domingo, 24 de fevereiro de 2008

Entrevista com Nemerson Lavoura, autor do Blog Resistencia

1) No ano passado, surgiu a idéia de se julgar os crimes cometidos pela ditadura no Brasil. Seu blog, o Resistência, levantou a bandeira de se julgar TAMBÉM os crimes cometidos pela esquerda. Por que a grande maioria da imprensa se esquece que a esquerda cometeu crimes na época da ditadura? Por que criminosos procurados em outros países encontram abrigo como “assessores” de partidos de esquerda no Brasil?

Se for para rasgar a Lei de Anistia e julgar os crimes da ditadura, não há justificativa lógica para que não se julgue também os crimes da esquerda que também foram anistiados. A não ser que se considere que os assassinatos, tentativas de assassinato, seqüestros, assaltos a bancos, danos ao patrimônio, lesões corporais e, mais genericamente, o terrorismo promovido pelos militantes esquerdistas não constituíram crime algum. E é exatamente isso o que procura fazer crer a nossa esquerda caquética, retrógrada e autoritária incrustada nas redações de jornais e revistas, nas salas de aula e, em grau maior ainda, nas ONGs que costumam “exigir” (sempre de olho numa graninha...) a revisão da Lei de Anistia. Para esses dinossauros stalinistas, as barbaridades cometidas pela esquerda foram mera “resistência democrática, justificada pela dureza da repressão”. É claro que tal bobagem não resiste a 30 segundos de análise inteligente. O problema é que raramente nos dão esses 30 segundos. Normalmente, só eles falam!
A grande pergunta é: por que a esquerda latino-americana ainda segue, com fervor religioso, uma ideologia tão primitiva e totalitária, capaz de justificar atos bárbaros como o assassinato de duas crianças pelo dirigente do PSOL Achille Lollo? Por que é tão incapaz de fazer um mea culpa sincero e de modernizar-se, como fizeram o Partido Trabalhista britânico e o PSOE espanhol? Qualquer tentativa de resposta a essa pergunta ocuparia algumas páginas, no mínimo, mas eu gostaria de apontar dois possíveis caminhos para respondê-la.
1º) Fisiologismo. Para entrar nos clubinhos que costumam se formar nas universidades públicas, nas redações e nas ONGs, você precisa mostrar que pensa como a maioria, Senão, não tem emprego para você, meu chapa. Ao menos, não nos principais clubinhos.
2º) Novos acontecimentos e novas idéias demoram a se disseminar pela América Latina. Só daqui a uns 30 anos os nossos australopitecos socialistas vão descobrir que o muro de Berlim caiu e o comunismo morreu.

2) A página de abertura de seu Blog mostra uma foto do massacre da paz celestial na China. Qual é sua opinião sobre a China? Ela realmente evoluiu?

Comparando a situação atual com a de seu passado maoísta, não resta a menor dúvida de que o país evoluiu. Nascer na China de Mao era nascer na ante-sala do Inferno: havia fome, miséria material e moral, Gulag e morticínio político - tudo em escala astronômica, configurando um dos mais horrendos pesadelos comunistas da história (e olha que a competição é acirrada!). Olhando para esse passado terrível, não há como negar que o país melhorou após a introdução de um certo capitalismo, ao mesmo tempo parcial e selvagem (não há direito de greve...) em sua economia. As principais cidades enriqueceram, a classe média cresceu e o regime afrouxou um pouquinho a repressão política (o PCC continua controlando tudo, das “eleições” à Internet). No campo, a situação ainda é de miséria e de desrespeito total aos direitos humanos – mas sem a fome do período maoísta - exatamente porque lá as reformas capitalistas tiveram pouquíssima penetração.
O país evoluiu, sim, mas essa não é uma boa notícia para os dirigentes comunistas chineses. Em minha opinião, caso o crescimento econômico acelerado se mantenha, em breve a classe média, cada vez mais numerosa, começará a exigir maior participação nas decisões políticas do país, o que só pode ser concedido mediante alguma forma de governo democrático. Por outro lado, caso haja alguma crise econômica, os manda-chuvas comunas serão enxotados mais rapidamente. O alto crescimento da economia é condição sine qua non para o PCC prolongar o atual status quo. Se não me falha a memória, o último tropeço econômico chinês resultou no Massacre da Praça da Paz Celestial.

3) Entre Serra, Aécio, Ciro Gomes e Lula, qual seria seu ordenamento? Qual é o pior deles? Por quê?

Antes de qualquer coisa, gostaria de ressaltar que eu não morro de amores por nenhum dos quatro nomes apresentados. Feita a ressalva, vamos adiante.
O mais preparado para assumir a Presidência é o Serra, sem dúvida. O governador de SP é inteligente e possui um ótimo perfil administrativo. Em segundo lugar, eu escolheria o Aécio. Para ser sincero, eu não gosto muito desse cara – e isso tem muito pouco a ver com suas alianças com o PT mineiro. O Aécio tem a maior pinta de “traíra”, além de ser muito “vaselina” e metido a “politicamente esperto” para o meu gosto. No entanto, o governador de MG é bem melhor do que os dois nomes seguintes.
Bom, agora vem a parte difícil da pergunta. Lula, dos quatro nomes, é o único que já foi testado na Presidência – e nós sabemos o que é seu governo: inércia, incompetência, amoralidade, fisiologismo e patrimonialismo descarados e um eterno desenrolar de escândalos de corrupção. Entre Serra, Aécio e Ciro, este último é certamente o único que tem potencial para fazer um governo ainda pior do que o de Lula, pois certamente o oligarca cearense mexeria na herança bendita de FHC na economia. Por isso, entre Lula e Ciro eu prefiro... huuumm, deixe-me ver... uni-du-ni-tê... Ih, deu Ciro Gomes em terceiro lugar! Bem, pelo menos a “rede de proteção” ao Ciro na imprensa será menor. Eu acho.

