quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Fatores Determinantes da Riqueza de uma Nação

Neste vídeo comento sobre meu livro lançado em 2008 pela editora Interciência.

O livro "Fatores Determinantes da Riqueza de uma Nação" explora as respostas comumente citadas sobre quais são as variáveis que determinam o crescimento econômico e a riqueza de uma nação. Para assistir ao vídeo clique aqui. Para encontrar o livro na internet clique aqui.

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Outubro Negro

Neste vídeo explico o porque de meu pessimismo em relação ao mês de outubro de 2015. O inverno finalmente chegou! Chegou a hora de pagar a conta. Para assistir o vídeo clique aqui.

domingo, 27 de setembro de 2015

Uma Resposta a meu amigo Mansueto Almeida

Meu amigo Mansueto Almeida fez a seguinte pergunta:

"O esforço fiscal (aumento de impostos e/ou corte de despesa) para o próximo ano é de cerca de R$ 65 bilhões, mas pode ser de R$ 90 bilhões a depender do crescimento do PIB e do resultado fiscal deste ano. Eu não vejo como se fazer ajuste dessa magnitude exclusivamente do lado da despesa em um ano. Se alguém souber me diga que quero aprender".

Tal como Mansueto sabe bem, e eu já alertei aqui antes, não é possível fazer expressivos cortes orçamentários em um ano. Em 03 de março de 2011 já disse como deve ser feito o ajuste fiscal brasileiro SEM O AUMENTO DE IMPOSTOS.

Abaixo seguem as medidas para o ajuste fiscal SEM AUMENTO DE IMPOSTOS. Ao final do texto dou uma única sugestão de aumento de impostos (mas mesmo nesse caso se refere mais a uma correção de isenção do que a um aumento propriamente dito).

A. REDUÇÃO DO TAMANHO DO ESTADO NA ECONOMIA: LADO DA DESPESA

Medida 1: Fim dos repasses do Tesouro para o BNDES.

Medida 2: Substituir Investimento Público por Parcerias ou Concessões

Medida 3: Acabar com a regra atual de reajuste do salário mínimo, e manter em 2016 o mesmo valor do salário mínimo que vigorou em 2015.

Medida 4: Minimizar os custos decorrentes da Copa do Mundo de 2014.

Medida 5: Minimizar os custos decorrentes de sediar as Olimpíadas de 2016.

Medida 6: Projeto de Lei que aumente a idade mínima para aposentadoria para 67 anos tanto para homens quanto para mulheres.

Medida 7: FIM da aposentadoria por tempo de serviço.

Medida 8: Não elevação dos gastos com o bolsa família e implementação de uma regra compulsória de saída.

Medida 9: Pente fino na necessidade de novos concursos públicos

Medida 10: Congelamento dos Salários dos Servidores Públicos por um ano

Medida 11: Forte redução com gastos de publicidade.

Medida 12: Proibição do Banco do Brasil e da CEF de comprarem participação em bancos privados.

Medida 13: Forte redução na quantidade de Ministérios.

Medida 14: Imediata auditoria e cortes nos repasses para todas as ONG´s

Medida 15: Revisão das Concessões de Indenização a Aposentadorias aos grupos denominados “Perseguidos Políticos”

Medida 16: Regra para o “Restos a pagar”

Medida 17: Redução nas despesas com saúde

Medida 18: Redução dos gastos federais em educação

Medida 19: Abandonar, pelos próximos 4 anos, os grandes projetos tais como o programa Minha Casa Minha Vida, ou o Minha Casa Melhor, ou o PAC


B. REDUÇÃO DO TAMANHO DO ESTADO NA ECONOMIA: LADO DA RECEITA

Medida 20: Suspensão de vários dos incentivos tributários setores específicos concedidos nos últimos anos

Medida 21: Fim da Isenção de IR para LCI e LCA

Medida 22: Grande processo de privatização de empresas públicas

Medida 23: Ampla revisão da legislação ambiental

Essas 23 medidas são capazes não apenas de ajustar o orçamento para 2016, mas são suficientes para reequilibrar a saúde fiscal do Estado brasileiro. NÃO é necessário aumentar impostos, precisamos de reformas estruturais e não de ajustes paliativos e transitórios. Mas Mansueto tem razão na sua dúvida: existe algum partido político pronto a defender esse ajuste? A ausência desse ajuste só pode ser corrigida por aumentos de impostos, então façam suas escolhas, não há saída fácil para o caos fiscal gerado pelo PT.

