quinta-feira, 30 de outubro de 2014

BACEN aumenta taxa de juros, mas ao mesmo tempo estimula o crédito. Essa não é a maneira de combater inflação!

Quem acompanha esse blog sabe que essa não é a primeira vez que falo sobre o assunto (você pode ler sobre isso aqui e aqui). Mas irei reforçar meu ponto: a eficiência do aumento da taxa de juros para combater a inflação é diminuída quando se expande o crédito.

O argumento é simples: quando o Banco Central aumenta a taxa de juros ele está tentando reduzir a liquidez da economia, gerando um aperto monetário visando forçar uma redução na demanda agregada (por exemplo reduzindo o consumo ou o investimento privado). Isso por sua vez levaria a uma redução na pressão por aumentos de preços, reduzindo assim a taxa de inflação. CONTUDO, quando o Banco Central aumenta o crédito ele está agindo em sentido oposto: aumenta-se a liquidez da economia, gerando um afrouxamento monetário que visa forçar um aumento na demanda agregada (por exemplo aumentando o consumo ou o investimento privado). Isso por sua vez leva a um aumento na pressão por aumentos de preços, aumentando assim a taxa de inflação.

Confesso que não entendo a política adotada pelo BACEN. Ontem o BACEN aumentou a taxa de juros para 11,25%. CONTUDO, entre julho e agosto desse ano, esse mesmo BACEN tomou medidas para estimular o crédito. O resultado dessa política de expansão do crédito foi que em setembro o volume de crédito ofertado atingiu a marca inédita de R$ 2,9 trilhões, o equivalente a 57,2% do PIB.

Claro que você pode argumentar que o BACEN esta tentando estimular investimentos em infraestrutura e aumento da produção, o que geraria um aumento da oferta agregada e reduziria a pressão sobre os preços. Será que é isso que está ocorrendo? Com a palavra Tulio Maciel, chefe do Departamento Econômico do Banco Central:

"Isso [crescimento] refletiu principalmente o crédito direcionado [BNDES, habitacional e crédito rural], com destaque para o crédito do BNDES, influenciado pela taxa de câmbio. O crédito imobiliário cresceu 1,5% no mês. Mas também houve aumento do crédito para compra de veículos, o que pode ser resultado das medidas do BC". (grifo meu).

2 comentários:

Anônimo disse...

Ou o governo talvez prefira incentivar a entrada de dólares via juros altos e assim combater a inflação pelo câmbio. Não é muito boa coisa, mas funciona no curto prazo, que é só o que interessa para eles.Se o câmbio desce, a montanha de swaps e derivativos viram pó antes do vencimento, e o BC não paga a conta com as reservas.

Anônimo disse...

só sei que os juros aumentaram, e estou sentindo na pele, o brasileiro muitas vezes não reclama, e quem pode com eles?, até quando vamos pagar a conta?

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email