sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

A Revolta de Atlas, Ayn Rand

Meu amigo Helio Beltrao, do Mises Institute, me mandou um exemplar do excelente livro de Ayn Rand "A Revolta de Atlas".

Há 2 ou 3 anos atrás meu mentor na academia, Professor Joao Ricardo Faria, já havia me presenteado com o excelente "Anthem" da mesma autora. Ayn Rand é leitura obrigatória.

Ter amigos inteligentes é fundamental, graças a eles temos acessos a obras maravilhosas que por vezes nos passam despercebidas.

41 comentários:

Augusto Araújo disse...

Que legal. Eu comprei o meu exemplar por R$69,90.

Tiago Garcia disse...

Excelente livro mesmo, li ele quando ainda se chamava "Quem é Jonh Galt?". Sugiro a você que leia o primeiro livro dela, "A Nascente" ( the fountainhead)quase tão bom quanto este. Inclusive fizeram um filme dele, no qual mando um discurso do herói do filme que é impagável.
http://www.youtube.com/watch?v=1r911KRGwi4&feature=player_embedded

JOÃO MELO disse...

Caro Adolfo, bom domingo!

Além do livro ser altamente recomendável, o seu último parágrafo no post tem tudo a ver com o mundo real e virtual.

Grande abraço,
João Melo, direto da floresta amazônica!

Anônimo disse...

http://gregmankiw.blogspot.com/2010/12/daily-show-printing-money.html

José Carneiro da Cunha disse...

Esse é ralmente um ótimo livro!

abs


José Carneiro

Anônimo disse...

Alan Greenspan era do círculo de amigos/discípulos dela.

Anônimo disse...

Alan Greenspan era do círculo de amigos/discípulos dela.

Pablo Vilarnovo disse...

Estou terminando de ler o terceiro volume do "A Revolta de Atlas". Estou gostando muito, apesar de não ser um seguidor de Ayn Rand.

Foi uma alegria quando eu vi que iriam publicar novamente no Brasil.

Fiquei um tempão tentando comprar a edição anterior chamada de "Quem é John Galt?".

Anônimo disse...

Americanozinho de merda!

Anônimo disse...

Acho que eh assim que os corruptos pensam, nao????
Quem pensa em si acaba sozinho e ainda num sabe pq eh taxado de arrogante

Anônimo disse...

Eu sei que vc num vai publicar essas mensagens, alias cade o tal liberdade de expressao....
pelo menos nao condena algo que vc msm faz

Anônimo disse...

Leitura obrigatória pra quem, num eh vc msm que defende o livre-arbítrio?

Anônimo disse...

Sei-lá pessoas assim normalmente sao infelizes e sem amigos

Anônimo disse...

Eh isso aí Adolfo vc está certíssimo, todos deviam pensar assim!!!
as vezes um tópico elogiando vc aceita neh

Anônimo disse...

Acho que todo mundo deveria pensar soh em si próprio e deixar que os outros se virem, afinal o mundo eh feito soh de dinheiro e ganancia e sentimentos e pessoas num servem pra nada.(Ironic mode - ON)

Anônimo disse...

"...O fato é que fica mais difícil aceitar Rand à medida que se envelhece e que as preocupações com as pessoas à nossa volta se tornam mais importantes do que nosso próprio projeto de autodesenvolvimento. A incansável e resoluta dedicação às próprias paixões que Rand parece favorecer exige uma frieza de alma, um estreitamento da própria humanidade — o interesse natural no destino de outros a que se refere Smith — que a maior parte das pessoas não julga conducente à sua felicidade..."
O problema com Ayn Rand
09 de Novembro de 2009 - por Shikha DalmiaTags: objetivismo Ayn Rand

Anônimo disse...

Sou economista, mas num consigo pensar dessa forma capitalista, eu me sinto mal e infeliz e até culpado qndo num penso nos outros, e o pior de tudo que quando conquisto algum objetivo ow ganho alguma coisa ow tenho algum sucesso financeiro soh me sinto bem na hora msm, depois de um tempo num faz nenhum diferença em mim, isso eh normal entre economistas ow o q?

