domingo, 29 de maio de 2011

Palocci e a Questão da Consultoria

Semana passada Palocci se complicou bastante para explicar os 10 milhões de reais que recebeu entre novembro e dezembro de 2010. Aqui vão algumas considerações sobre o mercado de consultoria.
1) Parte significante das empresas de consultoria não prestam consultoria, servem apenas para indivíduos receberem como pessoa jurídica (e pagarem menos impostos), por serviços de aula e palestras. Ex-ministros podem cobrar facilmente 10 mil reais por palestra. Uma média de 3 palestras por mês gera uma receita de 30 mil/mês, ou quase 400 mil/ano. Desnecessário dizer que parte dessa receita não é declarada. Essa é uma explicação parcial para a evolução do patrimônio de Palocci: ele estava usando a empresa para “lavar” parte do dinheiro que não havia declarado antes. Sim, essa é uma explicação possível e implica que o Ministro cometeu crime fiscal.
2) Por mais que dar palestras seja interessante, tirando ex-presidentes é difícil cobrar valores que justifiquem um faturamente de 20 milhões. O dinheiro grande esta no mercado de consultorias, onde um ex-ministro pode cobrar 1.000 reais/hora (o próprio Banco Mundial pode chegar a pagar algo como 500 dólares/hora). O problema é que nesse mercado é necessário trabalhar para valer. Ao contrário de uma palestra, onde se fala por 1 hora e vai se almoçar com a platéia, no cado de consultorias é necessário apresentar relatórios e justificá-los.
3) Consultorias seguem uma regra geral: recebe-se em partes. Só se recebe o valor parcial da consultoria mediante a apresentação de relatórios parciais. Isso é definido em contrato: contratos anuais costumam cobrar relatórios bimensais ou trimestrais. E é mediante a aprovação desses relatórios que se recebe a parcela parcial. Esse detalhe é um duro golpe na apresentação do Ministro Palocci: ele argumenta que recebeu dinheiro referente a antecipação do contrato. Esse mecanismo simplesmente não ocorre no mercado de consultorias. Você recebe o dinheiro no ato da aprovação do relatório parcial, ninguém manda um relatório parcial, tem ele aprovado, e fica sem receber a parcela.

4) Não adianta o ministro argumentar que fez apenas parte do trabalho, não apresentou o relatório parcial, mas como já tinha algo feito recebeu por essa parte já feita. Não existe isso num trabalho de consultoria: você recebe APENAS mediante a apresentação do relatório parcial. Até porque quando se é contratado para um consultoria, tipo verificar a viabilidade de determinado empreendimento, não adianta você dizer: já gastei 100 horas estudando o problema, mas terei que parar, logo voce tem que me pagar essas horas. Ou você apresenta o relatório ou não tem pagamento. E, como ficou claro no item 3 acima, se você já teve o relatório aprovado seu dinheiro já foi liberado (não existe isso de antecipar um pagamento por um trabalho já feito, o trabalho é pago na medida em que é entregue).

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Pelo Impeachment de Dilma

1. Ministro de Estado envolvido em escândalo, com configuração de tráfico de influência, é apoiado publicamente pela presidente.
2. Ministro de Estado MENTINDO sobre cartilhas homossexuais (o popular kit gay) não é demitido.
3. E agora o BNDES dá uma ajuda de R$ 3,48 bilhões de reais para um doador de campanha da presidente.

