quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Bolha Imobiliária criada por Reinaldo Azevedo é responsável por Efeito Estufa

Meus amigos,

Depois de dar uma estudada no ritmo de acessos a meu blog (que se situam em torno de 700 acessos por dia), descobri que toda vez que falo de bolha imobiliária, de Reinaldo Azevedo ou de efeito estufa, meu blog tem um substancial aumento no número de acessos.

Sendo assim, numa busca descarada por maior audiência, criei a manchete dos sonhos:

"Bolha Imobiliária criada por Reinaldo Azevedo é responsável por Efeito Estufa"

Não, eu não posso afirmar com 100% de certeza que exista uma bolha imobiliária. Caso exista, também não posso provar que ela foi criada por Reinaldo Azevedo (RA10). E mesmo que exista e tenha sido criada por RA10, também não posso provar que isso seja responsável pelo efeito estufa....

Mas, e daí? Quando um cientista diz que pum de vaca aumenta o aquecimento global, e que isso pode aumentar o nível dos oceanos em dois metros, ele também não pode provar nada do que diz... então digo de novo: Bolha Imobiliária criada por Reinaldo Azevedo é responsável por Efeito Estufa!!!

E se o RA10 quiser fazer um vermelho e azul com meu texto ele que se prepare!!! Sou DOUTOR!!!!!

Diga NÃO ao Big Brother


O governo quer porque quer aprovar o marco civil na internet, por quê?

No que esse novo marco irá melhorar nossas vidas?

O marco civil na internet TEM CARA DE CENSURA!!!

O Sachsida é contra o marco civil na internet. Se você quer ajudar nessa batalha, então clique aqui e veja como podemos lutar contra a censura que o governo quer nos impor.

BACEN continua trabalhando duro para destruir sua credibilidade

BACEN continua trabalhando duro para destruir sua credibilidade....

A inflação não converge para a meta. Outro ano com a inflação acima da meta. Ano que vem as expectativas se situam acima da meta de inflação. Contudo, o Banco Central insiste em manter a taxa de juros no seu patamar mínimo histórico de 7,25% ao ano.

O governo usa política tributária para combater a inflação. Usa concessões para combater a inflação. Pelo visto o único que não usa nada para combater a inflação é o Banco Central.

Só por curiosidade, para quando o BACEN espera que a inflação convirja para a meta???

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Como roubar US$ 50 milhões....

O texto abaixo foi escrito em 6 de fevereiro de 2012. Acho que vale a pena reler.

Poucos sabem, mas uma de minhas linhas de pesquisa refere-se a economia do crime. Tenho um bom número de artigos publicados nessa área. Após muito estudo, notei que existe uma maneira facílima do governo desviar 50 milhões de dólares para mãos privadas (sejam elas de partidos políticos ou de indivíduos).

Operacionalmente, o golpe funciona da seguinte maneira:

Passo 1) Escolher uma ditadura que passa por graves problemas de acesso a financiamento externo. Esses países precisam não só de recursos, mas também de legitimação internacional. Sendo assim, seus governantes estão prontos a aceitar uma ampla gama de acordos não-ortodoxos.

Passo 2) Emprestar US$ 500 milhões para tais ditaduras a critério de ajuda humanitária, ou apoio a obras de infra-estrutura, ou a qualquer outro item de difícil fiscalização para quem esta fora do país. As condições do empréstimo seriam de pai pra filho, desde que 10% do empréstimo fosse mandado (em dinheiro) de volta a um representante escolhido do governo que originalmente emprestou os recursos.

Passo 3) Garantir diplomatas de confiança, que transportem o dinheiro e os entreguem para as pessoas que farão a partilha. Não devemos esquecer que malas diplomáticas não estão sujeitas a fiscalização. Algo em torno de 50 milhões de dólares, 5 milhões por mala, implicam em 10 viagens para resolver o “problema”.