Anônimo disse...

O anonimo ai de cima ta com uma crise existencial. Tem que procurar um psiquiatra meu querido.

José Carneiro da Cunha disse...

Um dos problemas de se falar daquilo que não se lê é a quantidade de merda que sai.
Um retardado de um anônimo acabou de falar na tal "liberdade de expressão” (que os amigos dele querem tanto derrubar). Bem, a liberdade é garantida constitucionalmente e, exatamente para proteger de petralhas aqueles que emitem opinião, o anonimato é vedado.
Deixemos essa estória de individualismo como definido por alguns aqui de lado. Não é isso de Rand chamou de individualismo! Para os preguiçosos vai um dica, leiam o capítulo 7 do livro 3 (Quem está Falando é John Galt), esse capítulo é um ótimo resumo da filosofia da Rand, em alguns trechos lembra bastante o debate inicial do Buchanan em Custo e Escolha.
Por exemplo, para Rand quando uma mãe deixa de fazer algo para si em prol de seu filho ela não se sacrifica, mas apenas demonstra dar mais valor a seu filho do que a uma bolsa ou outra coisa. Sem a compreensão da noção de racionalismo e sacrifico conforme definidos por ela (e, diferente de pilantras como Marx e Gramsci, ela definiu muito bem os conceitos que usou), não há debate sério possível. Antes que alguma mula reclame, é perfeitamente possível discordar das definições iniciais dela!, mas para isso é necessário conhecê-las, assim como o é para corroborá-las.
Para o retardado que afirmou “americanozinho de merda”, Rand nasceu em São Petesburgo, tendo deixado a USSR apenas aos 21 anos de idade, quando imigrou para os EUA. Muito da repulsa que ela sentia do coletivismo estava no fato dele ter VIVIDO e ESTUDADO (ou melhor, ter sido uma das milhões de vítimas) o caso soviético. Você, caro camarada, nem O Capital deve ter lido, mas, como todo vigarista, deve tirar uma “onda” de intelectual.
Os pilares da filosofia de Rand são:
-negar a racionalidade é negar o homem, os valores de um indivíduo devem ser logicamente construídos.
-é inerente ao indivíduo o direito de viver por si próprio, sem pedir o sacrifício do outro e nem se sacrificar por outro (nesse ponto é fundamental entender a noção de sacrifício conforme ela definiu).
-a força física não deve ser usada para tomar de alguém aquilo que lhe é valioso ou para imposição de idéias.
Para finalizar... sei que é difícil aos defensores de Cuba e Irã, dado suas limitações cognitivas e visão de mundo, a compreensão dos significado das palavras (que em muitos casos é intimamente ligada ao contexto do uso e histórico do autor). Para o português, obrigatório têm três significados possíveis, que, segundo o Houaiss são:
a) que implica obrigação
b) imposto por lei, pressão moral ou convenção social
c) que se faz necessário, indispensável.

Na colocação do Adolfo, o significa “c” é a interpretação apropriada, mas como um amante de ditaduras, é claro que o analfabeto anônimo não crê que possam existir outros significados para o termo “obrigação”.
Abs

José Carneiro

Anônimo disse...

Parece-me que o anônimo é uma mulher frustada com algo ou alguém e decidiu descontar aqui no blog, somente isso! O fato de ir contra as ideias é mais para demonstrar o quanto vai contra o escriba.
Deixe os assuntos pessoais para outro local, ninguém quer ver barraco de mal amada, ok?!

Antes ñ os tivessem aceito Adolph.

Lucas Dayrell disse...

Nao to com Crise Existencial ow nada, soh percebi que fico mais feliz e mais satisfeito quando ajudo um amigo ow quando tenho uma conquista ''em conjunto'', e a maioria das coisas que gosto de fazer nao envolvem dinheiro, eu sendo sincero nao faço questão de ganhar mais de 5 mil reais por mes, uma viagem pra BH pra mim achei milhoes de vezes melhor que uma pra miami, ow seja, penso que economia para mim nao serve pra nada, tenho repulsas de shopping centers e restaurantes super luxuosos, prefiro butecos e fazer compras na feira do paraguai msm.

