quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Os Especuladores

Na imprensa, nas salas de aula e mesmo no barzinho sempre há alguém criticando os especuladores. Os especuladores seriam responsáveis pelos preços caros pagos pelos consumidores, pelos baixos preços recebidos pelos produtores, pela exploração capitalista e pela instabilidade macroeconômica que de tempos em tempos assola o país. Atualmente, os especuladores são apontados pelo governo como responsáveis pelo grande fluxo de dólares que entra no país (como se isso fosse algo ruim).

De tempos em tempos medidas são tomadas para impedir a especulação, e evitar a entrada de especuladores no mercado. O exemplo mais recente foi o imposto de 2% que o governo brasileiro instituiu sobre a entrada de capital estrangeiro na Bolsa de Valores. Mas, afinal de contas, quem são os especuladores? Quem é essa raça tão odiada, tão maligna? Prepare-se para a resposta: parte significativa da população de qualquer país é composta por especuladores. Isso mesmo, grande parte da população brasileira, ou de outro país qualquer, é composta de especuladores. Você trabalha no comércio? Então você é um especulador. Você trabalha numa livraria? Então você é um especulador. Você trabalha no setor financeiro? Então você também é especulador. Trabalha em supermercado? Especulador também!!! Especulador é toda pessoa que compra um produto num local e vende em outro, ou que compra o produto de uma pessoa e vende para outra.

Nossos pais eram na maioria especuladores, pois trabalhavam quase sempre no comércio ou então combinando insumos para vender um produto diferente. Meu pai comprava leite na fazenda para vender na cidade, ou seja, era um especulador. Era graças a pessoas como ele que as famílias nas cidades tinham acesso ao leite e que, ao mesmo tempo, o produtor de leite recebia dinheiro por suas atividades. Não seria possível a todas as pessoas da cidade irem comprar leite na fazenda, e não seria possível ao produtor de leite ter tempo para além de cuidar de suas vacas se encarregar da venda do leite. Dessa maneira, foi a atividade do especulador que tornou tudo possível.

De maneira geral é a atividade do especulador que torna vários tipos de atividades, que melhoram o bem estar da sociedade, possíveis. Seja levando bens de uma localidade a outra, ou levando o capital de regiões onde ele abunda para regiões onde ele é escasso, seja facilitando o encontro entre vendedores e compradores, ou tornando o comércio mais dinâmico, o especulador é uma peça vital numa sociedade livre.

Da próxima vez que alguém falar mal de um especulador, lembre-se que você muitas vezes também é um especulador, lembre-se que pessoas que você admira também são especuladores, e lembre-se também que o especulador cumpre um papel importante e produtivo, pois facilita as trocas, numa sociedade aberta.

19 comentários:

Anônimo disse...

Existe uma falsa concepção da palavra especulador. Muitos acreditam que são os especuladores os responsáveis por eles não obterem taxas maiores na na bolsa, já li vários livros que insinuavam isso. Ou mesmo acreditam na ideia do post " A Burguesia Fede", onde cria-se a falsa ideia que estão vivendo às custas de outrem, ou que estão ganhando com as perdas de outra pessoa. Teremos um mercado e não apenas um mercado, mas também uma sociedade mais eficaz e produtiva quando uns muitos abandonarem a operação da incessante busca de encontrar os culpados pelo seu fracasso!

Lucas Santos

Anônimo disse...

A questão do câmbio merece atenção. Eu aprendi com o Marco Martins (que aliás fez um post espetacular no Blog do Marcão sobre a mudança nas tomadas: http://chutandoalata.blogspot.com/2009/10/quando-o-cidadao-faz-o-papel-do.html) os perigos do câmbio fixo, dentre eles um que costuma passar batido.

Suponha dois países com taxa de câmbio de um para um. Suponha agora que o país A começa a emitir muito de sua moeda. Se o mercado funcionar haverá uma valorização da moeda do país B em relação a do país e tudo fica como estava. Caso o país B decida evitar a valorização de sua moeda ele permitirá que a emissão do país A vire poder de compra (riqueza real) no país B. Os moradores do país A poderão usar sua nova moeda para comprar bens e produtos no país B, no limite o país A compra o país B.

