segunda-feira, 14 de maio de 2012

Romario e o Mercosul

No dia 01 de agosto de 2007 escrevi a postagem abaixo. Acho que vale a pena reler esse post.

Lembro de Romário no Casseta e Planeta. O Bussunda perguntava: “e ai Romário, vai jogar em que time?” ao que o baixinho respondia “não sei não, só sei que vou ganhar!”. Temos que admirar Romário nesse ponto; ele quer ganhar tudo de par ou ímpar a cara ou coroa, quando perde fica mordido. Tenho pra mim que quando Romário era criança e tinha que escolher um time pra jogar ele sempre escolhia o melhor time, sempre escolhia os melhores jogadores. Motivo: ele queria ganhar, sempre. Essa é a característica básica de um vencedor, a busca constante pela vitória. Mesmo que isso não seja sempre possível. Olhando em retrospecto, noto que nem todas as crianças eram como Romário. Algumas preferiam escolher jogar em times fracos, escolhiam os piores jogadores para seus times. Motivo: para elas melhor do que ganhar era poder jogar. Para essas crianças, desprovidas de talento futebolístico, entrar no melhor time significava ficar eternamente no banco. Preferiam entrar nos piores times, pois lá podiam ser o craque em meio aos pernas de pau. Tais crianças nunca conheceram o sabor da vitória, tendo de se contentar com a ilusão de serem os melhores jogadores de seu time.

Tal como acontece com crianças também acontece com países. Existem aqueles com vocação para vitória e aqueles que se refugiam entre os pernas de pau. Alguns países procuram sempre estar entre os melhores, outros buscam a ilusão de ser o melhor dentre os piores. No futuro escreverei um blog mostrando minhas razões para ser contra a formação de blocos econômicos, mas por hora vamos analisar o time que o Brasil escolheu para fazer parte: Paraguai, Argentina e Uruguai. Talvez com o reforço da Bolívia e da Venezuela. Por que escolher tais países? Por que não tentar um fortalecimento dos laços com Estados Unidos e Canadá? Minha resposta é simples: o Brasil não é o Romário.

A Argentina acaba de suspender a exportação de trigo ao Brasil (por motivos de desabastecimento interno). Resultado: o preço do pãozinho no Brasil aumentou. Tivesse o Brasil o mesmo acordo que tem com a Argentina com os Estados Unidos, e a importação de trigo dos EUA teria alíquotas de importação mais baixa e a população brasileira pagaria menos pelo pão. Em resumo, para beneficiarmos os produtores de trigo da Argentina, o pobre brasileiro paga mais pelo pão. O mais irônico disso tudo é que o governo argentino não se incomoda em prejudicar seu “parceiro” brasileiro, basta que veja nisso uma oportunidade de ganhar popularidade interna.

6 comentários:

Anônimo disse...

Um japones perna de pau e suas lembranças . . . rs

Anônimo disse...

Professor,

Recomendo a leitura do artigo do Gen. Romulo Bini que questina os reais objetivos da "comissao da verdade". Veja uma parte do artigo abaixo:

"No corrente ano, entretanto, dois fatos vieram de encontro à atitude das Forças Armadas. O primeiro foi a criação da Comissão da Verdade. De modo unânime, militares da ativa e da reserva consideraram tal comissão um passo efetivo para atos de revanchismo."

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,lei-do--silencio-,871990,0.htm

Anônimo disse...

Muito feliz na comparação. Vale lembrar que semana passada a Argentina suspendeu as exportação brasileira de carne suina.

Ginno

Gilrikardo-Blog disse...

Há mais trinta anos, quando ainda era bancário, certa feita perguntei ao supervisor da carteira de financiamentos agrícolas porque tal instituição financeira não liberava verbas para o custeio de trigo. Havia financiamento até para criar "sapos" aliás, rãs... e para o tão elementar trigo nem pensar. Perguntei o porquê, até hoje aguardo resposta... durante anos ainda insistia em saber os motivos... o máximo que ouvi foi da existência de um tal acordo de cavalheiros... (de boca) onde o Brasil se tornaria um eterno importador da Argentina em no entanto, mencionar a contrapartida. Ainda procuro a resposta, pelo jeito morrerei com esta dúvida.

Rafael disse...

Caro Sachsida, então seguindo seu raciocinio os EUA e o Canadá estão maus das pernas ao escolherem o Mexico como parceiro comercial. Mas ainda, a dupla Alemanha e França deveria repensar a presença de Portugal e Grecia. Estranho somente o Brasil querer ser o mais forte entre fracos?

Luis Fernando Marasca Fucks disse...

Sou Membro diretor da Aprosoja/RS e até o ano passado, era produtor de trigo no Município de Giruá, RS. Não semearei meu campo com este cereal até os preços tornarem-se remuneradores novamente. Esta atitude esta´sendo tomada por vários produtores no RS, Santa Catarina e Paraná. O Brasil já foi autosuficiente em trigo e inclusive, poderia ser um grande exportador mundial. Segundo a máfia dos moinhos, o trigo gaúcho não tem qualidade, o que é uma mentira de um grupo de empresários que anda de mãos dadas com o governo. Não interessa o custo do trigo Argentino ou Europeu, pois o preço médio da farinha é feito através do aviltamento do preço do trigo nacional, o qual é "sempre" utilizado em mistura com o trigo dos argentinos, para que a farina tenha boas qualidades de panificação. Estou a sua disposição para melhor compreensão deste "nó" que é a triticultura nacional, pelo telefona 055 9118 3468 e pelo e.mail llfucks@terra.com.br

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email