Lucas Dayrell disse...

Oh josé carneiro, indispensável eh um conceito muito subjetivo, pra mim indispensável eh comdia, agua, amigos enfim o que eh impossível viver plenamente sem, economia eh uma area muito ecletica, conheço economistas que sequer leram smith, keynnes, formaram emporrando com a barriga e msm assim um deles conseguiu trabalhar em um banco em londres, tah muito feliz e soh tem uma pos-graduaçao ''normal''. Jah vi gente que leu tudo de economia, formou como um dos melhores alunos, e tem apenas um emprego normal.

Lucas Dayrell disse...

Ayn Rand tem um ponto de vista, e tenho todo direito de discordar sem ler a obra inteira dela, simplesmente pq discordo de todas as bases ideiais dela, soh mais ''naturalista'', acho que a coletividade e as relações interpessoais sao os que nos fazem serem humanos, como todo animal, e o individualismo eh importante tbm, mas nao mais importante que os outros, nem menos, negar os dois primeiros eh negar a propria natureza, negar o terceiro eh negar o crescimento individual.

Lucas Dayrell disse...

Vejo muitas pessoas sou de uma cidade pequena paracatu/mg crescerem na vida e se orgulharem e acharem melhor que os outros por ter saído da pobreza, sendo que isso foi uma escolha da pessoa, ela deveria se sentir bem por isso, cada um eh cada um, se ela que tacar o foda-se pros outros pq nao teve ajuda, problema dela, ela ainda ''precisa'' das pessoas para conviver e sobreviver, eh algo da natureza do ser humano, impossivel negar isso, ela se isolando e sendo orgulhosa por isso soh vai fazer mal a ela msm. Ngm eh obrigado a ser rico, ow trabalhar, a pessoa faz isso pra melhorar de vida, e nao pra piorar, nao sou intelectual, muito menos socialista, vc pode viver soh pensando em si sem se sacrificar pelos outros, mas vejo isso como burrice e desnecessário, ow vc vai negar a teoria de todos os psicologos e psiquiatras que o mais saudável para o ser humano sao as relações interpessoais e o convivio.

Lucas Dayrell disse...

Adolfo eh um excellente professor, mas como todo professor de Ensino Médio radicalista ao socialismo, ele eh radicalista ao lado oposto, o que vai contra a função de um professor que eh ensinar e ser o mais imparcial possivel, a opinião que deve formar eh o aluno, escola eh para aprender, nao para ser doutrinado, tive aula com ele no 2º semestre e fiquei impressionado o tanto que ele queria tornar verdadeira as ideias dele sobre economia, que ele entende muito bem de fato, acho que tem até capacidade de gerenciar um ministério ow o próprio Bacen, mas ngm eh dono da verdade, e economia mas que tudo nao tem verdade absoluta.

Anônimo disse...

Noruega e Japao sao os lugares com a maior taxa de suicidio do mundo, pq será?

Anônimo disse...

Odeio sociológos e economistas, simplesmente pq a maioria de cada um acha que seu lado eh o certo, nenhum dos dois eh certo, nenhum radicalismo tende a dar certo, os dois sao necessários, cada um na sua proporção.

Nilo disse...

Cara, vc está errado! Vc tem todo o direito de ter a sua opinião, mas não pode querer impor nada aos outros. Vc vem aqui ataca o Adolfo, fala que ele não tem amigos, é infeliz e etc. e quer de qualquer jeito fazer a sua opinião ser aceita desmerecendo todos os leitores do blog.
Vc se sente feliz ganhando pouco, pq não pode respeitar quem quer ganhar muito?
Pense um pouco cara. Ninguém mandou vc ler este blog ou qualquer outra coisa liberal, se não gosta, simplismente nos deixe.
Para criticar alguém, vc não pode ser pior do q quem está criticando.
Sou amigo do Adolfo e do Carneiro e sei que eles sabem e podem falar oq estão falando.
Não precisa atacar ninguém, tenho certeza que vc encontrará oq procura em outro lugar.

Anônimo disse...