A unica maneira de isto não acontecer é o país B importar a inflação do país A. Se o país B não importar a inflação do país A e/ou não permitir a valorização de sua moeda ele forçará seus residentes a pagar imposto inflacionário para o país A!!!

Aplicado ao Brasil de hoje podemos antecipar que ou vamos pagar imposto inflacionário aos Estados Unidos (ou de forma equivalente, permitir que os americanos comprem nossas mercadorias e/ou ativos com dólar no valor de antes da mudança na política monetária de lá) e/ou vamos importar inflação americana. Quando acabar o "entreguista" sou eu...

Abraço,

Roberto

Anônimo disse...

Professor,

Discordo! Isso a que vc se refere é comércio e paga imposto SIM.

Anônimo disse...

Professor,

Discordo! Isso a que vc se refere é comércio e paga imposto SIM.

Pedro H. Albuquerque disse...

Exato, especuladores oferecem serviços indidspensáveis ao bom funcionamento da economia e ao bem estar da sociedade, trazendo recursos escassos aos mercados onde eles são necessários. Os verdadeiros parasitas nessa estória são os políticos ignorantes que os usam como bodes expiatórios para suas eternas trapalhadas e mesquinharias.

Augusto Freitas disse...

Além disso, o governo vende a falsa idéia de que os especuladores (no caso específico dos estrangeiros) só ganham, só obtém ganhos. Nem sempre é assim, mas e se fosse? Não é justo? O especulador coloca dólares no Brasil, por meio de algum investimento, por exemplo, em ações. O preço das ações sobe, ele vende as ações e fica com o lucro. O que tem de errado e/ou injusto e/ou prejudicial nisso!?

nilo disse...

Desse post eu gostei!!!

Anônimo disse...

Não sei se concordo com o post!

Os exemplos citados são fornecedores de mercadorias e serviços. Sim, são comerciantes que fornecem utilidade ao reduzirem os custos de transação dos consumidores finais.

Especulador não é isso... é o que tenta adivinhar o preço de algo no futuro, e compra e vende esse produto, sem participação na cadeia produtiva.

Não é ilícito, não é nem mesmo imoral, mas não sei se é a mesma coisa.

Abs.

Anônimo disse...

Especulador não é isso... é o que tenta adivinhar o preço de algo no futuro, e compra e vende esse produto, sem participação na cadeia produtiva.

Ora, em parte essa é exatamente a definição do Adolfo. A única parte que foge é o fim, mas fornecedores de capital são parte integrante da cadeia produtiva, logo...

abs

Anônimo disse...

Especulador não é isso... é o que tenta adivinhar o preço de algo no futuro, e compra e vende esse produto, sem participação na cadeia produtiva.

Ora, em parte essa é exatamente a definição do Adolfo. A única parte que foge é o fim, mas fornecedores de capital são parte integrante da cadeia produtiva, logo...

abs

José Carneiro da Cunha disse...

Beleza Dolfão...

Como ninguém é tão bobo quanto pensam os desenvolvimentistas, é óbvio que surgirão mecanismos derivativos para fugir dessa tributação, ou minimiza-la. A única coisa que o governo fez, foi impor um custo a mais para quem precisa de dinheiro e está aqui no Brasil.

Caso a taxa chegasse aos 10% como alguns dizem, creio que uma simples Holding tupiniquim resolveria o problema. Com 2% tem que se pensar mais um pouco.

Abs

José Carneiro

Anônimo disse...

Acho que o conceito não ficou muito claro. O comerciante que compra em um mercado e vende em outro pra realizar um lucro, na minha opiniao é um ARBITRADOR. Alguns dos outros exemplos tambem parecem ser de ARBIRTADORES.

O especulador é o cara que faz a operação direcional, ou seja, aposta na valorização ou desvalorização de determinado ativo.

Os livros (texto) dividem os investidores em 3 categorias básicas: ARBITRADORES, HEDGERS e ESPECULADORES...

