sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Mensagem de Natal do Sachsida: Nessa Vida Você Sempre Encontra o que Busca

Nesse mês a WestJet fez uma surpresa de Natal aos seus clientes: o passageiro passava em frente de um telão, em que estava o Papai Noel, e fazia um pedido de natal, e logo em seguida embarcava no voo. Pois bem, determinado casal pediu uma televisão grande, um rapaz pediu uma cueca, e assim por diante. Quando desembarcaram a empresa tinha providenciado EXATAMENTE o presente que cada um pediu.

Adoro um livro chamado "O Fio da Navalha" de Somerset Maugham. No último parágrafo do livro o autor faz uma análise do livro e conclui que em seu romance todos conseguiram o que buscaram, quem buscou o amor o encontrou, quem buscou a fortuna também a encontrou, e quem pela morte buscou a encontrou. Acho que na vida é assim, nós sempre encontramos por aquilo que procuramos. Então diga: pelo que você procura? Na solidão de sua intimidade, responda a você mesmo: pelo que você busca?

Reza a lenda de que em determinados momentos de nossa vida os anjos ficam a nosso lado e escutam nosso pedido. Se este for o seu momento, pelo que pediria? Mas não invente moda, não diga que anseia pela paz mundial, isso não é um concurso de miss universo. Te faço um convite, gaste dois minutos de seu tempo comigo e me responda: pelo que você anseia? Qual é o presente de natal que você quer ganhar?

Quando assisti ao vídeo da WestJet pensei no que pediria: queria que minhas filhas estivessem esperando por mim no aeroporto. Eu viajo bastante, e é uma merda voltar e nunca ter alguém te esperando. Agora é sua vez, faça um pedido. As vezes eles se realizam.

Um FELIZ NATAL repleto de paz e amor a todos.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

As razões para meu pessimismo em relação ao futuro da economia brasileira

Em junho desse ano, uma notícia da CBN me chamou a atenção: a Kombi iria finalmente sair de linha no Brasil. O motivo: as exigências do governo federal referente a freios ABS e airbags não eram economicamente viáveis para esse carro. Duas semanas atrás o governo recuou em suas exigências, e depois mudou de opinião de novo, mas agora permitindo que a Kombi continue. Esse exemplo simples mostra o quão despreparada é a equipe econômica. Quando seu time tem Pelé e Garrincha voê sabe que pode vencer a qualquer momento. Quando seu time tem Mantega, Belchior e Augustin, acontece o contrário, você sabe que pode perder a qualquer momento. Esse é o primeiro motivo para meu pessimismo: a péssima qualidade da equipe econômica.

A Caixa Econômica Federal (CEF) foi capitalizada com ações da Petrobras. Pois bem, o valor de mercado das ações da Petrobras caíram, o que a CEF fez? NADA. O governo autorizou a CEF a marcar essas ações com o valor da série histórica (em vez de marcá-las a mercado). O mesmo procedimento foi feito em relação ao BNDES. Esse é o segundo motivo de meu pessimismo: o governo esta escondendo verdadeiros esqueletos no balanço contábil de algumas empresas estatais.

A inflação está sendo combatida no Brasil com medidas artificiais: congelamento de preços de alguns insumos básicos (notadamente combustíveis e energia), e desonerações tributárias com o fim de evitar reajustes de preços. Esse é o terceiro motivo de meu pessimismo: o Banco Central do Brasil (BACEN) passou a contar com medidas heterodoxas para controlar a inflação.

As contas públicas estão em situação delicada, as operações BNDES-Tesouro escondem uma verdadeira conta movimento dentro do orçamento federal. Os saldos de restos a pagar não param de crescer. Gastos vultuosos são excluídos da conta do superávit, e operações no mínimo suspeitas são feitas com o claro objetivo de inflar o superávit primário. Esse é o quarto motivo de meu pessimismo: a contabilidade criativa adotada com naturalidade pelo governo.

O ano de 2014 ainda nem começou, mas uma certeza todos tem: os gastos públicos irão aumentar. Seja em decorrência das obras para a Copa, seja em decorrência das eleições. Esse é o quinto motivo de meu pessimismo: o descaso que esse governo tem com a responsabilidade fiscal.

O aumento exacerbado do crédito levanta dúvidas sobre a capacidade futura de pagamento da economia. Em novembro, o estoque de crédito teve alta de 1,5%, acumulando alta de 14,5% em 12 meses. O financiamento imobiliário teve alta de 2,2% no mês, atingindo 8,1% do PIB (ante 6,7% em relação ao mesmo período de 2012). Alguém acha normal uma expansão dessa magnitude numa época de crescimento econômico baixo? Esse é o sexto motivo de meu pessimismo: os sinais contraditórios emitidos pelo BACEN. Por um lado tenta apertar a política monetária, por meio de aumentos na taxa de juros, mas por outro lado expande o crédito.

Enfim, uma combinação de políticas fiscais e monetárias equivocadas são a principal razão de meu pessimismo em relação ao futuro da economia brasileira. Mas não é só isso, existem diversos outros problemas que sequer estão sendo endereçados no momento. Entre eles ressalto a perda do dividendo populacional, e a piora consistente das contas da previdência, a confusa legislação tributária e trabalhista, e a dificuldade enorme gerada pela burocracia e órgãos de controle no Brasil. Nos EUA existe uma chance enorme de uma revolução energética com o xisto betuminoso, e o Brasil parece sequer entender esse risco. Me parece também que temos uma bolha imobiliária no país, assunto este que parece ser proibido no governo. Acrescente-se a isso as constantes mudanças de regras feitas pelo governo, que em última instância afugentam o investidor privado, piorando ainda mais a já baixa produtividade da economia brasileira.

O desemprego esta num dos patamares mais baixos da história. A renda do trabalhador ainda esta alta para padrões históricos, e a taxa de juros também esta num patamar baixo em relação a série histórica. Ainda assim o endividamento médio do brasileiro atinge 44% de sua renda (31% se excluídos os financiamentos imobiliários). O que irá ocorrer em nossa economia quando o desemprego aumentar? O que irá ocorrer em nossa economia quando a taxa de juros subir?

Não ocorrerá hoje, e não será amanhã, mas cedo ou tarde as taxas de juros nos Estados Unidos irão subir. Quando isso ocorrer será um despertar doloroso para a economia brasileira. A partir de 2015 os efeitos da irresponsabilidade fiscal e monetária começarão a cobrar seu preço. Seguindo no caminho que estamos teremos outra década perdida a frente.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Previsões do Sachsida para 2014

Como já é tradição nesse blog, faço minhas previsões para 2014. Aqui você pode ler sobre as previsões que fiz para 2012, e aqui as previsões feitas para 2013. E ai? Estou indo bem ou não estou?

Previsões para 2014:

Inflação: acima de 6%
PIB: ao redor de 3%

Contas públicas: gastos gigantescos nos governos federais e estaduais (essa é fácil).

Greves: vai ser o ano com o recorde mundial de greves (para aproveitar a Copa).

Eleições: Dilma só perde se as manifestações de junho de 2014 foram grandes.

Maior inimigo: o momento em que as taxas de juros americanas irão aumentar está chegando. Quando isso acontecer será um desastre para a economia brasileira. Uma pena, avisei isso há muito tempo atrás, mas como não fui ouvido, e nem serei ouvido, quando a taxa de juros americana subir o Brasil amargará uma enorme crise.

Em 2014 os gastos públicos irão decolar, seja pela Copa sejam pelas eleições estaduais e presidenciais. Gastamos todo excedente de nossa economia com consumo, e não com poupança. Quando a taxa de juros americana subir será a hora da verdade para a economia brasileira. A propósito, eu falei isso há muito tempo, não sou daqueles que tirou onda e só agora estão acordando para a realidade. Há muito tempo eu alerto que 2015 será o ano do ajuste de contas.

Libertários e a Questão da Justiça Privada

Recebi algumas mensagens mal educadas em decorrência de minha última postagem "Os Libertários e o STJD: uma questão difícil aguardando por resposta". Deixando isso de lado, vamos a crítica central que me foi feita: o STJD não é um tribunal privado, logo o que eu teria escrito não se aplica. Claro que alguns não escreveram isso de maneira educada.

Sim meus amigos, tal como escrevi no texto existem elementos estatais no STJD. Mas isso não invalida meu ponto. Se você é favorável a um sistema legal privado, me parece evidente que o STJD é um avanço em relação aos outros tribunais. De maneira alguma argumento que o STJD satisfaz todos os critérios elencados pelos libertários. Mas, na vida real, são muito poucos os exemplos práticos que refletem 100% das suposições teóricas. No mundo real, dificilmente temos um comunismo absoluto ou um liberalismo absoluto. Sendo assim, o exemplo do STJD é sim válido. Existem mais elementos privados nele do que em outros tribunais, logo, de acordo com os libertários, o STJD deveria ser mais eficiente que os demais.

Por exemplo, o que impede os clubes de formarem uma liga e elegerem outro tribunal arbitral? A resposta é basicamente nada, os clubes não fazem isso pois, aparentemente, estão satisfeitos com o arranjo atual. Aliás, isso já foi feito no passado, foi o Clube dos 13. Se eu fosse um libertário estaria estudando porque esse arrnajo foi abandonado, e porque outro semelhante não foi tentado.

Por fim, meu post foi tomado por alguns como uma ofensa, quanda na realidade ele é muito mais uma sugestão: os libertários, se querem realmente defender suas ideias, precisam fazer algo de mais substância do que discussões no facebook. Precisam escrever artigos técnicos, precisam escrever livros, mostrando a superioridade de suas ideias. O STJD é um ponto de partida, pois acredito que você pode tentar demonstrar que no estágio atual, ele não é pior do que o STF ou o STJ, com a grande vantagem de, ao menos, ser mais rápido. Mas se não gostaram desse exemplo, escrevam sobre a justiça arbitral (outro exemplo de justiça privada), ou então sobre os condomínios (outro exemplo de justiça privada), mas é fundamental tentar mostrar com exemplos do dia a dia a superioridade das ideias que defendem. Inclusive, se antecipando a alguns problemas de operacionalização.

Muitos também argumentaram, corretamente, que o STJD é um monopólio. Mas se assim o é, pergunto: por que? Por que os times privados não propõe outro arranjo? Vamos ser honestos: alguém acredita que a CBF seja capaz de peitar o Clube dos 13? Além disso, devemos lembrar que, em muitos casos, é bem provável que não haja competição em arranjos privados de justiça. Por exemplo, numa cidade privada talvez a lei local seja obrigatória a todos que morem naquela cidade (o que a torna um monopólio local). Enfim, meu argumento é simples: o STJD é um exemplo sim de um tribunal que tem mais influência privada que os demais. Acredito que os libertários ganhariam muito em explorar esse exemplo.

Na prática muitos poucos mecanismos da sociedade se assemelham 100% a uma corrente teórica. Temos sim instituições que se aproximam mais ou menos de determinados postulados. Explorando tais semelhanças, e comparando seu desempenho com outras, é que podemos fazer inferências para a sociedade. A alternativa a isso é ficarmos em casa reclamando, dizendo que no mundo real nada é parecido com o que tal autor disse, logo não podemos fazer nada.

Se você é um libertário, não tente responder esse post. Em vez disso estude, colete dados, elabore uma hipótese, escreva um texto. Esse é o caminho que deve ser seguido por qualquer corrente filosófica para vencer a batalha das ideias. Esse crítica também vale para diversos institutos liberais que acreditam que artigos de jornais, ou posts no facebook, vão vencer a batalha de ideias. Claro que artigos de jornais são importantes, claro que a visibiladade do facebook é importante. Não quero diminuir os que sozinhos lutam nesse front. Quero dizer apenas que, sem um esforço grande de pesquisa, estaremos fadados a lutar sempre na defensiva.

