quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Mensagem de Fim de Ano: Jasão e os Argonautas

Para recuperar seu trono, Jasão deveria obter a lã de ouro. Para concluir tão perigosa missão, há aproximadamente 3.000 anos atrás foi reunida, pelo menos na mitologia, o maior grupo de homens que já haviam existido. Esse grupo foi denominado de Argonautas e constituíam-se de 50 heróis. Entre os argonautas estavam Hércules (o maior dos heróis da antiguidade), Calais (semi-deus do vento), Poriclimeno (tinha o poder de se transformar em qualquer animal marinho), Talau (rei de Argos) e Teseu (que matou o minotauro). Jasão conseguiu a lã de ouro e recuperou seu reino.

Minha interpretação dessa lenda versa sobre a valorização do mérito individual, sobre a importância de se cercar de pessoas de valor, de valorizar a inteligência, a coragem, a destreza e a lealdade. Já imaginaram a honra de poder fazer parte de um grupo tão nobre quanto os argonautas? O sucesso de Jasão não se deveu apenas a sua liderança e capacidade, mas sobretudo por ser capaz de se juntar a um grupo tão distinto de homens.

Que o exemplo de Jasão seja um guia para nossas vidas, que coloquemos ao nosso lado sempre pessoas de bem, que lutem conosco nossas batalhas, que nos apoiem em momentos difíceis e que, juntos em nossa busca pelo velocino de ouro, possamos retornar para casa vitoriosos. Que nossas vitórias sejam duradoras, pois estaremos lutando sempre ao lado de gigantes.

Um feliz natal, e um ano novo repleto de realizações para todos, são os votos do Blog do Sachsida.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Os anos 70 estão de volta...*

Abaixo segue meu artigo publicado ontem no Ordem Livre.

Na primeira metade dos anos 70, logo após o primeiro choque do petróleo, o mundo desacelerava seu ritmo de crescimento econômico. Enquanto isso, o Brasil ia na direção oposta. Fortes gastos públicos, estímulo governamental ao endividamento das empresas, e slogans do tipo “Ninguém segura este país” eram a marca registrada desse período. As consequências desse tipo de política econômica foram vistas nas duas décadas seguintes, quando o PIB per capita brasileiro cresceu, em média, insignificantes 1% ao ano.

Quatro décadas se passaram e parece que não aprendemos a lição. Vários países economicamente importantes estão em crise. O que o bom senso nos sugere? Sugere que é hora de gastar menos, poupar mais, fazer ajustes nas contas públicas e, acima de tudo, termos prudência e não iniciarmos grandes projetos que demandem excessivos recursos públicos. Ou seja, o governo brasileiro deveria fazer exatamente o contrário do que está fazendo.

Infelizmente, parece que o espírito da década de 70 está de volta ao Brasil. O governo está se aproveitando da queda da taxa de juros internacional, que abre espaço para quedas na taxa de juros doméstica, não para ajustar as contas públicas, mas sim para gastar mais dinheiro ainda. Cedo ou tarde o mundo sairá da crise, e quando isso acontecer a primeira preocupação dos Estados Unidos e da Europa será aumentar a taxa de juros para combater a inflação nesses países. Isto fará com que o Brasil seja obrigado a aumentar a taxa de juros doméstica, e com as contas públicas bagunçadas isso será um desastre do ponto de vista econômico e social.

O governo brasileiro segue hoje o mesmo tipo de política econômica que adotou na década de 70. O desastre subsequente, das décadas de 80 e 90, parece não ter sido o suficiente para nos ensinar a lição. Uma pena.

*: Este texto foi fruto de várias conversas com meu amigo, e professor da UnB, Roberto Ellery Jr.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Os 10 melhores filmes de guerra segundo o SB, comentados por Reblochon

Recentemente publiquei meu ranking com os 10 melhores filmes de guerra. O Selva Brasilis discordou inteiramente do post, então eu o desafiei a elaborar seu ranking. Abaixo segue o ranking do Selva Brasilis sobre os 10 melhores filmes de guerra. Em parênteses ficam os comentários do intelectual desconstrutivista francês Dr. Reblochon.

