sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Mensagem de Fim de Ano do Sachsida

Existe uma lição moral fundamental que devemos sempre manter em mente: a realização está na superação, não na vitória.

Nesta vida ninguém pode ser cobrado por não ser um campeão; nós nascemos com determinadas características, e por mais que nos esforcemos nunca seremos capazes de ultrapassar determinados patamares. Poderemos melhorar com trabalho árduo e dedicação, mas existem certos limites a partir dos quais não conseguiremos seguir. Algumas pessoas têm limitação em matemática, outras em esportes, outras ainda em música. Todos nós temos nossas limitações, exigir que algum de nós seja melhor em física do que Einstein, ou melhor cantor que Frank Sinatra, é algo completamente desleal. Contudo, cedo ou tarde, todos nós teremos que dar explicações sobre o que fizemos nesse mundo. Essa será nossa prova de fogo: será que fizemos o nosso melhor? Será que, dadas nossas restrições, fomos o mais longe possível? Creio que seremos julgados de acordo com essas respostas.

Para os que gostam de cinema, assistam Conan, o Bárbaro “Quando morrer, encontrarei com Crom e ele perguntará: Qual é o segredo do aço?”. Meu entendimento sobre essa frase talvez seja incorreto, mas acredito que seu significado seja algo como “Você superou obstáculos? Você deu o seu melhor? Você fez tudo que estava a seu alcance?”. Afinal, quando o derradeiro momento chegar, pouco adiantará dizer “Eu me escondi pois todos se esconderam..., falhei pois todos falharam”. Não, nesse momento será sua vez de responder o que fez com o talento que recebeu. Acho que este é o segredo da vida. Fazer sempre o seu melhor.

Melhorar nosso país não é uma tarefa fácil. Civilizar uma nação, apontada por muitos como uma selva, é uma tarefa que talvez esteja além de nossas possibilidades. Mas quando chegar a nossa hora de responder “Qual o segredo do aço?”, espero sinceramente que não decepcionemos os tantos que confiaram em nós, pois o segredo da vida esta em nossa incrível capacidade de superação, é isso que dá sentido a nossas vidas. A realização de um Homem está na superação, não na vitória. São poucos os méritos de uma vitória sem superação. São gigantes os méritos de uma superação sem vitória. Mas, naquele momento único, que poucos de nós irão experimentar na vida, há o encontro da superação com a vitória. Esse é o momento a que chamamos: evolução.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

CEF continua fazendo sua parte para fomentar a Bolha Imobiliária

"A liberação de empréstimos imobiliários pela Caixa Econômica Federal chegou a R$ 101 bilhões na última sexta-feira (21), valor recorde para um único ano. O valor representa crescimento de 33,8% em relação ao mesmo período no ano passado, quando foram liberados R$ 75,4 bilhões".

Crescimento de 33% em um único ano!!! Será que alguém acha isso normal? Alguma empresa tem condições de aumentar sua produção em 33% em um único ano e ainda manter a qualidade de seu produto???

Fica evidente que os padrões de análise de crédito estão sendo afrouxados. Pior: fica evidente que a CEF NÃO tem condições de fazer tantas vistorias assim. Isto é, quem é que está avaliando a qualidade dos imóveis que estão sendo financiados?

Natal, liberdade e paz

No dia 07 de outubro de 2007 escrevi o post abaixo. Acredito ser um belo exemplo da importância do NATAL para os homens.

24/25 de dezembro de 1914. Inimigos armados, combatendo ferozmente uns contra os outros. Anos de apologia ao ódio contra o inimigo. Nada disso foi suficiente para vencer o mercado.

Na mais brutal de todas as guerras da humanidade, o mercado mostrou que quem cria guerras são governos centralizadores. NUNCA na história da humanidade uma guerra foi tão horrenda e brutal. A segunda grande guerra matou mais pessoas, mas em termos de horror nada se compara a primeira guerra.

A lição que fica do natal de 1914 é o poder da religião, da crença em Deus, e das maravilhas propiciadas pela liberdade de escolha. Deus deu ao homem o livre arbítrio, ninguém tem o direito de tomá-lo de nós. Quando os homens não são coagidos pelo Estado, e são sujeitos apenas a regras de respeito a liberdade dos outros, eles podem exercer ao máximo sua liberdade individual. Homens assim não tentam massacrar outros homens, preferem ir para suas casas e descansar perto de suas famílias.

A liberdade de escolha, fortificada moralmente por princípios saudáveis de respeito ao próximo, é a maior riqueza de qualquer sociedade. Preservá-la é o mesmo que preservar nossa herança para as próximas gerações.

O natal de 1914, quando em plena primeira guerra mundial, soldados ingleses, escoceses, franceses e alemães celebraram um cessar-fogo SEM A INTERVENÇÃO DO ESTADO é a prova máxima do poder pacificador do mercado. A liberdade individual, associada ao baixo poder do Estado, é não só um pré-requisito para a prosperidade econômica, mas é também uma garantia de paz entre as nações e entre os homens.

sábado, 22 de dezembro de 2012

Mensagem de Natal do Sachsida

Certa vez um picareta disse: “Deus não ajuda pois as pessoas não sabem o que pedir, não sabem pedir!”. Por uma época andei pensando nessa frase. Até que certo dia, véspera de Natal, um padre foi dar a benção às casas do quarteirão onde eu morava. No final da benção o padre sugeriu que cada um fizesse um pedido. Parecia concurso de miss universo... era gente pedindo pela paz mundial, outros pelo fim da fome no mundo, e pedidos similares.

Depois de uma saraivada de pedidos do calibre descrito acima, já começava a pensar que o picareta estava certo. Realmente as pessoas pareciam não saber pedir. Eis porém que chegou a vez do padre. Ele foi direto ao ponto “Está quente, uma chuvinha cairia bem”. Simples, objetivo e direto. Finalmente um pedido factível.

Essa é a mensagem de Natal do Sachsida. Vocês não estão num concurso de miss universo. Não peçam algo abstrato, não façam elocubrações. Sejam simples, objetivos e diretos. O que querem de Natal? Não peçam pela paz mundial, que tal começar com algo mais simples, como um abraço em casa?

Que neste Natal seus pedidos bondosos sejam realizados, que suas esperanças se renovem, e que o amor de Cristo nos dê forças para sempre escolhermos o caminho do bem, pouco importando quão difícil este possa parecer.

Já ia me esquecendo, lembram do pedido do padre? Pois é, no final daquela tarde choveu.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Evolução e determinantes da taxa de homicídios no Brasil

Abaixo segue meu artigo publicado dia 17/12/2012 no Ordem Livre.

Em relação ao Brasil, a criminalidade é um dos problemas mais graves enfrentados por nossa sociedade. Com um assombroso número de quase 50 mil homicídios por ano, o Brasil é um dos países mais violentos do mundo. Apenas para fins de comparação, devemos ressaltar que ao longo de toda a guerra do Vietnã morreram 50 mil soldados americanos. Isto é, temos no Brasil o equivalente a uma guerra do Vietnã por ano em termos de homicídios.

Não só a taxa de homicídios é alta, mas também houve um aumento considerável nos últimos 30 anos. No período 1980-84 ocorriam 14,8 homicídios por 100 mil habitantes no Brasil. Esse número evoluiu para 22,6 por 100 mil habitantes no período 1990-95.

Já em 2009, de acordo com a pesquisa IDS 2012 (Indicadores de Desenvolvimento Sustentável) elaborada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a média de assassinatos no Brasil foi de 27,1 por 100 mil habitantes. Isto representa um aumento de 83,1% na taxa de homicídios em 30 anos. Na comparação regional, Alagoas (59,3 assassinatos por 100 mil habitantes), Espírito Santo (56,9) e Pernambuco (44,9) lideram o ranking. Na ponta oposta, Piauí (12,4 assassinatos por 100 mil habitantes), Santa Catarina (13,4) e São Paulo (15,8) são os estados menos violentos. É digno de nota que a taxa de homicídios entre homens é muito superior a de mulheres: a taxa de homicídios por 100 mil habitantes é de 50,7 quando se considera apenas a população masculina, e de 4,4 por 100 mil quando se considera apenas a população feminina.

Num estudo recente, eu e meu co-autor (Mario Jorge Cardoso de Mendonca) analisamos os principais determinantes da taxa de homicídios no Brasil. Para tanto, coletamos dados de 5.267 áreas mínimas comparáveis entre os anos de 2001 e 2009. Tal estratégia nos possibilita estimarmos um interessante modelo de dados de painel.

De maneira geral, nossos resultados sustentam o importante papel da polícia no combate ao crime: prender mais bandidos, e aumentar o número de policiais são estratégias importantes no combate a criminalidade. Isto é, ao contrário do sustentado por alguns especialistas, prender bandidos é fundamental para a redução da violência. Entre os principais resultados dessa pesquisa queremos destacar que:

1) Existe um forte impacto inercial da taxa de homicídios. Isto é, um aumento de 10% na taxa de homicídios do ano passado implica num aumento de 9% na taxa de homicídios desse ano.

2) Aumentar em 10% o número de presos reduz a taxa de homicídios do próximo ano em aproximadamente 0,5%. Devemos lembrar que, devido ao efeito inercial da taxa de homicídios, a redução da taxa de homicídios em 0,5% no próximo ano implica numa redução adicional de 0,45% na taxa de homicídios daqui há dois anos. Sendo assim, num horizonte de 5 anos, o efeito acumulado de um aumento de 10% na taxa de encarceramento é de uma redução na taxa de homicídios da ordem de 2%. Em 10 anos, o aumento inicial de 10% na taxa de encarceramento gera uma redução de 3,3% na taxa de homicídios.

3) Aumentar em 10% o efetivo policial (polícia militar + polícia civil) reduz a taxa de homicídios no próximo ano entre 0,8% e 3,4%. Novamente, devido ao efeito inercial da taxa de homicídios, isso implica que em 5 anos a taxa de homicídios será reduzida entre 3,3% e 13,9%. Para um horizonte temporal de 10 anos, o efeito original de um aumento de 10% no efetivo policial gera uma redução da taxa de homicídios entre 5,2% e 22,1%.

4) Diminuir a desigualdade de renda não é uma garantia de redução na taxa de homicídios;

5) Um aumento da população masculina jovem, dependendo do caso específico, pode implicar num aumento da taxa de homicídios; e

6) Não é claro que uma redução na taxa de desemprego implique uma redução da taxa de homicídios.

Utilizando as estimativas sobre os custos sociais dos homicídios, realizadas por Ywata et al (2008) e com o valor monetário corrigido pelo IPCA, temos que, a valores de setembro de 2012, os custos sociais dos homicídios eram de 17,73 bilhões de reais por ano. Em termos de anos de vida, os homicídios custam anualmente ao país o equivalente a 2,15 milhões de anos. Sendo assim:

1) Aumentar em 10% o número de presos (reduzindo assim a taxa de homicídios do ano seguinte em aproximadamente 0,5%), implica uma economia, para o próximo ano, de quase 90 milhões de reais (economia obtida ao se evitar que pessoas sejam assassinadas). Fazendo a mesma análise, mas agora levando em conta o número de anos de vida salvos, temos que um aumento de 10% no número de presos salva, no ano seguinte, o equivalente a 10.750 anos de vida. Num horizonte temporal de 10 anos isso implica uma economia anual de 585 milhões de reais, ou 70.950 anos de vida salvas por ano;

2) Aumentar em 10% o efetivo policial (reduzindo assim a taxa de homicídios do próximo ano entre 0,8% e 3,4%), implica uma economia anual, para o próximo ano, entre 141milhões e 602 milhões de reais (economia obtida ao se evitar que pessoas sejam assassinadas). Ou algo entre 17.200 e 73.100 anos de vida salvas por ano. Num horizonte temporal de 10 anos isso implicanuma economia anual entre 922 milhões e 3,9 bilhões de reais, ou algo entre 111.800 e 475.150 anos de vida salvas por ano; e

3) Como prender bandidos e aumentar a taxa de policiamento também reduz uma série de outros crimes, fica evidente que a economia obtida com estas duas políticas públicas vai muito além dos valores destacados nos itens A e B acima.

domingo, 16 de dezembro de 2012

Existe uma relação entre inflação e desemprego para a economia Brasileira?