Para finalizar: libertários parem de chamar as pessoas que discordam de vocês de burros ou desonestos... isso só os aproxima dos marxistas. No mundo real existem espaços enormes para discordâncias honestas e sensatas.

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Os Libertários e o STJD: uma questão difícil aguardando por resposta

Os libertários são uma corrente de pensamento ultraliberal (a nomenclatura pode variar, mas acredito deixar claro no texto o contexto em que uso esse termo). Acreditam que qualquer forma de coerção estatal é crime. Sendo assim, os libertários qualificam os impostos como uma forma de roubo. Não só isso, argumentam que a justiça poderia ser privada (e não pública). Certamente essa corrente filosófica possui vários méritos, apesar de eu não compartilhar de suas ideias.

No Brasil nós temos um exemplo de justiça privada: é a justiça desportiva. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) é um tribunal privado sujeito a leis e regimentos aprovados dentro da esfera privada. Sim, existe alguma regulamentação estatal. Contudo, no geral, o STJD se aproxima muito de um tribunal privado. Sendo assim, este é um excelente exemplo de como seria a administração da justiça por um sistema legal privado.

Os acontecimentos recentes mostraram críticas severas ao funcionamento do STJD: falta de credibilidade, viés em favor de clubes grandes, incoerência entre decisões, etc. Sendo assim, acredito que os libertários deveriam estudar em detalhes o funcionamento do STJD e responder a uma simples pergunta: um tribunal privado é confiável? De maneira alguma quero dizer que tribunais públicos sejam imunes a críticas. Mas acredito que o recente exemplo do STJD mostra bem os riscos associados a privatizar o sistema legal.

Como todos bem sabem, sou um liberal clássico: o sistema legal, bem como seu aparato de coerção, em minha opinião, devem ser públicos. Acho que o STJD mostra bem os riscos inerentes a um sistema de justiça privado. Contudo, acredito também que os libertários tenham aqui uma excelente chance de mostrar a superioridade de sua proposta.

Por favor, não estou sugerindo estatizar o STJD!!!! O STJD deve ser privado mesmo. Meu ponto refere-se apenas a seu desempenho, credibilidade, e sobre os perigos de privatizarmos a justiça comum.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Fluminense, Portuguesa e a decisão do STJD

Vamos analisar a recente decisão do STJD que retirou 4 pontos da Portuguesa, rebaixando este time no lugar do Fluminense.

Em primeiro lugar, resta evidente que a Portuguesa cometeu uma infração: na última rodada do campeonato, escalou um jogador irregular para a partida contra o Grêmio. São 3 as provas que comprovam essa infração. Em primeiro lugar existe a prova material de que o jogador irregular atuou na partida. Em segundo lugar, a própria Portuguesa argumentou que só escalou o jogador pois seu advogado nada lhe comunicou. Isto é, a Portuguesa argumenta um problema de comunicação entre ela e seu advogado (coisa que o advogado nega). Mas, em momento algum, argumenta contra a comunicação da CBF que informa que seu jogador não poderia jogar a última partida. Ao dizer que não foi informada por seu advogado, a Portuguesa confirma que o problema esta em sua esfera, e não na da CBF.

Em terceiro lugar, e para acabar com qualquer divergência, o próprio novo advogado da Portuguesa (o antigo foi demitido) baseia sua defesa em dois pontos: ausência de má fé, e inexistência de obtenção de vantagem com a infração. Ou seja, o advogado NÃO NEGA que a infração ocorreu. Apenas argumenta que a punição seria severa demais.

Dado que a infração ocorreu, pergunta-se: Qual é o procedimento usual nessas ocasiões (escalar jogador irregular)? O procedimento padrão é perda dos pontos da partida (1 ponto decorrente do empate com o Grêmio) mais uma penalidade extra de 3 pontos. No caso da Portuguesa, isto implica na perda de 4 pontos. Além disso, vamos deixar uma coisa clara: esta penalidade é comum nos campeonatos brasileiros. Não é novidade alguma os clubes perderem pontos em decorrência de escalação de jogadores irregulares.

Assim, temos que: 1) a Portuguesa cometeu uma infração punível de acordo com a legislação vigente; e 2) a Portuguesa foi punida DE ACORDO COM O PROCEDIMENTO PADRÃO usado em casos similares. Claro que num país onde o direito achado na rua faz escola pode parecer absurdo julgar com base na lei. Mas não nos enganemos, estamos falando de um campeonato que movimenta milhões de reais. Todos os times aqui possuem departamentos jurídicos, não estamos falando de um campeonato de várzea, estamos falando de um campeonato extremamente profissional.

Num campeonato profissional exige-se profissionalismo de seus integrantes. A Portuguesa cometeu um erro incrível, só existe um culpado por seu rebaixamento: ela mesma.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Por que odeio o racismo?

Odeio o racismo pois o mesmo é o equivalente moderno da aristocracia: é o método de definir o ser humano não por seus méritos, mas definí-lo com base em seu nascimento. Para um racista, ou para um aristocrata, pouco importam seus méritos, tudo que vale é seu nascimento. Se você nasceu numa família de respeito, então você é intrinsicamente bom. Pouco importam suas decisões, suas atitudes ou sua história de vida, tudo que conta é seu nascimento. O racismo é a negação suprema do maior presente que Deus deu ao homem: o livre-arbítrio.

Classificar alguém de acordo com a origem de sua família é negar a Deus, é negar o livre- arbítrio. É negar ao indivíduo seu direito supremo, e inalienável, de ser definido pelos seus atos, por sua história individual, e não pela história de outros.

Eu odeio o racismo, odeio o fato de alguns brancos classificarem negros como inferiores. Igualmente odeio o fato de alguns brancos classificarem outros brancos como inferiores. Igualmente odeio o fato de alguns negros classificarem outros negros como inferiores. Igualmente odeio o fato de alguns negros classificarem brancos como inferiores. A cor de nossa pele não nos define. Nossa origem étnica não nos define. Um homem é definido por suas escolhas frente a vida, e não por seu nascimento.

Por odiar o racismo, que em última instância é uma negação a Deus, não posso aceitar a ideia de que um homem seja inferior ao outro. Não posso aceitar a ideia de que um homem precisa de ajuda para vencer a outro. Não posso aceitar a ideia de que a cor da pele deva ser um critério de recebimento de ajuda do governo. Não posso aceitar que brancos recebam ajuda do governo pelo simples fato de serem brancos. Mas, igualmente, não posso aceitar que negros recebam ajuda do governo apenas por serem negros.

Deus fez ao homem sua imagem e semelhança. Aceitar o racismo é negar a Deus, é rejeitar o maior dom que Deus nos deu: a liberdade de escolha, a liberdade de trilharmos nosso próprio caminho, de fazer a nossa própria história. São nossas escolhas que nos definem, não nosso nascimento.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

VideoCast do Sachsida: Estadio de Brasilia x Estadio do Dallas Cowboys

Neste vídeo comparo o estádio do Dallas Cowboys com o Estádio de Brasília. Esqueci de mencionar no vídeo, mas no último jogo compareceram 104 mil pessoas no estádio do Dallas, qual vai ser o público de Taguatinga x Ceilândia? Para assistir ao vídeo clique aqui.

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Ainda existem juizes em Brasília?

No dia 18 de setembro de 2013 eu escrevi o post "Hoje, para qualquer fim prático, acabou a democracia no Brasil". Infelizmente eu acertei mais uma vez.

Leiam a reportagem da VEJA com o ex-secretário nacional de justiça no governo Lula, Romeu Tuma Jr. Aqui vocês podem ler parte da entrevista.

Por favor, prestem atenção: tais acusações, CASO SEJAM CONFIRMADAS, são suficientes para DERRUBAR o governo Dilma e botar vários petistas na CADEIA. Entre outras coisas é AFIRMADO que TODOS os juízes do STF foram grampeados!!!! Amigos, este é o FIM DO ESTADO DE DIREITO!!! Essa acusação é gravíssima: acusa-se o executivo de grampear a mais alta instância do poder judiciário!!!! Foi afirmado que instituições do Estado são usadas para perseguir políticos da oposição!!! Como vários dos perseguidos fazem parte do Congresso isso implica no executivo tentando abalar as bases do legislativo. Se isso for verdade, então o governo Dilma está comprometido! Esta acusação é seríssima!!! O autor das acusações afirma inclusive que recebeu pressões para vazar dossiês!!! E entre os que pressionavam encontrava-se a então Ministra da Casa Civil, e futura presidente do Brasil, Dilma Roussef.

Sabem o que irá ocorrer? NADA! NADA! NADA! Nada será investigado, pois, tal como afirmei em setembro passado, já não vivemos mais numa democracia.

Eu não sei mais o que dizer. Gostaria de acreditar que tais acusações serão apuradas, que se confirmadas os responsáveis serão presos. Mas, infelizmente, nada disso irá ocorrer.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

VideoCast do Sachsida: O Fracasso no Lançamento do Satélite Brasileiro e a Politica de Inovacao Nacional


Nesse vídeo mostro dois dos maiores obstáculos para o sucesso da política de inovação nacional: legislação arcaica e parcerias inadequadas. Para assistir ao vídeo clique aqui.

VideoCast do Sachsida: Resultados do Brasileirão e Proposta de Mudança

Neste vídeo mostro que errei em todas minhas previsões para o Brasileirão 2013. Além disso, apresento uma proposta polêmica: pelo fim do rebaixamento. Para assistir ao vídeo clique aqui.

Pesquisa Datafolha: Considerações a serem feitas e o Espaço para a Direita


A Folha de São Paulo publicou matéria comentando sobre o perfil do brasileiro. Algumas considerações devem ser feitas. Em primeiro lugar, ela cria um leque de bondades e atribui isso a esquerda. Já afirmações do tipo: "o pobre é pobre pois tem preguiça de trabalhar" o jornal classifica como pensamento de direita. Evidente que isso é incorreto!!!

Não meus amigos, a direita não é má. Nós não qualificamos os pobres de preguiçosos e vagabundos como a Folha de São Paulo indica. A direita defende que toda pessoa deve ter chances de ter sucesso na vida e perseguir sua felicidade. A direita defende comportamentos conservadores no lado moral, isso implica ser contra a liberação das drogas, implica em ser contra o aborto. Aliás, cadê a pergunta referente ao aborto na pesquisa??? O que é que estão querendo esconder??? Você faz uma pesquisa para ver o perfil comportamental do brasileiro e a pergunta sobre aborto não aparece????? Estão querendo enganar quem??? Ou essa pergunta foi feita, e estão escondendo o resultado; ou a pesquisa já nasceu tendenciosa, pois deixou de lado uma das maiores bandeiras da direita.

Mas vamos continuar, desde quando a direita diz que os crimes são culpa da maldade das pessoas? A direita é a favor de prender bandidos, colocar policiais nas ruas, e punir os criminosos justamente por acreditar que a falta de punição é o principal motivador do crime. A direita acredita em Deus, como alguém pode acreditar em Deus e dizer que os crimes são obra primordial da maldade humana? Existem pessoas más, não restam dúvidas, mas a matéria da Folha de São Paulo tenta passar a idéia que a direita é um bando de bocós.

A questão das armas é emblemática. Se eu tiver que apostar, aposto que a pesquisa está ERRADA. Veja bem, a população brasileira REJEITOU de forma contundente o plebiscito para limitar a posse de armas de fogo. Como é que na pesquisa aparecem 68% de pessoas querendo limitar tal direito???

Por fim, a boa notícia. Apesar da reportagem não explorar tal ponto: 49% da população brasileira preferem pagar MENOS impostos e arcar com seus próprios gastos de saúde e educação, contra 43% que preferem mais impostos para essas despesas. Outra boa notícia: sobre ajuda estatal (por mais viesada que tenha sido a pergunta) 47% dos brasileiros deixam claro que querem menos governo. Isto é, a direita propriamente dita (valores conservadores em questões morais, e liberdade econômica) tem espaço para vencer eleições majoritárias no país. E isso com toda a propaganda esquerdista, e com toda difamação sofrida pela direita. Será que finalmente as oposições irão acordar para essa agenda???