Passo 4) Dividir o dinheiro em despesas que não aparecem facilmente, por exemplo, gastos de campanha eleitoral. E, então pega-se o dinheiro doado legalmente para a campanha eleitoral e desvia-se para o partido (ou para o próprio bolso). Pronto, o dinheiro agora esta legalizado. Ou então, inventa-se que tal companhia doou mais do que realmente doou. Eh bom pra companhia (que tem pouco ou nada a perder) e legaliza-se o dinheiro do mesmo jeito.

Claro que não estou acusando ninguém. Claro que esse exemplo é teórico e não se refere a nenhum país em particular. Estou apenas explorando uma possibilidade teórica para que se desviem grandes volumes de recursos públicos. Sendo assim, esse é mais um motivo do porque devemos evitar de ter governantes indo visitar ditaduras. Além disso ser uma afronta aos direitos humanos, é também uma imensa janela para a corrupção.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Café da Tarde: Programação


O primeiro encontro do Café da Tarde será na quarta-feira da semana que vem. Abaixo segue a programação. O evento é gratuito e não é necessário se cadastrar antes. Basta aparecer e entrar no auditório da Livraria Cultura do Casa Park.

Local: Livraria Cultura do Casa Park – Brasília
Data: 05/12/2012 (quarta-feira)
Horário: 19:30 horas


19:30 horas – Registro de autoridades*
20:00 horas – Abertura (Dr. Adolfo Sachsida)
20:05 horas – Lançamento do Livro “Economia e Ideologia” (Dr. André Nunes)
20:10 horas – Palestra “A Evolução do Conceito de Igualdade na Constituição”
Palestrante: Dr. Fabricio J. Mendes Medeiros (Professor de Direito Constitucional)
20:40 horas – Abertura para perguntas
21:05 horas – Compromisso das autoridades (máximo de 5 minutos por deputado/senador)
21:30 horas – Encerramento

O Café da Tarde é um grupo de pressão política dedicado a defesa incondicional de três pontos:

1) A favor da vida. Isto é, somos contrários ao aborto (exceto em casos de estupro da mãe ou de risco de vida para a gestante);
2) Contra a liberação das drogas; e
3) Em defesa da liberdade econômica.

As discussões no grupo são livres e podem versar sobre qualquer tema. Só existe uma regra básica a ser cumprida: os integrantes se comprometem com a defesa das 3 causas elencadas acima.

Nosso objetivo é simples: fazer pressão política para a defesa dos 3 pontos acima. O grupo se reunirá tanto virtualmente como também presencialmente em uma reunião mensal, onde o debate sem preconceitos de idéias é sempre estimulado.

A adesão ao grupo é livre, e não envolve nenhuma forma de pagamento. Além de Brasília, outras cidades estão montando grupos do CAFÉ DA TARDE. Em breve forneceremos mais detalhes sobre o grupo em outras cidades. Caso queira montar o Café da Tarde em sua cidade basta entrar em contato pelo e-mail: sachsida@hotmail.com

*: os horários serão seguidos rigorosamente, pois a reserva do auditório é paga e inclui a duração máxima do evento até as 21:30 horas.

domingo, 25 de novembro de 2012

A Inflação Esquecida

Em outubro de 2012 o IPCA ficou em 0,59%, acumulando 4,38% no ano e 5,45% em 12 meses. Resumindo: o alvo de 4,5% para a inflação de 2012 já foi comprometido e devidamente esquecido. Tudo indica que a inflação de 2012 ficará em torno de 5,5%, mas será que não estamos esquecendo de nada?

Existem dois assuntos praticamente esquecidos no que se refere aos valores do IPCA. Em primeiro lugar, a metodologia de cálculo do IPCA foi alterada em 2012. Cálculos preliminares sugerem que, CASO A METODOLOGIA ANTIGA houvesse sido aplicada, a inflação em 2012 poderia ser 0,3% mais alta. Em segundo lugar, de maneira irresponsável e populista, o governo vem usando política tributária para maquear o combate a inflação. As desonerações de IPI, e as mudanças na CIDE (preço do combustível, são exemplos claros de política tributária sendo adotadas para maquear os índices de inflação. Técnicos do próprio governo não escondem isso. Contas preliminares sugerem que se as desonerações fiscais não houvessem sido empregadas a inflação estaria outro 0,3% mais alta.