A relação entre inflação e desemprego, conhecido por Curva de Phillips, é conhecida de longa data em economia. Muitos a consideram uma das mais importantes relações entre variáveis macroeconômicas. Mas será mesmo que a Curva de Phillips serve para descrever a dinâmica inflacionária brasileira?

Segue a conclusão de um estudo meu com meus co-autores: Mario Jorge Cardoso de Mendonça e Luis Alberto Medrano:

"De maneira geral, nosso trabalho sugere a grande sensibilidade da curva de Phillips com relação às proxies utilizadas. Encontramos apenas um único resultado robusto às diversas mudanças: a expectativa futura de inflação e a inflação passada têm relevância na dinâmica do processo inflacionário. Contudo, o papel das expectativas parece aumentar no período mais recente a partir de 2002. Quando a amostra se estende com dados a partir de 1995, o efeito das expectativas é menor ou semelhante ao da inércia inflacionária. Além disso, para a maior parte das regressões estimadas, não foi possível rejeitar a hipótese derivada da forma estrutural da NKCP, de que a soma dos coeficientes da inflação passada e da expectativa de inflação seja igual a unidade.

Com relação ao desemprego seu impacto de curto prazo sobre a inflação depende do conjunto de proxies adotadas. Já no longo prazo, esse efeito se torna difícil de ser captado, dando a impressão de ser nulo ou pouco relevante na formação do processo inflacionário. (...)

Com os parágrafos acima em mente, tendemos a concluir que o processo inflacionário brasileiro não guarda relação próxima com a NKPC. Sendo de fundamental importância a utilização de outros modelos para tentar replicar a dinâmica inflacionária no Brasil. Isso é de especial importância, dado que a grande maioria dos “macromodelos” para a economia brasileira assumem formatos parecidos com o sugerido pela NKPC para descrever a inflação
".

sábado, 15 de dezembro de 2012

Um dia triste

Hoje uma tragédia tirou a vida de 20 crianças.

O Sachsida presta aqui uma singela homenagem a essas pobres vítimas.

Que Deus abençoe, de forças e serenidade para a família das vítimas nesse momento tão difícil.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Ou o Brasil Despede Mantega, ou Mantega Despede o Brasil


Amigos, ou o Brasil demite seu Ministro da Fazenda ou o Ministro da Fazenda acaba com esse país.

Não satisfeito com o desastre que foi a política de redução de energia elétrica o Ministro quer agora fazer a mesma coisa com o gás. Depois dessa só tenho uma pergunta: em quanto as ações da Petrobras irão cair?

Amigos, isso é sério: a equipe econômica está pondo em risco toda a infraestrutura energética do país. Não é possível que o analfabetismo econômico tenha alcançado tamanha envergadura. Querem diminuir o preço da energia? Então dêem regras estáveis para o setor, estabeleçam parcerias com o setor privado. O caminho para a redução do custo da energia não passa pelo voluntarismo (ou imposição governamental). O caminho para a redução do custo da energia é o respeito aos contratos, e passa pelo estabelecimento de regras claras e estáveis.

Previsões para 2013


No final de 2010, ao contrário da euforia geral, essa blog alertava que 2011 não seria um bom ano (do ponto de vista de crescimento econômico e inflação). Ponto para o blog.

No final de 2011, ao contrário dos técnicos do governo, esse blog afirmava novamente que 2012 seria um ano com fraco desempenho macroeconômico. Ponto para o blog.

Seguindo a tradição, aqui vai meu prognóstico para 2013.

PIB: crescimento ao redor de 3%.
Inflação: acima de 6%.

Ou seja, em termos de crescimento econômico 2013 será melhor que 2011 e 2012. Isso porque a taxa de crescimento de longo prazo da economia brasileira esta entre 2 e 3% ao ano (com o PIB per capita crescendo entre 0,9 e 1,9% ao ano).

Sem reformas estruturais a economia brasileira continuará patinando.

Enquanto o governo insistir em impor medidas absurdas (tais como o recente pacote do setor elétrico), e continuar desrespeitando o mercado, o desempenho de longo prazo da economia brasileira continuará sendo medíocre.

Um alerta: antes da tempestade sempre temos tempo bom... 2013 e 2014 serão as últimas chances para evitarmos um desastre ainda maior. Em minha opinião o governo irá interpretar erradamente o crescimento do PIB em 2013. Irá pensar que suas políticas de estímulo à economia estão funcionando, e irá aprofundá-las ainda mais em 2014. Quando 2015 chegar será a hora de pagar a conta, e muitos interpretarão os ajustes que deverão ser feitos em 2015 não como uma consequência dos desastres dos anos passados, mas apenas como escolhas políticas equivocadas.

Se o governo insistir no curso atual da política econômica teremos, a partir de 2015, o mesmo problema que enfrentamos no final da década de 1970 e começo da década de 1980: inflação alta, crescimento baixo e desemprego alto. Este blog insiste em se REPETIR: estamos no caminho de reviver a década perdida, estamos cometendo os MESMOS ERROS que já foram cometidos na década de 1970 e que geraram 30 anos de baixo crescimento para a economia brasileira.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Pobres pagam a conta de uma inflação mais alta

Quando os preços começam a subir muito, e a inflação a sair de controle, essa conta inevitavelmente afeta de maneira mais severa o segmento mais pobre de uma sociedade. Os ricos sempre podem tentar indexar seus vencimentos, algo bem mais difícil aos pobres. Os bancos oferecem dezenas de alternativas aos mais ricos, alternativas essas que nem sempre estão abertas aos mais pobres. Resumindo, os custos associados da inflação recaem pesadamente sobre o segmento mais pobre da população.

O IPCA de novembro fechou em 0,60%, acumulando 5,01% no ano. A inflação oficial (e manipulada) de 2012 deve ficar próxima de 5,6%. Digo manipulada pois devemos nos atentar a dois fatores que, artificialmente, diminuíram a inflação de 2012: a mudança na metodologia do IPCA, e o uso de política tributária para combater a inflação. Se levássemos esses dois itens em consideração o IPCA de 2012 seria superior a 6%. Mesmo com desempenho tão medíocre o governo celebra o “sucesso” do combate a inflação.

Que tal darmos uma olhada em outros índices de inflação? O IPCA calcula a inflação para famílias que recebem entre 1 e 40 salários mínimos. Realidade essa bem distante da esmagadora maioria da população brasileira. Vamos então verificar o que aconteceu com o INPC (que mede a inflação para famílias de renda entre 1 e 5 salários mínimos). O INPC acumula no ano uma alta de 5,42%. Se separarmos isso por região geográfica veremos que os pobres de Belem (7,2%), Salvador (6%), Recife (6%), e Rio de Janeiro (6,4%) já estão enfrentando perdas significativas em seu poder de compra. Exatamente por que o governo está comemorando o “sucesso” do combate a inflação?

Vamos olhar agora o que aconteceu com o custo da cesta básica. De acordo com o DIEESE, o custo médio da cesta básica aumentou em todas as 17 capitais pesquisadas. Até novembro de 2012, o custo médio da cesta básica havia aumentado em 19,6% em Natal, 18,7% em João Pessoa, 18,4% e em Fortaleza. Em São Paulo o custo da cesta básica aumentou 8,3% até novembro. Resumindo, o pobre está sofrendo com a alta de preços. Exatamente o que o Banco Central está fazendo para combater a inflação?

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Café da Tarde: Discurso de Abertura

Numa frase emblemática em Notas do Porão, Dostoyevsky disse “Trato mal as pessoas, afinal preciso de alguma compensação por ser honesto”. Será que foi a isso que fomos reduzidos? Será que passamos a ser um povo que exige compensações por ser honesto?

Se isso for verdade, então na ausência de compensações fica justificada a desonestidade. Notaram como isso está cada vez mais presente em nosso dia-a-dia? Frases como “ele rouba, mas faz” ou então “todo mundo rouba”, passaram a ser usadas para abertamente justificar a desonestidade de alguns políticos. Foi isso que nossos pais nos ensinaram? Foi isso que aprendemos com nossos avós?

Não, meus amigos. Não existem meias verdades. Evidente que nem sempre é fácil diferenciar o certo do errado, o moral do imoral, mas todo mentiroso sabe perfeitamente diferenciar a verdade da mentira.

O Café da Tarde surgiu com um objetivo simples, a defesa de três idéias básicas: liberdade econômica, aborto apenas nas condições estabelecidas na Constituição, e contra a liberação das drogas. Acredito que não exista liberdade duradoroura se esta estiver desvinculada de vínculos morais. Foram os vínculos morais presentes no ocidente que possibilitaram o surgimento de nossa civilização. Abolir tais vínculos morais equivale a condenar nossa sociedade e, em última instância, implica na abolição de nossa liberdade.

A liberdade não é um presente que é recebido de nossos pais. Ela nunca dura mais do que uma geração. Sua defesa implica numa batalha constante por sua preservação. Aqueles que lutam sem motivo caem por qualquer motivo. O Café da Tarde tem uma agenda moral e filosófica que defende a liberdade como valor máximo. Mas, não nos enganemos, não é possível defender a liberdade sem defender os valores morais que a criaram.

Será que quando Honório vislumbrou o exército visigodo em 410 d.c. ele se deu conta de que todo o Império Romano estava para ruir? Será que somos capazes de compreender que a batalha por nossos valores é também a batalha pela sobrevivência de nosso modo de vida? Será que somos capazes de compreender tudo o que está em jogo nessa luta? Eu não sei a resposta, mas sei que se chegamos até aqui é porque podemos prevalecer na batalha. Quer saber o que irá ocorrer? Então vire a página. Essa é apenas mais uma batalha na história da humanidade. A batalha dos que almejam uma sociedade livre contra os inimigos da sociedade aberta. Façamos então com que nossos filhos e netos encontrem orgulho e inspiração em nossas ações. Muito obrigado.

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Café da Tarde: Tudo Pronto para Nosso Encontro!!!

Caros amigos,

Amanhã ocorre o primeiro encontro do nosso grupo: Café da Tarde.


Local: Livraria Cultura do Casa Park – Brasília
Data: 05/12/2012 (quarta-feira)
Horário: 19:30 horas

ENTRADA GRATUITA (não é necessário qualquer tipo de confirmação, basta aparecer)

Convidem seus amigos, divulguem a notícia em suas redes sociais. Vamos mostrar a força de nossas idéias.



Mais detalhes sobre o Café da Tarde podem ser encontrados aqui.

A programação do encontro está aqui.








quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Bolha Imobiliária criada por Reinaldo Azevedo é responsável por Efeito Estufa

Meus amigos,

Depois de dar uma estudada no ritmo de acessos a meu blog (que se situam em torno de 700 acessos por dia), descobri que toda vez que falo de bolha imobiliária, de Reinaldo Azevedo ou de efeito estufa, meu blog tem um substancial aumento no número de acessos.

Sendo assim, numa busca descarada por maior audiência, criei a manchete dos sonhos:

"Bolha Imobiliária criada por Reinaldo Azevedo é responsável por Efeito Estufa"

Não, eu não posso afirmar com 100% de certeza que exista uma bolha imobiliária. Caso exista, também não posso provar que ela foi criada por Reinaldo Azevedo (RA10). E mesmo que exista e tenha sido criada por RA10, também não posso provar que isso seja responsável pelo efeito estufa....