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Quem foi ele?

Morreu hoje. Foi um terrorista confesso, plantava bombas para matar civis. Não era um humanista. Matou inocentes para obter uma vitória política que era justa.

Os judeus lhe precederam. A fundação do Estado de Israel foi o exemplo que esses terroristas seguiram. Adotaram a mesma estratégia que levou a criação do Estado de Israel.

O mundo não é branco e preto... existem enormes áreas cinzas. Mas digo de maneira simples: o homem que morreu hoje não merecia o prêmio Nobel da Paz (como outros que o receberam também não mereceram).

VideoCast do Sachsida: Para que serve a CVM: o Caso da OGX e Petrobras

Nesse vídeo pergunto: para que serve a Comissão de Valores Mobiliários? Afinal, o caso da OGX e da Petrobras são escandalosos!!! Clique aqui para assistir ao vídeo.

Nós dissemos que 2015 seria um caos!!! Mas quando dissemos isso fomos chamados de exagerados e alarmistas!!!


Hoje a grande maioria dos analistas econômicos gosta de tirar onda dizendo que era óbvio que 2015 seria um ano de ajustes drásticos.... mentira!!!! Vamos colocar as coisas nos devidos lugares.

Durante uma seção de conjuntura econômica da ANPEC, em dezembro de 2009, eu disse que a inflação seria um problema para 2010. Os apresentadores da seção discordaram de mim. A única pessoa presente na seção que concordou comigo foi o pesquisador do IPEA Mario Jorge Cardoso de Mendonça. Em 2010 o IPCA acumulou alta de 5,9% (mostrando que minha preocupação estava correta).

Em 14 de março de 2010 eu alertava para o problema das contas públicas e sua pressão inflacionária. Em 5 de maio de 2010 eu fui certamente um dos primeiros, para não dizer o primeiro, a alertar que o superávit primário havia virado peça de ficção científica. Hoje todos concordam com isso, mas na época fui taxado de exagerado e alarmista. No dia 27 de maio de 2010 eu, junto com alguns colegas, notamos o pouco comprometimento dos candidatos presidências com o tripé econômico. Então escrevemos uma carta pedindo pela manutenção do tripé econômico. No dia 27 de dezembro de 2010 eu já alertava que era importante manter o regime de metas de inflação, e mostrava que o governo estava planejando expandir o horizonte da meta.

No começo de 2011 tive uma reunião com o deputado Efraim Filho (DEM-PB) onde alertei que, ao contrário do alardeado pelos especialistas, o ano de 2011 teria um crescimento do PIB baixo e uma inflação alta (que foi exatamente o que ocorreu). Ainda nesse ano comecei a alertar que o governo estava usando a inflação para realizar o ajuste fiscal. No dia 22 de fevereiro de 2011 eu já escrevia que o governo usaria a inflação para ajustar as contas públicas.

Em 09 de julho de 2012 eu em conjunto com o professor Roberto Ellery Jr e o pesquisador Mario Jorge Cardoso de Mendonça fomos os primeiros a alertar sobre as similaridades entre o modelo econômico do governo Dilma e do governo militar. Numa série de entrevistas com especialistas eu perguntava “A Década de 1970 está de volta?”. Novamente não faltaram os que disseram que éramos alarmistas e exagerados. Novamente fui um dos primeiros, junto com o Cristiano Costa, a alertar que o governo estava usando de desonerações tributárias como arma de combate a inflação. Algo simplesmente absurdo do ponto de vista econômico. Na época muitos se recusaram a aceitar esse fato, que hoje é aceito de maneira corriqueira (o que é outro absurdo, pois política tributária não serve para combater inflação).

Em 08 de julho de 2012 eu já deixava claro que haveria um tremendo ajuste de contas em 2015. Em agosto de 2012, novamente junto com Mario Jorge Cardoso de Mendonça, publiquei um texto técnico alertando sobre a bolha imobiliária.

Então meus amigos, vamos deixar uma coisa clara: o que determinados especialistas dizem hoje, eu já alerto há mais de 3 anos. Só que na época boa parte desses mesmos especialistas me chamavam de alarmista e exagerado. Para encerrar, eu em conjunto com o pesquisador Mario Jorge Cardoso de Mendonça e o professor Roberto Ellery temos alertado sobre os problemas referentes a 2015 há um bom tempo. Mesmo que o PIB de 2013 e de 2014 não sejam tão ruins, isso não muda nossa análise: 2015 é que será o ano do ajuste.

Há 3 meses atrás nós sofremos quase que um bullying na internet. Há 3 meses atrás o governo anunciava um bom crescimento do PIB, e choveram críticas a nós três. Disseram que isso era a prova de que estávamos errados e éramos alarmistas. Nós demos, e continuamos a dar, sempre a mesma resposta: pouco importa a variação trimestral ou anual do PIB em 2013 e 2014, isso não muda nossa análise: 2015 será o ano do ajuste. Nossa análise não se baseia em conjuntura econômica, nossa análise é estrutural. Aliás, algo que eu já tinha dito em 11 de junho de 2012.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Política Monetária: Estudos para o Brasil

Acaba de ficar pronto o volume especial da Revista Brasileira de Economia sobre Política Monetária. Tive a honra de ser o editor convidado para preparar essa edição. Sem falsa modéstia, acredito que os resultados foram excelentes. Espero que esse volume seja uma referência importante para o debate da política monetária no Brasil. Agradeço ao Professor Ricardo Cavalcanti pela confiança e pela oportunidade de contribuir com tão importante debate. Abaixo transcrevo a nota do editor que abre o volume especial.

Prezados Leitores,

Ao longo da década de 1980, e começo dos anos 1990, a macroeconomia era o centro do debate econômico nacional. Praticamente todos os renomados economistas brasileiros estudavam temas relacionados a inflação, desemprego, políticas monetária e fiscal, e outros temas correlatos. Com a estabilização econômica, decorrente do Plano Real, ocorreu uma inversão: agora eram os microeconomistas que estavam em voga. Desigualdade de renda, pobreza, avaliação de programas sociais, e outros temas microeconômicos passaram a ser atores principais do debate nacional.

A implementação do regime de metas de inflação, junto com a instituição do regime de responsabilidade fiscal, aliados ao câmbio flutuante, formaram o tripé da economia Brasileira desde o começo da década passada. Com o advento da crise internacional recente, iniciada em meados de 2008, as implicações tanto macro quanto microeconômicas da manutenção do tripé econômico passaram a despertar a atenção dos economistas, e formuladores de políticas públicas, trazendo a política monetária novamente para o centro do debate nacional.

Nesse volume especial sobre Política Monetária são apresentados 8 artigos. No primeiro, estudam-se implicações de política econômica em dois modelos canônicos da literatura recente em Teoria de Moeda e Bancos, a qual busca capturar fricções financeiras de uma forma consistente com a análise de bem estar. No segundo texto analisam-se os efeitos da política monetária sobre os empréstimos bancários, além disso, testa-se a existência de um canal de empréstimos em operação no Brasil. O terceiro trabalho quantifica o conteúdo informacional dos comunicados do COPOM verificando se os mesmos tem efeitos sobre as taxas de juros de curto e médio prazos. O quarto artigo verifica os efeitos dinâmicos de um choque de política monetária sobre os determinantes do crédito imobiliário. O quinto estudo desenvolve um modelo para mensurar como medidas macro-prudenciais sobre o crédito afetam a atividade econômica e a inflação. O sexto trabalho investiga o grau de tolerância à inflação dos presidentes do Banco Central do Brasil no período 2001 a 2012. O sétimo estudo investiga a maneira pela qual crises externas, tais como choques nos termos de troca, afetam a economia brasileira, derivando daí as implicações para a condução da política monetária. Por fim, o último artigo, revê a literatura referente a curva de Phillips no Brasil, concluindo que “De maneira mais ampla, parece ficar a dúvida da adequação do uso da curva de Phillips para descrever a dinâmica inflacionária brasileira no período recente”.

Essa edição da RBE foi planejada com o intuito de fomentar e contribuir para o debate nacional sobre política monetária. Os artigos presentes aqui foram apresentados no seminário “Política Monetária: Estudos para o Brasil”, ocorrido no IPEA do Rio de Janeiro, no dia 07 de junho de 2013. Esperamos que esse volume especial seja uma referência valiosa para os estudos futuros sobre o tema.

Adolfo Sachsida
Editor Convidado

terça-feira, 26 de novembro de 2013

VideoCast do Sachsida: Hotel St. Peter de Brasília Tripudia na Cara dos Brasileiros Honestos

O Hotel St. Peter de Brasilia tripudia e faz pouco caso do brasileiro honesto. Dar um emprego de 20.000/mês para José Dirceu "administrar" o hotel é tripudiar com a nossa cara!!!!! Eu não quero amizade e nem contato com quem se hospeda nesse hotel. Para assistir ao vídeo clique aqui.

Hotel Saint Peter de Brasília tripudia com o Brasileiro honesto!!!


O Hotel Saint Peter de Brasília irá pagar R$ 20.000/mês de salário para José Dirceu, o petista condenado no STF por formação de quadrilha e corrupção ativa. O hotel tripudia com a cara do brasileiro.

Eu não me hospedo NUNCA MAIS no Hotel Saint Peter de Brasília. NUNCA MAIS dou carona para quem se hospedar no Hotel Saint Peter de Brasília.

Se você vier a Brasília e se hospedar no Hotel Saint Peter, por favor, NÃO ENTRE em contato comigo. Eu não aceito ser amigo de quem apoia esse tipo de palhaçada, esse verdadeiro faz de conta, esse acinte contra a população brasileira.

Nada contra um hotel, ou qualquer outro estabelecimento, dar emprego para presos. Isso é importante e faz parte do processo de ressocialização. Contudo, o que o Hotel Saint Peter de Brasília fez é bem diferente disso: dar R$ 20.000 mensais para José Dirceu "administrar" o hotel é brincar e tripudiar na cara do povo brasileiro.

O Hotel Saint Peter de Brasília NÃO ME REPRESENTA!!!

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Carta Aberta aos Ministros do STF, se você concorda, por favor compartilhe!!!


Senhores Ministros do STF,

Temos visto com preocupação alguns comentários, veiculados pela imprensa, a respeito do julgamento de ações relativas aos critérios de correção da poupança em antigos planos econômicos. Tais comentários sugerem que caso os poupadores ganhem a causa o país poderá enfrentar uma crise financeira de grandes proporções e que, por esta razão, o STF deveria julgar a favor da constitucionalidade de tais planos econômicos (e contra os poupadores).

Em primeiro lugar, devemos ressaltar que parte significativa dos avanços recentes em teoria do crescimento econômico aponta que instituições são fatores determinantes do sucesso de um país. Dentre estas instituições a justiça “cega” é certamente uma das mais importantes, uma justiça que “olha” quem vai ser prejudicado (ou beneficiado) antes de tomar decisões é mais prejudicial à economia do que uma crise financeira, por pior que sejam estas últimas.

Em segundo lugar, temos dúvidas em relação aos números que vemos na imprensa. Fala-se que retirar R$ 150 bilhões do sistema financeiro levaria a uma retração do crédito da ordem de um trilhão de reais. Aparentemente este cálculo não considera que uma parte significativa deste dinheiro será depositada nos próprios bancos a despeito de quem ganhe a causa. Os indivíduos que receberem estes recursos vão deixar parte dos mesmos nos bancos para obter rendas de juros, e vão consumir a outra parte. A parte que ficar nos bancos não deverá ter grandes efeitos no volume de crédito disponível. A parte que for consumida terá efeito direto no aumento da demanda. Mesmo esta parte dedicada ao consumo cedo ou tarde voltará ao sistema financeiro. O dinheiro não desaparece da economia (como sugerem alguns analistas), apenas muda de dono.