E todos os 3 são fundamentais para que o mercado funcione de forma eficiente. Pena que esse tal de "mercado eficiente" não existe!

abraco!

Chutando a Lata disse...

O especulador assume riscos. Por aqui, quando os jogadores de time grande perdem, nos é que pagamos.

Diego disse...

"Discordo! Isso a que vc se refere é comércio e paga imposto SIM."

Paga. Imposto de Renda, por exemplo. Ou você achava que era só 2%? O leão come é uns 30%.


"O especulador assume riscos. Por aqui, quando os jogadores de time grande perdem, nos é que pagamos."

Essa é outra máxima dos que são contra o mercado financeiro e pedem sua regulação. Não consigo pensar como um investidor estrangeiro possa me fazer pagar a conta. Se você puder me explicar, eu agradeço.

Diego disse...

Essas duas máximas quem falou foi o "casal" amigo do josé carneiro.

No semestre passado, numa tendo uma aula com o pupilo, ele afirmou:

"Diversificar é bom só pra um indivíduo. Porque se todo mundo diversificar, você acaba com o risco diversificável, mas aumenta o risco de mercado do sistema como um todo"

Quando eu perguntei o porquê, ele me indicou, não um texto do sharpe ou do Fama, mas um texto do "parceiro" dele como uma referência ao que ele estava postulando.

Outro dia, outro infeliz afirmou:

"O cara dos mercados eficientes não pode ganhar o nobel mesmo não! Se o mercado fosse tão eficiente, ele tinha previsto a crise."

rafael p. disse...

problema de definição.

O 'Pedro H. Albuquerque' sintetiza a definição de "especuladores" do post do Adolfo como aqueles que "[...] oferecem serviços indidspensáveis ao bom funcionamento da economia e ao bem estar da sociedade."

Pois no meu entendimento, agem como especuladores justamente aqueles que, APESAR de prestarem serviços indidspensáveis ao bom funcionamento da economia e ao bem estar da sociedade, PARAM de prestar seus serviços por determinado período de tempo com o objetivo de aumentar seus ganhos (em detrimento do bom funcionamento da economia e ao bem estar da sociedade).

Há outras ações especulativas como contra-informação, etc. o tema é longo. E que bom que tem interessados.

Anônimo disse...

"O cara dos mercados eficientes não pode ganhar o nobel mesmo não! Se o mercado fosse tão eficiente, ele tinha previsto a crise."

Alôoo... Atenção...

É o contrário, de acordo com a hipótese de mercado eficiente crises não podem ser previstas, o preço atual contém toda informação relevante, de forma que variações nos preços são ruido branco. Lembra de Introdução à Econometria 0? Ruido branco é aquele que não pode ser previsto. Aliás o fato de NINGUÉM* ter previsto a crise é a maior evidencia favorável à hipótese de marcados eficientes.

O maior motivo para o cara que juntou mercados eficientes e macro não aparecer na lista de candidatos ao Nobel é que...

dou-lhe uma...
dou-lhe duas...
dou-lhe três...

Ele já ganhou, Lucas (1978)... Sei que ele merece, mas dois para o mesmo cara é covardia.

*Prever a crise não significa ter passado os últimos 20 anos dizendo que uma crise vai acontecer, só compro que alguém previu a crise quando souber quanto o vidente ganhou na bolsa durante a crise.

Abraço,

Roberto

Ginno disse...

Quando você vai em um Médico hoje ele nao diz: ' Olha amigo, você vai ter uma cancer daqui dois anos!'. Porque um economista tem que prever crise? A Mega Sena funciona justamente porque nao prevemos quem irá ganhar. Se alguem prever algo no mercado, isso so prova a sua ineficiencia.

Diego disse...

Caro Roberto,

Foi exatamente o que eu disse. Explique isso que você falou pra alguns "professores" do seu departamento. Aquela bela frase foi proferida por um professor do departamento, mas como disse, alguns deles nem em econometria acreditam.

É triste mesmo. haha

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email