Considerando os dois fatores mencionados acima, temos que a inflação de 2012 já atingiu 5% e, tudo indica, superará os 6% esse ano. Assim, depois de uma inflação de 6,5% em 2011 e, outra corrigida para 6% em 2012, resta uma pergunta: o que o Banco Central tem a dizer?

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

O Curioso caso de JajaBras Button

Publiquei o texto abaixo em 22 de agosto de 2010. Vale a pena reler no momento em que a Petrobras quase perde o posto de empresa mais valiosa do Brasil. Faço também um alerta: e a Eletrobras? No ritmo que está vai conseguir a façanha de deixar o Brasil sem luz. Uso político, bagunça administrativa, falta de marcos legais.... PRIVATIZE JÁ!!!

O cinema nos brindou com “O Curioso Caso de Benjamin Button”, filme onde o personagem principal nascia velho e ia rejuvenescendo ao longo da vida. Eu, como escritor de romances, estou escrevendo “O Curioso Caso de Jajabras Button”.

Jajabras Button é uma empresa que, ao contrário de outras empresas, nasce rica. Mas vai empobrecendo a medida que vai ficando mais velha. Jajabras Button nasce sendo dona do negócio mais lucrativo do mundo: petróleo. Tal como Bejamim Button, Jajabras Button vai na direção oposta de seus semelhantes. Enquanto seus rivais precisam fornecer produtos cada vez melhores a preços mais baixos, Jajabras não precisa se preocupar com esse detalhe.

O tempo vai passando, novas tecnologias vão surgindo, mas por alguma razão Jajabras Button vai ficando cada vez mais pobre. O climax do livro ocorre quando Jajabras Button descobre novas reservas de petróleo. Dado que o negócio de Jajabras é exatamente explorar petróleo, seria de se esperar a volta da riqueza para nosso nobre Jaja. Contudo, por uma trama que beira a tragédia grega, quanto mais petróleo encontra mais pobre Jajabras vai ficando.

O livro estava pronto para ser lançado, mas infelizmente estou tendo que brigar na justiça pelos direitos do mesmo. Uma mente maldosa me acusou de plágio, disse que meu livro é uma biografia não autorizada da Petrobras.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Uma breve história do Liberdade na Estrada


Abaixo segue meu artigo publicado no Ordem Livre hoje.

Em 2012 ocorreu a quarta edição do Liberdade na Estrada. Um evento importantíssimo, organizado pelo Ordem Livre, que busca difundir as ideias de liberdade pelas universidades brasileiras. Tive a honra de participar de três dessas quatro primeiras edições (2009, 2010 e 2012). Como o evento está ganhando popularidade e força, acredito que seja um momento oportuno para um breve relato histórico. Aqui dou meu testemunho dos fatos.

Pelo melhor de meu conhecimento, a ideia original partiu de Lucas Mafaldo. Ele então trocou ideias com Diogo Costa e Bruno Garschagen, que rapidamente aderiram à ideia. Os três foram os grandes mentores, os três mosqueteiros, do Liberdade na Estrada. Me lembro deles percorrendo o Brasil carregando todo o material de divulgação na mão. Parecia uma equipe de mudanças, tamanha era a bagagem e o peso que eles carregavam para todos os encontros. Tive a honra de me juntar a eles, nesse primeiro evento, em Fortaleza e depois em Brasília.

Primeira edição do Liberdade na Estrada em Fortaleza, 2009

Eu havia marcado de me encontrar, pela manhã, com os três mosqueteiros na Universidade Federal do Ceará (UFC). De cara notei não haverem cartazes do evento espalhados pelo campus. Depois fui informado que tais cartazes haviam sido arrancados e destruídos. Aliás, por todas as universidades por que passavam, os três mosqueteiros, tinham que lidar com isso: sempre haviam radicais que destruíam os cartazes do evento.

Começa o evento na UFC e em menos de 30 segundos um professor já está interrompendo a palestra de Diogo Costa; a agressividade está no ar. E os embates foram até o final, infelizmente, tinha gente que ia assistir apenas para evitar que ocorresse a palestra. Iam apenas para criar confusão e impedir a livre circulação das ideias. A noite o evento foi numa universidade privada de Fortaleza: FA7. Aqui sim a recepção foi muito boa, muitas pessoas no auditório, e um debate rico em ideias.