Outro ponto que nos incomoda são as referências a famosa frase "No Brasil até o passado é incerto". Este de fato é um problema de nossa economia que deve ser enfrentado se quisermos um desenvolvimento de longo prazo. Mas não entendemos que este julgamento seja um exemplo disto. Os reclamantes entraram na justiça em tempo hábil e tiveram vitória nas instâncias iniciais. Os bancos, agindo dentro da lei, colocaram uma série de recursos até que o julgamento chegasse ao STF. Ou seja, a demora na decisão final foi apenas devido ao processo legal, que propiciou aos bancos recorrerem de decisões desfavoráveis recebidas em primeira e segunda instância. Desta forma, o julgamento de fatos ocorridos há mais de vinte anos atrás é consequência direta das ações dos bancos. De fato a boa técnica de gestão de risco recomenda que, dado que os bancos foram condenados nas instâncias inferiores, deveriam ter feito reservas de recursos para poderem honrar seus compromissos em caso da confirmação da decisão no STF. Se isto não foi feito deve-se a problemas de gerenciamento de risco dos próprios bancos (que preferiram adotar outras estratégicas de salvaguardas financeiras). Sendo assim, se em decorrência do julgamento ocorrer a falência de algum banco isto será devido a uma gestão de risco inadequada, e não da aplicação das leis.

Terminamos por manifestar nossa confiança de que o STF julgará observando tão somente as leis, a jurisprudência, e a doutrina do direito. Afirmamos que os efeitos sobre o sistema financeiro, de possível decisão favorável aos poupadores, serão bem menores do que os apresentados na imprensa. Afirmamos também que pedir ao judiciário que julgue olhando quem ganha e quem perde com suas decisões é pedir um preço alto demais para evitar uma crise financeira.

Por fim, reforçamos o argumento de que a demora no julgamento dessa ação não se deveu a nenhum procedimento inapropriado por parte dos poupadores. Pelo contrário, boa parte dessa demora deveu-se aos recursos impetrados pelos próprios bancos. Além disso, no Brasil, não é incomum que processos judiciais levem vários anos para terem seu julgamento finalizado. Isso não quer dizer mudar o passado (tal como alguns analistas querem fazer acreditar). Apenas para reforçar nosso ponto, um estudo do IPEA mostra que o tempo médio total de tramitação de um processo de execução fiscal na Justiça Federal é de 8 anos 2 meses e 9 dias*. Ou seja, dizer que uma demora no julgamento de uma causa significa alterar o passado é um argumento que não pode ser usado na realidade brasileira.

Assinam (em ordem alfabética):

1) Adolfo Sachsida, Técnico de Planejamento e Pesquisa do IPEA
2) Marco Aurélio Bittencourt, doutor em Economia.
3) Roberto Ellery Jr, Departamento de Economia da Universidade de Brasília.


*: Comunicado IPEA: "CUSTO UNITÁRIO DO PROCESSO DE EXECUÇÃO FISCAL NA JUSTIÇA FEDERAL", número 83, março de 2011.

Taxa de Juros combate a Inflação, mas NÃO Reduz o Crescimento Econômico de Longo Prazo

Tenho notado muita discussão da mídia sobre a controvérsia taxa de juros, inflação e crescimento econômico. Alguns analistas argumentam que o governo esta num dilema: para combater a inflação precisa aumentar juros, mas aumentando juros diminui o já baixo crescimento da economia brasileira.

A controvérsia acima é enganosa, pois ela passa a falsa impressão de que combater a inflação gera recessão: no longo prazo, não existe trade-off (troca) entre estabilidade econômica e crescimento econômico. Economias estáveis crescem mais, economias instáveis crescem menos. Simples assim.

O dilema crescimento x estabilidade possivelmente se baseia no que os economistas chamam de Curva de Phiilips: a ideia de que existe uma relação negativa entre inflação e desemprego. Isto é, para se combater a inflação gera-se desemprego, ou seja, gera-se uma recessão.

A Curva de Phillips é, com efeito, extremamente difundida e adotada por diversos Bancos Centrais mundo afora. Contudo, duas considerações importantíssimas devem ser feitas:
1) A esmagadora maioria dos estudos, e dos pesquisadores, concorda que, caso exista, a relação entre inflação e desemprego é de curto prazo!!! Ou seja, tal relação não se aplica ao longo prazo.
2) Existe uma ampla controvérsia na literatura sobre a possibilidade da curva de Phillips, mesmo no curto prazo, ser uma boa explicação para o processo inflacionário. Meus estudos, inclusive publicados em revistas acadêmicas, sugerem que a curva de Phillips tem pouca relevância para explicar a dinâmica inflacionária brasileira.

Os pontos 1 e 2 acima deixam claro que, no longo prazo, simplesmente não existe dilema entre combater a inflação e promover o crescimento econômico. O crescimento econômico é promovido por reformas que aumentem a produtividade da economia. Aliás, é consensual entre economistas que no longo prazo o crescimento é função da produtividade. Já o combate a inflação é feito por meio de uma política monetária restritiva (se possível com ajuda de uma política fiscal igualmente restritiva).

Desnecessário lembrar que um ambiente com menos inflação é também mais propício a manutenção e elevação dos investimentos. Resumindo, combater a inflação ajuda na promoção do crescimento econômico de longo prazo. E, esse crescimento, é o que realmente importa em análises econômicas e sociais.

sábado, 23 de novembro de 2013

VideoCast do Sachsida: Campanha Ajude o José Genuino

Nesse vídeo começo uma campanha humanitária para ajudar José Genuino: vamos dar um jogo de Banco Imobiliário para ele!!!!!! Para assistir clique aqui.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Na Calada da Noite Governo Acaba de vez com a Responsabilidade Fiscal: O que podemos esperar em 2015?


Amigos, não é fácil pensar numa maneira de piorar a situação fiscal brasileira... mas acreditem: o governo conseguiu!!!! Enquanto o Brasil parava para ver a final da Copa do Brasil, adivinhem o que aconteceu em Brasília??? O Congresso aprovou um projeto que muda as regras do superávit primário (de novo)!!!!

O governo não consegue cumprir suas metas, o que ele faz? Muda as metas!!! Parece aquela piada do cara que vai ao médico e ouve: "O Sr. precisa comer menos gordura, parar de beber cerveja, e fazer mais exercícios"... em vez de seguir o médico o cara muda de médico!!!! Esse é o governo brasileiro.

Por favor, leiam o link acima. Olha que beleza: "O governo central - composto pelo Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central - teria como meta para o ano economizar R$ 73 bilhões, caso tivesse que arcar apenas com a conta da União. Até setembro, contudo, só poupou R$ 26,7 bilhões - o que já indica dificuldade para cumprir a própria meta". Estão notando o tamanho do rombo fiscal???? Com a nova lei a União não será mais obrigada a cumprir a parte do superávit não cumprida pelos estados e municípios. Resumindo, qual o estímulo que a União terá para forçar estados e municípios a economizar?

Por favor, não me compreendam mal. Eu sou favorável a que estados e municípios tenham liberdade fiscal e tributária. Mas isso deve fazer parte de um amplo conjunto de medidas, que inclusive DESOBRIGUE a União de socorrer estados e municípios falidos. Mas do jeito que a lei é hoje é simplesmente absurdo permitir alto grau de endividamento dos estados, pois a União em última instância será obrigada a honrar tais dívidas. Ou seja, o estado (ou município) gasta e quem paga a conta é o resto do país... adivinhem que tipo de estímulo isso gera??? Gera um enorme estímulo para que todos se endividem.

Pode parecer coisa de chato, mas quando ocorreu a renegociação da dívida dos estados (e municípios) e o advento da Lei de Responsabilidade Fiscal (ainda no governo FHC) EU AVISEI QUE DARIA ERRADO JUSTAMENTE PELOS MOTIVOS QUE ESTÃO OCORRENDO HOJE!!!!! Meu amigo Roberto Ellery é testemunha disso. Eu avisei que o caminho certo era outro: a União não devia interferir nas decisões de estados e municípios, mas também não deveria pagar pela conta.

Na prática, a medida aprovada hoje no Congresso nos leva de volta a situação de 1999: a União não terá controle (ou vontade política) suficiente sobre a dívida de estados e municípios, mas em última instância será responsável pelas mesmas. Resumindo: acabou-se, oficialmente, a responsabilidade fiscal em nosso país.

Por fim, o que esperar de 2014? 2014 será o ano com o RECORDE MUNDIAL de greves no Brasil.... polícia federal, companhias de luz, água, esgoto, DETRAN, aeroviários, entre outros entrarão em greve. Afinal, as vésperas da Copa do Mundo, e sem preocupação com a solvência fiscal, o governo ficará refém de todos esses movimentos grevistas. Governos estaduais preocupados com a eleição, governo federal preocupado com a eleição... o gasto público baterá recordes!!!!

Em 2015 será a hora de pagar a conta. E ela será bem alta.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Dia da Consciência Negra é coisa de Racistas

Não sou racista, desprezo pessoas que julgam os outros com base na raça. Desprezo a aristocracia. Aristocracia julgava as pessoas de acordo com o nascimento: é filho de nobre? Então é sangue azul.... não é filho de nobre? Então não serve.... a humanidade levou séculos para se livrar dessa mazela aristocrata. Todo ser humano tem direito a vida, a liberdade e a busca da felicidade. E, em busca de sua felicidade, ele estuda, trabalha, serve ao próximo, e toma decisões. É o conjunto da obra, de suas escolhas, que classifica um homem como sendo bom, ou não.

Desprezo pessoas que julgam outros não com base em seu mérito, mas com base em sua raça. Sendo assim, não posso concordar com o dia da consciência negra. Da mesma forma que não posso concordar com o dia da mulher, ou o dia do índio, ou o dia de quem quer que seja. Somos todos seres humanos.

Vejo com tristeza que as pessoas que defendem cotas se calam frente aos ataques racistas sofridos por Joaquim Barbosa.

Vejo com tristeza colegas competentes se aliando a agendas progressistas apenas para ganhos materiais. Não precisamos de mais cotas. Não faz sentido colocarmos cotas para negros em cargos de chefia. Digo isso pois acredito que negros, amarelos, vermelhos e brancos são igualmente competentes. Não temos crimes raciais no Brasil. Ninguém é assassinado no Brasil por ser negro. Um branco não sai de casa para matar ou espancar negros. Vejo com tristeza que determinados cientistas hoje tentam criar um conflito racial simplesmente inexistente no Brasil. Espero que não consigam, espero que fracassem. Mas e se conseguirem????

Todos teremos que dar explicações sobre nossos atos, cedo ou tarde seremos confrontados seja com Deus (para os religiosos) seja com nossa consciência (para os ateus). E nesse dia deveremos responder: eu agi bem? E dessa resposta derivará a mais simples das conclusões... Sim, eu fui um bom Homem; ou Não, eu fui uma pessoa má.

Racismo é desprezível. Mas quanto mais políticas pró-negro adotarmos maior será a rejeição dos negros na sociedade. Isso ocorre pois as cotas tem um efeito horroroso: elas tiram o mérito individual das conquistas. Quando vemos um médico negro, ou um juiz do STF negro, sabemos que ele deve ser muito competente para conseguir ter chegado até lá. Num regime de cotas você vê um médico negro, ou um juiz do STF negro, e diz: ele está lá graças a minha ajuda....

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Considerações sobre o PL 122, texto escrito por Thiago Cortes

O texto abaixo foi escrito por Thiago Cortes.

“É preciso dar um passo atrás para, depois, dar dois passos à frente” – Lênin

Algumas mentes incautas comemoram o fato de que o termo “homofobia” foi retirado do famigerado Projeto de Lei da Câmara (PLC) 122, que deve ser votado na quarta-feira, 20. O fascismo LGBT deu um passo atrás estratégico, mas nunca deixou de caminhar.