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Alguém tem que ser demitido do CONTRAN: o vergonhoso caso dos extintores

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) mostrou, uma vez mais, o perigo de se dar poder demais a burocratas. Em janeiro desse ano deveria ter entrado em vigor uma lei que OBRIGAVA que todos os proprietários de veículos tivessem o extintor do tipo ABC nos carros.

O argumento do CONTRAN era que esse extintor era mais seguro. Assim, num passe de mágica, o CONTRAN obrigou milhares de pessoas a gastarem dinheiro para trocarem seu antigo extintor por um novo. Filas se formaram para a compra desse extintor, e o CONTRAN decidiu adiar a entrada em vigor dessa resolução para 01 de outubro.

Adivinha o que acabou de acontecer??? O CONTRAN agora diz que extintores são desnecessários em veículos. Resumindo: você que gastou dinheiro em janeiro para trocar o extintor foi feito de otário. Mas não apenas isso, e os empresários que acreditaram no governo e investiram nessa atividade? O que irá ocorrer com eles? Simples: irão perder seu investimento!

Pergunto: alguém no CONTRAN vai perder seu emprego por isso? Bom, de qualquer maneira, essa parece ter sido a medida de mais longo prazo tomada pelo governo Dilma... durou quase 10 meses.

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

O Pior Natal da História

Sei que pode parecer exagero, mas preparem-se: o Natal de 2015, em termos econômicos, será o pior natal da histórica recente do Brasil.

Um bom número de estados e municípios não terá recursos sequer para pagar o 13o salário. Numero significativo de empresas terá a mesma dificuldade.

A inadimplência vai chegar forte em dezembro. As vendas de natal serão baixas, e o desemprego alto. A renda do brasileiro estará em queda.

É muito triste ter avisado tantas vezes sobre isso, é muito decepcionante ver que por mais que me esforçasse não consegui convencer os formuladores de política econômica a mudarem suas políticas econômicas equivocadas.

O PT destruiu o Brasil. Lula e Dilma são responsáveis diretos por essa crise. Mas não só eles. Vários colegas economistas ajudaram nesse desgoverno. Ainda hoje vários economistas escrevem em grandes jornais pedindo por doses maiores das mesmas medidas erradas que nos trouxeram até aqui.

Será um Natal de desemprego alto e renda baixa. Talvez seja o momento de uma pausa para reflexão: o que nos trouxe até aqui? Eu tenho uma suspeita: os culpados são aqueles que votaram no PT mesmo sabendo que essa decisão era errada, mas votaram esperando por ganhos pessoais. Quantas vezes não ouvi coisas do tipo: "O PT é ruim, mas como sou funcionário público vou me dar bem"; "O PT é ruim, mas como sou empregado do Banco do Brasil (ou CEF) vou votar no PT pra me dar bem"; "O PT é ruim, mas como sou amigo de fulano, vou votar no PT pra me dar bem"; "O PT é ruim, mas como sou empresário e pego dinheiro no BNDES vou me dar bem"; "O PT é ruim, mas como quero passar num concurso público vou votar no PT"; "O PT é ruim, mas como sou de movimentos sociais vou me dar bem"; etc.

