quarta-feira, 25 de abril de 2018

Texto Completo: "Efeitos da Inserção das Disciplinas de Filosofia e Sociologia no Ensino Médio Sobre o Desempenho Escolar"

Meus Caros,

O texto "Efeitos da Inserção das Disciplinas de Filosofia e Sociologia no Ensino Médio Sobre o Desempenho Escolar" está pronto para download.

Deixo aqui um pedido: leia o texto. Antes de criticar responda a seguinte pergunta:

1) Você conhece um único estudo feito para o Brasil sugerindo que a lei 11.684 (que tornou obrigatório o ensino de filosofia e sociologia em todas as séries do ensino médio) melhorou o desempenho escolar dos alunos?

Pelo melhor de meu conhecimento, nosso estudo é o primeiro a analisar o efeito da lei 11.684 sobre o desempenho escolar. Será que não é importante verificar o efeito de leis sobre o desempenho dos estudantes? As pessoas criticam o texto dando a entender que existe ampla evidência empírica de que a lei 11.684 foi benéfica. Isto está incorreto! Até o momento não existe evidência alguma de que tal lei foi positiva para os estudantes.

TALVEZ a lei 11.684 realmente tenha sido boa, mas até o momento não existe evidência disso. Será que não é importante verificar tais efeitos? Nosso estudo verifica o efeito dessa lei e conclui: a) a lei 11.684 foi responsável por uma piora nas notas de matemática; e b) tal piora foi mais acentuada para alunos de escolas públicas morando em localidades carentes.

Existem críticas ao estudo? Claro que existem, todo trabalho científico é sujeito a críticas. Contudo, dizer que os autores confundem "correlação" com "causalidade" beira ao ridículo. Por óbvio que nosso estudo leva isso em consideração. Dizer que o estudo não levou em consideração que o ENEM é voluntário é igualmente absurdo. No próprio texto ressaltamos isso.

De maneira geral, baseamos toda nossa estratégia de identificação para encontrarmos o oposto do que encontramos. Tudo isso para evitar encontrarmos efeitos negativos da lei. Em resumo, se encontramos resultados negativos é porque provavelmente a lei realmente piorou o desempenho escolar dos alunos em matemática, e tal piora foi realmente mais severa para alunos carentes.

Algumas críticas que merecem atenção:

a) nos olhamos notas do ENEM, mas nem todo desenvolvimento intelectual é capturado aqui. Talvez o efeito benéfico da lei 11.684 se dê numa redução das faltas dos alunos, ou numa redução da evasão escolar, ou numa redução das taxas de repetência, ou numa redução na propensão a incorrer em atividades ilícitas dos jovens. Sim, tudo isso é possível. Sim, é possível a lei 11.684 ter tido efeitos benéficos que não foram capturados por nosso estudo. Que tal você testar essas hipóteses? Creio que será uma contribuição importante.

b) será que não existem dados melhores? Sim, existem. Mas nós não tivemos acesso a eles. O INEP pode tentar usar sua base de dados restrita e produzir estudos mais precisos. Certamente será de muito interesse. Que tal os técnicos do INEP avaliarem a lei 11.684 com os dados que apenas eles tem acesso? Ou então que tal o INEP tornar públicos todos os seus dados, permitindo que outros pesquisadores possam melhorar nossas estimativas? (sim, eu entendo que essa é uma questão delicada, de maneira alguma estou criticando o INEP).

c) será que outras estratégias de estimação não seriam superiores? Talvez, no momento nossa estratégia pareceu ser a melhor possível em virtude da restrição de dados. Mas certamente outros estudos podem ser feitos.

d) Será que outros choques não ocorreram? Sim, mas nós tentamos controlar esses efeitos. Fizemos diversos testes, inclusive com a estimação de placebos. De maneira geral, nos pareceu que o efeito da redução na nota de matemática foi realmente decorrência da Lei 11.684. Contudo, outras análises são bem vindas. Se você tem outra explicação, então escreva seu texto, elabora sua hipótese e faça os testes estatísticos para comprovar ou não sua hipótese.

e) Será que outras metodologias não poderiam ser usadas? Claro que poderiam. Nós utilizamos a metodologia padrão no mundo para avaliação de impacto. Mas certamente outras metodologias poderiam contribuir para o debate.

Em vez de xingar os autores, leia o estudo. Se discorda dele elabore suas hipóteses e escreva seu texto. Utilize uma metodologia científica adequada e debata os resultados. A ciência avança com o debate de ideias, não com ofensas.

Nossas crianças merecem nosso respeito. O tema educação é vital ao nosso país. Eu o convido para debater nosso texto, e saiba que seus comentários são bem vindos.


Um comentário:

Anônimo disse...

Parabéns!

Google+ Followers

Follow by Email