10) Capitao Corelli. (Excelente escolha. Um filme de guerra sensível que contrapõe o amor à guerra. Verdadeira obra de arte)

9) Top Gang (mais uma boa escolha do SB!!! Enquanto muitos consideram esse filme uma comédia, ele no fundo é uma violenta crítica à guerra e ao consumismo pós-moderno)

8) A Branca de Neve e os Sete Anões (verdadeiro clássico da luta do bem contra o mal, com a luta de classes como pano de fundo. A maneira como Branca de Neve explora os anões é a verdadeira trama psicológica desse clássico de guerra)

7) Treinando Papai (Escolha perfeita!!! Esse filme de guerra produzido pelos estúdios Disney retrata a luta de um pai para não cuidar da filha. A filha aqui representa a humanidade, e o pai é a figura do Criador. O filme explora o sentimento de vazio e a guerra interior da humanidade em busca da aceitação do Criador que lhe virou as costas)

6) Os Trapalhões na Mina do Rei Salomão (SB mostra um excelente conhecimento do cinema mundial, escolhendo um filme fora do eixo hollywoodiano ele demonstra conhecer a fundo as tribulações da alma. Os trapalhões mostram a luta de operários guerreando contra o capitalismo, aqui representado pelo rei)

5) Quando um Homem ama uma Mulher (Na mosca!!! Este clássico de guerra é o primeiro a explorar a guerra interna de um homossexual e sua constante batalha de negação de seu eu interior. Filme profundo, para ser assistido mais de uma vez)

4) Marcelinho pão e vinho (SB inclui esse filme na lista depois de uma conversa com o intelectual e livre pensador espanhol (da ilha de Canárias) Leon de Ledes. Marcelino representa na realidade a inocência do homem que luta para se libertar da dominação da igreja. É comovente a cena do sótão, quando Marcelino vê a luz que nada mais é do que o amanhecer atômico da humanidade)

3) Ghost, do outro lado da vida (Escolha que não pode faltar! Ghost representa a batalha entre a vida e a morte, entre o certo e o errado. Patrick Swayze está lindo no filme!!!)

2) 101 dálmatas (M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O, primeiro filme que retrata a guerra desferida pelo homem contra a natureza, presença obrigatória em qualquer lista)

1) O Espelho tem duas Faces (suprema escolha!!!! Só um verdadeiro conhecedor da sétima arte para apreciar a fundo esse drama ambientado na guerra estética. Barbara Streiser e Nick Nolte estão deliciosos nessa trama que discorre sobre a mais antiga das guerras: a guerra pelo que é esbelto, pela forma perfeita. SB sabe tudo de cinema!!!)

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

"Uh, sai do chão, é o trem-bala do Peixão!” (Neymar)

"Uh, sai do chão, é o trem-bala do Peixão!” frase do grande intelectual, livre pensador e filósofo Neymar!!!!

Num mundo justo e racional, o Barcelona meteria 4 a 1 no Santos... mas quem disse que o mundo eh justo???? O blog do Sachsida faz uma fezinha que o espírito vencedor de Pelé vai contaminar o time santista no Domingo, e o Santos vai meter 4 a 2 no Barcelona.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Previsões do Sachsida para 2012

O ano de 2012 será uma dura provação para as contas públicas. O desastre, mais que anunciado, começa com o reajuste do salário mínimo que deve colocá-lo num patamar próximo a 620 reais por mês. Esse valor gera dois problemas automáticos: aumento no déficit da previdência social, e dificuldades gigantescas para prefeituras de cidades pequenas (que pagam um salário mínimo para boa parte de seus funcionários). Indiretamente, esse valor deve significar o desemprego para pessoas pouco qualificadas e jovens (os segmentos mais impactados pelo salário mínimo). As eleições municipais também serão um elemento a mais de pressão para o aumento do gasto público. A estratégia de gastar mais para tentar eleger mais prefeitos vai permear prefeituras, governos estaduais e governo federal. Pensam que acabou? Nada disso, com a justificativa de evitar os efeitos da crise, o governo federal vai aumentar ainda mais o gasto público federal. Em resumo, 2012 vai ser um ano de fortes gastos públicos.