Não custa lembrar que o ex-presidente Collor de Melo caiu por causa de um Fiat Elba. Dilma tem ministros envolvidos em escândalos e mentiras, chamou para compor seu ministério um conhecido violador de sigilo bancário, e agora o escândalo de mais de 3 bilhões de reais!!!! O que é que o BNDES quer com o JBS-Friboi? Aliás, exatamente por que o BNDES pagou quase 50% a mais que o preço de mercado pelas ações? Outro detalhe: "Entre subscrições de ações e financiamentos, o valor aportado à JBS pelo banco, em dois anos, chega a R$ 10 bilhões".

quarta-feira, 25 de maio de 2011

O Novo Código Florestal e a Estrutura do Congresso Nacional

Ontem foi aprovado o novo Código Florestal Brasileiro, e sua aprovação traz uma lição importante sobre a estrutura política do Congresso Nacional. O governo era claramente contrário ao Código Florestal, dada a enorme maioria governista na Câmara dos Deputados, seria de se esperar que o mesmo não fosse aprovado. Contudo, o que se viu na votação foi uma verdadeira goleada contra o governo: foram 410 votos a favor, 63 contra e 1 abstenção. Resumindo, o governo levou uma tremenda surra. Isso mostra que no Brasil não existem partidos políticos, existem bancadas.

Para reforçar meu ponto, vamos fazer um exercício simples: pegue um deputado petista mediano e o coloque no DEM, alguém vai notar a diferença? Faça agora o contrário, pegue um deputado que represente o pensamento mediano no DEM e o transfira para o PT, alguém vai notar algo estranho? Ou seja, a afiliação política no Brasil não se dá por afinidades ideológicas, mas pura e simplesmente por interesses de maximizar suas chances de eleição, ou de maximizar sua chance de ter um cargo no governo. Sim, este não é um fato novo. Sim, praticamente todos concordam que isso ocorre. Contudo, parece que poucos prestam atenção nas implicações disso. A implicação direta desse raciocínio é que o PT não tem essa maioria toda que acredita ter, o PT não tem essa força toda que seus adversários lhe atribuem. Barrar os projetos petistas é muito mais fácil do que parece, tal como a aprovação do Código Florestal mostrou.

Outro exemplo recente é a posição da presidente Dilma contrária a distribuição do polêmico kit anti-homofóbico (popularmente conhecido por kit gay). Bastou a bancada evangélica reclamar que o governo petista teve que retroceder nesse ponto. O Brasil é assim, não tem partidos políticos, tem bancadas. Dessa maneira, para derrubar o projeto petista de poder, não devemos nos basear na afiliação política (que pouco representa em termos de afinidade ideológica), mas focar esforços nas bancadas. São as bancadas que representam a coesão ideológica ou de propósitos. As bancadas evangélica e ruralista já infligiram importantes derrotas ao governo, e mostraram que o PT não tem essa força que muitos lhe atribuem.

A convergência ideológica, ou de interesses, no Brasil ocorre a nível de bancadas. Aqui reside o calcanhar de Aquiles petista. É aqui que a fraqueza do projeto de poder petista deve ser detido.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Brasileirão é no Selva Brasilis

O Selva Brasilis (SB)é um dos melhores blogs da internet: inteligente, irônico, e culto, se destaca por posts curtos e sempre afiados. Em 2011, o Selva Brasilis fará a cobertura do campeonato Brasileiro de futebol. Dois posts de especialistas já foram ao ar: o primeiro comentando a ida de Fórlan para o Ceará; e o segundo mostrando a força do América Mineiro. Na entrevista abaixo, eu converso com o Editor de Esportes do Selva Brasilis (SB). E não se esqueçam: Brasileirão 2011 é no Selva Brasilis, a melhor equipe de comentaristas esportivos!!!


1) Quais são suas previsões para esse brasileirão?

