sábado, 19 de setembro de 2009

Quem julga os críticos?

"O Senhor das Moscas" escrito por William Golding é um dos livros mais importantes escrito no século passado. Acabo de ver um documentário sobre o livro e me espantei em saber que ANTES de ser aceito para publicação o livro foi REJEITADO por 22 editoras.

Há algum tempo atrás um pesquisador enviou uma cópia do roteiro original de "Casabranca" (o famoso filme com Humprey Bogart e Ingrid Bergman) para 200 editoras, a maioria esmagadora rejeitou o livro como sendo de baixa qualidade. Uma parcela mínima foi capaz de identificar que o livro se referia ao consagrado filme.

Em economia são vários os casos de artigos clássicos que foram rejeitados, entre eles dois (sobre assimetria de informações e neutralidade da moeda) que dariam a seus respectivos autores prestígio internacional.

Até quando seremos reféns dos críticos e dos pareceristas? Interessante notar que esse pessoal passa impune por seus absurdos e pelo atraso monumental que trazem para a sociedade.

5 comentários:

Hugo disse...

É verdade, vc tocou em um ponto elementar. Muitos amigos meus do curso de Contábeis da UCB tiveram seus maravilhosos artigos recusados pelo congresso da USP neste ano. Eram artigos inéditos, crédito esse recolhecido, inclusive, por um dos avaliadores do artigo, mas infelizmente os outros dois que, ao meu ver não entendia bulhunfas do tema abordado, afastou o mérito do trabalho. Ficou furioso pelo meu amigo, pois vi a qualidade do trabalho. Vc sacrefica um bom tempo de sua vida, trabalhando, pesquisando de graça para, ao final, não ter a chance de ter um trabalho de excelente qualidade publicado. É um absurdo total, é desestimulante. Deveria haver a possibilidade de impetrar um recurso nesses casos.

Erik Figueiredo disse...

Concordo,
inúmeros exemplos menores poderiam ser listados. Contudo, qual seria a alternativa viável para o caso das revistas?
Abraços,

Luiz Antônio Gusmão disse...

veja bem, sachsida: os blogs podem ser um bom modo de escapar a esses erros de seleção, mas o trabalho de pareceiristas e editores na seleção é mto importante para manter a qualidade acadêmica. casos de grandes breakthroughs teóricos como "o mercado dos limões" são mais a exceção.

Luiz Antônio Gusmão disse...

e por falar nisso: há alguns posts bem interessantes sobre o assunto no "monkey cage":

http://www.themonkeycage.org/2009/02/improving_scholarly_journals_p.html

abração!

Hugo (Contabilidade UCB) disse...

Nossa! Acabei de receber o resultado da avaliação do meu artigo para o EnEPQ 2009. Não foi aprovado. Puxa vida, o trabalho tratava sobre o ensino e aprendizagem em Contabilidade. Seguir uma linha de pesquisa muito utilizada no doutorado e mestrado em engenharia, utilizei métodos quantitativos (qui-quadrado, clusters, mann-whitney, testes de normalidade) para provar uma relação complexa existente entre a forma de ensinar e a forma de aprender. Certamente o trabalho traria grandes contribuições para o ensino contábil. Um trabalho inédito, o qual dediquei horas e horas nos finais de semana, durante a semana e até de madrugada para fazer, para deixá-lo perfeito, era desafiador, mas consegui concretizar o que propunha na pesquisa. Fiz tudo isso de graça, sem receber qualquer bolsa nem nada, mesmo sendo uma trabalho de graduação, decidi que deixaria ele à nivel de doutorado. Recebo um enorme NÃO como recompensa. É frustrante, que raiva. Isso já aconteceu muito com vc Adolfo?

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email