Conversando com os três mosqueteiros, eles contaram sobre as enormes dificuldades que vinham enfrentando. Disseram que o que havia ocorrido na UFC era coisa pequena em relação ao que haviam sofrido em outras universidades. Só para os leitores terem uma ideia, haviam sites na internet que conclamavam os alunos a interromperem as palestras do Liberdade na Estrada. Em determinado site podia-se ler: yankees financiam excursão de traidores brasileiros (se referindo a nós).

Primeira edição do Liberdade na Eestrada em Brasília, 2009

Na época tive a oportunidade de levar o LIBERDADE NA ESTRADA para o auditório da Universidade Católica de Brasília. Foi a palestra de fechamento da primeira edição do evento. E foi um tremendo sucesso. Dessa vez os cartazes não foram arrancados, os professores foram avisados do evento, e os alunos responderam com um comparecimento maciço. Auditório lotado.

Ao final da palestra uma cena inusitada: um aluno de esquerda – daqueles acostumados a falarem qualquer besteira sabendo que tem o apoio da plateia – tentou ofender os palestrantes e recebeu uma enorme vaia do auditório. Como eu presidia a sessão, tratei logo de coibir a vaia. Afinal, todos têm direito a se expressarem e o evento procurava justamente difundir a livre circulação de ideias. Mesmo assim, o tal aluno gaguejou, ficou pálido, e por fim se esqueceu do que iria dizer, se levantou e saiu cabisbaixo. Não pude deixar de me lembrar das inúmeras vezes que os três mosqueteiros também foram vaiados, das inúmeras vezes em que foram ofendidos, mas, ao contrário do aluno de esquerda, não se intimidaram. Enfrentaram a situação de peito aberto e não se furtaram ao confronto de ideas. Os três mosqueteiros, sempre em menor número, sempre com menos recursos, nos deixaram uma valiosa lição: aqueles que lutam sem razão caem por qualquer razão. Eles não caíram, deixaram essa obra maravilhosa que hoje percorre anualmente o Brasil. Muito obrigado por sua coragem, determinação, espírito de luta e dedicação aos ideais da liberdade.

Privatize Já: um livro de Rodrigo Constantino

Excelente oportunidade!!!

"Obra traça um paralelo das privatizações feitas no Brasil nos últimos anos e explica que a privatização é sim a melhor opção para a economia nacional".

Data: 20/11/2012 (terça-feira)
Horario: 19:00 horas
Local: Livraria Cultura - Casa Park

domingo, 18 de novembro de 2012

Brasil, Crescimento Econômico, Conjuntura e Reformas Macroeconômicas


No dia 11 de junho de 2012 escrevi o texto abaixo. Acho que vale a pena reler.

A década de 1980 é conhecida como a “década perdida”. Utilizando dados do Ipeadata* podemos verificar que, entre 1980 e 1989, o PIB real per capita creceu em média 0,1% ao ano. Entre 1990 e 1999, o crescimento médio desse indicador (comumente adotado para verificar a evolução da riqueza de um país) foi de 0,7% ao ano. Entre 2000 e 2009, o PIB real per capita cresceu em média 1,9% ao ano. No período 1980-2011, tivemos um crescimento médio do PIB per capita real da ordem de 0,93% ao ano.

Os dados do parágrafo acima mostram o óbvio: nos últimos 30 anos o Brasil não conseguiu manter um crescimento sustentável, acima de 2% ao ano, ao longo de uma década. Você pode escolher períodos distintos, e pode também usar outro conjunto de dados, mas, como regra geral, o resultado é sempre o mesmo: o crescimento da riqueza no Brasil, nos últimos 30 anos, dado nosso patamar de renda, foi medíocre.