SB) Como você sabe o SB deu aula em vários MBA de porta de cadeia e sabe tudo de finanças. Portanto todas as previsões do SB são certeiramente erradas. O futebol brasileiro era a única coisa competitiva no Brasil. Mas o PT e a CBF num esforço monumental para acabar com a competição e competitividade do futebol brasileiro instituiram esse campeonato ridículo de pontos corridos. A tentativa de monopolização do campeonato brasileiro, levada adiante pelos clubes paulistas deu com os burros n´água porque os times cariocas aprenderam a jogar mal também e passaram a dominar a competição. Antes, na época em que futebol era futebol, a previsão era simples. Há 12 times de verdade no futebol Brasileiro, os 4 grandes do Rio e São Paulo e os 2 gaúchos e mineiros, portanto cada um tinha cerca de 8% de chances de ser campeão [o Flamengo, por causa da torcida, tinha 12%]. Com a italianização recente do futebol brasileiro apenas os clubes com estrutura para pagar a CBF e manipular sua comissão de arbitragem têm alguma chance de ser campeão. A única exceção é o Fluminense que contra todas as expectativas conseguiu ser campeão em 2010 jogando bola e sem comprar os juízes. Portanto, os favoritos ao título nesse modelo italiano são sempre os mesmos, o Corinthians, porque é o time oficial da bandidagem do PT e o São Paulo, porque é o único que consegue pagar a CBF em dia.


2) Sem Lula na presidência da república, os juízes continuarão roubando a favor do Corinthians? Ou irão migrar para outro time paulista?

SB) Qual o time da Dilma? Juiz no Brasil, seja da CBF ou do STF, sempre rouba pro governo. A única exceção são os juízes mineiros, que roubam para si mesmos. Política e historicamente o time que deveria se beneficiar com o PT no governo deveria ser o Botafogo. O Botafogo é o time predileto dos jornalistas. Como todo jornalista é ignorante, bandido, mau-caráter e essencialmente comunista, então o Botafogo é o time dos comunistas. Mas comunista é minoria em toda parte, exceto na USP, UnB, Unicamp e UFRJ, por isso a torcida do Botafogo é minúscula, mais ou menos do tamanho da inteligência do Emir Sáder.


3) Nosso Fluminense é sempre favorito ao título. Mas você acredita que poderemos ser campeões invictos? Afinal, até o Internacional conseguiu isso.

SB) É difícil comparar o Flu com um time que tinha Bira-Burro como centroavante. Quando o Internacional estava perdendo lá ia o Bira cabecear uma bola e levava junto a massa encefálica do zagueiro. O Inter foi campeão invicto jogando apenas duas partidas contra o Palmeiras do Telê que tinha Pires, Mococa e Jorge Mendonça no meio campo. Porra, na final contra o eterno vice, o Vasco, até Chico Espina parecia jogador de futebol! O Flu tem indiscutivelmente um grande escrete, mas enfrenta um trade-off violento entre futebol e trabalho. Os craques tricolores são vagabundos de primeira, detestam treinar e jogar bola. Mas com o Abelão de volta, a esperança é a de que ele distribua porradas `a la vonté para motivar o elenco. Essa é uma tática nova, criada pelo Ceará, um dos comentaristas convidados para fazer a cobertura do Brasileirão pelo SB. Ele sugeriu ao Joel Santana quando era técnico do Botafogo contratar o baiano de Okinawa Lyoto Machida para fazer discursos de motivação no vestiário do time. E funcionou! o discurso começava sempre assim: “ae, se vocês não jogarem bem hoje vão levar uma voadora no pé do ouvido”. Porra, aquele time horroroso conseguiu até ser campeão carioca!


4)Com quantas rodadas de antecedência o Bahia será oficialmente rebaixado?

SB) Pergunta dificílima de ser respondida. Há duas forças opostas a serem consideradas. Se deixarem o indomável espírito baiano dominar, a preguiça e picaretagem características vão sobressair e o Bahia será rebaixado antes do fim do mês, já na quarta rodada. Se, entretanto, o Bahia conseguir contratar novamente todas as mães de santo do recôncavo, aí meu amigo não tem para ninguém, o time está fadado ao campeonato brasileiro, oxalá mundial. Lembre-se da conquista de 1988, aquilo foi um milagre pois o time foi campeão com Bobo e Charles, vou repetir bem devagar, Bobo e Charles... imagina!? com a força de um macumbão desses até o Mercadante aprendia economia!