O senador petista Paulo Paim entregou seu substitutivo ao PLC 122 que, segundo ele, reflete “todos os segmentos”. O petista também está trombeteando aos quatro ventos que o seu texto “não entra na polêmica” da definição de homofobia.

Paulo Paim frisou que seu substitutivo abrange o combate “a todo tipo de preconceito”. É uma manobra retórica para desarmar os adversários do PLC 122. Se o projeto é contra “todo tipo de preconceito”, logo, quem se opõe a ele só pode ser preconceituoso.

Para ler o texto completo clique aqui.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Dados sobre Taxas de Homicidios no Brasil NAO PODEM ser usados para inferencias sobre discriminacao contra homossexuais e negros


A grande mídia esta repercutindo muito um estudo que mostra que negros tem maior chance de serem assassinados do que brancos. Sim, isso esta correto. Contudo, disso não eh possível fazer qualquer inferência a respeito de racismo, e menos ainda em relação a discriminação contra homossexuais.

Sim, negros são mais assassinados do que brancos. Contudo, vale a pena lembrar que amarelos são menos assassinados do que brancos. E dai? Disso devemos argumentar que brancos são discriminados (afinal correm mais risco de assassinato do que amarelos)?

Agora prestem atenção nessa estatística: a taxa de homicídios entre homens é muito superior a de mulheres: a taxa de homicídios por 100 mil habitantes é de 50,7 quando se considera apenas a população masculina, e de 4,4 por 100 mil quando se considera apenas a população feminina (dados referentes a 2009). Resumindo: homens correm quase 12 vezes mais risco de morrerem assassinados do que mulheres!!!! E ai, sera que podemos inferir disso que homens são discriminados???? Eh claro que não!!!!!!

Usar dados de homicídio para inferir sobre discriminação so eh valido se tivermos dados referentes AO MOTIVO DO CRIME!!!! Quando uma alta proporção de negros eh morta vitima de brancos racistas, isso sim eh um indicio de crime racial. Quando um negro eh morto por outro negro não há como argumentar que isso eh um crime decorrente da raca. Quando um negro eh morto por um branco em decorrência de um acidente de transito isso também não eh indicio de crime racial. De maneira semelhante, quando um homossexual eh assassinado isso não quer dizer que ele tenha sido morto por causa de sua preferencia sexual. Ele pode ter sido vitima de um assalto, de uma briga, por acidente, e por varias outras razoes que nada tem haver com discriminação.

O Brasil eh um pais violento, eh o pais onde (em números absolutos) mais se mata no mundo. De acordo com dados oficiais são mais de 50.000 homicídios por ano. Estudar e propor soluções de politicas de segurança eh uma prioridade nacional. Mas não devemos politizar ou adotar agendas politicas nessa discussão. O assunto eh serio e requer a seriedade necessária. Não quero dizer que não haja discriminação no Brasil. Digo apenas que aqui os assassinatos são democráticos, não poupam ninguém.

domingo, 17 de novembro de 2013

O Negão é Foda e Mais um Efeito Deletério da Política de Cotas

Esse final de semana choveram ofensas racistas contra Joaquim Barbosa, o presidente do STF. É absolutamente humilhante constatar que as ditas ONG's voltadas contra a discriminação permaneceram caladas frente a esse linchamento covarde. Mas, o pior mesmo, é Maria do Rosário (Ministra da Secretaria dos Direitos Humanos) e Luiza Bairros (Ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial). São duas ministras de Estado que supostamente deveriam se indignar contra a discriminação racial. Mas que, para variar, permanecem caladas quando o linchado não está alinhado a ideias progressistas.

Não cabe aqui discutir a decisão do presidente do STF: ele tinha autonomia para a tomar e a tomou. Quero centrar atenção no fato de que duas Ministras de Estado, a de Direitos Humanos e a de Promoção da Igualdade Racial, não fazem nada frente as ofensas racistas recebidas pelo Presidente do STF. Para que servem essas secretarias??? Joaquim Barbosa, um negro, está sendo ofendido nas redes sociais e o silêncio dos movimentos sociais é ofensivo. Então o Sachsida diz em alto e bom som: O NEGÃO É FODA!!!! Será que vou ser taxado de racista??? Então digo de novo: O NEGÃO É FODA!!!!

Essa onda de ofensas na internet é mais um efeito deletério da política de cotas: as pessoas associam que o presidente do STF está lá não por sua competência, mas por causa da política de cotas. A política de cotas esconde o mérito, e promove a cor da pele. Com o tempo as pessoas param de ver o talento, o trabalho e esforço individual, e começam atribuir tudo as cotas. Joaquim Barbosa não chegou lá por uma política de cotas. Contudo, a maciça propaganda esquerdista, dizendo que finalmente um negro estava no STF, certamente não ajudou a promover o mérito de Joaquim Barbosa.

A propaganda de que um negro estava no STF também deu margem para a ideia de que Joaquim Barbosa devia "favores" a quem o indicou... afinal, ele não teria chegado lá por mérito próprio... é por isso que sou contra essas ideias de "primeiro negro" ou "primeira mulher" ou "primeiro índio". Não sou racista. Sendo assim, sugiro que favoreçamos o mérito individual INDEPENDENTEMENTE da cor da pele. Atribuir a um favor pessoal, ou a uma concessão benevolente, uma conquista individual é mais um efeito deletério da política de cotas.

Por fim, deixo aqui um enorme FODA-SE a todos esses canalhas racistas da internet. É próprio dos covardes, e dos bananas, ofender outra pessoa com base na cor da pele. Respeitosamente sugiro que vocês vão pra casa do caralho seus merdas.

sábado, 16 de novembro de 2013

O Toque de Midas Brasileiro, texto escrito por Rodrigo Pereira

O texto abaixo foi escrito por Rodrigo Pereira.

Glover Teixeira, uma estrela em ascensão no mundo das artes marciais mistas (MMA), foi embora do Brasil para treinar nos Estados Unidos. Quando perguntado por uma repórter sobre o porquê da mudança, ele disse que precisava de um pneu de trator para treinar que custa 2000 reais no Brasil. Nos Estados Unidos o mesmo pneu custa cento e poucos dólares, e rapidamente estava à sua disposição para treinos.

Todo mundo sabe que tudo custa muito caro no Brasil, muito mais caro que no resto do mundo. Mas o que a história do Glover deixa claro é o custo social de se viver num país onde as coisas são tão caras. Imagine a quantidade de atletas que deixam de treinar ou de se tornar competitivos porque os equipamentos são caros demais, a quantidade de meninos que deixam de se tornar grandes pianistas porque um piano no Brasil custa três vezes o preço do resto do mundo, a quantidade de Airton Sennas que deixam de existir porque no Brasil um Kart e seus custos de manutenção são 2,5 vezes o que custa no resto do mundo, e por aí vai. Mas esse custo social invisível não se restringe a isso, há também um efeito “Toque de Midas” muito ruim para a produtividade do país: quando alguém consegue fazer um produto entrar nas fronteiras do país ele instantaneamente tem seu valor de mercado duplicado ou triplicado. O contrabando torna-se extremamente lucrativo, e uma larga parcela da população deixa de usar seu potencial criativo e produtivo na produção de bens e serviços para tentar achar brechas no curral imposto pela Receita Federal, e lucrar com o efeito Toque de Midas. Quem conhece a feira dos importados em Brasília sabe do que eu estou falando.

O fato é que não é por acaso que tudo no Brasil custa muito caro. Há toda uma arquitetura econômica deliberadamente construída que é responsável por isso. Do sistema tributário ao tamanho do setor público, da falta de concorrência em muitos setores, à herança de uma mentalidade pró substituição de importações (onde importar é intrinsecamente errado, e quem insistir no erro deve ser punido), tudo contribui para que o Brasil seja um país muito caro.
O Brasil tem quase que por tradição um imenso setor público, e uma pretensão de ter um Estado de bem-estar social à lá países nórdicos, com saúde pública e educação universais, uma larga rede de proteção social, etc. Tudo isso custa caro e tem que ser pago com impostos. Com uma razão arrecadação/PNB se aproximando dos 40% o Brasil fica bem acima de países como o Chile (18,4% ), México ( 17,4% ), ou Estados Unidos (24,1% ) e fica bem próximo das vedetes mundiais de proteção social, como a Noruega (42,9%) e a Suécia (46,7%). Mas diferentemente desses países, que concentram sua tributação em impostos diretos, sobretudo o imposto de renda, nosso sistema tributário ainda é típico de país terceiro-mundista, com um altíssimo percentual de impostos indiretos no total da arrecadação. No Brasil 48,4% do total arrecadado vem na forma de impostos indiretos, contra 27,5% na Noruega.

Mas se os impostos indiretos como o IPI ou o ICMS são exatamente aqueles que fazem os bens ficarem mais caros, e se há um enorme custo social no convívio com preços tão altos, porque então o Brasil não faz como o mundo desenvolvido e tributa mais a renda e menos os bens? Porque tributar os consumo de bens é muito mais fácil do que tributar a renda. No Brasil quase a metade do mercado de trabalho é informal. Uma maior tributação sobre a renda seguramente levaria a uma informalidade ainda maior. Mas além disso, boa parte da metade que é formal não paga um único centavo de imposto de renda porque cai na faixa de isenção, que vai de zero a aproximadamente R$1600 mensais. Como esse é também o valor de nossa renda per capita, o indivíduo mediano simplesmente não paga imposto de renda no Brasil. De um grupo selecionado de 100 países com alguma estrutura tributária civilizada, 45 deles não têm faixa de isenção alguma do imposto de renda. Dos 55 que têm isenção, o Brasil é um dos mais generosos, com uma razão “limite de isenção do IR”/ “renda per capita” de 100%. Para efeito de comparação, na Noruega essa razão fica em torno de 6%, ou seja quem ganha 6% da renda per capita já começa a pagar imposto de renda.

Então, como é possível sustentar um governo que gasta quase 40% do PNB, com uma arrecadação de tributos diretos insuficiente? Basta enfiar impostos indiretos nos bens que a população compra. Mas que fique tudo nebuloso, porque se ela souber o quanto paga de impostos quando vai às compras, seria capaz de sair às ruas revoltada em passeatas de protesto. Enquanto isso o efeito Toque de Midas corre solto. Um borracheiro estava me dizendo que quem tem carros grandes como picapes Hilux, S10, etc, tem ido até o Paraguai na hora de trocar os pneus do carro. Um jogo de 4 pneus custa 4 mil reais no Brasil, contra mil e setecentos reais no Paraguai. “Mas tem que cortar os cabelinhos do pneu doutor, senão a Receita descobre que o pneu é novo e aí já era”.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

VideoCast do Sachsida: Bom Senso Futebol Clube

Neste video analiso por um prisma economico as manifestacoes dos jogadores de grandes clubes ocorrida nessa semana. Manifestacao que recebeu o nome de Bom Senso Futebol Clube. Para assistir clique aqui.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Liberdade na Estrada em Goiania: É HOJE!!!

Em sua quinta edição o Liberdade na Estrada passa pela primeira vez em Goiania. Para saber mais sobre a história do evento clique aqui.

O tema desse ano é: "O que você faria se fosse presidente por um dia?"

Local: UFG - Cine UFG, Faculdade de Letras, Campus Samambaia

Horário: 14:30 horas

Data: HOJE (14/11/2013)

O evento é gratuito, passe lá e vamos discutir ideias!!!!

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Liberdade na Estrada em Brasília: É HOJE!!!!!!


Em sua quinta edição o Liberdade na Estrada passa uma vez mais por Brasília. Para saber mais sobre a história do evento clique aqui.

O tema desse ano é: "O que você faria se fosse presidente por um dia?"

