sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Sou doutor e pós-doutor em Economia, mas não sou economista

Amigos, deixo aqui um aviso de utilidade pública.

Tenho graduação em economia pela Universidade Estadual de Londrina. Mestrado e Doutorado em economia pela Universidade de Brasília, e pós-doutorado em economia na Universidade do Alabama. Mesmo assim não sou economista. Motivo: não sou filiado (isto é, não pago) ao Conselho Regional de Economia. Sendo assim, não posso ser chamado de economista.

De nada valem minhas análises econômicas, de nada vale minha titulação, de nada adianta meus mais de 60 artigos acadêmicos publicados em revistas nacionais e internacionais. Também nada conta o fato de eu ter sido professor de economia na Universidade do Texas, na Universidade Católica de Brasilia, na Universidade de Brasília, ou no IBMEC. Como não sou inscrito no Conselho Regional de Economia não posso ser chamado de economista.

Quando dou entrevistas sempre aviso ao jornalista "Por favor, escreva doutor em economia". Peço para não dizerem que sou economista, afinal como não pago a anuidade, e nem sou inscrito, ao Conselho Regional de Economia não posso ser chamado de economista.

Você concorda com isso? Será que não está na hora de mudar isso?

13 comentários:

Anônimo disse...

O corecon é uma piada, tenho amigos com o mesmo problema. Trabalham com o assunto, sao mestre ou doutores em universidades de renome e não podem assinar os seus relatórios pois sao engenheiros de formação

Tiago Fernandes disse...

Barbaridade. O que interessa é a capacidade e exponente individual e não aquilo que uma organização ou grupo de indivíduos define em detrimento de uma mera quantia monetária.

Douglas Stange disse...

Com certeza. Também não sou afiliado. Acho um despautério ficar pagando anuidade a um Conselho que não nos cecedr nenhum benefício.

Diana Lima disse...

Órgãos de classe só servem pra arrancar dinheiro da gente. Um absurdo isso.

Anônimo disse...

http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2742

Anônimo disse...

https://www.institutoliberal.org.br/blog/economia/o-semeador-e-o-ladrilhador-sobre-a-regulamentacao-da-profissao-de-economista/

Anônimo disse...

Meu caro, entendo sua frustração, mas acredito que assim como o rapaz que é formado em direito, doutor em direito, phd em direito não é advogado pq não possuí registro na OAB, o mesmo vale para o economista.
Acabei de me formar e quando ví o valor da taxa de anuidade acho realmente salgada para quem acaba de entrar no mercado, mas, ao menos aqui na região, o CORECON-MA é bastante atuante apesar da insuficiência financeira pois há inúmeros inadimplentes e não registrados. e a atuação do CORECON aqui é muito superior a de qualquer outro movimento de economistas, me refiro a Síndicato (que existe mas aqui é uma sala vazia sem telefone nem atendente que apenas embolsa dinheiro - no sentido literal) veja como os advogados possuem força para exercer suas funções, veja os administradores delineando atividades e empresas da área de economia como sua pois somos pouco unidos nesse quesito. Tendo isso em vista eu apoio o CORECON, pois ele é quem representará o Economista quanto profissional, irá brigar pela nossa área, por editais para economistas e também deverá fiscalizar a boa atuação do profissional, dos projetos etc...
Existem outras coisas que o Conselho daqui também providência de modo a favorecer os registrados, como descontos em planos de saúde, cursos, livros, fomento a pesquisa, atividades com os universitários, disponibilizar caravanas para eventos e etc..
Por isso acho válido a permanência do registro, caso contrário sou bacharel em ciências econômicas, assim como bacharéis em direito.

Marco de Oliveira disse...

A mais antiga das carteiras, o diploma. Cadê o papel timbrado que diz que São Tomás de Aquino, Aristóteles, Platão, Santo Agostinho são filósofos? Passou da hora de mudar isso!

Marco de Oliveira disse...

A mais antiga das carteiras, o diploma. Cadê o papel timbrado que diz que São Tomás de Aquino, Aristóteles, Platão, Santo Agostinho são filósofos? Passou da hora de mudar isso!

Anônimo disse...

Isso é um absurdo. Tenho colegas servidores públicos em cargos que exigem apenas bacharelado em economia e que até hoje não conseguiram cancelar seus registros junto ao conselho regional de economia. Continuam tendo que pagar a anuidade. A maioria desses conselhos, em minha humilde opinião, não tem nenhuma utilidade. É melhor você continuar "apenas" doutor em Economia.

Flavio Nunes disse...

Concordo plenamente. É a mesma coisa em outras áreas se não pagar o "pedágio" não pode usar o título. Um absurdo. O que essas entidades colaboram para os profissionais da área? Nada !!!!

Cesar Auth disse...

Peraí, mas se a pessoa tiver apenas a graduação e não se filiar, qual seria a nomenclatura? Na minha opinião os filiados tem direito a usar o título "economista filiado", e os não filiados apenas "economista" ou "economista raiz" k

Anônimo disse...

Concordo totalmente. Sou graduado em economia, estou fazendo mestrado e estudando para o doutorado, dou aulas de economia no ensino superior e quando aparece faço algumas consultorias utilizando modelos econométricos e teoria econômica para explicar alguns fenômenos. No entanto, quando escrevo algum artigo de opinião ao Jornal não posso ser chamado de economista pois não paguei o CORECON. Não faz nenhum sentido.

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email