terça-feira, 15 de agosto de 2017

Nosso futuro fiscal é sombrio: Nesse ritmo nossa dívida pública aumentará em R$ 900 bilhões em apenas dois anos! Precisamos aprovar as reformas

Amigos, as contas públicas estão em situação caótica. O governo acaba de elevar para R$ 159 bilhões a meta de déficit primário para 2017 e 2018. Os números já eram ruins, e o que o governo anunciou mostra a piora do que já era péssimo.

Vamos ser claros: essa piora não sai de graça para o contribuinte. Em primeiro lugar, mais déficit significa mais impostos no futuro. Em segundo lugar, as expectativas vão ficando piores o que pode pressionar negativamente a rolagem da dívida pública.

Alguns incautos acreditam que basta anunciar uma déficit maior e tudo bem. Errado! Ao anunciar o novo déficit o governo mostrou que foi incapaz de realizar os ajustes necessários na economia. Sim, eu sei que a arrecadação caiu. Sim, eu sei que a equipe econômica vem fazendo um bom trabalho. Contudo, o resultado continua ruim. O déficit primário anterior já era alto, e mesmo assim o governo foi obrigado a piorá-lo ainda mais para poder fechar suas contas.

O problema é que não há garantia alguma de que com esses novos números de déficit a boa vontade do mercado irá continuar. Pelo contrário, o mais provável é que com o passar do tempo as expectativas se tornem cada vez mais desfavoráveis. Pressionando ainda mais a economia, e jogando dúvidas sobre nosso futuro.

Ano que vem teremos eleições para governadores, deputados estaduais e federais, senadores, e presidente da República. Alguém realmente acredita em contenção do déficit ano que vem? Alguém realmente acredita que ano que vem os governos estaduais e federal irão tentar aprovar reformas e/ou reduzir o gasto público?

Não tem como isso acabar bem. Nesse ritmo nossa dívida pública irá aumentar em torno de R$ 900 bilhões apenas na soma de 2017 e 2018. Alguém realmente acredita que isso é sustentável? Vou repetir, nesse ritmo de déficits primário nossa dívida pública irá aumentar em espantosos R$ 900 bilhões em apenas dois anos. Um aumento de quase 30% no estoque da dívida em dois anos! O tempo para aprovar as reformas está acabando. Já disse e repito, a escolha hoje é entre fazer reformas ou aceitar a volta da inflação. Eu prefiro as reformas, mas infelizmente parece que iremos arcar mesmo é com a inflação.

2 comentários:

Anônimo disse...

Adolfo.

Uma crítica. No campo "gestão de pessoas", o foco vai estar todo no Executivo. Enquanto o Legislativo e o Judiciário são as maiores torneiras de despesa.

O Executivo gasta menos e é o motor do país. Não adianta nada reduzir os salários das carreiras do Executivo, e manter os mesmos privilégios do Legislativo e Judiciário. Podemos citar vários absurdos: verba de gabinete de 140K de deputados, auxilio moradia de magistrado e membro do MP de 5K por mês, salário de 20K para funcionário da gráfica do Senado, etc.

É mais revoltante quando verificamos q são os Poderes mais ineficientes da União. Enquanto o governo escangalhar o Executivo, o Legislativo e Judiciário vão nadar de braçada. Isso é um reflexo da divisão de competências legislativas, pois o Presidente só pode legislar sobre o Executivo.

Tem órgão do Executivo q não tem dinheiro para pagar fornecedor, telefone e energia.

Anônimo disse...

Acabaram as reformas, o Temer vendeu tudo para ficar no poder... só resta o Henrique Meireles e seu equipe abandonar o barco que veremos a Dilma parte II...

Google+ Followers

Follow by Email