4) Por que o estado de São Paulo não lidera uma grande cruzada liberal pelo país?

Boa pergunta, mas eu não sei a resposta. Talvez seja melhor dirigi-la a um paulista. Eu torço para que tal cruzada aconteça, mas sem muita esperança. Aqui no Rio e em boa parte do resto do país, o que se tem visto é que – parafraseando o dito da época do Império – não há nada mais socialista do que um “liberal” brasileiro no poder.

5) Se você pudesse aprovar uma única lei no Brasil, qual lei seria essa?

Caso me fosse dada essa oportunidade, e eu resistisse à tentação de promulgar uma lei do tipo “Toda mulher bonita fica terminante proibida de resistir às cantadas do Nemerson. Revogam-se as disposições em contrário”, então acho que seria esta (em linguagem não-jurídica):

“Haverá apenas um imposto no país, abolindo-se todas as demais taxas, impostos, contribuições e assemelhados. O novo imposto único será escolhido pelo Congresso Nacional, mas não poderá em nenhuma hipótese incidir diretamente sobre o salário dos trabalhadores, e o valor de sua alíquota será decidido em plebiscito no qual tomarão parte apenas aqueles por ele afetados, direta ou indiretamente.”

Ah, o governo pode vir a ficar sem verba para continuar a exercer as suas atividades precípuas? OBA!!!

8 comentários:

Anônimo disse...

"A dívida externa morreu"
Postado por Carlos Alberto Sardenberg em 21 de Fevereiro de 2008 às 10:49

blog do Sardenberg:http://colunas.g1.com.br/sardenberg/

Como funciona o calculo da divida externa e o que o autor quis dizer com: "Estabilidade macroeconômica longamente construída"
poderia falar sobre isso?

César Carlos
Aluno UCB

Daniel M. disse...

Adolfo
Como sujeito nascido em SP, vou ajudar a responder a pergunta n. 4. Os paulistas não lideram uma cruzada liberal simplesmente porque não existe esse suposto sentimento pró-indivíduo em SP. Para piorar, as pessoas que têm alguma noção das coisas se acovardam diante do exército vermelho. Alguns fatos demonstram que o estado com maior
renda per capta do país (o DF não conta, é só sacanagem) tem uma mentalidade que pouco difere das outras unidades:

1. O eterno discurso estado-dependente da FIESP (Ah minha bolsa-BNDES!!!);

2. As baboseiras produzidas pelos departamentos de economia da USP, UNESP e Unicamp;

3. A choradeira diante dos pedágios nas rodovias. As estradas são, provavelmente, a única coisa realmente diferente em SP, mas se dependesse do “paulista” seria a mesma porcaria do restante do país.

Reginaldo Almeida disse...

Quanto aos crimes da esquerda, imaginem então um governo cujo Goebels é um sequestrador...

Estamos bem parados!

Angelo da C.I.A. disse...

Faltou perguntar para o entrevistado quando é que o "Resistência" voltará às suas atividades normais.

Leandro F. de Souza disse...

como paulista eu talvez possa acrescentar algo na resposta à pergunta nº4:

a verdade é que a maioria dos paulistas/paulistanos não estão nem aí para o que acontece no resto do país, afinal de contas, "por quê se preocupar com os problemas das outras cidadezinhas se a nossa é a maior do país e da América Latina?"

Anônimo disse...

Semana passada participei de uma banca e o candidato mostrou uma figura descrevendo o PIB per-capia dos estados brasileiros entre 1940 e 2006. Dois segundos olhando para figura são suficientes para explicar porque SP não lidera uma cruzada liberal. Se alguém tem estes dados é só fazer a figura, para quem não tem os dados uma dica: advinhem em qual período o PIBpc paulista mais cresce em relaçao ao de outros estados... um doce sabor milagre para quem acertar.

Roberto

Anônimo disse...

Ótima idéia de julgar os esquerdistas criminosos. Só que o país inteiro teria de ser julgado por conivência....

Só daqui a uns 30 anos os nossos australopitecos socialistas vão descobrir que o muro de Berlim caiu e o comunismo morreu.

Com todo respeito, discordo com a citação acima. Os socialistas já sabem, muito bem, que suas idéias são uma fraude. Portanto, escondem a verdade e propagam mentiras PROPOSITALMENTE. Com isso, esperam auferir ganhos diretos ou indiretos (um ministério aqui, uma reitoria ali...).

Caso nossos liberais continuem cegos para a infinita malícia dos socialistas, achando que eles ainda não "descobriram" a verdade, estamos perdidos. Não conseguiremos nem iniciar a batalha.

Fabio

Orlando Tambosi disse...

Concordo com o Angelo: o Resistência parou de resistir?

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email