Local: UnB - Auditório do Instituto de Ciência Política

Horário: 19:30 horas

Data: HOJE (13/11/2013)

O evento é gratuito, passe lá e vamos discutir ideias!!!!


INFORMAÇÕES PRELIMINARES DO CURSO DE FORMAÇÃO DE AGENTES POLÍTICOS A SER MINISTRADO POR OLAVO DE CARVALHO


INFORMAÇÕES PRELIMINARES DO CURSO DE FORMAÇÃO DE AGENTES POLÍTICOS A SER MINISTRADO POR OLAVO DE CARVALHO

Duração: 3 meses.
Início provável: fevereiro de 2014.
Vagas: 30.
Horário: de segunda à sexta a partir das 16h30.

Local: Colonial Heights, VA – EUA.

Modalidade: apenas presencial (não haverá transmissão online).

Custo: a ser definido, mas incluirá o curso, hospedagem e inscrição para cursos complementares em Washington e outras localidades.
V
isto Americano: o visto a ser solicitado é o B2, de turista, que permite a estada por até 6 meses.

SE tiver condições de se ausentar do país durante os três meses de duração do curso, faça já sua pré-inscrição, enviando um e-mail: para eduy.ferro@gmail.com.

Para mais informações, acompanhe a página: https://www.facebook.com/groups/7654380937

terça-feira, 12 de novembro de 2013

VideoCast do Sachsida: Corrupção, TCU, AGU, CGU e demais órgãos de controle


Nesse vídeo argumento pela redefinição do papel dos órgãos de controle estatais. Hoje o setor público brasileiro está num dilema: as obras públicas não saem do papel e a corrupção não para de aumentar. Para assistir clique aqui.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

domingo, 10 de novembro de 2013

Depois de perder para Lula, Dilma e Haddad, Serra tenta nos conduzir uma vez mais para a derrota


Acho Serra um dos piores nomes do PSDB. Sua capacidade como administrador me parece sobrevalorizada. Mas pior do que isso: Serra é daqueles que acham que sabem economia... no fundo no fundo a política econômica de José Serra consegue a proeza de ser pior do que a do governo Dilma. Não digo isso por brincadeira. Serra é a favor de medidas ditas desenvolvimentistas ainda mais erradas do que as adotadas pelo governo Dilma.

Mas minhas críticas a Serra não se resumem a seu péssimo senso de economia. Ele é também uma liderança negativa da oposição. Serra não quis a ajuda de FHC na sua primeira disputa presidencial, e conseguiu a proeza de perder uma eleição para Lula. Depois, fazendo elogios a Lula conseguiu perder para Dilma. Depois ainda conseguiu a proeza de perder para Haddad... Serra não une a oposição, pelo contrário, ele insiste sempre na tal da chapa "puro sangue". Isto é, ele quer o apoio dos aliados, mas não quer compromisso com eles. Serra quer o apoio do DEMOCRATAS, mas acha vergonhoso ter um vice desse partido. É mais ou menos algo do tipo: não gosto de vocês, mas vou deixar que me apoiem. Não Serra, esse procedimento não une a oposição.

Serra tem todo direito de pleitear uma vaga para concorrer a presidência. E eu me reservo o direito de dizer que, uma vez mais, Serra tenta conduzir a oposição a derrota.

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

O que eu falei brincando Valdomiro Pinto e Ricardo Paes de Barros falam a sério: a questão das cotas raciais

No dia 18 de janeiro de 2013 escrevi um artigo irônico sobre cotas. Dizia que estava na hora do governo instituir cotas também para os Conselhos das Sociedade Anônimas. Além disso, sugeria também cotas para funções de chefia no setor público. O artigo era uma ironia só. Vale a pena lê-lo.

No dia 10 de setembro de 2013 o filósofo Valdomiro Pinto escreveu um artigo sério sugerindo que devemos deixar o mérito de lado. Qual não foi minha surpresa ao ler no Valor Econômico de hoje que Ricardo Paes de Barros defende uma política de cotas para altos cargos:

É responsabilidade do Estado. Uma preocupação assim levaria a formação de uma elite negra de forma mais acelerada, porque estamos vendo que o acesso da população negra ao topo da sociedade brasileira ainda é limitado. Isso quer dizer que muitos valores e talentos negros não estão sendo aproveitados.”

Ricardo Paes de Barros é um economista de respeito, mas, em minha opinião sua proposta é absurda. O que ele quer com isso? Quer cotas para negros em posições de comando. Como se posições de comando pudessem ser preenchidas com base em critérios raciais. O que vem depois? Iremos limitar o acesso de judeus? Afinal, se determinado segmento esta subrepresentado (negros) é porque outro segmento está superrepresentado. Sou totalmente contra a proposta de Ricardo Paes de Barros. Sou contra o sistema de cotas raciais. Meus argumentos contra as cotas raciais podem ser lidos aqui.

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Mantega sugere o que não funciona... dessa vez sugere algo operacionalmente impossível


Acaba de passar no Jornal da Globo: as contas públicas vão de mal a pior, qual é a sugestão de Mantega??? Exigir que os trabalhadores desempregados façam cursos de qualificação logo no primeiro pedido ao seguro desemprego.

Deixa eu explicar: as regras do seguro desemprego impõe aos trabalhadores que pedem seguro desemprego pela segunda vez, dentro do prazo de 10 anos, a fazerem cursos de capacitação. Mantega quer que tais cursos sejam obrigatórios logo no primeiro pedido de seguro desemprego. Prestem atenção: na prática a regra atual NÃO É seguida hoje. O motivo é simples: não existem tantos cursos de capacitação disponíveis, e além disso, muitos cidades sequer possuem locais para realizar tal curso.... qual é a sugestão do brilhante ministro??? Aplicar algo que não funciona para um universo MAIOR AINDA de trabalhadores... a sugestão do ministro, apesar de fazer sentido, é operacionalmente impossível.

Difícil demais... mas fazer o que? Quando os melhores são expulsos dos cargos, são os piores que comandam. O aumento dos gastos com seguro desemprego deve-se a política de reajuste do salário mínimo, é aí que esta a origem do problema.

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Será que a CVM não aprendeu nada com o escândalo da OGX??? Manobra artificial da Petrobras imita declarações de Eike Batista!!!


Será que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) não aprendeu nada com o caso OGX??? Eike Batista cansou de dar declarações superdimensionadas, inflando artificialmente o valor das ações de seu grupo. Resultado: inicialmente as ações do grupo OGX subiram vertiginosamente, para depois despencarem. Já disse antes e repito: num país sério esse tipo de manobras tem consequências legais.

Eu esperava que a CVM tivesse aprendido algo com o episódio. Infelizmente, a CVM culpou as redes sociais...

O caso OGX ainda ocupa as manchetes dos jornais e a Petrobras apresenta manobra similar as adotadas por Eike Batista!!! Notaram que as ações da Petrobras subiram nos últimos dias??? Isso ocorreu pois representantes da Petrobras anunciaram uma nova metodologia de reajuste automático no preço dos combustíveis... só tem um detalhe: tal metodologia ainda não foi aprovada!!!!!

"A metodologia está sendo desenvolvida, ela ainda não está pronta. Portanto, não há nada definido, não tem nenhuma data para o aumento, nada disso" (Guido Mantega, Ministro da Fazenda).

Depois perguntam porque o brasileiro não investe na bolsa....

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

VideoCast do Sachsida: Quanto dinheiro público o BNDES perdeu com o grupo OGX?

Neste vídeo faço um alerta: o montante de dinheiro que o BNDES perdeu com Eike Batista não se limita a participação mantida pelo BNDESPAR. Para assistir ao vídeo clique aqui.

Bolsa Família, 10 anos, 4 visões, e 1 problema

O Programa Bolsa Família comemora 10 anos de existência. Sim, é verdade que o programa já existia antes com outros nomes: vale gás, vale leite, etc. O que o PT fez foi juntar todos os programas anteriores sob um único nome: Bolsa Família. Esse programa beneficia aproximadamente 14 milhões de famílias, atingindo quase 50 milhões de brasileiros. Isso equivale a dizer que 1 a cada 4 brasileiros se beneficia do programa. Vamos analisar o que 4 correntes filosóficas distintas tem a dizer sobre esse programa.

1) Libertários: são contrários a programas de transferência de renda. Isso cria um vínculo de dependência que é deletério para toda a sociedade, pois afeta negativamente os incentivos das famílias e dos indivíduos. Solução: fim do bolsa família, estimulo a liberdade individual.

2) Marxistas: pelo menos em teoria deveriam ser contra programas de transferência de renda. Isso aliena a classe operária, sendo apenas uma esmola dada para manter o povo sob controle. Solução: fim do bolsa família, mudança da superestrutura da sociedade.

3) Social Democratas: reconhecem a necessidade de programas de transferência de renda para minimizar as distorções geradas pelo mercado. Solução: manter o bolsa família, e criar estímulos para que, com o passar do tempo, o indivíduo reingresse no mercado de trabalho.

4) Liberal Clássico: reconhecem a necessidadade de programas de transferência de renda para minimizar o efeito de choques adversos na oferta de trabalho. Solução: manter o bolsa família, mas com estímulos claros para que o indivíduo fique o menor tempo possível sob esse programa.

Sendo assim, fica claro que apesar de discordarem dos motivos os marxistas e os libertários concordam na solução: acabar com o bolsa família. De maneira equivalente, social democratas e liberais clássicos discordam do motivo, mas concordam com a solução: manter o bolsa família. Se você concorda com o bolsa família, então a pergunta relevante é: como criar mecanismos de saída? Isto é, como estimular as pessoas que recebem esse benefício a retornar ao mercado de trabalho? Dados sugerem que uma parcela pequena das pessoas que recebem bolsa família conseguem subir de nível e abandonar o programa.

O fracasso do Bolsa Família em estimular as pessoas a deixarem de depender de sua ajuda é sinal claro de que algo esta errado no desenho desse programa. Da maneira como está estruturado hoje o Bolsa Família consolida o indivíduo na situação de miséria. Os dados são claros a esse respeito: quem passa a receber esse benefício dificilmente volta a viver sem o mesmo. Dessa maneira tenho uma proposta: prazo máximo de 3 anos de recebimento do benefício. Depois desse prazo o indivíduo ficaria inelegível para esse benefício pelo resto de sua vida.

Ficar inelegível pelo resto da vida é parte fundamental de minha proposta. Sendo assim, QUALQUER brasileiro poderia solicitar o Bolsa Família. Mas, ao longo de toda sua vida, ele só poderia receber tal ajuda por 3 anos. Isso força o indivíduo a usar esse benefício apenas em casos extremos. Afinal, como ninguém conhece o futuro, não seria inteligente usar esse programa em épocas em que tal ajuda não seja fundamental. Além disso, uma vez que fosse requisitado o próprio indivíduo poderia pedir por sua suspensão a qualquer momento, pois o tempo nao usado poderia ser usado no futuro. Ou seja, o inivíduo pode usar o programa por 3 meses, e depois pedir por sua suspensão. Reservando o restante (2 anos e 9 meses) para outra oportunidade. Evidente que isso também diminui os custos administrativos de checagem do Bolsa Família (não é necessário manter fiscais verificando quem é ou não elegível para o programa).

Enfim, essa é minha contribuição para os 10 anos do Bolsa Família: uma regra de tempo de permanência máxima.

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Sachsida na Carta Capital

A Carta Capital dessa semana me cita. Em primeiro lugar quero agradecer a revista, afinal isso garante mais repercussão as ideias que defendo. Em relação a minha pessoa, a revista parece criticar o fato de eu ser filiado ao DEMOCRATAS. Estranho que a revista, em momento algum, acusa o ex-presidente do IPEA de ser filiado ao PT. A revista também silencia em relação a outros funcionários com filiação partidária (ou que tenham parentes próximos em posições partidárias de destaque). Enfim, não entendi se a crítica se refere a mim ou se a crítica refere-se a ser filiado ao DEMOCRATAS. Se eu fosse filiado ao PT (tal como vários outros que mantém essa filiação em segredo) estaria tudo bem? Desnecessário dizer que o DEMOCRATAS é oposição, ou seja, é bem pouco provável que eu tenha me beneficiado dessa filiação. Aliás, é crime ser filiado a partido político? Por que a Carta Capital não critica o vínculo PETISTA de outros técnicos e ex-diretores do IPEA?

