terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Redução do Custo do Financiamento Habitacional: O Maior Furo de Notícia Não Noticiado na Imprensa


TODAS as pessoas que pegaram financiamento habitacional, na Caixa Econômica Federal, até janeiro de 2012, para comprar imóveis acima de 500 mil reais, pagaram no mínimo um custo efetivo total de 12,04% ao ano. Nessa mesma época, o custo efetivo total para o mesmo empréstimo, mas no Banco Santander, era de 11,95%. (atenção: o importante para a redução do valor do financiamento é a data em que você fez o financiamento (e não o valor do financiamento). Se você fez o financiamento ANTES da queda nas taxas de juros (não importa o valor) então você pode se beneficiar das informações desse post. Basta fazer os 3 passos sugeridos ao final do texto).

TODAS as pessoas que pegaram financiamento habitacional, na Caixa Econômica Federal, após julho de 2012, para comprar imóveis acima de 500 mil reais, pagaram no mínimo um custo efetivo total de 9,75% ao ano. Nessa mesma época, o custo efetivo total para o mesmo empréstimo, mas no Banco Santander, continuava sendo de 11,95%.

No segundo semestre de 2012 o Banco do Brasil adotou uma política mais agressiva para atrair clientes em busca de crédito imobiliário. Oferecendo, inclusive, taxas de juros a níveis similares aos da Caixa Econômica Federal.

As informações acima são públicas e de conhecimento comum. CONTUDO, pouquíssimas pessoas sabem que se você pegou dinheiro emprestado na CEF, ANTES de janeiro de 2012, é um EXCELENTE negócio mudar seu financiamento imobiliário para o Banco do Brasil. Isso ocorre pois, devido a queda nas taxas de juros, ocorre uma redução expressiva nas suas prestações (ou então no número de parcelas que você deve).

Então peço a todos que divulguem esse post: várias pessoas estão pagando um financiamento MUITO MAIS ALTO do que o necessário. Basta elas mudarem seu financiamento da CEF para o Banco do Brasil para obterem reduções imediatas no valor (ou na quantidade devida) das parcelas (o nome técnico disso é portabilidade). Sim, existem algumas taxas que devem ser pagas, mas a redução nas parcelas mais do que compensa essas taxas.

Apenas para dar exemplos:

1) Comprar um imóvel no valor de 800 mil reais, tomando 400 mil reais emprestado na CEF: quem pegou esse financiamento em janeiro de 2012 paga um custo efetivo total de 12,04% (isso se você aproveitar todas os convênios e reduções de taxa). Na mesma situação, mas para pessoas que pegaram o financiamento em agosto de 2012, esse custo cai para 9,75% ao ano. Em termos práticos, isso implica numa economia de aproximadamente 600 reais por mês.

2) Para pessoas que pegaram financiamentos de 30 anos, e que já pagaram algo em torno de 4 anos, essa redução de taxa de juros significa algo em torno de 52 parcelas a menos (ou uma redução de 4 anos e 4 meses na duração de seu financiamento).

Por favor, divulguem essa informação. O procedimento operacional para conseguir essa redução é simples:

Passo 1) Vá na Caixa Econômica Federal e diga que você quer alterar seu financiamento imobiliário para se aproveitar da redução das taxas de juros.
Passo 2) Provavelmente o gerente da Caixa vai dizer que isso não é possível.
Passo 3) Vá no Banco do Brasil e explique sua situação. Diga que você tem um financiamento imobiliário na Caixa, mas que quer transferí-lo para o Banco do Brasil. O gerente do Banco do Brasil irá então te dar todas as informações necessárias.

Leitores, podem confiar nessa informação. Por favor divulguem. As reduções nas parcelas são expressivas e valem a pena. Infelizmente essa notícia não está sendo dada na grande imprensa. Se você não confia em mim, então te pergunto: qual o custo de fazer os 3 passos sugeridos acima??? O custo é baixíssimo, custa apenas uma ida na CEF e outra no Banco do Brasil. Faça isso e você pode me agradecer depois.

11 comentários:

Anônimo disse...

A própria CAIXA incentiva você a mudar o seu próprio financiamento. Após a redução das taxas de juros foi criada uma página no site oficial que você disponibiliza suas informações e a própria CAIXA entra em contato com você. Assim você negocia com a equipe de renegociação da CAIXA nem precisando se locomover até a agência.