5) Montar a estrutura para a Copa do Mundo deve custar, por baixo, uns 10 bilhões de reais. Não seria mais fácil usarmos esse dinheiro para comprarmos a Espanha e realizar a copa lá?

SB) Com essa grana tu compra a Espanha e leva Portugal e Grécia de troco. Vão tentar te empurrar a Irlanda também, mas não aceite aquela merda verde de jeito nenhum. A Espanha sempre foi uma roubada, não tem condição fazer uma copa do mundo num lugar onde até o mascote é metrossexual. Lembra do Naranjito? Tu já viu laranja gay? Porra, aquela fruta era tão espanhola que fazia bronzeamento artificial. Como você sabe o SB é nacionalista e se orgulha do Brasil. Essa copa vai mostrar ao mundo nossa capacidade de trabalho e organização. Temos o melhor turismo sexual do planeta, nossas vagabundas são baratas e limpinhas. As nossas carrocinhas de cachorro quente são excepcionais, os fregueses podem comer um cheiroso e comprar pó made in chatuba com selo de qualidade das FARC. Last but not least lembre-se que o Brasileiro é um povo educado, limpo e honesto quando não está fazendo um arrastão.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Uma breve história tributária do Brasil*

Carga tributária bruta é tudo aquilo que pagamos de impostos (mais taxas e contribuições) dividido pelo PIB (que mede a riqueza do país). Em palavras, a carga tributária bruta mede o que o governo abocanha da riqueza da sociedade. Este post traz uma evolução histórica desse indicador da intervenção do governo em nossas vidas. Mostramos também alguns detalhes interessantes de sua composição atual.

Perído Carga Tributária Bruta
1900-05 12,5% do PIB
1905-07 15% do PIB
1916-25 7% do PIB
1926-30 8,9% do PIB
1931-35 10,2% do PIB
1936-40 12,5% do PIB
1941-45 12,7% do PIB
1946-50 13,8% do PIB
1951-55 15,4% do PIB
1956-60 17,4% do PIB
1961-64 17% do PIB
1966-70 24% do PIB
1971-75 25,3% do PIB
1976-80 25,1% do PIB
1981-85 25,2% do PIB
1986-88 24,7% do PIB
1990-94 27% do PIB
2000-10 ao redor de 34% do PIB

Você Sabia?
1) que em 1922 foi criado o Imposto sobre Vendas e Consignações (futuro ICMS) com alíquota de 0,25%
2) em 1843 o Imposto de Renda sobre vencimentos provenientes dos cofres públicos tinha alíqutotas entre 2% e 10%. Em 1922, o IR agora sobre todos os rendimentos tinha alíquotas entre 0,5% e 8% (com descontos de até 75% para pagamentos em dia).
3) o Imposto de Renda responde por quase 20% da carga tributária bruta; e a tributação sobre o capital é muito superior à tributação sobre o trabalho (exatamente o contrário do que sugere a teoria econômica!!!)
4) Se somarmos a PIS/COFINS + CSLL + IR pessoa jurídica teremos aproximadamente 70% da arrecadação federal
5) Se somarmos os impostos coletados junto a Petrobras + Vale + setor automobilístico + bancos teremos aproximadamente 50% da arrecadação

*: mais detalhes em Oliveira, F.A. (2010) “A Evolução da Estrutura Tributária e do Fisco Brasileiro: 1889-2009”. TD do IPEA, número 1469.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Crescimento Econômico e Meritocracia

Abaixo segue meu artigo publicado ontem no Ordem Livre.

Seja nas rodas de amigos, nos debates acadêmicos, ou nos editorias da grande imprensa, a questão do crescimento econômico está sempre presente. O que fazer para impulsionar o crescimento econômico? Esta pergunta muitas vezes é respondida com certezas absurdas. Por exemplo, nas rodas de amigos, sempre há alguém para dizer que o sucesso dos grandes países deve-se ao patriotismo, ou a suas posturas imperialistas. Resposta que, apesar de atrair aplausos, tem pouca sustentação racional. A grande imprensa também tem seus favoritos, entre eles, a resposta: investir em educação.

