quarta-feira, 12 de agosto de 2009

O Fim de uma Era

Em 1998 foi aberto o programa de Mestrado em Economia da Universidade Católica de Brasília. Em menos de 10 anos esse projeto evoluiu para um programa de doutorado em Economia com nota 5 na CAPES (nota igual ao programa de economia da PUC-RJ, do CEDEPLAR, e da UFRGS, por exemplo).

Eu me juntei ao grupo de economia da UCB em agosto de 2000, época em que o programa ainda nem era reconhecido pela CAPES. Desde então vitórias e sucessos não faltaram. Acredito que nosso programa atingiu seu apogeu em 2004, época em que tive o prazer de ser o Diretor do programa. Foi em 2004 que o programa de economia da UCB obteve sua vitória mais expressiva: foi o centro de economia, no Brasil, com o MAIOR NÚMERO DE PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS POR PROFESSOR (medido pela CAPES). Deixamos para trás gigantes como a FGV-RJ (EPGE), USP e UnB. Foi também em 2004 que estavam reunidos na UCB o maior número de professores de prestígio internacional (com artigos no JPE, Economic Journal, entre outros). Além disso, havia negociações concretas para trazer outros dois professores que na época lecionavam nos Estados Unidos.

Excelente ambiente de trabalho, alta produção científica, interação com pesquisadores de ponta: em 2004 se deu o apogeu do programa de economia da UCB. Após 2004 um problema, característico de lugares altamente competitivos, passou a assolar a UCB: a perda de seus talentos. Apenas para dar ao leitor uma breve idéia desse problema, temos que após 2004 o programa de economia da UCB perdeu 3 de seus professores para o exterior, e outros 4 para outras universidades brasileiras. Num programa composto de 11 professores essa não é uma perda trivial. Mas com determinação e empenho novas contratações foram feitas, e os que restaram no grupo conseguiram manter o alto desempenho acadêmico do programa. Essa garra e vontade de vencer foram recompensadas e em 2009 tivemos a mais recente de nossas vitórias: 3 de nossos professores fazem parte do comitê de seleção da ANPEC, e outro integra o comitê da SBE.

Nesta semana o programa de economia da UCB perde mais um de seus valores. Todas as outras perdas foram de difícil superação, perdemos boa parte de nossos melhores pesquisadores. Contudo, essa última perda é diferente, para essa perda não há superação. Nessa semana um dos melhores microeconometristas do Brasil troca a UCB pela Universidade de Brasília (UnB). Paulo Loureiro não é apenas um professor com 26 publicações científicas (sendo 9 delas internacionais), é também um dos pilares do programa de economia da UCB. Ele foi um dos primeiros a se juntar ao time, foi um dos primeiros a publicar com alunos, foi um dos primeiros a propor a criação do doutorado. Enfim, o professor Loureiro é um dos ícones de nosso programa e sua perda é bem próxima ao colapso de nosso curso. A saída dele marca o fim de uma era na UCB.

Com o fim de uma era, surge a necessidade do começo de outra. Surge a necessidade da reestruturação, e é isso que creio deva ser o caminho do programa de economia da UCB. Reestruturar o curso, torná-lo mais ágil, atrair novos pesquisadores, tornar viável a contratação de pesquisadores internacionais, dinamizar nossas publicações com alunos. Esse é o caminho a ser seguido para retomarmos nossa sequência de vitórias.

Por fim, quero deixar aqui expresso o reconhecimento pelo excelente trabalho do chefe de departamento de economia da UnB: Professor Roberto Ellery. O professor Ellery, com grande percepção e senso de oportunidade esta transformando o departamento de economia da UnB num celeiro de idéias e de publicações científicas. Uma breve olhada nas últimas contratações comandadas por ele mostra o perfil que ele está conseguindo atrair para a UnB: professores ALTAMENTE produtivos, com pesquisas de ponta, e capazes de publicar expressivo número de artigos de qualidade por ano. Além disso, é nítido que a gestão do professor Ellery trouxe e manteve a paz e o espírito de equipe ao departamento de economia da UnB.

Nos próximos anos o departamento de economia da UnB estará na ponta da pesquisa em economia no Brasil, isso não será por acaso. Centros que almejem a liderança acadêmica em economia terão na UnB o inimigo a ser batido. Eu espero que nós da UCB estejamos a altura desse desafio, mas para tanto temos que nos reestruturar e nos preparar para vencer um centro que conta hoje com 4 de nossos antigos professores.

12 comentários:

Anônimo disse...

É lamentável a saida de Paulo Loureiro, mas acredito que a UCB íra superá esta perca. Como diz o ditado: que vá o dedo mas que fique o anel.

Edvaldo Frazão

Mino disse...

É uma pena a UCB perder um professor tão importante. Por outro lado, a faculdade de economia da UNB vai se fortalecer consideravelmente. Bom saber. Tive a oportunidade de começar o mestrado na unb ano passado, mas, infelizmente, por morar no Rio e a mudança de cidades ser muito cara, fiquei por aqui mesmo. Tenho planos de me mudar para Brasília para trabalho e estudo no futuro próximo.