A revista também questiona o fato de eu ser o encarregado de montar o mestrado do IPEA. Bom, vamos aos fatos: 1) eu ajudei a montar o mestrado e o doutorado em economia da UCB (nota 5 na CAPES); 2) Fui diretor do mestrado em economia da UCB; 3) fui avaliador na avaliação trienal dos cursos de pós-graduação em economia na CAPES; 4) fui julgador do prêmio CAPES de tese de doutorado; 5) sou bolsista de produtividade do CNPQ; 6) fui professor de economia na Universidade do Texas; 7) sou citado como um dos pesquisadores mais produtivos na área de economia. Resumindo, o que causa estranheza é o fato de eu não ter sido chamado ANTES para montar o mestrado do IPEA. Afinal, minha experiência na elaboração, montagem, implementação e administração de um programa de mestrado não é pequena. Aliás, o fato de só agora eu ser encarregado desse projeto mostra bem o viés ideológico que assombrou o IPEA no passado. Infelizmente a Carta Capital parece não se atentar para isso.

A Carta Capital sugere que me beneficiei de minha filiação partidária. Quisera eu que isso fosse verdade... infelizmente o DEMOCRATAS é oposição e tem influência negativa na indicação de cargos para o governo federal. Isto é, dizer que você é filiado ao DEMOCRATAS não só não ajuda como também atrapalha. Para notar isso basta ver que, dada minha defesa de teses liberais, nunca ANTES na história do IPEA tinha exercido qualquer cargo. Aqui segue meu CV lattes. Sugiro que a Carta Capital o compare com o de ex-diretores ou de ex-presidentes do IPEA. Verá que em termos acadêmicos não é fácil encontrar um CV que se equipare ao meu.

A revista diz que sou fã de Ronald Reagan. Sim, sou um grande fã de Reagan e Thatcher, algum problema? Chico Buarque é fã de Fidel Castro... digo e repito: sou um conservador em termos morais e um liberal em questões econômicas. Por acaso isso é crime? Defendo minhas ideias, defendo-as com a minha vida se necessário for. Repito aqui as palavras de Trescow

"Todos se voltarão agora contra nós, cobrindo-nos de injúrias. Minha convicção, contudo, permanece inabalável (...) Fizemos o que era justo. Hitler não é só o arquiinimigo da Alemanha; é também o arquiinimigo do mundo. Daqui a poucas horas estarei diante de Deus, respondendo pelos meus atos e faltas. Creio que poderei sustentar, com a consciência limpa, tudo o que fiz na luta contra Hitler (...). Todo aquele que aderiu ao movimento de resistência envergou a túnica de Nesso. O homem só tem valor quando está preparado para sacrificar a vida por suas convicções".


Por fim, dois comentários. Primeiro, meu amigo Mansueto Almeida (citado na reportagem) é um técnico competente e de destaque, infelizmente, ao contrário do que a revista afirma, ele não é um liberal. Mansueto esta mais para um social-democrata. A rigor, para a absoluta infelicidade da revista, não existem nem 5 liberais clássicos no IPEA. O que move realmente a reportagem da Carta Capital é a enorme inveja de alguns ao acesso que eu e Mansueto temos na grande mídia. De minha parte digo que recebo tantos convites de seminários que sou obrigado a limitá-los a seis por ano. Além disso, sou regularmente convidado para compor bancas avaliadoras de concursos públicos, para dar entrevistas para jornais, televisões e revistas, além de ter um canal no youtube e um blog com mais de 1.000 acessos diários. Também é comum receber o convite para discutir economia com representantes de embaixadas e órgãos estrangeiros. Acham muito? Isso não deve ser nem metade dos convites que o Mansueto recebe. Algumas pessoas ficam ressentidas disso...

Segundo, não se iludam: o que a Carta Capital fez não foi um ataque ao liberalismo do IPEA. Nada disso, a agenda política é outra: volta Lula!!! Essa é a verdadeira agenda. O grupo antigo que estava a frente do IPEA era ligado a Lula. O novo presidente, além de ser infinitamente mais preparado em teoria econômica, é ligado a Dilma. Tal como todo esquerdista sabe, apenas a esquerda odeia a esquerda. Existe uma verdadeira campanha na Esplanada dos Ministérios pelo "Volta Lula", o IPEA foi apenas mais um capítulo dessa disputa.

Para finalizar uma nota triste: o acesso ao meu blog, ou ao meu canal no youtube, não aumentou em NADA!!!! O que demonstra que a repercussão da Carta Capital não é das maiores. Uma pena.

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Escândalo!!!! Entrevista com Joselito Muller

Joselito Muller é figura principal de um dos maiores absurdos jurídicos ocorridos no Brasil. O homem que é investigado sem ter cometido crimes!!!! Ele mantém este blog: Joselito Muller Jornalismo Destemido. Evidente que qualquer pessoa que saiba ler logo compreende que o blog de Joselito é repleto de ironias e sarcasmo.


1) Por que a PF o intimou?

Na verdade, desde que recebi a notícia de que a ministra Maria do Rosário solicitou ao José Eduardo Cardozo autorização para mandar a Polícia Federal investigar quem eu sou, tomei a precaução de me informar a respeito na superintendência da PF aqui no Rio Grande do Norte.

Como já tive um problema com a senadora Ana Rita (PT-ES), que também pediu para que a PF me investigasse, já sabia a quem deveria me dirigir para buscar informações, pois, ao contrário do que muitos dos que comemoraram o fato de eu estar sendo investigado acreditam, não fiquei assustado com a situação e fiz questão de me identificar.

O que houve ontem, 23 de outubro, foi que o superintendente ligou para meu advogado e o convidou para tratar de “assuntos de seu interesse”.

Fomos informados que quem está presidindo o inquérito é a Polícia Legislativa, em conjunto com a Polícia do Senado.

Estes órgãos remeteram para a PF daqui um pedido de diligência para descobrir, acredite, se atuo sozinho ou em bando, se sou ligado a algum partido ou organização política.

Ainda não fui intimado, pois meu advogado é que tá tratando do assunto e, por enquanto, ainda que eu tenha me identificado, sou apenas “suspeito”.

A conduta imputada, no entanto, não existiu e isso pode ser aferido mediante simples leitura do meu blog.

Acredito que isso não vai dar em nada e que a intenção, tanto da senadora, como da ministra, foi unicamente me intimidar para que eu não volte mais a expô-las ao ridículo, como se isso amenizassem o fato de serem ridículas de fato.



2) Quem acionou a PF para intimá-lo?

Bem, são dois inquéritos que estão em curso. Um a pedido da senadora Ana Rita, outro a pedido da ministra Maria do Rosário. O primeiro foi instaurado mediante autorização do Renan Calheiros, aquele mesmo que criou cargos e nomeou aliados em atos administrativos aos quais não foram dada qualquer publicidade, lembra?

O segundo inquérito foi instaurado por determinação do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, aquele que é amiguinho das FARC’s.



3) O que você pretende fazer a respeito?

Vou aguardar o desenrolar das “investigações” com absoluta tranquilidade. Ao fim, penso em mover uma ação em desfavor de todas as autoridades envolvidas pelo fato de usarem a Polícia Federal, a Polícia Legislativa e a Polícia do Senado como detetives particulares e moleques de recado. Isso é ou não é dano ao erário?

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

VideoCast do Sachsida: O Aumento do IPTU em São Paulo


Nesse vídeo exploro as consequências econômicas do aumento do IPTU na cidade de São Paulo. A mais óbvia consequência é o impacto direto sobre o mercado imobiliário. Para assistir ao vídeo clique aqui.

terça-feira, 22 de outubro de 2013

VideoCast do Sachsida: Brasil, o país das tragédias anunciadas


Nesse vídeo explico as tragédias anunciadas no Brasil e concluo que nossa sociedade tem que fazer uma escolha: ou vive sob o império das leis ou viverá sob o império da barbárie. Para assistir ao vídeo clique aqui.

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Agora só dia 22 de outubro

Amigos, dia 04 de outubro completo 41 anos. Momento de reflexão, afinal, como diz certo amigo, termina o primeiro tempo de minha vida.

Verdade seja dita o jogo está duro... meu time joga com dois jogadores a menos (expulsos pelo árbitro), estamos perdendo de 2 a 0, estamos jogando na casa do adversário, estádio lotado de torcedores fanáticos, e só a vitória nos salva.... pois é, o jogo é bruto.

Saio de cena agora e volto dia 22 de outubro para o começo do segundo tempo. O juiz já mostrou que é pilantra e rouba descaradamente para o outro time, já expulsou dois jogadores nossos, termimanos o primeiro tempo perdendo de 2 a 0 e precisamos da vitória. Talvez só um milagre nos salve, mas eu acredito em milagres!!!

Tal como diria o grande capitão James T. Kirk "Eu não acredito num cenário onde a vitória seja impossível, (...) eu não gosto de perder". Eu também não!!! Vamos para o vestiário, esfriar a cabeça, respirar fundo, tomar uma água gelada, por a cabeça no lugar, e dia 22 estamos de volta. Temos o segundo tempo inteiro para virar esse jogo, tem que ter fé, tem que ter raça, tem que acreditar. Para que nos preparamos por toda uma vida senão para esse momento?

Não poderia me despedir sem prestar uma homenagem ao grande ator Giuliano Gemma que faleceu ontem num acidente de carro. Quando criança era fã de Gemma nas famosas "Segunda Sem Lei" na Bandeirantes. Grande ator que tem em "O Dolar Furado" seu grande momento.

Dia 22/10/2013 começa o segundo tempo, conto com vocês! Vamos virar esse jogo!!!

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Até quando o BACEN vai dizer que não sabia???? Contas fiscais tem péssimo desempenho em agosto!!!

No dia 09 de setembro de 2013 escrevi que era absurda a crença do Banco Central de que a política fiscal caminhava para um patamar de neutralidade. Parece que o BACEN age como a falsa moralista da piada, que olha para o marginal e diz: "Você SÓ tem duas horas para tirar sua mão daí....". Incansáveis sinais de que a política fiscal é expansionista não são suficientes para acordar o BACEN, que parece dizer "você SÓ tem mais 2 anos para parar com isso...".

Adivinhem o que aconteceu??? O óbvio: em agosto o setor público teve o primeiro déficit primário da história!!! E adivinhem??? O resultado de setembro será similar ao de agosto!!! Até quando o BACEN continuará exclando: "criam-se condições para que, no horizonte relevante para a política monetária, o balanço do setor público se desloque para a zona de neutralidade”????

Para não ficar apenas nisso, deixa eu lembrá-los do que disse em 28 de agosto de 2013: Já já o governo vai dizer que a queda na Dívida Líquida é sinal de austeridade fiscal!!! Como eu lembrava aos leitores, a desvalorização cambial MELHORARIA a relação dívida/PIB no Brasil (isso porque o Brasil tem um volume elevado de reservas internacionais). E não é que no final das matérias sobre o mau desempenho das contas públicas de agosto aparece lá que a relação divída/PIB caiu!!!!! Claro que caiu!!! Mas caiu por causa de um evento externo (desvalorização canmbial) e não por causa da austeridade fiscal do governo!!!!