Infelizmente, investir em educação não basta; é nesse ponto que cabe uma melhor explanação. Os antigos países comunistas do Leste Europeu costumavam ter bom desempenho no quesito educacional; contudo, nunca se destacaram por seu crescimento econômico. O mesmo vale hoje: temos países com bom desempenho educacional, mas fraco desempenho econômico. A chave desse aparente mistério reside na meritocracia. De pouco adianta investimentos maciços em educação, se o mercado de trabalho não remunera o mérito individual. E só existe uma maneira do mercado de trabalho remunerar o mérito: existência de muita competição entre as empresas.

Em países fechados, ou com pouca abertura para o exterior, as empresas domésticas encontram-se num regime de relativa proteção contra a competição do resto do mundo. Neste tipo de ambiente, fica barato para as empresas tomarem decisões erradas no que se refere a sua política de promoção. Qual o problema de se promover os menos aptos em detrimentos dos mais aptos? Em ambientes com muita competição, tal decisão diminui a eficiência da empresa fazendo com que perca mercado e lucrem suas rivais. A insistência em se promover os menos aptos acaba por levar a empresa à falência. Contudo, na ausência de competição, essa disciplina de mercado não funciona: a perda de eficiência - devido a se promoverem os menos aptos - agora é repassada aos custos, resta aos consumidores agora ter de pagar pela decisão errada da empresa. Dessa maneira, na ausência de competição, é a sociedade quem paga pela ineficiência da regra de promoção da empresa. Em última instância, a baixa eficiência das firmas traduz-se num baixo crescimento econômico.

Investir em educação é importante, mas sem uma disciplina de mercado (forte competição) é pouco provável que tal investimento se traduza em crescimento econômico. Imagine agora um país que, além de se confrontar com pouca competição, possui também um setor público grande, no qual se pagam altos salários, e nunca demite seus funcionários (e não faz a menor questão de considerar o mérito como um critério de promoção). Percebe-se nesse cenário uma segunda distorção: boa parte dos melhores profissionais passa a trabalhar para o Estado, em vez de estar gerando riqueza no setor privado da economia.

A questão do crescimento econômico é vital para um país; a maneira mais evidente de promovê-lo é valorizar o mérito individual. Numa economia de mercado, é a extrema competição entre empresas que garante o reconhecimento do mérito. Sendo assim, qualquer política pública que limite a competição numa sociedade, limita também o reconhecimento e a busca pelo mérito; em última instância, limita também o crescimento econômico do país.

terça-feira, 3 de maio de 2011

Este Blog apóia o Código Florestal proposto por Aldo Rebelo

Este blog deixa claro que apóia o novo Código Florestal proposto por Aldo Rebelo. Impressiona como os ditos movimentos “verdes” tem verdadeiro ódio dos pobres. A agricultura brasileira, um dos setores mais competitivos de nossa economia, levou comida de qualidade e barata para a mesa do brasileiro. A não aprovação do novo código, ou alterações grandes em seu conteúdo original, podem acabar com isso.

Os “verdes” gostam de dizer que o novo código beneficia o grande agricultor. MENTIRA. O grande agricultor vai continuar plantando de qualquer jeito. Os grandes latifundios, de um jeito ou de outro, conseguem financiamento. De um jeito ou de outro irão continuar em sua atividade. Contudo, é o pequeno agricultor que precisa da aprovação do novo código florestal. É o pequeno agricultor que precisa do novo código para ter acesso ao financiamento bancário. É o pequeno agricultor quem mais sofre com os limites absurdos de preservação ambiental demandados pelos “verdes”.