Esse lucas parece que bribou com o namorado e ta com raiva de todo mundo

Anônimo disse...

A muito tempo não via um cara tão idiota quanto esse. Não se sente bem comendo em um bom restaurante ou indo a shoppings e viajando para BH (que é uma merda), tudo isso porque é um imbecil, pois eu gosto de tudo isso e sei que é bom. É um panaca e ainda tem espirito de pobreza.

Att. Jorge Cunha
Ps:Conheço Paracatu e também é um lixo.

João Ricardo disse...

Lucas, sobre sua resposta ao José Carneiro você fala que indispensável para você é comida e água, mas porque tem que ser igual para todos? Para mim meu whiskey 12 anos todas as noites é indispensável, já que posso comprar.

Anônimo disse...

O José Carneiro, Nilo entre outros são puxa-sacos do Adolfo tudo que ele escrev eles assinam em baixo sem ler.

José Carneiro da Cunha disse...

Bem Lucas,
Se você fica mais feliz quando ajuda um amigo, ótimo! Esse é um direito seu. Onde se disse o contrário? Agora, você não tem, por essa filosofia, o direito de exigir que um amigo lhe ajude, de acreditar que ele tem a obrigação disso.
Se você julga R$ 5.000,00 suficientes, ótimo. Mas isso não lhe dá o direito de tomar R$ 10.000,00 do meu salário caso eu ganhe R$ 15.000,00. A filosofia “naturalista” coletivista que você disse seguir prega exatamente isso. Você prega isso? Ou nesse ponto específico rompe com o “naturalismo”?
Ademais, como já dito, é fundamental que se entenda a noção de sacrifício definida na filosofia em questão (Rand). É evidente que você não a entendeu.
Sobre não precisar ler a obra inteira, dei até a dica aos preguiçosos (Capítulo 7, livro 3). Agora, você não deveria esperar que alguém leve suas opiniões a sério quando você mesmo declara que seus fundamentos são tão rasos quanto um pires.
Sobre a questão do indispensável, você fala como se eu houvesse dito algo diferente daquilo que você afirma. Não fiz isso! Você cria um fato falso em seu argumento, coloca como se meu ponto fosse a idéia de um “indispensável” absoluto, imposto; em seguida propõe o seu ponto coerente, mais razoável. O problema é que esse é um debate falso, criado por você para fantasiar a sensação de que refutou algo que lhe foi colocado, quando não refutou nada, pois a colocação não passou de fantasia sua. Não disse nem insinuei isso! O que disse foi que o “leitura obrigatória” do Adolfo tinha o sentido de indispensável, não de impositiva. Para o Adolfo, e para mim, o livro é “muito importante para satisfazer a um fim”, a construção intelectual do indivíduo. NINGUÉM disse que isso era uma noção absoluta.
Então você é mais “naturalista”?! Problema seu... mas tamanha é a confusão que faz em seu texto que parece não ter compromisso nem na leitura de Marx. Ou será você niilista? Ou segue Epicuro?
Ensinamento imparcial é algo que só marxistas dizem praticar. O ensino deve emancipar a mente, e essa é uma decisão individual do aluno. Pensar por si próprio! E não se preocupe, não falta influencia imparcial marxista para fornecer a literatura alternativa necessária. Mas, ainda nesse ponto, você é surpreendente. Quer dizer que você acredita em conhecimento imparcial e é naturalista!? O niilismo foi para a privada, junto com o marxismo e cia.
Sobre seu amigo que crê você ser um analfabeto econômico, mas conseguiu emprego em Londres, só digo uma coisa... inveja é uma merda! Sobre você, é visível que leu muito pouco de economia, a grafia de Keynes é assim!
Abraços e sucesso

José Carneiro

José Carneiro da Cunha disse...

