segunda-feira, 20 de agosto de 2012

O Problema Metodológico Petista

Que existe uma diferença de qualidade enorme entre a equipe econômica do primeiro governo Lula e a equipe econômica atual não restam dúvidas. Contudo, existe um segundo problema, tão grave quanto, que é pouco lembrado: a questão microeconômica.

Na equipe econômica do primeiro governo Lula haviam economistas treinados na tradição novo clássica / novo keynesiana. Independente de afinidades ideológicas, é inegável que tais economistas compreendiam a importância dos incentivos microeconômicos para a performance macroeconômica. Já a equipe atual de Dilma é treinada numa tradição distinta, que já deu mostras de não se preocupar muito com questões microeconômicas no gerenciamento da política macroeconômica. O resultado disso são os absurdos pacotes anunciados no governo Dilma. Pacotes sem coerência alguma, e que desprezam totalmente questões de incentivo microeconômico. Por exemplo, o governo anunciou mais um pacote. Dessa vez, para fortalecer o seguimento de Tecnologia da Informação. Nenhuma palavra sobre reduzir a burocracia, nenhuma palavra sobre reduzir impostos, mas um amontoado de palavras que ficam bonita na imprensa, mas não funcionam na prática.

O recente projeto-fantasia do governo petista de investir 133 bilhões de reais em infra-estrutura é outro exemplo de um plano macro sem a preocupação de consistência microeconômica. Exemplo disso: o governo planeja assinar os contratos em setembro do ano que vem.... puro papo furado. Alguém sabe quanto tempo leva entre uma licitação e a assinatura de um contrato no caso de novas rodovias? Então vou lhes dar o número: em média esse intervalo de tempo é de 4 anos!!! Isso mesmo. Em vez de anunciar mega pacotes fantasiosos, o governo deveria se perguntar: por que leva-se tanto tempo para se licitar novas rodovias? E então usar política microeconômica para reduzir esse tempo, facilitando assim a realização do investimento.

Parte significativa dos problemas brasileiros refere-se ao gerenciamento microeconômico. Problemas esses que a atual equipe econômica não tem o menor preparo para enfrentar.

5 comentários:

Paulo disse...

Adolfo,

Já vi algumas vezes aqui vc falar que a atual equipe econômica do governo é a pior de todos os tempos, mas como estudante de economia ficou aquela dúvida sobre se talvez a equipe econômica do governo Collor não seria em grau de ruindade pior.

Qual ou (is) diferenciais vc colocaria entre as duas? A abertura comercial feita no começo dos anos 1990 seria uma delas?

Grato

Abs

Dawran Numida disse...

Quanto às equipes econômicas de 1990/1992 versus a de 2011/2012, é só avaliar os resultados de ambas:

- lembrar do Plano Collor I e II;

- e dos pacotinhos, pacotões e pacotaços de agora, a desarticulação da política fiscal, a falta de contraponto da política monetária à expansão fiscal, pouca ênfase em superávit primário e intervenções no câmbio.

Paulo disse...

Valeu Dawran!

Abs

Anônimo disse...

Não reclame muito, pois pode piorar.

Anônimo disse...

Adolfao, meu caro.......

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email