quarta-feira, 14 de maio de 2014

Vale a pena ver de novo!!! Greves!!! Mais uma consequência indesejada da Copa do Mundo no Brasil!!!

No dia 5 de junho de 2013 fiz o vídeo... será que estava errado? Clique aqui para ver.

2 comentários:

ARS disse...

- Acertou na mosta, "touche"!
Parabéns, mas convenhamos essa era previsível, só os habitantes do país das maravilhas achavam que a vida é rosa e está tudo bem...

Anônimo disse...

Oi Adolfo,

Sou leitor do seu blog e não sei se você ficou sabendo da nova Resolução 316/2014 da ANAC que multa as empresas por atrasos na Copa.
Eu queria deixar um comentário quanto a essas novas regras impostas pela ANAC. Fiz uma rápida especulação com as informações disponíveis, vamos aos números:

Segundo o último anuário do transporte aéreo da ANAC (2012) nos últimos 10 anos (2003 a 2012) o ano com menor média de atrasos acima de 30 minutos foi 2009 com 10,8% de voos atrasados e a média de atrasos no período foi de 15,2%. Esse é o atraso médio para 30 minutos.
A Resolução 316/2014 da ANAC em seu artigo 14 estabelece que qualquer divergência de horário maior do que 15 minutos será considerada como operação em desacordo com o slot e receberá multa de 42 mil Reais. Se o voo decolar com 15 minutos de atraso e pousar com 15 minutos de atraso, então são duas multas de 42 mil reais.
Vamos fazer uma rápida especulação. Considerando que a média de atrasos de 30 minutos é 15%, que em períodos de grande movimento como será a Copa do Mundo os atrasos aumentam, e que a Resolução 316/2014 da ANAC vai multar os voos atrasado em meros 15 minutos, então, devemos ter uma grande parcela de voos a serem multados, talvez, na faixa dos 30 a 40%.
Vamos supor um índice de 30% de atrasos acima de 15 minutos na Copa. Isso significa que 30% dos voos vão pagar multas 84 mil Reais por voo (42 pela partida atrasada e 42 mil pela chegada atrasada). Na média as empresas aéreas pagariam por voo 25.200 Reais em multas, que provavelmente seriam incorporados aos custos da empresa. Mas as empresas aéreas ganham milhões né, isso deve ser pouco. Mas não é.
Elas ganham e gastam milhões, hoje a GOL divulgou prejuízo recorde de 96 milhões de Reais, e as multas não são baratas. Vamos as contas, um avião médio de 130 lugares que comercializa 76,6% dos assentos (informação da ANAC para 2012) tem quase 100 passageiros pagantes por voo. Segundo a ANAC o bilhete médio em 2012 foi R$ 294,83, vamos supor que o bilhete médio hoje custe 350 Reais. Nesse caso a empresa aérea teria uma receita bruta por voo de 35.000 Reais.
Portanto, dos 35.000 Reais de receita bruta por voo, as empresas aéreas acabariam pagando 25.200 de multas para a ANAC, mais de 70%.
E observem que analisamos apenas uma única obrigação dessa Resolução. As multas de 21 mil Reais para cancelamentos de voos (média histórica de cancelamentos é 12,9%), multas de 42 mil Reais para aeronaves que permanecerem em solo mais tempo que o previamente autorizado, as multas para os pilotos, entre outras multas.
Porque é então que as empresas aéreas não estão revoltadas, protestando contra essa Resolução? Porque elas sabem que não vão pagar essas multas.
Dê uma olhada na pauta da próxima reunião da Junta Recursal da ANAC, trata-se da segunda instância administrativa da Agência, a qual praticamente todos os Autos de Infração vão. Na reunião de 15/05/2014, que é semanal, eles vão julgar 57 processos. Isso dá uma média 228 processos mês.
Em 2012 tivemos 989 mil voo comerciais. Se 30% deles forem multados nós teremos quase 25 mil processos de Autos de Infração a serem instaurados por mês. Se uma única obrigação de uma única norma criar 25 mil processos administrativos por mês a serem julgados e a capacidade de julgamento da ANAC é de 228 processos por mês, duas coisas aconteceram. Primeiro a imensa maioria dos processos não será julgada e prescreverá, segundo serão contratados ainda mais servidores para que a agência reguladora consiga julgar pelo menos alguns desses processos. Nos dois casos quem perde é o povo brasileiro.

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email