Enfim, em minha humilde opinião, coloco boa parte dessa crise na conta de vocês que votaram no PT mesmo sabendo que esse partido era o que era. A covardia de vocês aliada ao despreparo de muitos gerou isso. Espero que tenham aprendido a lição, esse post não é para ofendê-los, é para convidá-los a uma simples reflexão: "Aqueles que abrem mão da liberdade essencial por um pouco de segurança temporária não merecem nem liberdade nem segurança". (Benjamin Franklin)

terça-feira, 15 de setembro de 2015

O Novo Pacote Fiscal de Levy

Neste vídeo comento as novas medidas econômicas anunciadas pelo governo para promover o ajuste fiscal: cortes insuficientes de gastos públicos, redução duvidosa de alguns gastos, e impostos, impostos e mais impostos. NEM UMA ÚNICA MEDIDA de ajuste de longo prazo foi anunciada, nenhuma reforma proposta, nada nada nada... o governo tenta empurrar com a barriga uma vez mais. Ano que vem teremos que ter mais aumentos de impostos e outros cortes, o custo do ajuste só terá aumentado!!!

Não vale a pena fazermos esforços adicionais para apoiar um conjunto de medidas que apenas posterga, e torna mais caro, o ajuste para o futuro. Esse governo (ou o próximo) deve entender que sacrifícios adicionais só serão tolerados se for para realizarmos as reformas que esse país precisa: reforma na previdência, tributária, trabalhista, administrativa, abertura econômica, privatizações, etc.

Um último detalhe, peço aos meus amigos economistas que DENUNCIEM o tremendo impacto negativo da CPMF. Foi vergonhoso ouvir Levy dizendo que a CPMF é um imposto que causa POUCA distorção. Inaceitável o silêncio diante de tal vexame! Assista ao vídeo clicando aqui.

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

A Hora e a Vez dos Estados e Municípios

Quem acompanha esse blog sabe o que penso: existe uma verdadeira caixa preta nas contas dos estados e municípios. Se a União que tem vários analistas capacitados checando suas contas aprontou as "maquiagens e pedaladas" fiscais, imagem o que estados e municípios (com muito menos analistas se preocupando com tais contas) não fizeram!

Bom, no dia 7 de novembro de 2014 alertei:
"O governo federal tem usado e abusado da contabilidade criativa. Se no governo federal esta assim, imagine como não estará nos estados e municípios??? Se no governo federal, onde existe um bom número de experientes analistas vasculhando as contas públicas, a contabilidade criativa já destruiu a credibilidade do governo (hoje ninguém sabe exatamente o tamanho do rombo nas contas públicas), imaginem como não estará o caos nas contas de estados e municípios!!! Certamente 2015 será um ano de dolorosas descobertas referentes as finanças públicas".

No dia 29 de dezembro de 2014 fiz minhas previsões para 2015:
"Dezembro: será a vez dos estados e municípios darem o cano no pagamento de salários e de outras contas correntes. Várias estatais em dificuldades financeiras. Enfim, finalmente alguém vai descobrir que deixar tudo para "restos a pagar" não resolve o problema, apenas o esconde. Enfim, ficará claro que a contabilidade criativa, e a política fiscal irresponsável adotada pelo governo central, fez escola nos estados, nos municípios e nas empresas estatais. Várias caixas pretas aparecerão ao longo do ano na CEF, na Petrobras, e no BNDES. E, claro, nos estados e municípios".

CREDIBILIDADE: está me achando exagerado ou alarmista? Bom, no dia 12 de novembro de 2014 avisei de que faltaria dinheiro para o pagamento de servidores do Governo do Distrito Federal:
"Vocês leram direito, a situação aqui é tão ruim que é bem capaz de faltar dinheiro para pagar salários aos funcionários do Distrito Federal". Adivinhem o que aconteceu no dia 15 de janeiro de 2015... clique aqui para ver o que aconteceu.

REPITO: vários estados e municípios não conseguirão pagar os salários no final do ano. O caos fiscal está só começando. São várias as caixas pretas: CEF, BNDES, estatais...

