quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Handball e Política Industrial

O que é política industrial? Política industrial é um conjunto de medidas adotadas pelo governo para fortalecer determinada indústria. A idéia do governo é que ao fortalecer determinadas indústrias toda a sociedade se beneficia. Por exemplo, ao ajudar determinada indústria o governo acredita que isso irá ajudar a desenvolver uma série de outras indústrias e serviços na economia. Dessa maneira, geralmente indústrias consideradas estratégicas pelo governo recebem algum tipo de ajuda governamental. A crítica óbvia a essa política é: se tais indústrias são tão importantes, por que o próprio setor privado não investe nelas? As respostas dos defensores da política industrial são: a) existem indústrias estratégicas (tipo defesa nacional) que não devem ficar sob controle de capital estrangeiro; b) existem ganhos de escala em algumas indústrias, logo elas precisam de ajuda do governo nos estágios iniciais de produção; e c) determinadas indústrias geram grandes externalidades positivas que não podem ser captadas apenas pelo setor privado.

Uma das políticas industriais mais antigas em vigor no Brasil é o Handball. Desde o começo da década de 1970 as escolas públicas e privadas ensinam esse jogo misterioso para o brasileiro. Notem que em 1970 o Brasil já era tri-campeão mundial de futebol, bi-campeão mundial de basquete, e tinha tido sucesso em uma série de outros esportes. Mas por algum motivo, que me foge ao conhecimento, as autoridades governamentais decidiram que as escolas brasileiras deveriam ensinar handball aos alunos. Note que ocorreu uma maciça transferência de recursos dos outros esportes para o handball. Por exemplo, os professores gastaram um tempo imenso ensinando aos alunos a jogar handball; tempo esse que não pode ser usado para se descobrir novos talentos no judo, no volei, no basquete, etc. Os alunos também gastaram um tempo imenso tentando aprender esse jogo; tempo esse que não pode ser usado para a prática de atletismo, natação, etc.

Quase 40 anos depois, qual foi o resultado da política industrial de handball? Até hoje o Brasil tem um péssimo time de handball, a liga de handball esta longe de atrair a atenção do público e, se por algum motivo, amanha pararmos de ensinar handball nas escolas poucas pessoas irão sentir sua falta. Contudo, o custo dessa política insensato foi imenso: vários talentos deixaram de ser descobertos. Note que nesses 40 anos de apoio ao handball o Brasil obteve títulos mundiais no volei, na natação, no judo, no atletismo, no basquete (feminino), entre outros. Isto é, um dos únicos esportes coletivos onde nunca ganhamos nada em nível mundial foi justamente onde o governo decidiu investir. Coincidência? Julgue por você mesmo. Se não quer o exemplo do handball pense na indústria da informática, ou nas usinas de Angra, ou na Engesa (aquela estatal que produzia armamento e que foi privatizada por R$ 1,00 – com direito ao comprador devolver a empresa se a dívida fosse maior do que a declarada), ou em qualquer outra indústria que o governo tentou desenvolver.

Mais um detalhe: por acaso você acha que o resultado da política industrial é parecido com o resultado de políticas de desenvolvimento regional? Se acha que sim, você está correto. O resultado é exatamente o mesmo: puro desperdício de recursos. Ou alguém irá afirmar que a SUDAM e a SUDENE levaram o desenvolvimento ao norte e nordeste brasileiro?

5 comentários:

Mônica disse...

Acho que não dá pra acertar sempre. Se decidiu-se apostar no handball é porque acreditou-se no seu sucesso entre os brasileiros. E os jogos pan-americanos mostraram que o Brasil serve muito bem pra coisa. Pode ter demorado, mas os resultados - a longo prazo -estão começando a aparecer.
Agora SUDAM E SUDENE são exemplo de estratégias mal reformuladas que nem sequer mostraram pra que vieram...
Fazendo mais um paralelo entre handball e SUDAM e SUDENE, pode-se dizer que handball é um esporte pra todas as classes sociais. É necessário apenas uma bola e todos podem jogar. Agora, esses últimos é um jogo pra elite, pois elas ditaram as regras e colheram os resultados.
Realmente eu - que estudei a vida inteira em escola pública e vi muitas pessoas adorando jogar handball sem serem forçadas a nada - não consigo fazer colocar o handball num mesmo patamar dessas estratégias furadas.
E mais eu acredito no sucesso do handball do Brasil!