O fraco desempenho econômico de 2011, aliado ao mau começo de 2012, despertou a atenção da mídia. Mas eles nada mais são do que uma confirmação dos últimos 30 anos. O problema do Brasil não é conjuntural. Certamente que uma conjuntura internacional desfavorável piora o cenário interno. Mas não nos enganemos, o verdadeiro problema brasileiro é estrutural.

Enquanto o governo insistir em combater a crise com medidas de estímulo à demanda estaremos fadados ao fracasso. Somente uma ampla reforma trabalhista, que diminua os custos do trabalho no Brasil, aliada a uma reforma tributária que desonere o investimento e o capital, e que sobretudo promova a abertura da economia brasileira à competição internacional, pode tirar nosso país da armadilha da pobreza em que está estagnado nos últimos 30 anos. É evidente que a carga tributária brasileira precisa ser reduzida, e para tanto é fundamental que o governo brasileiro passe a gastar menos, estimulando sempre a iniciativa privada e dando garantias jurídicas para que os grandes investimentos em infraestrutura possam ser realizados.

Por fim, faço aqui um alerta: o novo código florestal brasileiro pode ser um tremendo problema de longo prazo para o Brasil. De maneira simples, objetiva e direta: existe um risco gigantesco de redução das áreas disponíveis para agricultura e pecuária no Brasil. Redução permanente de fatores de produção é sem dúvida alguma um choque negativo de longo prazo. O novo código florestal tem o potencial de afetar negativamente o crescimento econômico de longo prazo do nosso país.

*: PIB per capita (preços 2011) – R$ de 2011 (mil) - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) – GAC_PIBCAPR

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Quando o PT vai expulsar os réus condenados do Mensalão?


José Dirceu, Delúbio Soares e José Genuino foram CONDENADOS pelo STF, sendo que os dois primeiros irão cumprir parte da pena em regime fechado. A mais alta instância judiciária do país condenou os três por FORMAÇÃO DE QUADRILHA e CORRUPÇÃO. Então pergunto: quando o PT vai expulsar os réus condenados do Mensalão?

O DEM expulsou membros do partido ANTES mesmo destes serem julgados.

Joao Paulo Cunha é outro petista CONDENADO pelo STF no processo do Mensalão. Quando o PT irá expulsá-lo?

Claro que existem corruptos em todos os partidos, a diferença é que os outros partidos AO MENOS TEM VERGONHA NA CARA. O PT não só não expulsa os condenados pelo STF como também os apóia...

Quando será que a oposição vai começar a trabalhar e explorar isso? Motes para a campanha não faltam:

1) O STF condenou, o PT absolveu

2) Aprovados pelo PT condenados pelo STF

3) Partido que transforma bandido em herói já deixou clara sua moral

Agora vamos a uma questão mais profunda: O presidente do PT, Rui Falcão, não se conforma com o julgamento do STF. Então vem a pergunta: o que ele sugere? Quer dizer que a mais alta corte do país tem legitimidade para julgar a todos, exceto os petistas? Quem então tem legitimidade para julgar os petistas? É isso o que quer o presidente do PT? Um tribunal de exceção que julgue apenas os petistas? Aliás, caberia outra pergunta: quem o PT confia para compor tal tribunal?

Os petistas só aceitam um juiz: a história. Esse profundo conhecimento jurídico, também compartilhado por Hitler, mostra bem a face democrática do petismo. Aliás, será que quem vota no PT não se incomoda com isso?

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Café da Tarde - data para nosso primeiro encontro


Caros Amigos,

O Café da Tarde já tem data e local para seu primeiro encontro!!!

Data: 05/12/2012 (Quarta-Feira)

Horário: 19:30 horas

Local: Livraria Cultura do Casa Park

ENTRADA GRATUITA (não é necessário qualquer tipo de confirmação, basta aparecer)


Convidem seus amigos, divulguem a notícia em suas redes sociais. Vamos mostrar a força de nossas idéias.

Em breve estarei divulgando a programação completa do evento.



Falhas de Governo – As Faixas Exclusivas para Ônibus SEM Ônibus

Os críticos do livre mercado são rápidos em apontar falhas de mercado e clamar por intervenções públicas. Claro que a teoria econômica aponta casos em que o mercado precisa sofrer ajustes. Contudo, apesar de em teoria ser fácil identificar tais casos, na prática costuma ser muito mais fácil apontar uma falha de mercado do que consertá-la.

