quarta-feira, 9 de março de 2011

A Situação Fiscal Americana

O governo brasileiro tem dado mostras de sua capacidade quase ilimitada de maquiar nossa péssima situação fiscal. Situação essa que se deteriora muito quando se inclui na conta considerações demográficas (interessante notar que, com honrosas e poucas exceções, essa questão extremamente importante tem passado despercebida no Brasil). Mas, verdade seja dita, o governo americano também tem se destacado nessa nada saudável prática de enganar a população.

Trapaças contábeis não melhoram as contas públicas, mas enganam a população. Isso diminui a pressão para que o ajuste fiscal seja feito. Contudo, esse tempo extra não é isento de custos: quanto mais se espera maiores se tornam os déficits, e mais drásticos se tornam os ajustes necessários. Apesar da sociedade americana ter um longo histórico de transparência nas contas públicas, parece que nos últimos anos essa transparência tem ido por água abaixo. Já há um bom tempo o governo americano presta mais atenção a seu déficit público sem incluir nele despesas militares. Sim, existem várias questões técnicas para isso. Contudo, no final do dia, dívida é dívida, pouco importando sua origem. Em estudos acadêmicos, os pesquisadores também costumam retirar o gasto militar americano do orçamento. Sim, novamente existem razões para isso. Mas devemos lembrar que quando olhamos para o tamanho do ajuste fiscal necessário, é fundamental lembrarmos que o orçamento militar deve ser incluído na conta.

Quanto que o Tesouro Americano gastou para ajudar os bancos na recente crise financeira? Este dinheiro está incluso na contabilidade do déficit? Quem sabe onde está esse volume imenso de recursos e quando este será pago de volta ao Tesouro? Como foram incluídos os orçamentos da Fannie May e Freddie Mac nas contas públicas? O ajuste fiscal americano, tal qual o brasileiro, terá que ser feito mais cedo ou mais tarde. Esconder o tamanho do déficit só ajuda políticos fracos a postergarem o que deve ser feito.

14 comentários:

amauri disse...

Bom dia Adolfo!
Nações que ficam maquiando seu déficit (eles sabem que uma hora terá que fazer a lição) estão esperando o que? Uma crise mundial sem precedentes? abs

Anônimo disse...

As nações são administradas por políticos. E, na maioria das vezes, apesar de algumas tentativas de burlar a realidade ter surtido algum efeito, entre político e estadista, há uma enorme distância.

Anônimo disse...

Caro Adolfo, tenho andado revisando economia durante o retiro do Carnaval. Gosto disso claro; é da profissão.

Vamos à opinião em foco: então, tanto Br quanto USA aplicam suas estrepolias fiscais. Creio nisso. Aliás, revi livro de J.Goldenberg em em que isso é mais ou menos colocado.

O que penso é que esse pessoal descobriu que há solução para tudo, em termos de administração pública. Eu próprio estou ficando convencido de que tudo é mais conjuntural que estrutural.

Assim, tanto no reino de lá quanto no de cá demonstração de coragem é praticar desequilibrios fiscais e patrocinar o estado do bem estar social. Politicamente, faz um bem...

Anônimo disse...

concordo com o anonimo de cima
de q q vale economia forte sem bem estar social, com bem estar social eh possivel fazer uma economia forte, agora uma economia forte e inconsequente nem sempre eh possivel ter bem estar social, to de saco cheio dos q acham q economia eh soh numero e graficos e akilo e q quanto maior melhor e o resto q se dane

Anônimo disse...

Errata comentario das 20:18: o nome do cara é Jonah Goldberg.

2. Quanto ao meu colega anônimo das 23:39, pode ser provável que em uma economia forte o bem estar social seja naturalmente melhor ou maior do que em economia fraca.

Anônimo disse...

Qual é o dialeto falado pelo anônimo aí de cima?

Anônimo disse...

http://desciclopedia.org/wiki/Economista

Anônimo disse...

http://desciclopedia.org/wiki/Economista

Prestem atençao na parte que fala das principais produçoes nos estados brasileiros, pura verdade!

Anônimo disse...

Beleza Anônimo das 23:39, agora cite os exploreis de economias que passaram a ser fortes (ricas) por causa de políticas de bem estar social.

Todos os países que desenvolveram políticas REAIS de bem estar já eram ricos quando começara.

Abs

Anônimo disse...

Beleza Anônimo das 23:39, agora cite os exploreis de economias que passaram a ser fortes (ricas) por causa de políticas de bem estar social.

Todos os países que desenvolveram políticas REAIS de bem estar já eram ricos quando começara.

Abs

Anônimo disse...

"A perpetuação humana passa a depender de que tudo tenha um preço, inclusive a terra e o trabalho". Mas o trabalho não pode ser uma mercadoria, pois ele é a própria atividade humana. A terra é a própria natureza, e também não pode ser tratada como mercadoria. Essas questões são originalmente filosóficas, mas foram tiradas do âmbito de discussão original. A pretensão da economia de ser uma ciência como a física deve ser debatida. Pode haver um grave reducionismo no fundamento da economia enquanto ciência.

Anônimo disse...

Outro Anonimo.

Concordo com todos vocês. Economia forte prescinde de Estado, pois até o caos pode provocar crescimento economico, nas não Desenvolvimento.

Anônimo disse...

Seria interessante que alguns leitores ANÔNIMOS lessem, em algum texto introdutório, a definição de economia. Lá, eles leriam algo assim: "É a ciência que estuda como atender necessidades ilimitadas, a partir de recursos escassos". Assim, entenderiam que sem eficiência não há economia. Se eles quiserem ir um pouco mais fundo na discussão, aconselho-os a buscarem entender os dois principais teoremas da economia.

Anônimo disse...

Meus caros, o que quero dizer eh q tudo tem limites, inclusive a riqueza , nada em exagero eh bom, entao de q adianta um país rico a custas da maioria da populaçao infeliz ow stressada ow seja lah o q for, nao faz sentido, eh inconsequente até, eh preciso haver um equilibrio aí, uma economia forte o bem estar social nao vai ser naturalmente melhor, exemplos disso sao Japao, Noruega, Eua.
E outra pra q riqueza demais tbm, dinheiro nao eh tudo nessa vida.Riqueza eh sempre bom, mas até certo ponto, depois de uma certa quantidade passa a ser inutil ao meu ver.

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email