Mas, e daí? Quando um cientista diz que pum de vaca aumenta o aquecimento global, e que isso pode aumentar o nível dos oceanos em dois metros, ele também não pode provar nada do que diz... então digo de novo: Bolha Imobiliária criada por Reinaldo Azevedo é responsável por Efeito Estufa!!!

E se o RA10 quiser fazer um vermelho e azul com meu texto ele que se prepare!!! Sou DOUTOR!!!!!

Diga NÃO ao Big Brother


O governo quer porque quer aprovar o marco civil na internet, por quê?

No que esse novo marco irá melhorar nossas vidas?

O marco civil na internet TEM CARA DE CENSURA!!!

O Sachsida é contra o marco civil na internet. Se você quer ajudar nessa batalha, então clique aqui e veja como podemos lutar contra a censura que o governo quer nos impor.

BACEN continua trabalhando duro para destruir sua credibilidade

BACEN continua trabalhando duro para destruir sua credibilidade....

A inflação não converge para a meta. Outro ano com a inflação acima da meta. Ano que vem as expectativas se situam acima da meta de inflação. Contudo, o Banco Central insiste em manter a taxa de juros no seu patamar mínimo histórico de 7,25% ao ano.

O governo usa política tributária para combater a inflação. Usa concessões para combater a inflação. Pelo visto o único que não usa nada para combater a inflação é o Banco Central.

Só por curiosidade, para quando o BACEN espera que a inflação convirja para a meta???

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Como roubar US$ 50 milhões....

O texto abaixo foi escrito em 6 de fevereiro de 2012. Acho que vale a pena reler.

Poucos sabem, mas uma de minhas linhas de pesquisa refere-se a economia do crime. Tenho um bom número de artigos publicados nessa área. Após muito estudo, notei que existe uma maneira facílima do governo desviar 50 milhões de dólares para mãos privadas (sejam elas de partidos políticos ou de indivíduos).

Operacionalmente, o golpe funciona da seguinte maneira:

Passo 1) Escolher uma ditadura que passa por graves problemas de acesso a financiamento externo. Esses países precisam não só de recursos, mas também de legitimação internacional. Sendo assim, seus governantes estão prontos a aceitar uma ampla gama de acordos não-ortodoxos.

Passo 2) Emprestar US$ 500 milhões para tais ditaduras a critério de ajuda humanitária, ou apoio a obras de infra-estrutura, ou a qualquer outro item de difícil fiscalização para quem esta fora do país. As condições do empréstimo seriam de pai pra filho, desde que 10% do empréstimo fosse mandado (em dinheiro) de volta a um representante escolhido do governo que originalmente emprestou os recursos.

Passo 3) Garantir diplomatas de confiança, que transportem o dinheiro e os entreguem para as pessoas que farão a partilha. Não devemos esquecer que malas diplomáticas não estão sujeitas a fiscalização. Algo em torno de 50 milhões de dólares, 5 milhões por mala, implicam em 10 viagens para resolver o “problema”.

Passo 4) Dividir o dinheiro em despesas que não aparecem facilmente, por exemplo, gastos de campanha eleitoral. E, então pega-se o dinheiro doado legalmente para a campanha eleitoral e desvia-se para o partido (ou para o próprio bolso). Pronto, o dinheiro agora esta legalizado. Ou então, inventa-se que tal companhia doou mais do que realmente doou. Eh bom pra companhia (que tem pouco ou nada a perder) e legaliza-se o dinheiro do mesmo jeito.

Claro que não estou acusando ninguém. Claro que esse exemplo é teórico e não se refere a nenhum país em particular. Estou apenas explorando uma possibilidade teórica para que se desviem grandes volumes de recursos públicos. Sendo assim, esse é mais um motivo do porque devemos evitar de ter governantes indo visitar ditaduras. Além disso ser uma afronta aos direitos humanos, é também uma imensa janela para a corrupção.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Café da Tarde: Programação


O primeiro encontro do Café da Tarde será na quarta-feira da semana que vem. Abaixo segue a programação. O evento é gratuito e não é necessário se cadastrar antes. Basta aparecer e entrar no auditório da Livraria Cultura do Casa Park.

Local: Livraria Cultura do Casa Park – Brasília
Data: 05/12/2012 (quarta-feira)
Horário: 19:30 horas


19:30 horas – Registro de autoridades*
20:00 horas – Abertura (Dr. Adolfo Sachsida)
20:05 horas – Lançamento do Livro “Economia e Ideologia” (Dr. André Nunes)
20:10 horas – Palestra “A Evolução do Conceito de Igualdade na Constituição”
Palestrante: Dr. Fabricio J. Mendes Medeiros (Professor de Direito Constitucional)
20:40 horas – Abertura para perguntas
21:05 horas – Compromisso das autoridades (máximo de 5 minutos por deputado/senador)
21:30 horas – Encerramento

O Café da Tarde é um grupo de pressão política dedicado a defesa incondicional de três pontos:

1) A favor da vida. Isto é, somos contrários ao aborto (exceto em casos de estupro da mãe ou de risco de vida para a gestante);
2) Contra a liberação das drogas; e
3) Em defesa da liberdade econômica.

As discussões no grupo são livres e podem versar sobre qualquer tema. Só existe uma regra básica a ser cumprida: os integrantes se comprometem com a defesa das 3 causas elencadas acima.

Nosso objetivo é simples: fazer pressão política para a defesa dos 3 pontos acima. O grupo se reunirá tanto virtualmente como também presencialmente em uma reunião mensal, onde o debate sem preconceitos de idéias é sempre estimulado.

A adesão ao grupo é livre, e não envolve nenhuma forma de pagamento. Além de Brasília, outras cidades estão montando grupos do CAFÉ DA TARDE. Em breve forneceremos mais detalhes sobre o grupo em outras cidades. Caso queira montar o Café da Tarde em sua cidade basta entrar em contato pelo e-mail: sachsida@hotmail.com

*: os horários serão seguidos rigorosamente, pois a reserva do auditório é paga e inclui a duração máxima do evento até as 21:30 horas.

domingo, 25 de novembro de 2012

A Inflação Esquecida

Em outubro de 2012 o IPCA ficou em 0,59%, acumulando 4,38% no ano e 5,45% em 12 meses. Resumindo: o alvo de 4,5% para a inflação de 2012 já foi comprometido e devidamente esquecido. Tudo indica que a inflação de 2012 ficará em torno de 5,5%, mas será que não estamos esquecendo de nada?

Existem dois assuntos praticamente esquecidos no que se refere aos valores do IPCA. Em primeiro lugar, a metodologia de cálculo do IPCA foi alterada em 2012. Cálculos preliminares sugerem que, CASO A METODOLOGIA ANTIGA houvesse sido aplicada, a inflação em 2012 poderia ser 0,3% mais alta. Em segundo lugar, de maneira irresponsável e populista, o governo vem usando política tributária para maquear o combate a inflação. As desonerações de IPI, e as mudanças na CIDE (preço do combustível, são exemplos claros de política tributária sendo adotadas para maquear os índices de inflação. Técnicos do próprio governo não escondem isso. Contas preliminares sugerem que se as desonerações fiscais não houvessem sido empregadas a inflação estaria outro 0,3% mais alta.

Considerando os dois fatores mencionados acima, temos que a inflação de 2012 já atingiu 5% e, tudo indica, superará os 6% esse ano. Assim, depois de uma inflação de 6,5% em 2011 e, outra corrigida para 6% em 2012, resta uma pergunta: o que o Banco Central tem a dizer?

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

O Curioso caso de JajaBras Button

Publiquei o texto abaixo em 22 de agosto de 2010. Vale a pena reler no momento em que a Petrobras quase perde o posto de empresa mais valiosa do Brasil. Faço também um alerta: e a Eletrobras? No ritmo que está vai conseguir a façanha de deixar o Brasil sem luz. Uso político, bagunça administrativa, falta de marcos legais.... PRIVATIZE JÁ!!!

O cinema nos brindou com “O Curioso Caso de Benjamin Button”, filme onde o personagem principal nascia velho e ia rejuvenescendo ao longo da vida. Eu, como escritor de romances, estou escrevendo “O Curioso Caso de Jajabras Button”.

Jajabras Button é uma empresa que, ao contrário de outras empresas, nasce rica. Mas vai empobrecendo a medida que vai ficando mais velha. Jajabras Button nasce sendo dona do negócio mais lucrativo do mundo: petróleo. Tal como Bejamim Button, Jajabras Button vai na direção oposta de seus semelhantes. Enquanto seus rivais precisam fornecer produtos cada vez melhores a preços mais baixos, Jajabras não precisa se preocupar com esse detalhe.

O tempo vai passando, novas tecnologias vão surgindo, mas por alguma razão Jajabras Button vai ficando cada vez mais pobre. O climax do livro ocorre quando Jajabras Button descobre novas reservas de petróleo. Dado que o negócio de Jajabras é exatamente explorar petróleo, seria de se esperar a volta da riqueza para nosso nobre Jaja. Contudo, por uma trama que beira a tragédia grega, quanto mais petróleo encontra mais pobre Jajabras vai ficando.

O livro estava pronto para ser lançado, mas infelizmente estou tendo que brigar na justiça pelos direitos do mesmo. Uma mente maldosa me acusou de plágio, disse que meu livro é uma biografia não autorizada da Petrobras.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Uma breve história do Liberdade na Estrada


Abaixo segue meu artigo publicado no Ordem Livre hoje.

Em 2012 ocorreu a quarta edição do Liberdade na Estrada. Um evento importantíssimo, organizado pelo Ordem Livre, que busca difundir as ideias de liberdade pelas universidades brasileiras. Tive a honra de participar de três dessas quatro primeiras edições (2009, 2010 e 2012). Como o evento está ganhando popularidade e força, acredito que seja um momento oportuno para um breve relato histórico. Aqui dou meu testemunho dos fatos.

Pelo melhor de meu conhecimento, a ideia original partiu de Lucas Mafaldo. Ele então trocou ideias com Diogo Costa e Bruno Garschagen, que rapidamente aderiram à ideia. Os três foram os grandes mentores, os três mosqueteiros, do Liberdade na Estrada. Me lembro deles percorrendo o Brasil carregando todo o material de divulgação na mão. Parecia uma equipe de mudanças, tamanha era a bagagem e o peso que eles carregavam para todos os encontros. Tive a honra de me juntar a eles, nesse primeiro evento, em Fortaleza e depois em Brasília.

Primeira edição do Liberdade na Estrada em Fortaleza, 2009

Eu havia marcado de me encontrar, pela manhã, com os três mosqueteiros na Universidade Federal do Ceará (UFC). De cara notei não haverem cartazes do evento espalhados pelo campus. Depois fui informado que tais cartazes haviam sido arrancados e destruídos. Aliás, por todas as universidades por que passavam, os três mosqueteiros, tinham que lidar com isso: sempre haviam radicais que destruíam os cartazes do evento.

Começa o evento na UFC e em menos de 30 segundos um professor já está interrompendo a palestra de Diogo Costa; a agressividade está no ar. E os embates foram até o final, infelizmente, tinha gente que ia assistir apenas para evitar que ocorresse a palestra. Iam apenas para criar confusão e impedir a livre circulação das ideias. A noite o evento foi numa universidade privada de Fortaleza: FA7. Aqui sim a recepção foi muito boa, muitas pessoas no auditório, e um debate rico em ideias.

