segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Cotas para negros em concursos públicos

No dia 28 de março de 2010 escrevi o post abaixo. Ele terminava com a seguinte pergunta: "Para finalizar uma pergunta: o que vem depois de cotas na universidade? Será que em breve teremos cotas raciais em concursos públicos?".

Como sempre, muitos me chamaram de alarmista, de só falar besteira... o que tais pessoas não entendem é que, em todo lugar do mundo onde foi implementado, o sistema de ações afirmativas sempre se diz LOCALIZADO e TRANSITÓRIO. Mas, nunca fica apenas localizado (sempre se expande) e de transitório torna-se permanente...

Clique aqui para ver a idéia do governo de criar cotas para negros em concursos públicos.

Uma Mentira Contada sobre o Sistema de Cotas Raciais

Tenho visto algumas pessoas comentando um estudo que mostra que, na Universidade de Brasília, os alunos cotistas tinham desempenho superior aos não cotistas numa ampla gama de cursos (tal estudo foi inclusive publicado na capa do Correio Braziliense de Domingo de meses atrás). Quando li este estudo, mandei uma mensagem ao Correio Braziliense dizendo que tal estudo estava metodologicamente equivocado.

A imprensa, e boa parte de acadêmicos, esta ansiosa para noticiar que o sistema de cotas raciais funciona. Na busca pela aceitação do sistema de cotas, estudos favoráveis são amplamente divulgados sem receberem a devida atenção metodológica. Uma das críticas ao sistema de cotas é que os indivíduos que entram por meio de cotas não seriam capazes de acompanhar o ritmo da turma. Dessa maneira, o estudo realizado na UnB, mostrando que os cotistas se saiam melhor nas provas do que os não-cotistas, é uma importante defesa do sistema de cotas. Infelizmente, para os defensores das cotas, existe um problema metodológico com esse estudo.

O estudo compara a nota média dos alunos que entraram pelo sistema de cotas (numa série de matérias) com a média obtida pelos alunos não-cotistas. O estudo mostra que, após entrarem na UnB, os alunos cotistas tinham média superior aos não-cotistas. Esse procedimento está equivocado. Ele apenas mostra que a média dos alunos que entraram por cotas é superior a dos demais alunos. Essa média NÃO PODE ser usada para se defender a adoção de cotas. Se você quer usar a nota média para dizer que cotas funcionam, o procedimento correto é diferente: você deve comparar a nota média dos alunos que entraram pelo sistema de cotas MAS QUE NÃO ENTRARIAM caso não houvesse cotas com a média dos demais alunos. Isto é, você deve RETIRAR da amostra de alunos cotistas os alunos cotistas que teriam entrado na UnB independente do sistema de cotas (tais alunos devem ser incluídos no grupo de comparação).

Esse erro de coleta e separação da amostra geralmente passa despercebido pela imprensa. Mas não deveria ser estranho a pessoas acostumados com o uso mais rigoroso da estatística. A rigor, o estudo favorável ao sistema de cotas mais difundido no mundo é o livro “The Shape of the River”. Onde os reitores de Princeton e Harvard usam dados dessas universidades para mostrar que o sistema de ações afirmativas (cotas) funciona. Este estudo tem apenas um pequeno defeito: os reitores se RECUSAM a entregar os dados para que pesquisadores independentes possam replicar os resultados. Desnecessário dizer que tal tipo de evidência tem muita pouca validade científica. Seja em Harvard, em Princeton, ou na UnB, a discussão sobre cotas é muito mais política do que científica. Se você quer estudar o sistema de ações afirmativas a fundo a referência básica é o livro de Thomas Sowell “Ação Afirmativa ao Redor do Mundo: Evidência Empírica”.

Para finalizar uma pergunta: o que vem depois de cotas na universidade? Será que em breve teremos cotas raciais em concursos públicos?

10 comentários:

Anônimo disse...

Apartheid homeopático.

Anônimo disse...

Adolfão, de fato a cota no Brasil é absurda. Outra possibilidade é avaliar se estão comparando notas dos mesmos cursos.

Outro ponto: nos EUA não havia vestibular ou qualquer mecanismo impessoal de entrada na universidade. e havia muito racismo. o sistema de cotas raciais lá fez sentido (não sei se ainda faz). aqui o sistema já é impessoal...


seu amigo César Mattos

Anônimo disse...

Vamos dar educação básica de qualidade para todos e valorizar a meritocracia.
Assim os negros poderão competir em condicoes de igualdade com nossas escolas particulares, nossos cursos extra-curriculares, nossos intercambios e etc.

Anônimo disse...

Engraçado um pesquisador que é contra as cotas, mas que fez seu Phd no exterior na cota para alunos de países pobres ou em desenvolvimento. Lamentável.

Blog do Adolfo disse...

Caro Anonimo,

Nao sei a quem voce se referiu, mas no meu caso meu doutorado foi feito no Brasil.

A unica cota que participei ate hoje foi a cota do bolao da megasena, mas nao ganhei. Talvez voce ache que devemos ter cotra para isso tambem...

Adolfo

Anônimo disse...

O pós-doutorado que foi feito no exterior né? Deve ter sido mérito seu...

Dawran Numida disse...

Ao que parece, está em estudo ou já está para se assinado o sistema de cotas para o serviço público.

E o Ministério da Cultura vai ou já implementou cotas para produtores culturais negros.

O pior pode piorar sempre.

Blog do Adolfo disse...

Caro Anonimo,

Dois detalhes:

1) fui professor nos Estados Unidos; e

2) para quem nunca conseguiu nada por merito é dificil entender que outros consigam...

Yuri disse...

É deprimente ver isso. O Brasil copia as leis do primeiro mundo como boa colônia que nunca deixou de ser. Se quiser saber o futuro do Brasil (aka cotas em empresas e cotas para estudantes de países mais pobres ainda) é só observar o que ocorre lá fora. Pois TUDO é copiado, sem levar em conta absolutamente nada.


O fórceps que as cotas recebem no mundo todo para serem engolidas por todos é vergonhoso. Qualquer imbecil sabe que se o objetivo é excelência, não funcionam. As grandes universidades americanas são servidas da elite mundial, todos sonham com elas, assim o nível não baixa mesmo.


É muito grave o que está passando no mundo hoje. É anti-evolucionista, até.

Anônimo disse...

véi, já tem gente falando em cotas para a pós-graduação. Quando vc acha que já viu de tudo...

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email