Essa lição é fundamental: dizer que existe uma falha de mercado não é equivalente a dizer que o governo deve intervir. Afinal, é necessário antes demonstrar que o resultado final da intervenção pública será superior ao resultado de mercado.

Um exemplo é o suficiente para ilustrar o ponto. O governo do Distrito Federal criou corredores exclusivos para ônibus em determinadas vias públicas. A ideia, em teoria, era boa: dar mais dinamismo ao transporte público. Só tem um pequeno detalhe, em alguns desses corredores exclusivos para ônibus é raro ver um ônibus. Sim leitores, é isso mesmo que estão lendo. O Governo do Distrito Federal criou corredores exclusivos para ônibus SEM antes ter o número adequado de ônibus para utilizá-lo!!! As vias ficam as moscas enquanto o trânsito se engarrafa nas demais faixas.

O problema descrito acima não ocorreu ontem. Já está assim há um bom tempo e nada do governo alterar esse absurdo. Quando questionado o governo responde: tão logo sair a licitação para novas linhas os ônibus irão transitar por lá.... o engarrafamento nessas vias é grande, ver uma via vazia ao lado, e sob pena de multa não poder usá-la, é um desrespeito ao cidadão. Da próxima vez que clamar pelo governo para sanar falhas de mercado, lembre-se do exemplo do Distrito Federal: aqui o governo criou faixas exclusivas para ônibus sem antes ter os ônibus....

domingo, 11 de novembro de 2012

Fluzão leva mais uma!!!

Mais um título pro maior CAMPEÃO MUNDIAL do campeonato carioca do século XX!!!!!

Um detalhe para reflexão: o combate ao mérito atingiu tal proporção na nossa sociedade que até a seleção brasileira esta contaminada. Como um artilheiro como Fred pode estar fora da seleção brasileira???

Quando um burocrata, como Mano Menezes, manda mais do que o talento então é o sinal de que tomamos a estrada errada. Mano Menezes, o campeão da segunda divisão, é o retrato do Brasil atual, um país em que o petismo destruiu o respeito ao mérito e ao talento individual. Hoje o que vale é ser filiado e leal ao partido, tudo o mais é supérfluo.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

A Falta de Respeito de Ministros do STF para com outros Ministros do STF


Durante o julgamento do mensalão ficaram explícitas as intervenções desrespeitosas de determinados Ministros do STF. Em determinados momentos, a sessão chegou a parecer discussão de bar, com evidentes desrespeitos e exageros. Muitos culpam a televisão por isso. Dizem que os holofotes das emissoras de televisão ressaltaram o ego dos Ministros.

Tenho uma explicação distinta para o fenômeno acima. No passado, os Ministros do STF eram escolhidos com um claro viés de mérito. Claro que se podia discordar de um ou outro Ministro, mas no geral quando um Ministro se dirigia a outro sabia que estava falando com alguém que tinha méritos, que tinha tido uma carreira, que havia deixado contribuições. Ora, num ambiente desses, mesmo que um Ministro discordasse de outro, ele ainda o respeitava. Afinal, não se chegava a mais alta corte jurídica do país a toa.

De alguns anos para cá, algo começou a mudar. Ministros não eram mais escolhidos com um viés meritório claro. Agora, uma agenda política passou a interferir na escolha. O primeiro negro, a primeira mulher... não que eles não tivessem méritos, mas a escolha parecia ser definida por outras razões. Acredito ser essa a razão dos constantes desrespeitos ocorridos na mais alta corte do país. Agora um Ministro olha para outro e não vê nele alguém que chegou lá por mérito próprio. Mas apenas alguém que chegou lá por fazer parte de determinado grupo, alguém que, talvez, não merecesse estar ali.