PS: visito sempre o seu blog, acho um dos pontos altos dos blogs de economistas. Diferentemente dos demais, você não usa a verborragia econômica (apesar de dominar toda a teoria, é um professor afinal...). Uma linguagem simples, mas profunda, que permite muita gente fora do mundinho econômico entender. Grande abraço!

Nilo disse...

Grande perda, mas algo me diz que uma nova geração de super doutores em economia vai entrar em operação em 2013 !!!

Diego disse...

O Ellery tá montando um puta departamento mesmo.

É ruim para o UCB mesmo, mas pelo menos a UnB, onde estudo, poderá melhorar a sua área mais fraca, que é estatística. Vou aproveitar pra fazer um protesto contra a cadeira de estatística na economia da UnB. As duas matérias de estatísticas "puras" do curso são MUITO fracas. Não valem nem meia PE. Temos de ver tudo de econometria correndo, já que só tem uma econometria obrigatória.
Enquanto isso, a gente tem matérias muito inúteis tipo HEG e Economia política, que são basicamente cartilhas do partidão.
Espero que com esse novo professor a cadeira de estatística melhore e que com o prof. Ellery na chefia, esses comunas percam um pouco do poder que tem dentro do departamento.

José Carneiro da Cunha disse...

Beleza Adolfo,

sem dúvida essas são grandes perdas, mas o programa ainda conta com você, o Tito,o Rogério, dentre outros, e, pena que não da forma mais apropriada, com o BJ.

Como um colega-aluno (ta ficando velho...), tenho certeza que você, e os outros, transformarão essa fase em superação e melhoria, como, se me lembro bem, você sempre foi capaz de fazer.

abs

José Carneiro

Anônimo disse...

Parabéns à UCB, por vocês todos! Parabéns ao Paulo Loureiro, por ter realizado o sonho dele.

Um abraço,

J. Coelho

Anônimo disse...

De fato, é o fim de uma era. Posso dizer isso porque testemunhei esse processo não apenas como observador, mas como parte integrante de um time de jovens economistas recém formados pela UnB, que foram determinantes na trajetória do curso da pós graduação de economia da UCB, sem tirar o mérito dos demais colegas.

Eu, Adolfo Sachsida, Paulo R. A Loureiro, Ricardo Araújo, dentre outros jovens economistas, tivemos o privilégio de ter alguns professores que incentivaram fortemente a pesquisa não só com palavras, mas com métodos, dicas de como produzir artigos e cobrança de papers ao final dos cursos. Todos nós, mesmo antes de concluirmos o doutorado, já tínhamos publicações, alguns até mesmo internacionais.

Esse espírito de pesquisador e o ímpeto, a vibração e a alegria por cada paper publicado foram a marca de uma era. Cada gol era comemorado como se fosse o de uma decisão de um campeonato. Esse mesmo espírito nós procuramos passar para os nossos alunos da Católica e o cara que mais personalizou tal espírito foi o Loureiro.

Dois professores se destacaram na nossa formação na UnB: Francisco Galrão Carneiro, que nos incentivou a produzir artigos empíricos e o João Ricardo Faria (Jocka), que deu ênfase no desenvolvimento de modelos teóricos.

O Jocka por sinal foi o cara que mais me impressionou em termos de intuição econômica. O cara realmente é um animal. Pouco tempo depois descobri um cara que tem um feeling e uma intuição econômica superior ao do Jocka. Esse cara ao assistir qualquer filme tira uma lição econômica, ou ao observar os exemplos mais simples do cotidiano, consegue enxergar teoria econômica por trás dessas relações cotidianas. A pessoa a quem me refiro chama-se PAULO ROBERTO AMORIM LOUREIRO. Esse é o cara.
Tito Moreira

Anônimo disse...

Piadinha pra descontrair:

—Quantos economistas são necessários para trocar uma lâmpada ?
— Nenhum. Se a lâmpada precisa ser trocada o mercado fará isto por si próprio.

Cedric disse...

Adolfo,

Para acabar com a path dependence desse crowding-out, nada como um choque estocástico:

Tragam o Ellery pra UCB !!!

Anônimo disse...

Prof. Adolfo para completa o time da Unb, não foi por falta de convite a você e ao Prof. angelo Divino. O dia que vcs vierem pra Unb com certeza fgv E PUC rj ficaram na sombra da Unb.
abração

Anderson
Doutorando Unb Economia

Anônimo disse...

Perda ao Doutorado e a Graduação também.

As aulas do professor Paulo Loureiro foi umas das melhores que tive na UCB.

Marcos Paulo

Aline disse...

Ainda bem que alguns professores nao aceitaram o convite da UNB...
E concordo com o Nilo, nossa geração vem ai, heim?

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email