E agora BACEN??? O que vocês irão escrever na próxima ata do COPOM??? Vão continuar dizendo que a política fiscal tende para a neutralidade ou vão vestir as calças e agir como homens??? Vocês tem uma responsabiidade para com o país, como cidadão demando que honrem os cargos que ocupam, ou então tenham a dignidade de irem embora.

sábado, 28 de setembro de 2013

Lei de Falência, artigo escrito por Adriano Paranaiba

Abaixo segue artigo escrito por Adriano Paranaíba. Obrigado pela colaboração!!! Esse artigo faz parte de um esforço desse blog em discutir as leis no Brasil.

Adolfo, vamos ver se sai alguma coisa para justificar minha posição contrária à lei de falência e recuperação judicial:

Schumpeter apontou que a falência é o processo seletivo do mundo dos negócios – falir significa que os gestores erraram nas decisões, ou, melhor dizendo, não se adaptaram às mudanças dinâmicas de mercado e foram vítimas da destruição criadora, do autor supracitado. E, a recuperação do crédito daquele que faliu, para que consiga exercer seus deveres que é o ponto de discussão entre muitos, visto que, que são, na verdade direito de outros.

No mercado uma operação comercial é cercada de riscos, e muitas vezes, em diversos setores, o risco é o fator de decisão para investir ou não. Acredito que se convencionou a certeza de recebimento, através de uma criação de diversos mecanismos documentais, como cheques, duplicatas, que geram uma criação de ativos, que por sua vez, criam passivos sem garantias reais, apostando-se que o ativo servirá como fonte desta garantia – um estoque de mercadorias, por exemplo. O próprio dinheiro é uma garantia de pagamento sem lastro – fazendo que as pessoas ignorassem o fator risco, associando-o apenas ao mercado financeiro.

Acredito que a fonte destes problemas está na utilização de fluxos de caixas pelas empresas, onde as pessoas apostam que irão ter taxas de crescimento justificando investimentos, em detrimento da criação de patrimônio, para a geração de garantias. Ao lograrem as expectativas, sem patrimônio, a justiça é acionada para amparar aquele que “deve não nega, paga quando puder”.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Volta da Escravidão no Brasil: Dia 04

Hoje é o quarto dia da volta da escravidão ao Brasil. Triste, humilhante.

O Aparentemente Excelente CV do Presidente do CADE

Estava lendo uma reportagem quando me deparei com o CV do Presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE). Um detalhe me chamou a atenção: ele possui dois doutorados. Como sou da área sei muito bem que isso não é coisa fácil, então fui dar uma olhada mais de perto nesse detalhe intrigante.

De acordo com o cv Lattes, o Presidente do CADE, Vinícius Marques de Carvalho, possui dois doutorados:

1) 2004 - 2007: Doutorado em Direito Comparado. Université Paris 1 Pantheon-Sorbonne, PARIS 1, França.
com período co-tutela em Universidade de São Paulo (Orientador: Calixto Salomao Filho).
Título: L État et le Secteur Privé dans la Gestion des Services de l Eau: une analyse juridique à partir de l exemple français, Ano de obtenção: 2007.
Orientador: Gerard Marcou.

2) 2002 - 2007: Doutorado em Direito (Conceito CAPES 6). Universidade de São Paulo, USP, Brasil.
com período co-tutela em Universidade de Paris I (Orientador: Gerard Marcou).
Título: ESTADO E SETOR PRIVADO NA GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO NO BRASIL: UMA ANÁLISE JURÍDICA A PARTIR DO EXEMPLO FRANCÊS, Ano de obtenção: 2007.

Ou muito me engano ou os TÍTULOS são praticamente iguais... então fui até a internet para buscar o título da tese de doutorado que o presidente do CADE efetivamente defendeu em Paris. Encontrei um titulo um pouco diferente:

"L' État et le secteur privé dans la gestion des services de l'eau au Brésil : une analyse juridique à partir de l'exemple français". Título ainda mais parecido com o da tese defendida na USP... procurei então a tese defendida na USP, mas infelizmente não a encontrei disponível na internet. Mas, continuando as pesquisas encontrei o CV do Presidente do CADE enviado ao Senado Federal. Lá podemos ver que:

a) fev/2002 a jan/2003: trabalhava como administrador do condomínio Ed. Martinelli (parceria com BID)
b) fev/2003 a fev/2004: chefe de gabinete
c) fev/2005 a fev/2006: assessor legislativo no SENADO FEDERAL
d) ago/2006 a abr/2007: assessor da Presidência do CADE
e) abr/2007 a abr/2008: chefe de gabinete Secretaria Especial de Direitos Humanos Presidência da República

Dois detalhes chamam a atenção. Em primeiro lugar defendeu ambas as teses de doutorado NO MESMO DIA (31/08/2007). Ou seja, ao contrário do que se possa pensar isso NÃO CONFIGURA dois doutorados!!!!! Quando muito configura um doutorado com período de sanduiche no exterior (modalidade prevista na CAPES). Uma MESMA tese de doutorado não pode servir para dois títulos distintos de doutorado.

Em segundo lugar, é natural que alunos de mestrado/doutorado comecem o curso com dedicação exclusiva (isto é, sem trabalhar). Numa universidade de ponta como a USP isso seria o mais comum de se esperar, ainda mais para quem vai direto para o doutorado sem passar pelo mestrado (como foi o caso do Presidente do CADE). Note que nesse caso as normas da USP implicam na necessidade de se cursar 80 créditos (10 disciplinas). Como, aparentemente, ele estava em Paris durante o ano de 2004, resta concluir que ele cursou todas as 10 disciplinas requeridas entre 2002 e 2003, mesmo trabalhando como Chefe de Gabinete (ocupação longe de ser modesta). Não deixa de ser estranho notar que desde fevereiro de 2005 ele exerce atividades em Brasília!!! Isto é, ele era aluno de doutorado em São Paulo, em Paris, e trabalhava em Brasília.

Em minha modesta opinião esse é mais um exemplo da inflação dos CV´s que vem sendo causada pelo PT. Criam-se CV´s artificialmente bons, feitos como se o seu detentor beirasse a genialidade. Vale a pena ler o que escrevi sobre isso em 13/02/2012.

Por fim, uma dúvida: na página da CAPES o presidente do CADE figura como tendo RECEBIDO BOLSA (Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil). Ressalto que alunos que recebem bolsa integral são impedidos de trabalhar!!! Fiquei curioso em saber como o Presidente do CADE cursou um doutorado com Bolsa de Estudos e ainda assim continuou trabalhando. Claro que pode ser um erro da CAPES, pode ser um equivoco. Mas que fique claro, quem recebe bolsa integral para estudar não pode trabalhar (sob risco de perder a bolsa).

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

23/09/2013 o dia que marca a volta da Escravidão ao Brasil


Hoje, oficialmente, a escravidão voltou a ser legalizada no Brasil. Aceitar escravos cubanos, mesmo que isso seja vantajoso, não altera o caráter básico do fato: estamos reinstituindo a escravidão no Brasil.

Vergonhoso o silêncio dos grupos de direitos humanos: o Brasil está importando escravos. Hoje é o dia 01 da volta da escravidão no Brasil. Esse blog vai nos lembrar desse fato diariamente.

E vamos deixar claro os nomes dos responsáveis por esse absurdo:

1) Dilma Roussef (Presidente da República)
2) Alexandre Padilha (Ministro da Saúde)
3) Maria do Rosário (Secretaria especial de direitos humanos)
4) Luis Adams (Advogado Geral da União)
5) Jose Eduardo Cardoso (Ministro da Justiça)

Seus nomes estão anotados, e não serão esquecidos.

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Uma Reflexão Sobre o Modo Petista de Agir

Recentemente fiz um vídeo na internet sobre os embargos infringentes. Interessa notar que a proporção de curtidas positivas esta perto de 20 para 1 em relação as negativas. Contudo, a esmagadora maioria dos comentários é negativa em relação ao vídeo. O que isso sugere? Sugere o óbvio: os petistas são minoria mas fazem muito barulho.

No facebook a coisa se repete: para cada comentário sobre política econômica que posto aparecem sempre um monte de petistas dizendo coisas pouco lisonjeiras sobre minha pessoa. Um comentário que sempre aparece é que os juízes do supremo, ou a equipe econômica, são compostas de pessoas qualificadas e devemos confiar neles. O que isso sugere? Sugere que petistas são um bando de maria-vai-com-as-outras. Se o chefe diz que é bom, então é bom. Se assemelham muito as famosas galinhas descritas por George Orwell em "A Revolução dos Bichos". Seu grau de entendimento máximo é: duas pernas bom, quatro pernas mau. São incapazes de raciocinar: se o chefe diz confie eles confiam, se o chefe diz calem eles calam, um dia o chefe dirá fodam-se... bom, pensando bem, talvez esse dia já tenha chegado e eles estão trabalhando duro nisso.

Em discussões de buteco novamente tudo se repete: para cada comentário do tipo, o pessoal do mensalão tem que ir para cadeia; eles respondem: mas e o mensalão mineiro? O que isso sugere? Sugere que para os petistas não se trata de ter vergonha na cara, não se trata de prender bandidos. Trata-se apenas de salvar quem o partido manda salvar. Para um petista típico um bandido define-se pela afinidade ideológica, e não por seu desrespeito em relação as leis.

Em resumo: petistas são minoria e fazem muito barulho, não tem independência de pensamento e nem liberdade de ação. Por fim, não possuem o crivo moral da vergonha na cara. Estão sempre dispostos a defender qualquer absurdo ou roubo, desde que o partido garanta que isso é o certo.

Hoje o PT é a maior ameaça à democracia e ao estado de direito no Brasil. Esse é o inimigo da liberdade a ser batido. Mas, não se enganem, argumentação racional e honesta não funcionam contra esses emissários do caos. NUNCA SE ESQUEÇAM DA PRINCIPAL LIÇÃO: os petistas dividem o mundo entre nós e eles. Essa é a única divisão que conhecem, então preste atenção, para um petista ou você está com ele ou contra ele. Nunca se engane sobre isso, o mundo petista não permite discordâncias.

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Hoje, para qualquer fim prático, acabou a democracia no Brasil.

Hoje, para qualquer fim prático, acabou a democracia no Brasil.

Quando Roma caiu? A resposta costuma ser 476dc mas pergunto, Roma deixou de existir depois disso? O que aconteceu com Atenas ao final da Guerra do Peloponeso? Atenas deixou de existir? NÃO!!! Quando lemos nos livros de história que o Império Romano caiu, ou que Atenas foi destruída, isso são apenas menções a sua perda de poder e influência. Quando um império desaparece isso não significa que se abre um buraco no lugar dele e toda a população desaparece.

O fim de um Império apenas ressalta que aquele modo de vida deixou de existir, ou então que existem outras regras, ou então que alguma situação básica foi alterada. Foi isso que ocorreu no Brasil hoje. A decisão do STF de aceitar os embargos infringentes no caso do mensalão sepulta a democracia no Brasil.

A partir de hoje tudo e nada são permitidos em nosso país. O domínio agora não é o da lei, mas o da posição do indivíduo. Você é petista? Então tudo pode. Você é um democrata, um conservador, um religioso, um liberal? Então cuide-se pois a você estão reservadas a discricionariedade de quem está no poder.

Um antigo provérbio diz: "Aos amigos tudo, aos inimigos a lei". No Brasil estamos pior, aqui vale outro adágio: "Para os amigos tudo, para os inimigos a lei e qualquer outra coisa que se possa inventar".

A democracia depende do estado de direito. Quando o estado de direito desaparece não existe espaço para a democracia. Hoje o STF acabou com o estado de direito no Brasil.

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

VideoCast do Sachsida: As Mentiras Contadas Sobre os Embargos Infringentes

Nesse vídeo descrevo as três mentiras contadas sobre os embargos infringentes: 1) não existe controvérsia jurídica; 2) caso aceitos os embargos infringentes o julgamento do mensalão NÃO TERMINA ano que vem as vésperas das eleições; e 3) caso aceitos tais embargos o núcleo duro do PT não irá para a cadeia. Para assistir ao vídeo clique aqui.

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email