terça-feira, 4 de setembro de 2007

Corrupção x Subsídios

Se você tivesse que escolher entre morar num país corrupto ou num país cheio de subsídios, qual seria sua escolha?

Eu escolho o país corrupto. Motivo: corrupção causa menos distorções na economia do que subsídios. Em alguns casos extremos, a corrupção até ajuda a diminuir a distorção na economia e promove o crescimento econômico. Por exemplo, imagine um país extremamente burocrático. Vamos assumir que neste país leve-se 3 meses para abrir um negócio. Contudo, se você aceitar pagar propina seu negócio pode ser aberto em 1 semana. Este é um exemplo onde corrupção claramente afeta positivamente o crescimento econômico. Sem ela, o ritmo de negócios seria muito mais lento. Claro que esse tipo de comportamento também aumenta os custos de abertura de empresas, e isto é ruim para a economia. O melhor mesmo seria viver num país que fosse possível a abertura de um negócio em menos de 1 semana e SEM pagamento de propina. Entretanto, se esta opção não existe, a corrupção pode efetivamente ajudar na economia. De qualquer maneira, sempre podemos entender a corrupção como um imposto do tipo lump sum. Em palavras, a corrupção não afeta a escolha dos indivíduos, apenas diminui sua renda. Do ponto de vista técnico, isto implica que a corrupção não afeta a eficiência econômica.

No caso dos subsídios a história é bem diferente. Os subsídios são dados a um grupo específico de empresas. Isto implica que tais empresas têm acesso a benefícios, proporcionados pelo governo, que não estão disponíveis a outras empresas. Em palavras simples, isto ALTERA a alocação de recursos entre empresas. Torna empresas que antes eram ineficientes em empresas eficientes; isto implica que mais recursos serão destinados as empresas que receberam o subsídio. Assim, altera-se a composição da economia: recursos deixam de ir para setores que ANTES eram eficientes e passam a ir para setores que ANTES eram ineficientes. Ou seja, a economia como um todo se tornou mais ineficiente.

Para tornar a discussão mais clara, imagine dois países A e B onde corrupção e subsídios são inexistentes. Contudo, por algum motivo, A torna-se corrupto e B começa a fornecer subsídios. Após 20 anos tanto A como B conseguem eliminar a corrupção e os subsídios, respectivamente. Temos que A atingirá imediatamente um nível de bem estar mais elevado, mas o mesmo não é verdade para B. Após 20 anos de distorções nos investimentos, a economia de B promoveu as empresas ineficientes, e isto implica num custo de ajustamento muito alto. Mesmo após eliminar os subsídios, a economia do país B levará algum tempo até conseguir retornar a uma alocação eficiente de recursos, e neste tempo o bem estar da economia irá cair ainda mais.

Em resumo, o melhor mesmo é viver num país livre de corrupção e livre de subsídios, mas se isto não for possível eu fico com o país corrupto. Obviamente, o pior dos mundos é um país que além de corrupto é cheio de subsídios.

4 comentários:

Anônimo disse...

corrupção pode afetar a escolha dos indivíduos sim, com repercussões sobre a eficiência econômica. Um exemplo: indivíduos podem decidir acumular menos capital humano caso o os ganhos com corrupção sejam muito elevados. Outro exemplo conhecido da literatura é a corrupção com indutor de distorções na alocação do gasto público (o que é mais fácil, reduzir salário de funcionário público ou contingenciar verba para a saúde?)

Augusto disse...

Em síntese: estamos no pior dos mundos!

Anônimo disse...

O problema é que no seu exemplo o subsidio só pode existir se houver corrupção (para garantir tal privilégio).Portanto, o problema é o mesmo!
Um abraço
Marco

Anônimo disse...

Adolfo,

Você fala de corrupção como um imposto lump sum. Não sei, não. Para ser assim, a corrupção teria de afetar a todos da mesma forma, não afetando as rendas relativas. Não poderia distorcer preços relativos. Só que, meu amigo, as coisas não parecem ser bem assim. Basta observar a rapidez com que indivíduos (ou firmas) beneficiados pela corrupção crescem. Grupos que não existiam há bem pouco tempo transformam-se em potências empresariais muito rapidamente. Indivíduos sem recursos tornam-se milionários da noite para o dia. Exemplos? As Planans e as Gautamas da vida; as fazendas nordestinas de bois laranjas com altíssima produtividade; os ranários financiados pela SUDAM; e outros tantos. Não sei se essa distorção é maior ou menor do que a causada pela burocracia. Mas que a corrupção distorce, disso não tenho dúvida. Eu sei que há estudos, mesmo de conhecidos nossos, estimando as perdas de produto causadas pela corrupçao. Mas existe algum que discuta as perdas pela incidência de subsídios?

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email