Conversando com os três mosqueteiros, eles contaram sobre as enormes dificuldades que vinham enfrentando. Disseram que o que havia ocorrido na UFC era coisa pequena em relação ao que haviam sofrido em outras universidades. Só para os leitores terem uma ideia, haviam sites na internet que conclamavam os alunos a interromperem as palestras do Liberdade na Estrada. Em determinado site podia-se ler: yankees financiam excursão de traidores brasileiros (se referindo a nós).

Primeira edição do Liberdade na Eestrada em Brasília, 2009

Na época tive a oportunidade de levar o LIBERDADE NA ESTRADA para o auditório da Universidade Católica de Brasília. Foi a palestra de fechamento da primeira edição do evento. E foi um tremendo sucesso. Dessa vez os cartazes não foram arrancados, os professores foram avisados do evento, e os alunos responderam com um comparecimento maciço. Auditório lotado.

Ao final da palestra uma cena inusitada: um aluno de esquerda – daqueles acostumados a falarem qualquer besteira sabendo que tem o apoio da plateia – tentou ofender os palestrantes e recebeu uma enorme vaia do auditório. Como eu presidia a sessão, tratei logo de coibir a vaia. Afinal, todos têm direito a se expressarem e o evento procurava justamente difundir a livre circulação de ideias. Mesmo assim, o tal aluno gaguejou, ficou pálido, e por fim se esqueceu do que iria dizer, se levantou e saiu cabisbaixo. Não pude deixar de me lembrar das inúmeras vezes que os três mosqueteiros também foram vaiados, das inúmeras vezes em que foram ofendidos, mas, ao contrário do aluno de esquerda, não se intimidaram. Enfrentaram a situação de peito aberto e não se furtaram ao confronto de ideas. Os três mosqueteiros, sempre em menor número, sempre com menos recursos, nos deixaram uma valiosa lição: aqueles que lutam sem razão caem por qualquer razão. Eles não caíram, deixaram essa obra maravilhosa que hoje percorre anualmente o Brasil. Muito obrigado por sua coragem, determinação, espírito de luta e dedicação aos ideais da liberdade.

Privatize Já: um livro de Rodrigo Constantino

Excelente oportunidade!!!

"Obra traça um paralelo das privatizações feitas no Brasil nos últimos anos e explica que a privatização é sim a melhor opção para a economia nacional".

Data: 20/11/2012 (terça-feira)
Horario: 19:00 horas
Local: Livraria Cultura - Casa Park

domingo, 18 de novembro de 2012

Brasil, Crescimento Econômico, Conjuntura e Reformas Macroeconômicas


No dia 11 de junho de 2012 escrevi o texto abaixo. Acho que vale a pena reler.

A década de 1980 é conhecida como a “década perdida”. Utilizando dados do Ipeadata* podemos verificar que, entre 1980 e 1989, o PIB real per capita creceu em média 0,1% ao ano. Entre 1990 e 1999, o crescimento médio desse indicador (comumente adotado para verificar a evolução da riqueza de um país) foi de 0,7% ao ano. Entre 2000 e 2009, o PIB real per capita cresceu em média 1,9% ao ano. No período 1980-2011, tivemos um crescimento médio do PIB per capita real da ordem de 0,93% ao ano.

Os dados do parágrafo acima mostram o óbvio: nos últimos 30 anos o Brasil não conseguiu manter um crescimento sustentável, acima de 2% ao ano, ao longo de uma década. Você pode escolher períodos distintos, e pode também usar outro conjunto de dados, mas, como regra geral, o resultado é sempre o mesmo: o crescimento da riqueza no Brasil, nos últimos 30 anos, dado nosso patamar de renda, foi medíocre.

O fraco desempenho econômico de 2011, aliado ao mau começo de 2012, despertou a atenção da mídia. Mas eles nada mais são do que uma confirmação dos últimos 30 anos. O problema do Brasil não é conjuntural. Certamente que uma conjuntura internacional desfavorável piora o cenário interno. Mas não nos enganemos, o verdadeiro problema brasileiro é estrutural.

Enquanto o governo insistir em combater a crise com medidas de estímulo à demanda estaremos fadados ao fracasso. Somente uma ampla reforma trabalhista, que diminua os custos do trabalho no Brasil, aliada a uma reforma tributária que desonere o investimento e o capital, e que sobretudo promova a abertura da economia brasileira à competição internacional, pode tirar nosso país da armadilha da pobreza em que está estagnado nos últimos 30 anos. É evidente que a carga tributária brasileira precisa ser reduzida, e para tanto é fundamental que o governo brasileiro passe a gastar menos, estimulando sempre a iniciativa privada e dando garantias jurídicas para que os grandes investimentos em infraestrutura possam ser realizados.

Por fim, faço aqui um alerta: o novo código florestal brasileiro pode ser um tremendo problema de longo prazo para o Brasil. De maneira simples, objetiva e direta: existe um risco gigantesco de redução das áreas disponíveis para agricultura e pecuária no Brasil. Redução permanente de fatores de produção é sem dúvida alguma um choque negativo de longo prazo. O novo código florestal tem o potencial de afetar negativamente o crescimento econômico de longo prazo do nosso país.

*: PIB per capita (preços 2011) – R$ de 2011 (mil) - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) – GAC_PIBCAPR

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Quando o PT vai expulsar os réus condenados do Mensalão?


José Dirceu, Delúbio Soares e José Genuino foram CONDENADOS pelo STF, sendo que os dois primeiros irão cumprir parte da pena em regime fechado. A mais alta instância judiciária do país condenou os três por FORMAÇÃO DE QUADRILHA e CORRUPÇÃO. Então pergunto: quando o PT vai expulsar os réus condenados do Mensalão?

O DEM expulsou membros do partido ANTES mesmo destes serem julgados.

Joao Paulo Cunha é outro petista CONDENADO pelo STF no processo do Mensalão. Quando o PT irá expulsá-lo?

Claro que existem corruptos em todos os partidos, a diferença é que os outros partidos AO MENOS TEM VERGONHA NA CARA. O PT não só não expulsa os condenados pelo STF como também os apóia...

Quando será que a oposição vai começar a trabalhar e explorar isso? Motes para a campanha não faltam:

1) O STF condenou, o PT absolveu

2) Aprovados pelo PT condenados pelo STF

3) Partido que transforma bandido em herói já deixou clara sua moral

Agora vamos a uma questão mais profunda: O presidente do PT, Rui Falcão, não se conforma com o julgamento do STF. Então vem a pergunta: o que ele sugere? Quer dizer que a mais alta corte do país tem legitimidade para julgar a todos, exceto os petistas? Quem então tem legitimidade para julgar os petistas? É isso o que quer o presidente do PT? Um tribunal de exceção que julgue apenas os petistas? Aliás, caberia outra pergunta: quem o PT confia para compor tal tribunal?

Os petistas só aceitam um juiz: a história. Esse profundo conhecimento jurídico, também compartilhado por Hitler, mostra bem a face democrática do petismo. Aliás, será que quem vota no PT não se incomoda com isso?

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Café da Tarde - data para nosso primeiro encontro


Caros Amigos,

O Café da Tarde já tem data e local para seu primeiro encontro!!!

Data: 05/12/2012 (Quarta-Feira)

Horário: 19:30 horas

Local: Livraria Cultura do Casa Park

ENTRADA GRATUITA (não é necessário qualquer tipo de confirmação, basta aparecer)


Convidem seus amigos, divulguem a notícia em suas redes sociais. Vamos mostrar a força de nossas idéias.

Em breve estarei divulgando a programação completa do evento.



Falhas de Governo – As Faixas Exclusivas para Ônibus SEM Ônibus

Os críticos do livre mercado são rápidos em apontar falhas de mercado e clamar por intervenções públicas. Claro que a teoria econômica aponta casos em que o mercado precisa sofrer ajustes. Contudo, apesar de em teoria ser fácil identificar tais casos, na prática costuma ser muito mais fácil apontar uma falha de mercado do que consertá-la.

Essa lição é fundamental: dizer que existe uma falha de mercado não é equivalente a dizer que o governo deve intervir. Afinal, é necessário antes demonstrar que o resultado final da intervenção pública será superior ao resultado de mercado.

Um exemplo é o suficiente para ilustrar o ponto. O governo do Distrito Federal criou corredores exclusivos para ônibus em determinadas vias públicas. A ideia, em teoria, era boa: dar mais dinamismo ao transporte público. Só tem um pequeno detalhe, em alguns desses corredores exclusivos para ônibus é raro ver um ônibus. Sim leitores, é isso mesmo que estão lendo. O Governo do Distrito Federal criou corredores exclusivos para ônibus SEM antes ter o número adequado de ônibus para utilizá-lo!!! As vias ficam as moscas enquanto o trânsito se engarrafa nas demais faixas.

O problema descrito acima não ocorreu ontem. Já está assim há um bom tempo e nada do governo alterar esse absurdo. Quando questionado o governo responde: tão logo sair a licitação para novas linhas os ônibus irão transitar por lá.... o engarrafamento nessas vias é grande, ver uma via vazia ao lado, e sob pena de multa não poder usá-la, é um desrespeito ao cidadão. Da próxima vez que clamar pelo governo para sanar falhas de mercado, lembre-se do exemplo do Distrito Federal: aqui o governo criou faixas exclusivas para ônibus sem antes ter os ônibus....

domingo, 11 de novembro de 2012

Fluzão leva mais uma!!!

Mais um título pro maior CAMPEÃO MUNDIAL do campeonato carioca do século XX!!!!!

Um detalhe para reflexão: o combate ao mérito atingiu tal proporção na nossa sociedade que até a seleção brasileira esta contaminada. Como um artilheiro como Fred pode estar fora da seleção brasileira???

Quando um burocrata, como Mano Menezes, manda mais do que o talento então é o sinal de que tomamos a estrada errada. Mano Menezes, o campeão da segunda divisão, é o retrato do Brasil atual, um país em que o petismo destruiu o respeito ao mérito e ao talento individual. Hoje o que vale é ser filiado e leal ao partido, tudo o mais é supérfluo.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

A Falta de Respeito de Ministros do STF para com outros Ministros do STF


Durante o julgamento do mensalão ficaram explícitas as intervenções desrespeitosas de determinados Ministros do STF. Em determinados momentos, a sessão chegou a parecer discussão de bar, com evidentes desrespeitos e exageros. Muitos culpam a televisão por isso. Dizem que os holofotes das emissoras de televisão ressaltaram o ego dos Ministros.

Tenho uma explicação distinta para o fenômeno acima. No passado, os Ministros do STF eram escolhidos com um claro viés de mérito. Claro que se podia discordar de um ou outro Ministro, mas no geral quando um Ministro se dirigia a outro sabia que estava falando com alguém que tinha méritos, que tinha tido uma carreira, que havia deixado contribuições. Ora, num ambiente desses, mesmo que um Ministro discordasse de outro, ele ainda o respeitava. Afinal, não se chegava a mais alta corte jurídica do país a toa.

De alguns anos para cá, algo começou a mudar. Ministros não eram mais escolhidos com um viés meritório claro. Agora, uma agenda política passou a interferir na escolha. O primeiro negro, a primeira mulher... não que eles não tivessem méritos, mas a escolha parecia ser definida por outras razões. Acredito ser essa a razão dos constantes desrespeitos ocorridos na mais alta corte do país. Agora um Ministro olha para outro e não vê nele alguém que chegou lá por mérito próprio. Mas apenas alguém que chegou lá por fazer parte de determinado grupo, alguém que, talvez, não merecesse estar ali.