Muitas vezes o gerente de agência pode dar informação errada ou incompleta, mas a politica oficial da CAIXA é renegociar sim os contratos com juros mais altos e ajusta-los. Mas é lógico que se você não está atento as reduções do juros nada vai cair do céu.

Tentar trazer clientes de outros bancos dessa forma foi inclusive umas das politicas de crescimento da carteira de crédito para o período.

Luís disse...

Adolfo,

Já divulguei no meu Face, mas seria interessante e até alguém ja deu a ideia.

Seria bom vc colocar a barra ou ícone das formas disponiveis de compartilhamento aqui no Blog.

Abs

suckow disse...

Senhores

Essa é a lei da portabilidade bancária onde o cliente tem o direito de mudar a sua dívida de banco, mas cuidado, é preciso citar que para efetuar essa troca, vc terá de recolher o ITBI novamente, assim como averbar a documentação para o banco no qual escolheu, ou seja, será necessário recolher todas as taxas novamente e passar por toda burocracia de aprovação de financiamento.

Anônimo disse...

Adolfo, essa portabilidade só é possível se for da Caixa para o Banco do Brasil, então de outros agentes financiadores não é possível?

Adolfo Sachsida disse...

Caro Anonimo,

Isso tambem eh possivel para outros bancos.

Mesmo que voce tenha que pagar o ITBI novamente (o que eu nao tenho certeza se eh necessario), esse valor pode ser incluido no financimento (assim nao representa nenhuma desembolso grande de uma unica vez).

Vale a pena ir na CEF ou no Banco do Brasil chegar a dica que dei. O custo eh baixo e o potencial de ganho muito alto.

Adolfo

Anônimo disse...

Sachsida é informação!

Anônimo disse...

Encontrei um texto interessante do International Monetary Fund (IMF):

Coping with High Debt and Sluggish Growth
"http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2012/02/pdf/text.pdf"

Veja a figura no final da página 13 que também pode ser acessada diretamente no seguinte link:

Real House Prices across Countries
"http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2012/02/c1/fig1_10.pdf"

Basta olhar a figura para concluir que o estouro da bolha imobiliária na Banânia vai causar um estrago na economia muitas vezes maior do que causou nos EUA. Vai ser um PLOC memorável. Seguem partes do texto:

O aumento dos preços dos imóveis ou o crescente peso da dívida doméstica, NOTADAMENTE NO BRASIL, requer uma vigilância continua dos decisores políticos.

Boom de consumo do Brasil tem sido um grande componente do seu desempenho de crescimento forte, e a POUPANÇA INTERNA E INVESTIMENTO CONTINUAM A SER RELATIVAMENTE BAIXOS.

demanda interna em muitas economias da Ásia e da América Latina (ESPECIALMENTE BRASIL, China e Índia, mas também outros) DESACELEROU, devido não apenas ao enfraquecimento da procura externa da Europa, mas também a fatores internos.

O retorno ao crescimento foi menor do que o esperado no Brasil … flexibilização da política monetária desde agosto de 2011, como resultado de um AUMENTO DOS EMPRÉSTIMOS INADIMPLENTES após várias anos de rápido crescimento do crédito.

Ao mesmo tempo, a maioria das moedas da região se valorizaram, com a NOTÁVEL EXCEÇÃO DO REAL BRASILEIRO

QueroCasaPrópria disse...

Ótima informação. Vou publicar para os conhecidos e citar em meu blog...

Anônimo disse...

Olá Saschida, parabéns pelo blog.

Sobre uma eventual crise imobiliária tenho uma dúvida:

A ideia é que quando as taxas de juros subirem e a economia estagnar a tendência dos preços seria uma queda, não?

Mas numa cidade como Brasília em que a maioria das pessoas são servidores (não sujeitas à queda no salário) e grande dos financiamentos imobiliários são de prestações fixas, não dependendo dos juros. Neste contexto os preços dos imóveis cairiam por que razão? Falta de demanda?

Obrigado,
Alvaro

mauricelia dasilva freire Freire disse...

Boa dia, vc esta falando da taxa habitacional durante as obras???vc sabe me dizer se e devida esta taxa?

Luzianne disse...

Pena que só soube disso agora. Minha taxa de juros foi de quase 10% e com o redutor ficou cerca de 8,7% e hj no BB ta 8,3%. Neste caso nem vale muito a pena devido as taxas que terá q ser paga novamente. Há alguma previsão dessas de redução dos juros novamente pelo BB ou outro banco que não seja a caixa.

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email