Anônimo disse...

Adolfo,

A política industrial, como é praxe nessas bandas ensolaradas do hemisfério sul, é sempre elaborada no contexto da BOQUINHA. É a lógica de um ex-presidente bigodudo: "AOS AMIGOS, TUDO. AOS OUTROS,... ORA! QUE SE DANEM!"

J. Coelho

Anônimo disse...

Politica Industrial,como você disse, serve para fortalecer uma determinada indústria. Logo está fora dos principios liberais por definição que prega exatamente uma substancial igualdade do poder econômico. Entretanto,o questionamento fundamental é empírico. Fizemos politica industrial basicamente de JK para cá. Deu certo? Você gosta do que estamos usufruindo ? São os produtos produzidos pelas industrias protegidas até hoje bons e baratos ?
Um abraço Adolfo.
Marco B

Anônimo disse...

Gente, q absurdo!
Perdeu uma grande chance de ficar calado. Em relação a politica, vc pode está certo, mas, q estão desviando verba dos esportes q trazem titulo para o brasil, para investir no handebol, axo q vc esta totalmente equivocado. o Handebol hj eh o segundo esporte mais jogado no país, tem ótimos atletas( ex: Brunno souza 3º Melhor jogador do mundo e Chana massom Uma das melhores jogadoras do mundo) mas falta incentivo nas categorias de base, falta uma boa politica para levar o esporte para frente. Das 16 jogadar q vao para as olimpiadas, 14 jogam na europa, e em times super conceituados, sabe pq isso? pq aqui naum tem lugar para elas. Moro no MT, em categorias de base o estado vem se destacando na modalidade. Jogares em seleçao brasileira, uns jogando em otimos clubes em Sao Paulo.
Enfim, mesmo sem apoio, mesmo sendo um esporte novo no país, o handball vem crescendo e tudo mais.
O tanto q vc eh desenformado q o handebol de areia, tem mais titulos do q o volei de praia. Tri-campeao mundial!
soh isso!
Acorda kra!
Naum eh determinado investimento q se faz no esporte q é a razao do mal funcionamento desse país, vai alem disso!

Gustavo disse...

O handebol no Brasil SEMPRE contou com iniciativas individuais até o fim da década de 90 onde a confederação brasileira de handebol passou a ter patrocinido da petrobras. Dizer que existem incentivos ao handebol como política públia é imensamente absurdo, estudei em esola pública minha vida toda e o handebol apresentado estava longe de um programa sistematizado voltado ao rendimento e descobrimento de novos talentos, e mesmo assim eles aparecera, o Brasil é campeão mundical de handebol na praia, modalidade nova, que permite a disputa em pé de igualdade aos paises que já tem o handebol como elemento de sua cultura, a exemplo do futebol no brasil e o basebol nos EUA.Comparar a politica subsidiária a este esporte é insano, beirando ao ridículo, e ainda por cobrar resultado é absurdo. Um pouco de estudo de história do esporte permitirá a qualquer leitor a discordar do presente texto e refletir melhor numa relação com os tais incentivos tratado pelo autor. E peço encarecidamente que não menospreze os esforços daqueles que lutam e acreditam no handebol brasileiro. Se qeuiser questinoar ou comparar os tais incentivos industriais os compare com os do ex prefeito Paulo maluf que preferiu construir o minhocão a fazer metrô, ou o Serra que faz uma ponte que liga nada a lugar nehum, ou ainda Marta suplici que constroi um túnel que na inauguração enche d'agua, ou tantas outras escolhas bizarras dos políticos brasileiros.
GUSTAVO MAIONI CARVALHO Estudante de Educação Física da Universidade de São Paulo e técnico de Handebol

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email