Não é possível respeitar alguém que teve sucesso por sua filiação política. Não é possível respeitar alguém que chegou a mais alta corte do país apenas por ter sido advogado de determinado partido político. Nessas circunstâncias, olho com desdém determinado Ministro do STF. Imagine então como não olham para ele os que lá chegaram por mérito próprio? Sem um claro viés meritório não é possível o respeito a ocupantes de altos cargos. Ninguém respeita o presidente de uma companhia que lá chegou apenas por ser filho do dono. Ao STF cabe a máxima de César: “à mulher de César não basta ser honesta, tem que parecer honesta”.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Uma Sugestão para a Copa do Mundo no Brasil

O Sachsida é e sempre foi contra a realização da Copa do Mundo no Brasil. Mesmo hoje, acredito ser melhor para o Brasil desistir da realização da Copa. Isso mesmo, se dependesse de mim mandava um FAX pra FIFA dizendo: “Antes de construirmos estádios precisamos construir escolas, hospitais, creches, infra-estrutura, etc. Sendo assim, estamos desistindo de realizar a Copa do Mundo de 2014”.

Dado que o governo parece não aceitar essa sugestão, dou então uma segunda dica: VAMOS REDUZIR O NÚMERO DE SEDES DE 12 PARA 8!!! A Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, foi realizada com 8 sedes. Então para que gastar dinheiro público em 12 sedes? Por que investir em 12 estádios se podemos fazer a Copa com apenas 8?

A Copa do Mundo de 2014 no Brasil é uma má idéia. Não faz o menor sentido do ponto de vista econômico um país pobre gastar recursos públicos, que fazem falta em outras áreas, na construção de estádios que não serão usados após a Copa. Mas, dado que a Copa vai ser realizada aqui, então vamos ao menos reduzir o desperdício de recursos públicos!!! A maneira mais evidente de fazer isso é reduzindo o número de cidades sede de 12 para 8.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Liberdade na Estrada em Brasília!!!! Nesta Quinta-Feira!!!!


O Liberdade na Estrada chega a Brasília e eu terei a honra de poder participar. Venha, traga seus amigos. Faça parte de nossas fileiras, nos ajude a defender o mais nobre de todos os bens: a liberdade. Nosso inalienável direito ao livre-arbítrio, à liberdade de escolha.

Data: Quinta-feira (08/11/2012)

Horário: 19:00 horas

Local: O evento será na UnB (Anfiteatro 2, ICC - Ala Sul UnB).

Maiores informações também aqui: http://www.liberdadenaestrada.com.br/

ou em http://www.facebook.com/events/202022746597047/


domingo, 4 de novembro de 2012

Trocar Cargos Públicos por Apoio Político Configura Corrupção?

Oferecer dinheiro para que um deputado vote com o governo certamente configura corrupção. Dar dinheiro para que um partido político vote com o governo também configura corrupção. Mas, e se em vez de dinheiro o governo oferecer cargos? Quando o governo oferece cargos na administração pública em troca de apoio no Congresso isso também não deveria configurar corrupção?

Do ponto de vista econômico não restam dúvidas: comprar apoio político com cargos é bem pior do que comprar com dinheiro. Isso ocorre pois as distorções econômicas são muito maiores quando uma pessoa não qualificada assume um cargo de importância. Quando um partido político vende seu apoio por dinheiro ele não pode fazer maiores estragos na condução das políticas públicas. Contudo, quando um partido político vende seu apoio por cargos, dependendo do caso, os estragos podem ser grandes.

Vejamos por exemplo o caso da Petrobras, do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal, dos Correios e das empresas públicas que foram loteadas pelo governo. O potencial destrutivo que pessoas incompententes, lançadas por critérios puramente políticos a cargos de direção, podem causar é enorme. Notemos também que o mesmo ocorre nos Ministérios, agências de pesquisa estatais, etc.. Isto é, hoje boa parte da condução de políticas públicas esta a critério dos partidos que apoiam o governo. E esses partidos preenchem tais cargos por critérios de afinidade política, e não por competência.

Claro que para governar coalizões são necessárias. Claro que, para implementar os programas de governo, os partidos tem o legítimo direito de prencher com seus próprios quadros determinados cargos. O que se questiona aqui é o preenchimento generalizado de cargos públicos por critérios políticos. Pergunto: isso também não configura corrupção?

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Café da Tarde: em breve nossa primeira reunião!!!

Meus amigos, um projeto de longa data está se materializando: Café da Tarde.

Café da Tarde é um grupo que pretende lutar por 3 bandeiras:

1) A favor da vida. Isto é, somos contrários ao aborto (exceto em casos de estupro da mãe ou de risco de vida para a gestante);

2) Contra a liberalização das drogas; e

3) Em defesa da liberdade econômica.

As discussões no grupo são livres e podem versar sobre qualquer tema. Só existe uma regra básica a ser cumprida: os integrantes se comprometem com a defesa das 3 causas elencadas acima.

Nosso objetivo é simples: fazer pressão política para a defesa dos 3 pontos acima.

O grupo se reúne tanto virtualmente como também teremos uma reunião mensal, onde o debate sem preconceitos de idéias é sempre estimulado.

A adesão ao grupo é livre, e não envolve nenhuma forma de pagamento.

Além de Brasília, outras cidades estão montando grupos do CAFÉ DA TARDE. Em breve forneceremos mais detalhes sobre o grupo em outras cidades.

No momento, estamos inaugurando nossa página no Facebook. Se você concorda com nossas idéias, passe lá e curta!!! Em breve estaremos realizando nosso primeiro encontro presencial. Até semana que vem estarei informando o local, a data, e a pauta de nossa primeira reunião.

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Bolha Imobiliária: Assunto de Risco

O preço dos imóveis no Brasil deu um grande salto nos últimos anos. Em determinadas localidades o preço dos imóveis chegou a subir incríveis 130% em 3 anos (para uma inflação inferior a 20%). Em situações assim, seria de se esperar uma grande atenção da imprensa sobre este assunto.

Apesar da imprensa vincular notícias referentes a bolha imobiliária, essas veiculações ainda são poucas dada a magnitude do problema. Por que a imprensa não está dedicando mais atenção a esse assunto? Minha resposta: esse é um assunto de risco. Envolvendo inclusive a possibilidade de perda de anúncios por parte dos jornais.

Esse post relata minha experiência com entrevistas a respeito da bolha imobiliária. Desde 2008 estudo esse mercado, e desde essa época dou entrevistas sobre o assunto. Minha opiniao permanece a mesma, existem indícios de formação de uma bolha imobiliária no Brasil. Posso estar errado? Sim, claro que posso estar errado. Mas minha opinião é baseada em estudos e análises, não em levianismos ou ganhos pessoais.

O que mais chama atenção nas entrevistas que dou sobre a bolha imobiliária é a agressividade com que sou tratado. Parece que sou bandido. Em determinada entrevista tive que interromper o repórter e perguntar quem estava sendo entrevistado (dado que eu não tinha oportunidade de dar as respostas). Em outra entrevista, o jornalista me escreveu IN-OFF pedindo desculpas pela matéria que tinha saído e que aquilo não era culpa dele. Em outro jornal, a repórter me ligou dizendo que não podia mais fazer matérias comigo (pois havia a ameaça da retirada de anúncios do jornal caso este insistisse em tratar desse assunto). Conheço uma pessoa que foi ameaçada de receber processo judicial caso abrisse um curso sobre “Bolha Imobiliária”.

Outra curiosidade é como meu trabalho técnico é desqualificado por pessoas que no linguajar delas “não são doutores, mas tem a experiência da vida”. Não menos absurdo é o número de pessoas que criticam meu trabalho técnico sem ao menos serem capazes de entender o que está lá escrito. Em determinada entrevista perguntei a jornalista “Você entendeu a parte estatística do trabalho”, e ela respondeu “Eu não li”.

Não sou o dono da verdade, talvez esteja errado. Talvez não haja bolha no mercado imobiliário. Mas, caso exista bolha, esconder esse assunto não vai ajudar em nada a resolver o problema. Caso não exista bolha, discutir tal assunto não fará mal algum.

domingo, 28 de outubro de 2012

Onde a oposição rugiu levou, onde miou perdeu

A pior notícia dessa eleição foi a vitória do PT em São Paulo, a melhor notícia dessa eleição foi a derrota de Serra em São Paulo. Serra representa tudo que a oposição não deve ser. Ele confunde apatia com elegância, arrogância com inteligência, centralização com responsabilidade. Foi graças a essa postura que o PT deitou e rolou em cima do PSDB nas últimas 3 eleições presidenciais.

Quem sabe com a aposentadoria de Serra, e com a péssima liderança de Alkimin, surja uma oposição de verdade. Não podemos contar com FHC e nem com Aécio Neves. Esses já mostraram que oposição não é a praia deles. Eduardo Campos também não pretende ir pro campo da oposição. Mas, quem diria, o Democratas ainda está vivo. A vitória em Salvador dá fôlego para o partido. Demonstrando que quando o PT é combatido com força e coragem ele pode ser batido.

As eleições municipais deixaram uma lição: quando a oposição rugiu, e se comportou como um leão, venceu. Onde a oposição decidiu miar, e se comportar como gatinho, perdeu. Seja Arthur Virgílio em Manaus, seja ACM Neto em Salvador, onde a oposição foi para o embate venceu. O PT não é imbatível, pelo contrário, é um amontoado de pessoas que são mais desunidas do que parece a primeira vista. É um partido sem moral, pois não irá expulsar de seus quadros 3 condenados de CORRUPÇÃO e FORMAÇÃO DE QUADRILHA. José Genuino, José Dirceu e Delúbio Soares foram condenados pelo STF, mas contam com o apoio do PT. Partido assim não tem moral, isso enfraquece a militância, e em última instância diminui seu poder de mobilização. A oposição tem que bater nessa tecla sem cessar, temos que fazer disso um mote: “O STF CONDENOU, O PT PERDOOU”.

O PSDB irá de Aécio em 2014. Irá perder de novo. O que fazer então? Existe uma solução, uma dobradinha DEMOCRATAS-PMDB para lançar uma chapa em 2014. O PMDB está sendo chutado por Dilma, uma aliança ali é possível. Se Dilma fortalecer o PMDB, então a dobradinha pode ser DEMOCRATAS-PSB para 2014. Esse é o caminho para a oposição: ficar longe do PSDB. Existem opções, basta trabalhar para viabilizá-las. O PSD é outro partido que pode tentar algo também, enquanto ficar longe do PSDB terá uma chance. O problema do PSDB é que sua desunião, e falta de liderança, está comprometendo toda oposição no Brasil. O PSDB tem quadros de respeito, mas antes de liderar o Brasil precisa se reencontrar.

Fica a lição: não se vence um dragão se comportando como um gatinho.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Duas perguntas aos militantes do PT


1) Quando o PT irá expulsar de seus quadros os condenados no STF no escândalo do mensalão, entre eles José Genoino e José Dirceu?

2) Não lhes incomoda ver o PT dando apoio a indivíduos condenados por FORMAÇÃO DE QUADRILHA e CORRUPÇÃO?

Tenho ouvido alguns eleitores do PT argumentarem que o partido é maior do que os réus condenados no mensalão. Que agora terão que reconstruir o partido...

Sempre no ensejo de ajudar, o Sachsida dá aqui uma dica aos petistas: se vocês são sérios, e tem vergonha na cara, expulsem os corruptos CONDENADOS PELO STF do PT.

Na verdade o PT já deu vários exemplos de que irá apoiar seus políticos condenados no mensalão.... bom, se você é eleitor do PT explique isso para sua consciência.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Novo Livro de Economia Política

O Professor Andre Nunes escreveu um EXCELENTE livro de Economia Política.

Eu li e recomendo!


Lula e o Paradoxo do Malandro: Mensalão

Em 25 de agosto de 2010 escrevi o artigo abaixo. Como podem notar, já naquela época eu previa o futuro de Lula. Alguém duvida que Dilma esteja feliz da vida com o resultado do julgamento do mensalão?

