domingo, 18 de outubro de 2009

Liberdade Econômica e Justiça Social

Discordo do conceito de “justiça social”. Justiça é seguir a lei, justiça social é algo diferente disso. “Justiça social” é a idéia de que os indivíduos não são iguais perante a lei. “Justiça social” é a idéia de que os juízes, tribunais e a sociedade devem reparar injustiças sociais com a lei.

Apesar de contrário ao conceito de “justiça social” fico intrigado com o fato de que pessoas que apóiam tal conceito sejam contrárias ao livre comércio. O livre comércio, representado pelo ideal de liberdade econômica, é a mais poderosa ferramenta econômica para retirar amplos segmentos da população da miséria. O recente exemplo chinês, que com uma pequena dose de liberdade econômica retirou milhões da miséria, deveria mostrar aos defensores da justiça social o potencial do livre comércio para combater a pobreza.

Vamos a alguns exemplos práticos: 1) quanto custa um tênis asics? No Brasil ele custa 589,90 reais. Nos EUA o mesmo tênis custa o equivalente a 200 reais; 2) de maneira equivalente, laptop’s custam menos da metade do preço nos EUA; 3) óculos, perfumes, roupas de marca, combustível entre uma infinidade de outros bens também custam muito menos lá fora do que no Brasil. A melhor maneira de ajudar os pobres brasileiros é dar aos mesmos a chance de comprar produtos mais baratos de outras partes do mundo. Por que os defensores da “justiça social” não se atentam para esse simples fato?

Computadores mais baratos aumentam a produtividade da economia e diminuem a miséria. Roupas mais baratas torna mais decente a vida dos miseráveis. Alimentos mais baratos vindos de outras partes do mundo combatem a miséria. A chance de interagir com o resto do mundo, dá aos miseráveis de um país a chance de desfrutar das inovações tecnológicas ocorridas nos países mais avançados. O termos “justiça social” é equivocado, mas mais equivocada ainda é a posição contra o livre comércio defendida pelos idealizadores da “justiça social”.

3 comentários:

Marcelo disse...

Sachsida, ótimo texto. Justiça social, o santo Graal que justifica tudo, de invasão de terra produtiva ao livre comércio. Quer mais um "exemplo" de justiça social? A redução da jornada de trabalho, que segundo os nefilibatas de plantão, vai gerar centenas de milhares de empregos. É mole?

Abs

Anônimo disse...

Adolfo, conceitos costumar ter autoria. e, em geral, um mesmo conceito poder ter diferentes sentidos em diferentes autores. Daí seu post fica vago. De qual autor voce se refere? Que outros autores poderiam ter um conceito de justiça social mais adequado?

Até onde sei, a noção de justiça social nao parte da premissa de que os individuos sao Diferentes perante a lei. Ao contrario, parte sim da premissa de que sao iguais. E, portanto, suscita a necessidade de ações para compensar as desigualdades dos individuos que derivariam de 'falhas de mercado'. Nao basta ter instituições e leis iguais para todo mundo, o output do bem estar social tem que ser pesado também. A discussao entorno da relação entre democracia e economia vai longe por aí...

Mas é possível conciliar liberdade econômica e justiça social. Procure ler ultimo livro do Sen - The Idea of Justice...

Anônimo disse...

Acredito que a questão de justiça social é irrelevante para quem nunca precisou literalmente vender o almoço para comprar o jantar. Todos os conceitos economicos de justiça social tornam-se abstratos quando confrontados com a realidade.

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email