Prezado Anônimo cagão (não fosse, assinava)
Sobre o comentário, “O José Carneiro, Nilo entre outros são puxa-sacos do Adolfo tudo que ele escrev eles assinam em baixo sem ler”.
Está enganado, eu tenho o hábito, coisa que seu amigo Lucas já declarou não ter, de ler tanto aquilo com o que concordo, quanto com o que discordo.
Mas você tem razão em algo, é comum eu concordar com o Adolfo. Não vejo nenhum problema nisso. Não gosta, refute os pontos que são colocados, mostre que a concordância é corrupta, corporativista, ou “puxa saco”. Caso contrário você não passa de uma anta covarde escondida no anonimato da internet, versão moderna das betas de tempos atrás. Ou seja, sua opinião não tem valor algum.
Há algo que tenho forte discordância com o Adolfo. Para mim, gente covarde como você (anônimo) não deve ter direito a opinar nesse blog, visto que a própria CN 88 veda o anonimato.
Abraços e boas festas.
José Carneiro

Anônimo disse...

Vamos parar de briga ai pessoal

Anônimo disse...

Muitos dos comentários no blog descambaram para a esculhambação ao Adolfo. Pelo visto, nenhum deles o conhece. E se o conhecem, são desonestos. Além disso, o que é pior, muitos são analfabetos funcionais. O que significa isso? Presumo que o Adolfo não esteja necessitando de platéia.

Anônimo disse...

Ao anônimo das 21 de dezembro de 2010 03:54, O sabidão!

Comentário cheio de antíteses esse seu. Afinal, de que lado você está? "esculhambação ao Adolfo. Pelo visto, nenhum deles o conhece. E se o conhecem, são desonestos." a primeira parte diz que as esculhambações estão erradas, mas a segunda elimina a primeira. já que os que o conhecem são desonestos, mas quem conhece o Adolfo são os amigos dele e estes se mostraram favoráveis a ele aqui.
Cara, você fala de analfabetos funcionais, mas você não é diferente! Não tem coerência e o pior de tudo se julga melhor que os outros. Ridículo!

Quem não precisa de platéia? Faz-me rir! Se ele ñ precisasse não teria o blog, afinal para quê um blog se ninguém lê. Caia na real! Todos querem algum tipo de reconhecimento.

Anônimo disse...

Talvez em gráficos e numeros para uma sociedade realmente seja melhor cada um ser cada vez melhor indiviualmente, agora economia nao eh tudo, eu prefiro a fraça que os EUA e o japao por exemplo, que eh um país nao tao rico como eles, mas eh desenvolvido e com fortes leis trabalhista, isso até eh mencionado no na entrevista do adolfo para o agenda economica, enquanto nos japao e eua o indice de suicidio sao dos maiores do mundo.

Anônimo disse...

Anônimo, das 21 de dezembro de 2010 08:19,

Quando se diz que quem conhece o Adolfo o respeita, não siginifica que ele esteja sempre certo, mas que ele é um sujeito honesto. Diferente dos que defendem sua ideologiazinha mesquinha, de controle social, pois sabem que as pessoas que vivem em sociedades com esse perfil estão loucas para se mandar. É só abrir as porta de Cuba, Coréia do Norte, China, Venezuela e que tais, para ver o resultado. Deve ser porque tal mundinho é maravilhoso. Isso sim é RIDÍCULO.

Fábio MS disse...

Esse livro é muito bom.

Mas é complexo demais para esquerdistas, que, via de regra, possuem um universo intelectual reduzidíssimo. Eles só expressam por ideias lugares-comuns (que, na verdade, não significam nada), tais quais: "justiça social", "democratização de alguma coisa", e por aí vai.

A Revolta de Atlas é um livro mágico. A atualidade dos pensamentos políticos narrados na obra assusta.

Ayn Rand teve o mérito de massacrar a ideia socialista/comunista.
É por isso que os esquerdistas não suportam ouvir falar dessa autora.
Quando leio Rand, sempre me vem à cabeça a cena, hipotética, creio eu, de Marco Aurélio "Top Top" Garcia tentando refutar os argumentos de John Galt.

Por fim, indago: não gosta de economia de mercado? Odeia a liberdade de expressão? O capitalismo é injusto? Ora, a solução é simples: mude-se para Cuba e seja feliz!

Anônimo disse...

Um lixo de quase 1500 páginas que não chega aos pés de "A Revolução dos Bichos".

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email