terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Como roubar US$ 50 milhões? (publicado 5 de dezembro de 2012)

Em 5 de dezembro de 2012 escrevi o post abaixo. Vale a pena reler.

Poucos sabem, mas uma de minhas linhas de pesquisa refere-se a economia do crime. Tenho um bom número de artigos publicados nessa área. Após muito estudo, notei que existe uma maneira facílima do governo desviar 50 milhões de dólares para mãos privadas (sejam elas de partidos políticos ou de indivíduos).

Operacionalmente, o golpe funciona da seguinte maneira:

Passo 1) Escolher uma ditadura que passa por graves problemas de acesso a financiamento externo. Esses países precisam não só de recursos, mas também de legitimação internacional. Sendo assim, seus governantes estão prontos a aceitar uma ampla gama de acordos não-ortodoxos.

Passo 2) Emprestar US$ 500 milhões para tais ditaduras a critério de ajuda humanitária, ou apoio a obras de infra-estrutura, ou a qualquer outro item de difícil fiscalização para quem esta fora do país. As condições do empréstimo seriam de pai pra filho, desde que 10% do empréstimo fosse mandado (em dinheiro) de volta a um representante escolhido do governo que originalmente emprestou os recursos.

Passo 3) Garantir diplomatas de confiança, que transportem o dinheiro e os entreguem para as pessoas que farão a partilha. Não devemos esquecer que malas diplomáticas não estão sujeitas a fiscalização. Algo em torno de 50 milhões de dólares, 5 milhões por mala, implicam em 10 viagens para resolver o “problema”.

Passo 4) Dividir o dinheiro em despesas que não aparecem facilmente, por exemplo, gastos de campanha eleitoral. E, então pega-se o dinheiro doado legalmente para a campanha eleitoral e desvia-se para o partido (ou para o próprio bolso). Pronto, o dinheiro agora esta legalizado. Ou então, inventa-se que tal companhia doou mais do que realmente doou. Eh bom pra companhia (que tem pouco ou nada a perder) e legaliza-se o dinheiro do mesmo jeito.

Claro que não estou acusando ninguém. Claro que esse exemplo é teórico e não se refere a nenhum país em particular. Estou apenas explorando uma possibilidade teórica para que se desviem grandes volumes de recursos públicos. Sendo assim, esse é mais um motivo do porque devemos evitar de ter governantes indo visitar ditaduras. Além disso ser uma afronta aos direitos humanos, é também uma imensa janela para a corrupção.

5 comentários:

Maria disse...

A União das Repúblicas Socialistas da América Latina está em franco andamento. Recomendo o livro Conspiração de portas abertas, coletânea de artigos organizados por Paulo Diniz Zamboni, R$ 35,00 na livraria Cultura.

Anônimo disse...

Sachsida, você só esqueceu de informar que para chegar até o país da ditadura, a equipe pode ainda ter de fazer um pernoite em outro país a preços extratosféricos. Mas, claro, essa é uma hipótese, e qualquer semelhança é mera coincidência.
Agora, me expliquem como que um mandatário que vai a uma reunião com o pires na mão pode parar para dormir num quarto de R$ 27 a diária e ainda ocupar outros 29 quartos só de ASPONEs???
E ninguém fala nada...

amauri disse...

boa tarde!
É dificil trazer este dinheiro de volta via bolsa de valores?

samuel disse...

Estava faltando uma explicação para tantos empréstimos a ditadores. O ultimo foi 100 milhões para MUGABE. Lula e Mugabe em foto para exemplificação do método.
ENGOV POR FAVOR!

samuel disse...

Estava faltando uma explicação para tantos empréstimos a ditadores. O ultimo foi 100 milhões para MUGABE. Lula e Mugabe em foto para exemplificação do método.
ENGOV POR FAVOR!

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email