Se o lado fiscal da economia vai mal, pior ainda vai o lado monetário: a moda agora é falar de medidas alternativas de combate à inflação. Bom, a maneira alternativa de combater a inflação (que não seja aumento dos juros) é a restrição ao crédito. Contudo, o governo já deixou claro que não irá restringir o crédito em 2012, pelo contrário adotará medidas para expandí-lo. Uma política monetária frouxa, associada a um gasto público em alta, sugerem uma inflação alta para 2012. Não será surpresa alguma termos uma taxa de inflação superior a 6% no próximo ano.

No que se refere ao crescimento da economia, a pior equipe econômica de todos os tempos continua acreditando que o gasto público é a resposta certa para a crise. E o que é pior, boa parte deles acredita que a carga tributária brasileira não é alta. Assim, não se espante se ao longo de 2012 você ouvir o governo sugerir novos impostos. Com o governo gastando muito, e tributando muito, é de se esperar um crescimento abaixo de 4% para 2012.

Em resumo, para 2012 espero uma inflação acima de 6% e um crescimento econômico abaixo de 4%. Mas fiquem tranquilos, 2013, 2014 e 2015 serão piores. Em 2013 teremos que corrigir os estragos de 2012, mas além disso os gastos públicos para a Copa deverão sair do papel. Como tais obras estão atrasadas, é evidente que a pressa em finalizá-las implicará num custo bem superior ao originalmente estimado. Em 2014, teremos os evidentes aumentos de gastos públicos decorrentes desse ano ser marcado por eleição presidencial. Pobre de quem assumir em 2015, esse será o ano do inevitável ajuste.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

O que eu disse em 2010 sobre 2011...

Em 24 de novembro de 2010, eu escrevi o post abaixo sobre o ano de 2011. Na época, a imprensa ressaltava que o país cresceria perto de 5% em 2011, e que a inflação não seria problema.

Sem falsa modéstia: credibilidade é construída assim.

2011: O Começo de um Longo Pesadelo

2011 será um ano ruim tanto do ponto de vista econômico como político. Do lado político teremos as quatro grandes forças éticas do país brigando entre si: PT e PMDB pelo controle do governo, PSDB brigando consigo mesmo para nada fazer, e o que sobrar do DEM tentando fazer alguma oposição (o que parece ser a única boa notícia no campo político).

Do lado econômico teremos a volta da inflação. Em 2011 a inflação começará sua escalada sob aplausos de boa parte dos que deveriam lutar para detê-la. As contas públicas continuarão bagunçadas, e a situação fiscal brasileira ficará cada vez mais deteriorada. Cedo ou tarde as operações parafiscais entre Tesouro e BNDES começarão a dar resultados: isto é, piorar ainda mais a situação fiscal. O petróleo do pré-sal (caso único no mundo onde uma empresa descobre petróleo e perde valor acionário) cobrará seu preço. O fracasso do trem bala (que o governo insiste em construir) se encarregará de mostrar a dura realidade: dinheiro não cai do céu.

O cenário externo também será um duro golpe: a crise americana (que por aqui os gênios julgam águas passadas) vai lembrar ao mundo (e ao Brasil) que o aval do governo NÃO É capaz de eliminar os custos de decisões erradas, ele é capaz apenas de transferir esses custos. O custo fiscal que vários países incorreram para salvar seus bancos irá começar a pressionar negativamente o crescimento econômico. Ajustes mundo afora terão que ser feitos, ajustes esses que marcarão 2011 como um ano difícil.

Mas, para o Brasil, a desgraça vai vir mesmo quando o governo, sob o aplauso dos especialistas, desvalorizar o câmbio por medidas artificiais. Esse erro gigantesco que será feito terá duas consequências imediatas: aumento dos juros e mais inflação. Mas fiquem tranquilos, com ministros da categoria de Guido Mantega e Miriam Belchior não temos o que temer...

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Perspectivas para 2012

‎2012 vai ser um ano difícil: 1) O BC já mostrou que nao combate a inflacao; 2) o governo ja anunciou que vai gastar mais pra combater a crise externa; e 3) cedo ou tarde a pior equipe econômica de todos os tempos vai querer controlar o cambio.... ai ferrou de vez.

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email