A conta é simples: quanto maior for a proteção ambiental, proporcionalmente mais sofrerá o pequeno agricultor. Dado o estado atual da tecnologia, um agricultor que tiver que sacrificar 30% ou 40% de sua propriedade para a preservação ambiental está fora do mercado, será economicamente inviável a produção para ele. Ora, dado o diferencial de tamanho entre a pequena e a grande propriedade rural, é evidente que os limites de proteção demandados pelos “verdes” torna economicamente inviável a produção para os pequenos agricultores. Ou seja, eles terão que encerrar suas atividades e migrarem para a cidade. Já o grande produtor rural continuará na ativa, mas agora com uma produção menor. Dependendo do cenário é bem capaz que o grande produtor esteja melhor sob a demanda dos “verdes”. Afinal, com menos produção o preço aumenta, e talvez compense a redução na quantidade.

Se a demanda por uma proteção ambiental exagerada dos “verdes” vencer na votação do Congresso Nacional, temos algumas certezas: 1) o pequeno produtor rural terá sido prejudicado; 2) os brasileiros pagarão mais pela sua alimentação, e como a alimentação pesa mais no bolso dos mais pobres, serão eles os que mais sofrerão; e 3) ganha o agricultor europeu e americano que não terão que se preocupar tanto com a competição brasileira (pois nós mesmos iremos destruir nossa vantagem). Por que os verdes tem tanta raiva dos pobres?

Por fim, se as regras de trabalho escravo, que valem para a agricultura, fossem aplicadas nas obras do PAC, boa parte do primeiro escalão do governo federal envolvido com as obras do PAC estaria enfrentando processos por exploração do trabalhador (cadê as centrais sindicais que não notam isso?).

segunda-feira, 2 de maio de 2011

A Hora da Verdade para os Líderes do Islã

Os líderes do Islã afirmam que sua religião é pacífica.
Os líderes do Islã afirmam que sua religião tem uma mensagem de paz.

Eu acredito que o Islã seja uma religião pacífica e que respeita a diversidade. Sendo assim, acredito que está na hora dos líderes do Islã REJEITAREM ABERTAMENTE o terrorismo. Está na hora dos líderes do Islã dizerem claramente que BIN LADEN ERA UM SUJEITO MAU. Está na hora dos líderes do Islã virem a público e dizerem que TODOS QUE SEGUEM O EXEMPLO DE BIN LADEN NÃO IRÃO PARA O PARAÍSO.

Infelizmente, até o momento, os líderes do Islã estão mais preocupados em criticar os Estados Unidos do que em criticar a seita terrorista de Bin Laden. A sociedade aberta está em guerra contra o terrorismo, está mais do que na hora dos líderes islâmicos tomarem sua posição do lado da civilização. Não existe meio termo aqui: ou se é a favor da civilização ou se é a favor das trevas. Essa é a hora da verdade para os líderes do Islã.

Uma Importante Vitória da Sociedade Aberta

Ontem um dos maiores assassinos do mundo foi morto. Hoje o mundo é um local melhor. A morte de Osama Bin Laden é uma vitória da sociedade aberta contra seus inimigos.

Os atentados de 11 de setembro chocaram o mundo civilizado, deixaram uma ferida aberta no mundo. Ferida essa que é difícil cicatrizar, mas a morte do mentor de tão covarde ataque é motivo de alívio para a civilização.

Certa vez eu conversava com uma pessoa e ele elogiava a "inteligência" de Bin Laden: "esse Bin Laden é inteligente mesmo, sem recurso nenhum ele deu um cascudo nos americanos". Não, isso não é inteligência. Não é necessário inteligência para destruir coisas, crianças fazem isso o tempo todo. Um terrorista apenas aumenta a magnitude da destruição. Destruir é fácil e barato. Difícil é construir. Isso sim exigência inteligência, dedicação e paciência. Bin Laden foi um canalha, nada mais do que isso.

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email