Lula e o Paradoxo do Malandro

De acordo com o filósofo Bezerra da Silva “Malandro demais vira bicho”. Acredito que mais cedo do que pensa, Lula irá entender essa frase. Lula se acha gênio: escolheu para substituí-lo alguém completamente desconhecido e despreparado. Na cabeça de Lula a lógica é simples: escolhendo alguém desconhecido para substituí-lo ele teria duas vantagens: 1) manteria o poder nos bastidores; e 2) voltaria para a presidência na eleição seguinte.

Não sou fã do PT, mas mesmo o PT tem quadros mais capacitados que Dilma. Então Lula elaborou a trama, escolheu alguém que acredita que poderá manipular, alguém totalmente dependente do carisma dele, e mais importante, alguém que lhe apoiará para voltar a presidência. A conta de Lula é simples: 4 anos de Dilma e depois mais 8 anos de Lula.

Mas malandro demais vira bicho. Lula realmente acredita que irá manipular uma terrorista? Ele é que está sendo manipulado. Tão logo Dilma assuma o poder, ela e o grupo que a apóia irão dar um jeito de colocar Lula de lado. Em menos de 1 ano o ex-presidente irá descobrir que o poder tem memória curta. Mas o pesadelo para Lula irá até a tragédia. Ele realmente acredita que um grupo terrorista irá permitir a existência de um concorrente tão popular? Dilma e seu grupo irão se deparar com a difícil escolha entre matar Lula ou prendê-lo. Poderão matá-lo e acusar a “direita”. Arrumando assim o motivo para um golpe de Estado, e prendendo os adversários. Nesse caso, Lula seria glorificado como o grande líder assassinado pelas elites. Nada mais justo então do que encarcerar essa elite.

Mas matar Lula não é a única opção para o grupo de Dilma: pode-se também acusar Lula de traidor do movimento. Afinal, todo regime ditatorial necessita culpar alguém por seus fracassos. Vocês já viram quantos esquerdistas dizem que Lula os traiu? Pois é, não será difícil aos terroristas incriminar Lula por alta traição, colocá-lo numa cadeia e, é claro, aproveitar para fazer um expurgo. Se isso parece absurdo para você, então leia um pouco mais sobre o destino dos líderes comunistas que perderam a briga pelo poder. O exemplo mais óbvio é Trotsky.

Lula, você acha que vai se dar bem com Dilma. Engano seu: ela irá te trair. A única dúvida caro Presidente é se você será assassinado ou preso. Dilma e seu grupo não mudaram: continuam se orgulhando de terem combatido, de terem assassinado, sequestrado, e roubado em favor da implantação de uma ditadura de esquerda. Lula, não se cria um monstro acreditando que pode-se controlá-lo. Dilma é o começo das trevas sobre nosso país.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Liberdade na Estrada em Florianópolis: Show de Bola!!!

Ainda irei falar mais sobre o evento, mas ontem foi incrível!!! Auditório cheio, boas perguntas, participações boas e momentos agradáveis.

Muito obrigado pela EXCELENTE recepção. Esses eventos mostram como a sociedade brasileira está demandando defensores da liberdade individual, do estado de direito e da propriedade privada. Basta os partidos e os políticos se atentarem para esse fato e, em breve, poderemos ter mudanças importantes em nossa sociedade.

Aos meus amigos de Florianópolis deixo um grande abraço e agradeço novamente o carinho.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Liberdade na Estrada em Florianópolis!!!!


Nesta quinta-feira, dia 18/12/2012, as 19:00 horas no Centro de Ciências Jurídicas da UFSC teremos uma excelente oportunidade para discutirmos questões importantes ao nosso país.

Se você está em Florianópolis apareça e participe.

LIBERDADE NA ESTRADA, EU VOU!!!

O Efeito Reinaldo Azevedo


Tal como vários outros, fui ao lançamento do livro de Reinaldo Azevedo aqui em Brasília. Duas questões merecem ser destacadas:

1) Por que gastar quase 50 reais num livro que está disponível de graça na internet?
2) Por que esperar 2 horas numa fila para passar 10 segundos ao lado do autor e tirar uma foto?

Notem que o livro de Reinaldo Azevedo é, basicamente, uma junção de seus escritos no seu blog na internet. Tais escritos podem ser acessados de graça. Então, por que pagar 50 reais pelo livro? Também vale ressaltar que esperar por duas horas numa fila não é das tarefas mais agradáveis. Então pergunto, por quê?

Simples: as pessoas não estavam lá apenas para comprar um livro. Estavam lá para demonstrar seu apoio a uma causa. As pessoas esperavam 2 horas na fila para demonstrar o respeito que têm por quem defende valores tão caros à elas. Quando eu comprei meu livro, eu estava dando meu apoio a um dos maiores defensores da liberdade individual e do estado de direito no Brasil. Ao esperar duas horas numa fila eu estava dizendo que estou pronto a apoiar quem defende os ideais de liberdade individual e economia de mercado.

A lição que Reinaldo Azevedo deixou em Brasília foi simples: defender a liberdade individual, o estado de direito e a economia de mercado é um caminho extremamente viável para políticos e partidos políticos que queiram ocupar espaço no cenário nacional.

Em alguns dias estarei inaugurando o grupo CAFÉ DA TARDE. Um grupo sem vinculação partidária, mas com um compromisso claro de defender valores liberais em economia, e valores conservadores em termos morais.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Sachsida já tinha avisado.. agora é a vez do STF questionar o BACEN

Em 27 de abril de 2008 eu já havia questionado a capacidade de fiscalização do Banco Central.

Agora é o próprio STF quem diz isso!!!


Por que acreditar que alguém que ganha 100 mil/ano pode ser mais esperto que outro que ganha 1 milhão/ano NA MESMA PROFISSÃO?


No fundo essa é a crença de todo indivíduo que acredita no sucesso da intervenção governamental: acreditar que um regulador, que ganha 100 mil/ano, é mais esperto (e pode se antecipar) que um especulador que NA MESMA PROFISSÃO, mas trabalhando no setor privado, faz 10 vezes mais por ano.

Claro que existem exceções, claro que existem pessoas extremamente capazes trabalhando no setor público. Talvez até a média de habilidade dos servidores públicos seja maior que a média de habilidades de seus pares no setor privado. Contudo, no que tange à regulação não estamos nos referindo a média dos trabalhadores, mas sim ao topo dos executivos e dos funcionários públicos. Nessa sub-amostra, que inclui apenas o topo da distribuição de habilidades, parece ser pouco provável assumir que a média de habilidades dos servidores públicos seja maior que a dos executivos trabalhando no setor privado. O motivo é simples: a diferença salarial entre eles é gigantesca, não parece correto assumir que o mercado pagaria tanto a mais para ficar com os menos capazes.

Assim, toda vez que você defender a intervenção do setor público lembre-se de que o setor privado, cedo ou tarde, conseguirá burlar a regra e tirar proveito dela. Pior: as grandes corporações, capazes de contratar os melhores profissionais, estará sendo BENEFICIADA pela regulação. Uma vez que podem se ajustar mais rapidamente à regulaçao que as pequenas empresas, que não possuem os profissinais necessários para tanto. Dessa maneira, o efeito prático de QUASE toda regulação governamental é diminuir a competição e favorecer as grandes empresas.

Esse post tem um endereço: a idéia dos Bancos Centrais de aumentarem a regulação no setor bancário. Esse blog é CONTRA tal idéia. Ela apenas REDUZIRÁ a competição entre os bancos, piorando a situação de toda a sociedade. E o que será pior: com menos bancos, teremos bancos necessariamente maiores, ou seja, os problemas potenciais de um banco serão cada vez mais onerosos para a sociedade, implicando que o governo irá no futuro ajudá-los em caso de crise. Tal procedimento apenas aumentará o custo das crises bancárias. O melhor mesmo é aumentar a competição entre os bancos, diminuindo o tamanho dos mesmos e tornando as crises bancárias muito mais restritas e menos onerosas.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Por que Avenida Brasil fez tanto sucesso?

A novela da Globo “Avenida Brasil”está chegando ao seu final. Seus índices de audiência são uma prova cabal de seu sucesso. Então vem a pergunta: em que esta novela é diferente das demais? Por acaso tem atores melhores? Difícil sustentar essa argumentação. Por acaso sua trama é inovadora? Pouco provável, todos os clichês de novela estão lá. Então, o que tornou Avenida Brasil esse tremendo sucesso?

Em minha opinião existe uma diferença crucial entre Avenida Brasil e todas as demais novelas da Globo: em Avenida Brasil praticamente ninguém trabalha. Já notaram isso? No núcleo central da trama ninguém trabalha!!! Ao contrário de outras novelas, onde haviam disputas centrais pelo controle de empresas ou pela expansão de determinadas marcas empresarias, em Avenida Brasil simplesmente não existem disputas desse tipo.

Tufão é jogador de futebol aposentado. Sua família, ai inclusos pai, mãe, filhos, esposa e agregados não trabalham. No núcleo time de futebol (que só tem brancos marombeiros) outro bando de encostados que passa o dia sem nada fazer. Já notaram o número de vezes que aparece um personagem bebendo cerveja em pleno dia de semana a tarde?

Acho que é esse o segredo do sucesso de Avenida Brasil: mostrar um país do faz de conta, onde ninguém precisa trabalhar. Todos podem beber cerveja durante a semana, e no final estamos todos bem. Será que foi nisso que nosso país se transformou?

Um país rico se faz com trabalho duro e honesto, com liberdade econômica, estímulo a competição, e respeito a meritocracia. Pouco importa se novelas retratem isso ou não.

Liberdade na Estrada!!! Eu vou!!!


Esta EXCELENTE INICIATIVA, que ocorre desde 2009, já tem datas e eventos marcados para 2012.

Tive a honra participar do LIBERDADE NA ESTRADA em 2009 e em 2010. Agora, terei novamente a oportunidade de me juntar a caravana. Dia 18 de outubro estarei com o Liberdade na Estrada em Florianópolis, e no dia 08 de novembro me junto a eles novamente em Brasília.

Agradeço muito ao Fábio Ostermann e a Elisa Lucena Martins que me convidaram para me juntar a caravana. Obrigado pela oportunidade de participar desse movimento, o Sachsida tem orgulho de se juntar ao LIBERDADE NA ESTRADA.

Você está em Florianópolis? Então apareça para nosso encontro quinta-feira dia 18 de outubro.

Cotas para negros em concursos públicos

No dia 28 de março de 2010 escrevi o post abaixo. Ele terminava com a seguinte pergunta: "Para finalizar uma pergunta: o que vem depois de cotas na universidade? Será que em breve teremos cotas raciais em concursos públicos?".

Como sempre, muitos me chamaram de alarmista, de só falar besteira... o que tais pessoas não entendem é que, em todo lugar do mundo onde foi implementado, o sistema de ações afirmativas sempre se diz LOCALIZADO e TRANSITÓRIO. Mas, nunca fica apenas localizado (sempre se expande) e de transitório torna-se permanente...

Clique aqui para ver a idéia do governo de criar cotas para negros em concursos públicos.

Uma Mentira Contada sobre o Sistema de Cotas Raciais

Tenho visto algumas pessoas comentando um estudo que mostra que, na Universidade de Brasília, os alunos cotistas tinham desempenho superior aos não cotistas numa ampla gama de cursos (tal estudo foi inclusive publicado na capa do Correio Braziliense de Domingo de meses atrás). Quando li este estudo, mandei uma mensagem ao Correio Braziliense dizendo que tal estudo estava metodologicamente equivocado.

