economia em até dois anos - visão otimista. Não é disso que o post trata? O PIB em queda (vertiginosamente) e a carga tributária subindo. Justificadamente ou não, mas é um fato. Abraços

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email