quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Café da Tarde: Discurso de Abertura

Numa frase emblemática em Notas do Porão, Dostoyevsky disse “Trato mal as pessoas, afinal preciso de alguma compensação por ser honesto”. Será que foi a isso que fomos reduzidos? Será que passamos a ser um povo que exige compensações por ser honesto?

Se isso for verdade, então na ausência de compensações fica justificada a desonestidade. Notaram como isso está cada vez mais presente em nosso dia-a-dia? Frases como “ele rouba, mas faz” ou então “todo mundo rouba”, passaram a ser usadas para abertamente justificar a desonestidade de alguns políticos. Foi isso que nossos pais nos ensinaram? Foi isso que aprendemos com nossos avós?

Não, meus amigos. Não existem meias verdades. Evidente que nem sempre é fácil diferenciar o certo do errado, o moral do imoral, mas todo mentiroso sabe perfeitamente diferenciar a verdade da mentira.

O Café da Tarde surgiu com um objetivo simples, a defesa de três idéias básicas: liberdade econômica, aborto apenas nas condições estabelecidas na Constituição, e contra a liberação das drogas. Acredito que não exista liberdade duradoroura se esta estiver desvinculada de vínculos morais. Foram os vínculos morais presentes no ocidente que possibilitaram o surgimento de nossa civilização. Abolir tais vínculos morais equivale a condenar nossa sociedade e, em última instância, implica na abolição de nossa liberdade.

A liberdade não é um presente que é recebido de nossos pais. Ela nunca dura mais do que uma geração. Sua defesa implica numa batalha constante por sua preservação. Aqueles que lutam sem motivo caem por qualquer motivo. O Café da Tarde tem uma agenda moral e filosófica que defende a liberdade como valor máximo. Mas, não nos enganemos, não é possível defender a liberdade sem defender os valores morais que a criaram.

Será que quando Honório vislumbrou o exército visigodo em 410 d.c. ele se deu conta de que todo o Império Romano estava para ruir? Será que somos capazes de compreender que a batalha por nossos valores é também a batalha pela sobrevivência de nosso modo de vida? Será que somos capazes de compreender tudo o que está em jogo nessa luta? Eu não sei a resposta, mas sei que se chegamos até aqui é porque podemos prevalecer na batalha. Quer saber o que irá ocorrer? Então vire a página. Essa é apenas mais uma batalha na história da humanidade. A batalha dos que almejam uma sociedade livre contra os inimigos da sociedade aberta. Façamos então com que nossos filhos e netos encontrem orgulho e inspiração em nossas ações. Muito obrigado.

10 comentários:

Anônimo disse...

Na linha do certo ou errado eu pergunto: Técnico do IPEA dar 40 horas de aula é certo ou errado?

Blog do Adolfo disse...

Caro Anonimo,

Acredito que desde que a pessoa cumpra com suas obrigacoes no IPEA nao existe nada de errado em dar 40, 60 ou 200 horas de aula.

Na mesma linha, digo que quem nao cumpre com suas obrigacoes profissionais deveria ser repreendido, pouco importa se tem ou nao outras atividades.

Adolfo

Sergio Delduque disse...

Sachsida, parabéns pela iniciativa do Café da Tarde e por ter os princípios tão claros e bem definidos. O Brasil precisa de gente como você, com postura e com coragem para assumir posições que fogem da mediocridade que impera em nosso país.

Fazer críticas oculto sob o manto do anonimato é fácil. Atitude típica dos covardes. Como dizia Quixote: "Se os cachorros ladram, é porque cavalgamos. Que ladrem os cachorros."

Unknown disse...

Olá, boa tarde. Sou aluno de graduação em Economia. Primeiramente gostaria de parabenizar a iniciativa.

Você poderia melhor caracterizar livre mercado? é o mesmo que liberalismo econômico? E na sua concepção, como o livre mercado iria resolver os problemas de desigualdade típicos do capitalismo selvagem? Não sou de esquerda, só quero entender melhor seu argumento.

Abraços

Asprig disse...

Oi Adolfo,

Parabéns pela iniciativa.
Contudo, que tal se você não se coloca-se contra a liberação das drogas (lembrando que café é uma droga, por sinal) e fosse a favor da sobriedade!
Talvez esteja errado, mas sempre se pegam mais moscas com uma gota de mel do que com litros de fel...
No mais, desejo-lhe sucesso em todos os seus bons projetos e a realização de suas mais nobres aspirações.

Bruno Furtado disse...

Engraçado você invocar os "valores" que possibilitaram o surgimento do livre mercado, quando a grande maioria das leis proibindo o comércio e uso de drogas só surgiram em meados do século XX.

Anônimo disse...

Olá, Adolfo

Acompanho seu blog e sou um fã do seu trabalho. Só não entendo uma coisa: qual é a sua justificativa para, mesmo sendo um defensor da liberdade e do livre mercado, ser contra o aborto e, principalmente, a regulamentação em cima das drogas. Na minha visão, são coisas associadas, queria tirar essa dúvida. Grande abraço!

Fernanda disse...

não vejo a defesa da vida como um entrave para o livre mercado. Este só aconteceu enquanto fenômeno histórico em sociedades que tinham sólida formação moral para ampará-lo. O livre mercado não se sustenta em um vácuo moral, onde a liberdade de se fazer o que bem entender seja o norte supremo.

Anônimo disse...

Quem é a favor do livre mercado, é a favor também da exploração do trabalhador, e com certeza um dos fatores que fizeram nossa sociedade ser contra o livre mercado, foi esse fator, dos burgueses explorando os operários. Durante muito tempo ocorreu isso, se não fosse a ganância desses burgueses, talvez a sociedade hj não fosse tão aversa ao livre-mercado, o que vc quer que as pessoas que estudam história nos colégios, que veem filmes como tempos modernos, em uma época onde os trabalhadores não tinham direito nenhum e trabalhavam 6 a 7 dias por semana em uma jornada de 16 hs diárias, com salários baixissismos e sem direito à férias, se não fosse essa ganância, talvez aceitassemos mais o livre-mercado.Por que com certezqa envolver muitas questões morais

Galego disse...

O anónimo das 14:41 acabou de descrever as relações de trabalho da China, onde tamanha espoliação só se faz possível graças à repressão do partido comunista.Enquanto isso, a heritage tem ranking de países com maior liberdade econômica. Não é perfeito, mas é bastante i formativo. Sugiro comparar esse ranking com um ranking de Idh, para ver se a liberdade econômica é tão ruim assim como é pintada pelos professores de história fãs do charlatão alemão.

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email