A imprensa, e boa parte de acadêmicos, esta ansiosa para noticiar que o sistema de cotas raciais funciona. Na busca pela aceitação do sistema de cotas, estudos favoráveis são amplamente divulgados sem receberem a devida atenção metodológica. Uma das críticas ao sistema de cotas é que os indivíduos que entram por meio de cotas não seriam capazes de acompanhar o ritmo da turma. Dessa maneira, o estudo realizado na UnB, mostrando que os cotistas se saiam melhor nas provas do que os não-cotistas, é uma importante defesa do sistema de cotas. Infelizmente, para os defensores das cotas, existe um problema metodológico com esse estudo.

O estudo compara a nota média dos alunos que entraram pelo sistema de cotas (numa série de matérias) com a média obtida pelos alunos não-cotistas. O estudo mostra que, após entrarem na UnB, os alunos cotistas tinham média superior aos não-cotistas. Esse procedimento está equivocado. Ele apenas mostra que a média dos alunos que entraram por cotas é superior a dos demais alunos. Essa média NÃO PODE ser usada para se defender a adoção de cotas. Se você quer usar a nota média para dizer que cotas funcionam, o procedimento correto é diferente: você deve comparar a nota média dos alunos que entraram pelo sistema de cotas MAS QUE NÃO ENTRARIAM caso não houvesse cotas com a média dos demais alunos. Isto é, você deve RETIRAR da amostra de alunos cotistas os alunos cotistas que teriam entrado na UnB independente do sistema de cotas (tais alunos devem ser incluídos no grupo de comparação).

Esse erro de coleta e separação da amostra geralmente passa despercebido pela imprensa. Mas não deveria ser estranho a pessoas acostumados com o uso mais rigoroso da estatística. A rigor, o estudo favorável ao sistema de cotas mais difundido no mundo é o livro “The Shape of the River”. Onde os reitores de Princeton e Harvard usam dados dessas universidades para mostrar que o sistema de ações afirmativas (cotas) funciona. Este estudo tem apenas um pequeno defeito: os reitores se RECUSAM a entregar os dados para que pesquisadores independentes possam replicar os resultados. Desnecessário dizer que tal tipo de evidência tem muita pouca validade científica. Seja em Harvard, em Princeton, ou na UnB, a discussão sobre cotas é muito mais política do que científica. Se você quer estudar o sistema de ações afirmativas a fundo a referência básica é o livro de Thomas Sowell “Ação Afirmativa ao Redor do Mundo: Evidência Empírica”.

Para finalizar uma pergunta: o que vem depois de cotas na universidade? Será que em breve teremos cotas raciais em concursos públicos?

sábado, 13 de outubro de 2012

Sachsida ajuda Avenida Brasil

Parece que a novela da globo não é apenas líder de audiência... é lider de gafes também.

Depois de montar um time de futebol da periferia só com jogadores brancos, a novela da globo manda outro absurdo: Diz que Lucinda é REINCIDENTE.

A "Tia Lucinda" assumiu a culpa pelo assassinato do picareta Max. Então a novela está em polvorosa e todos argumentam: a pena dela será severa pois a mesma é reincidente.

Então o Sachsida resolveu ajudar a titia. NÃO, TITIA NÃO É REINCIDENTE!!!!

Depois da extinção da pena, ao se cometer novo crime não se fala em reincidência. Logo, podem ficar tranquilos, titia Lucinda é réu primária.

Também existem dispositivos jurídicos que salvaguardam o direito do indivíduo (titia Lucinda) qua mata outro indivíduo (Max) para evitar que o mesmo assassine uma vítima (Nina).

Titia Lucinda, mais do que vítima do destino, parece ser vítima da falta de conhecimento dos roteiristas....

PS: A Globo está usando uma definição de reincidência que não é mais usada. O Código Penal Brasileiro de 1940 adotou o sistema da perpetuidade da reincidência . Após a reforma feita na parte geral do Código Penal pela Lei 7.209 de 1984, adotou-se o sistema da temporariedade da reincidência . Antes da reforma de 1984, a sentença condenatória anterior jamais perdia o efeito de gerar a reincidência, independentemente do transcurso do tempo entre ela e a prática de novo crime.

Hoje, pelo artigo 64, inciso I, a sentença condenatória definitiva perde o efeito de gerar a reincidência quando o novo crime é cometido cinco anos depois do cumprimento ou da extinção da pena
.

Nem 1 segundo....

Certa vez me perguntaram: Depois que Fidel Castro morrer, por quanto tempo ele será respeitado?

Minha resposta foi e permanece a mesma: NEM POR 1 SEGUNDO.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Lugar de Bandido é na CADEIA, ou o PT não Leu Shakespeare

"E Julieta disse a Romeu: De que vale um nome, se o que chamamos rosa, sob outra designação teria igual perfume?" (Shakespeare)

Pois é... o PT achou que mudar o nome da rosa alteraria seu perfume.... trocou o nome MENSALÃO pelo denominação AÇÃO PENAL 470. Achava que chamar uma rosa pelo nome de violeta lhe alteraria a essência.

Hoje o STF mostrou que uma rosa é uma rosa, pouco importa o nome que você lhe dê.

Delúbio Soares CONDENADO por um placar de 10 a ZERO.
José Genuino CONDENADO por um placar de 9 a 1.
José Dirceu CONDENADO por um placar de 8 a 2.

Uma rosa sempre será uma rosa.... e lugar de bandido CONDENADO pelo STF é na cadeia.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Sachsida manda seu apoio a Malala Yousufzai

Malala Yousufzai é uma menina de 14 anos de idade que mora no Paquistão. Ela ganhou reputação internacional por falar mal dos terroristas do Talebã.

Hoje, enquanto estava no ônibus escolar, sofreu um COVARDE ATENTADO: ela recebeu dois tiros sendo um na cabeça e outro no pescoço. Ela está em estado grave.

O Sachsida declara aqui sua dor por mais esse ataque covarde contra uma menina de 14 anos de idade. Esse é mais um ataque a liberdade de expressão. Desta vez contra uma menina de 14 anos de idade que teve como crime dizer o que pensava sobre terroristas.

Malala ganhou projeção internacional ao escrever um diário, publicado pela BBC, sobre a vida sob o dominío dos talibãs.


Até agora NENHUMA NOTÍCIA sobre isso na imprensa brasileira. O Jornal Nacional terminou agora e nem sequer tocou no assunto. Parece que estão com pressa para transmitir Avenida Brasil.

Força Malala!!!

Dúvidas sobre os resultados de Boca de Urna

Em vista da atual polêmica sobre a precisão das pesquisas eleitorais, resolvi fazer um exercício simples. Regredi os dados levantados pelo Coroneleaks contra duas variáveis dummy: uma sobre filiação partidária ao PT, e outra sobre filiação partidária ao PSDB/DEM.

ATENÇÃO: este resultado não serve para desqualificar o IBOPE. O motivo é simples, a amostra adotada não é aleatória. O objetivo desse exercício NÃO É desqualificar o IBOPE. O objetivo é apenas verificar se o Coroneleaks está errado. Ou seja, este exercício econométrico NÃO TEM CAPACIDADE de demonstrar que o Coroneleaks está certo. Isso ocorre pois na página do Coroneleaks o autor coloca apenas os dados favoráveis a sua argumentação (amostra viesada). Sendo assim, se identificarmos que na própria amostra do Coroneleaks seu argumento não tem validade estatística, então podemos concluir que o Coroneleaks está errado. Uma estimativa simples de mínimos quadrados ordinários foi realizada. Os resultados estão descritos abaixo:

Erro = 0.0122 + 0.0018 PT – 0.0438 PSDBDEM
(1.19) (0.09) (-2.04)

Onde Erro é a diferença entre o percentual de votos indicados pela pesquisa de boca de urna do IBOPE e o percentual de votos efetivamente recebidos pelo candidato. Os valores entre parênteses são os testes t. Os resultados sugerem que pertencer ao PT não favorece o candidato na boca de urna (pelo menos na amostra analisada). Contudo, não é possível rejeitar a hipótese de que, nessa amostra, pertencer ao PSDB ou ao DEM implica em receber uma votação maior do que a indicada pela pesquisa de boca de urna.

Apesar desses resultados não poderem ser utilizados para criticar o IBOPE, eles servem ao menos para mostrar que o Coroneleaks não está errado (o que é bem diferente de dizer que ele está certo). Sendo assim, concluimos que o Coroneleaks tem um ponto válido e que merece mais análise. Isto é, estudos mais sofisticados podem ser feitos para comprovar a validade ou não das dúvidas levantadas pelo Coroneleaks. Cabe ressaltar também que, o fato do IBOPE ter acertado em 95% dos resultados (tal como exposto na página do IBOPE na internet) não implica que seus erros não sejam recursivos em determinadas localidades (cidades maiores e capitais, por exemplo).

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

A Credibilidade dos Institutos de Pesquisa de Opinião

No dia 03 de outubro de 2010 escrevi o texto abaixo. Dois anos depois, O MESMO PROBLEMA SE REPETE. Me parece que a credibilidade de algumas pesquisas de opinião é bem baixa.

O Absurdo Comportamento dos Institutos de Pesquisa de Opinião

Até o momento é ridículo o comportamento de institutos tais como o Datafolha e o IBOPE. Ontem o IBOPE anunciva 51% para Dilma, e o Datafolha 50%, ambos adotaram uma margem de erro de 2%.

Com quase 99% dos votos apurados temos Dilma com 46,7%; e Serra com 32,6%. Resumindo: ambos os institutos de pesquisa erraram. É incrível que ninguém comente isso. Os analistas de plantão culpam o efeito Marina, o efeito aborto, o efeito escambau a quatro. Contudo ninguém diz o óbvio: o IBOPE e o DATAFOLHA erraram. E não venha me dizer que erraram por pouco: eles erraram acima da margem de erro. Digo mais: erraram muito acima da margem de erro.

Se Dilma conseguir chegar a 47% dos votos isso implica que o IBOPE deveria DUPLICAR SUA MARGEM DE ERRO!!!! Se Dilma conseguir chegar a 47% dos votos isso implica que o DATAFOLHA deveria aumentar em 50% sua margem de erro. Esse NÃO SÃO ERROS PEQUENOS do ponto de vista estatístico.

No final do dia parabéns ao Blog Coturno Noturno que até ontem sustentava que Dilma não passaria de 45%, usando a margem de 2%, o Coronel acertou na mosca.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Entrevista com Jorge Arbache

Entrevista com o economista Jorge Arbache. O Professor Arbache tem contribuições importantes na área de Economia do Trabalho e Globalização.



1) O Brasil tem um problema demografico a ser enfrentado? Quais as implicacoes disso? Por quê?

Resposta) O maior desafio a ser enfrentado pelo Brasil é o demográfico devido às suas enormes implicações. O Brasil vem experimentando uma das mais rápidas mudanças demográficas em períodos de paz. As razões desse fenômeno ainda são pouco conhecidas, mas já sabemos que ela tem efeitos econômicos, políticos, sociais e culturais de grandes proporções. O problema econômico mais importante é que o país está envelhecendo antes de enriquecer. Os recursos, que já são escassos, se tornarão ainda mais escassos com o envelhecimento da população e com a redução da taxa de crescimento da população em idade ativa (PIA), a qual deverá chegar no seu ponto de máximo entre 2022 e 2025. Será mais difícil fazer crescer a taxa de poupança e as despesas com seguridade social e com saúde aumentarão, ao tempo em que os custos laborais também aumentarão devido à desaceleração da oferta de trabalho. Já mensuramos que parte importante das atuais condições do mercado de trabalho -- salário real em elevação e desemprego baixo -- se deve à demografia, e que a demografia já está afetando a competitividade internacional. O país ainda não está preparado para enfrentar o desafio que lhe aguarda logo ali na esquina, o que aumentará os efeitos deletérios da demografia e os custos de mitigá-los. A mais importante forma de mitigar esses desafios é através de um brutal aumento de competitividade, em especial da indústria.


