terça-feira, 14 de abril de 2009

ABSURDO na Universidade Federal de Santa Maria

Nao basta ser negro, tem que se sentir discriminado...

A decisao da UFSM beira o estimulo a conflitos raciais: para entrar na cota de negros, o negro tem que se sentir discrimiando.

A politica de cotas eh um erro, mas exigir que o candidato diga que se sente discriminado eh estimular os conflitos raciais.

3 comentários:

Marco Bittencourt disse...

O imbe666cil do reitor ou pro qualquer coisa não entende da lógica mais tacanha: ele mesmo forneceu a prova da discriminação. A defesa é simples: não a deixam ser parda. Com quase certeza, o fato importante seria que os dois não mereceriam estar numa universidade. Mas será que esse é o retrato das nossa universidades: um reitor tantã e uma aluna esperta? Obs.: Não me lembro do nome do filme em que os oficiais da SS faziam o teste racial. Com certeza deve ter alguma ligação sanguínea (ou será sentimental) com o nosso reitor de olhos azuis que faz teste racial ou , na certeza de que raça é pra cachorro, teste de negritude. Adianto logo para todos os fins que sou pardo e estou constrangido com esse fato inusitado.

JOÃO MELO disse...

Adolfo, desde que ouvi falar em cotas, sou contrário. Existem maneiras de obter melhor resultado sem esse tipo de discriminação. Essa política que o Nosso Guia estimula, pode anotar, prejudicará as próximas gerações.
Abraço,
João Melo, direto da selva

MARCUS AURÉLIO ALVES CARNEIRO disse...

VOCÊ ESTÁ UTILIZANDO LINGUAGEM DE MSN "EH" NÃO EXISTE ADOLFO

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email