domingo, 11 de maio de 2008

Por que ajudar Myanmar?

Uma terrível catástrofe se abateu semana passada em Myanmar. Mais de 50 mil pessoas podem ter perdido a vida. A comunidade internacional esta mandando ajuda, minha pergunta é simples: está correto ajudar Myanmar?

Se Myanmar fosse um país democrático, onde a liberdade individual fosse respeitada, creio que minha pergunta não teria sentido. Contudo, este é um país ditatorial, onde as liberdades individuais são severamente coibidas. Ajudar esse país, na presença de uma catástrofe, pode significar eliminar a chance de mudança. Uma tragédia é sempre uma tragédia, mas ela pode trazer mudanças positivas. Por exemplo, pode enfraquecer o poder central o suficiente para abrir caminho para uma série de mudanças em prol das liberdades individuais. Ajudar tais ditaturas pode causar mais danos do que benesses a longo prazo. Por exemplo, tão logo a ajuda internacional chegue e o governo central tentará usá-la em proveito próprio para fortalecer o regime. Isso já aconteceu antes numa série de países. Na Somália as milícias locais usavam os mantimentos, enviados pelo resto do mundo, para fortalecerem seu apoio junto a população. Na Coréia do Norte, anos de ajuda internacional evitaram que a população local morresse de fome, mas evitaram também o enfraquecimento do regime comunista norte-coreano que era o responsável direto pela pobreza assombrosa do país.

Ajudar ditaduras na esperança de que elas reconheçam o favor é estupidez pura e simples. Pior do que isso, pode fortalecer regimes que agem contra os interesses da população local. A ajuda internacional dificilmente chegará a população necessitada, seja por causa da corrupção, seja por causa da interferência do poder político local, ou apenas por incompetência. No mais das vezes tais ajudas internacionais costumam salvar governos, mas não a população.

6 comentários:

Anônimo disse...

É, pode ser. Vejamos outro lado da questão. Imaginemos que os “humanitários” países, generosos doadores, tenham fortes relações comerciais naquele país, com resultados altamente compensadores...
Faria diferença alguns aviões de alimentos? E o ganho na mídia, na propaganda?

Anônimo disse...

Normalmente, esse tipo de ajuda é canalizado pela ONU, um dos centros do comunismo internacional. É do interesse direto dessas organizações manter esses regimes assassinos, que serão úteis no seu projeto de formação de governo mundial.

É a mesma lógica que usam para pleitear mais "ajuda" internacional (até 0,7% do PIB dos países ricos), para "metas do milênio" e outros programas escusos.

Já ficou patente, após injetados TRILHÔES de dólares de IDA ("international direct aid") em países do terceiro mundo, que a tal ajuda não beneficia os pobres daqueles países e perpetuam os corruptos no poder. No livro "The White Man's Burden", William Easterly demole as justificativas para continuar com esse tipo de ajuda internacional.

Fabio

Anônimo disse...

A ONU é um dos centros do comunismo internacional???
Ora, quem MANDA na ONU são os Estados Unidos... Que indicam e destituem TODOS os Secretários-Gerais da Organização. Que controlam o seu orçamento. Que usam a Organização em prol dos seus interesses específicos. E que sustentam regimes totalitários pelo mundo todo.

D.A.M. disse...

Concordo com seu argumento,o capitalismo não deve financiar esses regimes opressores que já teriam caindo. Mas uns dos argumentos de não se ajudar Myammar e que se aqui tem pobreza, tem que ajudar primeiro os brasileiros, esse é o mesmo argumento devemos comprar de brasileiro e não por exemplo de indianos, onde existe muito mais pobreza, isso causa uma brecha pro governo "o salvador" interferir e que as pessoas tem que comprar de brasileiros e ainda que brasileiros são melhores que outros povos e outros melhores que nós. Afinal não somos todos iguais.

Paulo Bala disse...

A canção célebre "we are the world" indiretamente ajudou a fortalecer as milícias na Somália. Os milhares de mantimentos jogados por aviões eram tomados pelas mílicias que assim economizavam dinheiro com alimentos e podiam comprar mais armas, além de poderem manipular mais ainda a população. Myanmar está dominado por gangues.

Anônimo disse...

Não o consigo entender, como sequer é suscitada a questão de ajudar ou não? Há pessoas subnutridas, crianças famintas,
Não entendo, como pode ser prejudicial a ajuda humanitária seja da Onu ou de uma qualquer Ong. Talvez não ajude não altere a situação do país, mas também não creio que a indiferença mundial
face a tragédia humana aliada a precária conjunctura do país seja algo benefico para quem. Sim porque se não houver ajuda o regime político vai se sentir minimamente abalado e a democracia reinará... p.f ...
Menos politica e mais humanitarismo também se recomenda.

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email