terça-feira, 24 de junho de 2008

Seriam os Amarelos mais Inteligentes do que os Negros?

Os japoneses chegaram ao Brasil há 100 anos atrás. Eram pobres, não falavam o idioma local e tampouco eram apreciados culturalmente pelos brasileiros. Durante a segunda guerra mundial sofreram enorme discriminação e chegaram a ser isolados em determinadas localidades no norte do país (literalmente no meio da selva).

Os chineses que migraram para os Estados Unidos eram extremamente pobres, não eram capazes de se comunicar em inglês e eram discriminados violentamente pelos americanos. Sofreram mais ainda durante a segunda guerra mundial, uma vez que os americanos eram incapazes de diferenciá-los dos japoneses. Basta assistir um filme sobre o velho oeste americano e você verá o tratamento que os chineses recebiam na América do século XIX.

Os japoneses no Brasil e os chineses nos Estados Unidos são exemplos de minorias que, partindo de condições iniciais adversas, venceram a discriminação. Por que os negros não são capazes de fazer o mesmo? NÃO acredito que os negros sejam intelectualmente inferiores a qualquer outra raça. Assim, descartando a opção genética só podemos inferir que os negros, tendo partido de uma condição inicial inferior, foram incapazes de trabalhar e estudar no nível requerido para vencer a discriminação. Isso não quer dizer que os negros sejam preguiçosos ou relapsos, mas aponta na direção a ser perseguida: quando se parte de um estoque inicial de riqueza inferior, trabalhar mais é uma das poucas opções que restam. Os amarelos seguiram essa idéia e venceram, creio ser esse o caminho para o sucesso dos negros.

Não quero dizer que os negros não sofram com a discriminação, digo apenas que a maneira de vencê-la é seguir o exemplo de raças que já sofreram do mesmo mal e venceram. Se não quisermos olhar o exemplo dos amarelos, vamos ver o exemplo dos judeus (sem dúvida uma das raças mais discriminadas da história). Estudo duro e trabalho árduo foi a arma adotada pelos judeus para vencer barreiras discriminatórias.

As políticas de ação afirmativa, entre elas o regime de cotas, têm poucas chances de melhorar a situação dos negros ou de qualquer outra minoria. O mais provável é que elas AUMENTEM a discriminação. Por exemplo, converse com as mães de garotos brancos pobres que tenham ao redor de 17 anos. Você verá o AUMENTO da discriminação contra negros e índios. Afinal, tais mães sentem na pele que seus filhos estão sendo prejudicados. Pegue o exemplo de dois vizinhos, com rendas similares, um negro e um branco. Por que o filho do negro, exposto as mesmas condições, deve levar vantagens em relação ao filhos do branco?

A idéia de cotas não é nova. No Brasil temos cotas para entrar na Universidade, para limitar a participação de estrangeiros no mercado doméstico, para garantir emprego público e privado para determinadas minorias, e até para a quantidade de bens de outro país que podemos adquirir. Tais políticas costumam ter resultados OPOSTOS ao que apregoam, isto é, pioram a situação dos mais pobres.

2 comentários:

Badger disse...

Excelente análise Adolfo. Muito lúcida.

clipmasterjki disse...

Dizer que o negro é mais forte; que no basquete é imbatível; no boxe ganha todas; que o negócio dele é maior que o do branco. Dizer tudo isso não é considerado racista. Agora, por que é racismo se for comparado a inteligência ?

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email