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Considerações Sobre a Tributação no Brasil: Impostos Altos e Irresponsabilidade Fiscal

Neste vídeo faço diversas considerações sobre a tributação no Brasil. No Brasil temos uma combinação explosiva: Impostos Altos e Irresponsabilidade Fiscal. Para assistir clique aqui.

sábado, 5 de setembro de 2015

O Brasil e a História da Guerra do Peloponeso

A guerra do Peloponeso foi disputada entre as cidades estado gregas, de um lado Atenas do outro Esparta. No esplêndido livro "A História da Guerra do Peloponeso", o general ateniense Tucídides, temos uma passagem marcante "(...) e isso só terminaria com o incêndio do Pireu". Pireu era o porto ateniense, e a frase foi dita logo após a derrota numa batalha importante.

O parágrafo acima mostra que Tucídides rapidamente compreendeu a extensão de determinada derrota. Hoje a maior parte dos brasileiros ainda não compreendeu a extensão de nossa derrota. Os últimos anos praticamente implodiram nossa economia e sociedade.

Do ponto de vista econômico, é possível verificar uma clara mudança de postura da política econômica a partir de 2007 (meu amigo Roberto Ellery argumenta que a inflexão começou já em 2006). Tal mudança implodiu a economia brasileira: pouca preocupação com o déficit público (em especial uma crença de que não há problema algum num aumento da dívida pública), descaso com a inflação (num claro abandono do sistema de metas de inflação), e uma política cambial confusa que ora tenta desvalorizar ora valorizar o câmbio. Cresce a intervenção do governo no gerenciamento microeconômico das empresas. Seja alterando contratos (como no caso do setor energético), seja exigindo a demissão de funcionários do setor privado que criticam o governo petista, ou ainda usando o BNDES para direcionar o investimento (como no caso dos "campeões nacionais"). Nessa bagunça toda, ainda sobrou tempo para o governo reduzir artificialmente a taxa de juros inflando o crédito (o que elevou a probabilidade de inadimplência de boa parte dos brasileiros, e gerou grandes distorções no investimento privado). A essa confusão foi dado o nome de "Nova Matriz Econômica" (da qual o atual Ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, foi um dos idealizadores).

Do ponto de vista social, políticas que dividem a sociedade: mulheres contra homens, negros contra brancos, homossexuais contra heterossexuais, entre outras, passaram a ser regra. A demonização de adversários políticos, ou de simples pessoas que discordavam do regime petista, passou a ser rotina. Hoje quase 60 mil brasileiros são ASSASSINADOS por ano, o número de roubos é absurdamente alto, invasão e destruição de propriedade privada é rotina, mas a esquerda insiste em ignorar esses números de desintegração social.

A previdência é uma bomba relógio, existem esqueletos e mais esqueletos nas contas públicas (BNDES, CEF, petróleo, eletrolão, contas dos estados e municípios, etc.), a renda do brasileiro esta caindo e o desemprego aumentando. E eu pergunto a você nobre leitor: onde estão as reformas de que o país precisa? Onde esta a reforma tributária, a reforma previdenciária, a reforma na legislação trabalhista, a abertura econômica, e toda outra sorte de reformas necessárias para recolocar nosso país nos eixos?

Estamos caminhando firme e forte para mais uma década perdida, ou fazemos as reformas ou elas nos serão impostas a um custo maior. Infelizmente, creio que isso só terminará com o incêndio do Pireu.

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Crise Fiscal e Perspectivas para 2016

Saiba mais sobre a grave crise fiscal que assola nosso país. Logo em seguida veja algumas medidas que cedo ou tarde deverão ser tomadas para equilibrar o orçamento público. Por fim, conheça minha expectativa para o ano de 2016. Para assistir clique aqui.


terça-feira, 1 de setembro de 2015

Finalmente Levy entendeu!!! Os anos 80 voltaram! A Crise vai ser longa e feia!

Neste hangout comento sobre a semelhança entre o momento atual e a década de 1980. A crise será longa e dura, o PT nos levou de volta a década perdida! Para assistir clique aqui.

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email