Não é possível respeitar alguém que teve sucesso por sua filiação política. Não é possível respeitar alguém que chegou a mais alta corte do país apenas por ter sido advogado de determinado partido político. Nessas circunstâncias, olho com desdém determinado Ministro do STF. Imagine então como não olham para ele os que lá chegaram por mérito próprio? Sem um claro viés meritório não é possível o respeito a ocupantes de altos cargos. Ninguém respeita o presidente de uma companhia que lá chegou apenas por ser filho do dono. Ao STF cabe a máxima de César: “à mulher de César não basta ser honesta, tem que parecer honesta”.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Uma Sugestão para a Copa do Mundo no Brasil

O Sachsida é e sempre foi contra a realização da Copa do Mundo no Brasil. Mesmo hoje, acredito ser melhor para o Brasil desistir da realização da Copa. Isso mesmo, se dependesse de mim mandava um FAX pra FIFA dizendo: “Antes de construirmos estádios precisamos construir escolas, hospitais, creches, infra-estrutura, etc. Sendo assim, estamos desistindo de realizar a Copa do Mundo de 2014”.

Dado que o governo parece não aceitar essa sugestão, dou então uma segunda dica: VAMOS REDUZIR O NÚMERO DE SEDES DE 12 PARA 8!!! A Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, foi realizada com 8 sedes. Então para que gastar dinheiro público em 12 sedes? Por que investir em 12 estádios se podemos fazer a Copa com apenas 8?

A Copa do Mundo de 2014 no Brasil é uma má idéia. Não faz o menor sentido do ponto de vista econômico um país pobre gastar recursos públicos, que fazem falta em outras áreas, na construção de estádios que não serão usados após a Copa. Mas, dado que a Copa vai ser realizada aqui, então vamos ao menos reduzir o desperdício de recursos públicos!!! A maneira mais evidente de fazer isso é reduzindo o número de cidades sede de 12 para 8.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Liberdade na Estrada em Brasília!!!! Nesta Quinta-Feira!!!!


O Liberdade na Estrada chega a Brasília e eu terei a honra de poder participar. Venha, traga seus amigos. Faça parte de nossas fileiras, nos ajude a defender o mais nobre de todos os bens: a liberdade. Nosso inalienável direito ao livre-arbítrio, à liberdade de escolha.

Data: Quinta-feira (08/11/2012)

Horário: 19:00 horas

Local: O evento será na UnB (Anfiteatro 2, ICC - Ala Sul UnB).

Maiores informações também aqui: http://www.liberdadenaestrada.com.br/

ou em http://www.facebook.com/events/202022746597047/


domingo, 4 de novembro de 2012

Trocar Cargos Públicos por Apoio Político Configura Corrupção?

Oferecer dinheiro para que um deputado vote com o governo certamente configura corrupção. Dar dinheiro para que um partido político vote com o governo também configura corrupção. Mas, e se em vez de dinheiro o governo oferecer cargos? Quando o governo oferece cargos na administração pública em troca de apoio no Congresso isso também não deveria configurar corrupção?

Do ponto de vista econômico não restam dúvidas: comprar apoio político com cargos é bem pior do que comprar com dinheiro. Isso ocorre pois as distorções econômicas são muito maiores quando uma pessoa não qualificada assume um cargo de importância. Quando um partido político vende seu apoio por dinheiro ele não pode fazer maiores estragos na condução das políticas públicas. Contudo, quando um partido político vende seu apoio por cargos, dependendo do caso, os estragos podem ser grandes.

Vejamos por exemplo o caso da Petrobras, do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal, dos Correios e das empresas públicas que foram loteadas pelo governo. O potencial destrutivo que pessoas incompententes, lançadas por critérios puramente políticos a cargos de direção, podem causar é enorme. Notemos também que o mesmo ocorre nos Ministérios, agências de pesquisa estatais, etc.. Isto é, hoje boa parte da condução de políticas públicas esta a critério dos partidos que apoiam o governo. E esses partidos preenchem tais cargos por critérios de afinidade política, e não por competência.

Claro que para governar coalizões são necessárias. Claro que, para implementar os programas de governo, os partidos tem o legítimo direito de prencher com seus próprios quadros determinados cargos. O que se questiona aqui é o preenchimento generalizado de cargos públicos por critérios políticos. Pergunto: isso também não configura corrupção?

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email