2) O Brasil precisa flexibilizar suas leis trabalhistas? Se sim, quais?

Resposta) Sim, é preciso flexibilizar a legislação, pois ela não mais atende aos interesses dos próprios trabalhadores e do país. O próprio Presidente Lula já havia reconhecido essa necessidade, bem como o reconhece e Presidenta Dilma.


3) Ainda existe espaco para politicas de estimulo a demanda na economia brasileira? Isso não irá gerar inflacao?

Resposta) Políticas de estímulo à demanda são parte do arsenal de qualquer governo, independentemente da sua orientação, como ficou claro com a crise de 2008/09. A questão não é utilizar ou não esse arsenal, mas como, em que setores, por quanto tempo, e visando quais objetivos. Para que ela funcione, é preciso também que haja transparência e o boa governança das políticas, o que implica em monitoramento e avaliação das mesmas, bem como em contrapartidas dos setores beneficiados. Um exemplo dessas contrapartidas é o investimento em inovação e em aumento de competitividade.


4) Esta ocorrendo desindustrializacao na economia brasileira?


Resposta) A indústria brasileira está perdendo dinamismo tanto do ponto de vista nacional como internacional, como mostramos em recente artigo. Mas a indústria tem condições de se recuperar e, eventualmente, ganhar protagonismo devido às imensas oportunidades de investimentos, como em infraestrutura e no pré-sal, e ao aumento do mercado doméstico de consumo. Além disso, os recursos naturais, a biodiversidade e as commodities podem e devem ser vistos como uma oportunidade, e não como um obstáculo para o investimento na indústria. Para tanto, é preciso desenvolver tecnologias e parcerias fomentando investimentos que agreguem valor aos recursos naturais e às commodities.



terça-feira, 2 de outubro de 2012

Previsões do Sachsida para 2012 , texto escrito em dezembro de 2011

Em 13 de dezembro de 2011 escrevi o texto abaixo. Errei?

O ano de 2012 será uma dura provação para as contas públicas. O desastre, mais que anunciado, começa com o reajuste do salário mínimo que deve colocá-lo num patamar próximo a 620 reais por mês. Esse valor gera dois problemas automáticos: aumento no déficit da previdência social, e dificuldades gigantescas para prefeituras de cidades pequenas (que pagam um salário mínimo para boa parte de seus funcionários). Indiretamente, esse valor deve significar o desemprego para pessoas pouco qualificadas e jovens (os segmentos mais impactados pelo salário mínimo). As eleições municipais também serão um elemento a mais de pressão para o aumento do gasto público. A estratégia de gastar mais para tentar eleger mais prefeitos vai permear prefeituras, governos estaduais e governo federal. Pensam que acabou? Nada disso, com a justificativa de evitar os efeitos da crise, o governo federal vai aumentar ainda mais o gasto público federal. Em resumo, 2012 vai ser um ano de fortes gastos públicos.

Se o lado fiscal da economia vai mal, pior ainda vai o lado monetário: a moda agora é falar de medidas alternativas de combate à inflação. Bom, a maneira alternativa de combater a inflação (que não seja aumento dos juros) é a restrição ao crédito. Contudo, o governo já deixou claro que não irá restringir o crédito em 2012, pelo contrário adotará medidas para expandí-lo. Uma política monetária frouxa, associada a um gasto público em alta, sugerem uma inflação alta para 2012. Não será surpresa alguma termos uma taxa de inflação superior a 6% no próximo ano.

No que se refere ao crescimento da economia, a pior equipe econômica de todos os tempos continua acreditando que o gasto público é a resposta certa para a crise. E o que é pior, boa parte deles acredita que a carga tributária brasileira não é alta. Assim, não se espante se ao longo de 2012 você ouvir o governo sugerir novos impostos. Com o governo gastando muito, e tributando muito, é de se esperar um crescimento abaixo de 4% para 2012.

Em resumo, para 2012 espero uma inflação acima de 6% e um crescimento econômico abaixo de 4%. Mas fiquem tranquilos, 2013, 2014 e 2015 serão piores. Em 2013 teremos que corrigir os estragos de 2012, mas além disso os gastos públicos para a Copa deverão sair do papel. Como tais obras estão atrasadas, é evidente que a pressa em finalizá-las implicará num custo bem superior ao originalmente estimado. Em 2014, teremos os evidentes aumentos de gastos públicos decorrentes desse ano ser marcado por eleição presidencial. Pobre de quem assumir em 2015, esse será o ano do inevitável ajuste.

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Por que a desigualdade de renda é importante?

Nestes dias onde tantos falam sobre a importância de se combater a desigualdade de renda, acho que vale a pena reler esse artigo publicado neste blog em 24/09/2007.


Uma das maiores críticas feitas ao capitalismo é que esse sistema concentra renda. Isto é, deixa uma grande parcela da riqueza nacional na mão de poucos. Os opositores do capitalismo sustentam que sistemas socialistas são muito mais justos, pois distribuem a renda de uma maneira mais equânime pela sociedade.

O parágrafo acima embute duas afirmações: 1) o capitalismo concentra renda, enquanto o socialismo distribui renda; e 2) concentrar renda é ruim, logo o capitalismo é ruim e o socialismo é bom. Ambas as afirmações são falsas, contudo são aceitas pela maioria das pessoas. Não existe absolutamente nada no capitalismo que leve a uma concentração de renda. Sistemas capitalistas só concentram renda quando o Estado se alia aos trabalhadores e empresários de determinados setores para realizar política industrial. Aliás, a idéia de política industrial é uma idéia de distribuição de renda entre setores da economia. Estranho que os defensores de políticas industriais ativas não se atentem que, na maior parte das vezes, isso implica na transferência de renda de setores pobres para setores ricos da sociedade. No capitalismo puro, onde o Estado não tenta intervir na alocação de recursos do setor privado, não há razão alguma para ocorrer concentração de renda na economia. O motivo disso deve-se a um termo técnico conhecido como produtividade marginal. Em palavras, a medida que um setor vai ficando mais rico a produtividade marginal do investimento naquele setor vai decrescendo. Isso obriga os empresários a investir em outros setores e a distirbuir melhor a renda. Mesmo a nível individual isso é verdade. Por exemplo, a medida que um indivíduo vai ficando mais rico é natural que ele não queira trabalhar tanto. Ao contrário prefere gastar mais tempo com horas de lazer. Já os indivíduos pobres, sacrificam ampla parcela de seu tempo trabalhando duro. Esses movimentos em conjunto diminuem a concentração de renda. Outro detalhe: dizer que um sistema socialista ditribue renda é falso. Num sistema socialista a renda esta altamente concentrada na mão do Estado, e quem domina o Estado (a burocracia central) domina também o uso desses recursos. Assim, sistemas socialistas são muito mais concentradores de renda que regimes capitalistas.

Quanto a afirmação de que concentrar renda é algo de ruim, devemos ter um pouco de cuidado. Concentrar renda é ruim quando a concentração se dá por meio de mecanismos externos ao mercado (Governo). Esse tipo de concentração de renda não beneficia os melhores, mas apenas os amigos do governo. Quando a concentração de renda ocorre apenas por mecanismos internos de mercado, isso implica que os mais capazes de satisfazer o mercado recebem compensações mais altas do que os incapazes de atender tal demanda. Mas note que tal concentração de renda só dura enquanto os melhores continuarem sendo os melhores, caso eles relaxem o próprio mercado diminui a remuneração deles e reduz a desigualdade de renda. Assim, a desigualdade de renda é resultado do prêmio recebido pelos melhores em seu esforço de atender ao mercado. Em outras palavras, quando um sistema premia os melhores a desigualdade de renda aparece. Acabar com a desigualdade de renda é o mesmo que retirar o prêmio dos melhores, ou simplesmente premiar os piores. Não parece razoável assumir que um sistema que premia os piores leve a sociedade a um bom nível de bem estar no futuro.

Por fim, devemos lembrar que o importante para uma sociedade composta por indivíduos não invejosos é o nível de bem estar de cada um, e não a situação relativa. A desigualdade de renda é uma medida relativa e como tal tem pouca habilidade em medir o bem estar da sociedade. De maneira simples, pouco importa que a renda esteja concentrada na mão de poucos se o nível de bem estar dos indivíduos pobres é extremamente alto. Se a parcela pobre da população tem um alto nível de bem estar e tem acesso a oportunidades, então qual o problema dos ricos serem muito ricos?

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Liberdade de Expressão e Terrorismo

Abaixo segue meu artigo publicado hoje no Ordem Livre.

Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las” (Voltaire).

No dia 11 de setembro de 2012 a Embaixada Americana na Líbia foi invadida, e seu embaixador morto. Em menos de uma semana, 19 pessoas já haviam sido mortas em decorrência de violentos protestos em diversos países. Os protestos tiveram como motivo o filme “Inocência dos Muçulmanos”. No filme, tanto os muçulmanos como o profeta Maomé são apresentados como imorais e violentos.

Tenho notado que várias pessoas, principalmente da imprensa e do governo, parecem atribuir certa razão aos radicais islamitas. Implicitamente parecem culpar o produtor do vídeo como responsável pela violência. Tal tese é um absurdo: culpado pela violência é quem a pratica. Ao culpar o produtor do vídeo determinadas pessoas flertam perigosamente com a censura. A liberdade de expressão é uma das maiores conquistas do mundo ocidental. Sua defesa não pode ser deixada de lado tão facilmente.

Como qualquer princípio, a liberdade de expressão também tem limites. Por exemplo, imagine que em junho de 1944 um jornalista tente divulgar os planos aliados de invasão da Normandia. É evidente que o Estado deveria impedir tal divulgação. Mas esse é um cenário extremo de guerra. A liberdade de expressão é uma garantia contra a tirania, e sua preservação deve ser feita a força se necessário for. Temos o legítimo direito de falar mal de Jesus, Maomé ou quem quer que seja. Temos o legítimo direito de falar mal do cristianismo, do judaismo e do islã. Certamente poderemos ser punidos por isso, mas tais punições serão feitas pela justiça, baseadas em regras jurídicas predeterminadas.

Não é admissível abrir mão da liberdade de expressão porque esta possui custos. É evidente que preservar a liberdade tem custos. Mas será que abrir mão da liberdade é isento de custos? Por acaso ceder aos radicais islâmicos, restringindo a liberdade de expressão, é isento de custos? Tão logo o mundo ocidental aceite as demandas dos radicais islâmicos, estaremos passando a eles a seguinte mensagem: quando quiserem concessões nossas basta nos atacarem. Sejam violentos, sejam radicais, nos tratem a base de pedradas e cederemos a vocês. Afinal, uma sociedade que cede tão facilmente a liberdade de expressão em breve cederá também a própria liberdade. É esta a mensagem que queremos passar? Se cerdemos a liberdade de expressão hoje, qual será a demanda dos radicais islâmicos amanhã?

A sociedade islâmica também possui os moderados. Se cedermos aos radicais estaremos diminuindo o poder relativo dos moderados. Em última instância estaremos condenando nossos aliados no mundo islâmico. Ao combatermos veementemente o radicalismo estaremos fortalecendo a corrente do islã que prega a convivência pacífica. Sendo este um passo importante para o futuro de nossas civilizações.

A conquista da liberdade de expressão foi feita à base de sangue. Não podemos abrir mão dela tão facilmente. A cantora Madona apareceu em um vídeo se masturbando com um crucifixo. Devemos sair por ai botando fogo em artistas? Claro que não. Preservar a liberdade de expressão é justamente preservar o direito dos indivíduos se manifestarem de maneiras que muitas vezes, a você próprio, parecem repugnantes.

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email