quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Respeito a diversidade de opiniões, post antigo

Este post foi publicado em 03 de outubro de de 2007. É uma pequena homenagem desse blog a meus amigos que estão na frente de batalha. Estamos juntos.

Quanto mais você ouvir alguém dizer que respeita um ambiente com diversidade de opiniões, pode acreditar: ele está mentindo. Note que todo comunista adora dizer que respeita a opinião alheia... mentira!!!! Comunistas só respeitam a opinião alheia quando esta coincide com a deles.

Você pode estar lendo esse post e acreditar que estou sendo pouco científico em meu comentário. Engano seu, esse post tem uma razoável estrutura teórica. Explico: na tradição liberal, a ciência esta intimamente ligada ao pensamento de Popper. Assim, os liberais compreendem que mais de uma teoria é capaz de explicar o mesmo fato. A ciência é capaz apenas de refutar teorias, mas incapaz de comprová-las por completo. Dessa maneira, na tradição clássica, a diversidade de opiniões (teorias) é um resultado direto do modelo de análise científico. Não faz o menor sentido, na tradição clássica, alguém ter que dizer que respeita idéias diferentes das suas. Afinal, este é um resultado óbvio do arcabouço científico clássico.

Já no mundo marxista a análise é muito diferente. Os marxistas acreditam que a ciência é capaz de comprovar com 100% de acerto a validade de uma teoria. Assim, no mundo marxista não há espaço para a divergência de idéias, uma vez que a ciência é capaz de apontar com certeza qual delas está correta. Daí a necessidade artificial dos marxistas RECURSIVAMENTE afirmarem que respeitam as opiniões alheias.

Discorde de um marxista e você verá todo o respeito que eles nutrem pela diversidade de idéias. Você já discordou de um marxista? Mande sua experiência para este blog!

6 comentários:

Anônimo disse...

Engraçado que neste texto a palavra Marxista pode ser trocada por Austríaco e ele continua coeso e correto!

Adolfo, muito bom você lembrar de sua essência liberal e cientifica e nao anarquista e dogmática.

Dezio Ricardo Legno disse...

Concordo com você Adolfo,
Popper é completamente ignorado no ensino universitário brasileiro.
Na graduação dever ser zero a leitura de Popper. Os estudantes são inundados por referências a Marx e é sobejamente conhecido que as referência ao barbudo são sempre seguidas de adjetivos tais como objetividade científica, fatos observados e outros conceitos derivados do mecanicismo que era até um tanto válido nos tempos de Marx. Acusam as teorias econômicas que contestam o marxismo de “idealistas” a velha técnica marxista de acusar os outros daquilo que praticam.
Entretanto o marxismo é idealista ao extremo, platonista no sentido que um modelo válido e definitivo existe e deve ser seguido quase que religiosamente. Além disso no marxismo não há dúvidas e portanto é uma ideologia dogmática como o próprio platonismo
Tudo isso não ocorre com os ensinamentos de Karl Popper que por sinal fazia parte da turma dos austríacos.
Abrs
Décio

Anônimo disse...

Pelo amor de Deus, comparar austríacos com marxismo é cinismo puro. Quantos pessoas já foram executadas ou presas por discordar da escola austríaca? Ou de Keynes? Ou dos clássicos? Ou dos neoclássicos? Ou de Freud? Ou de Einstein? Ou de Newton?

Marxismo não é pensamento científico, marxismo é desculpa para assassinatos em massa.

Anônimo disse...

Engraçado, já tentou discordar de um liberal ou neoliberal?
Quer saber, são tudo uns teóricos que vivem no mundo da lua e acham que suas teorias são as mais certas possíveis além de muitos se acharem donos da verdade, querendo generalizar um mundo complexo e cheio de particularidades como o nosso, a teoria liberal de adam smith do pleno emprego, é tão utópica quanto a comunista de karl marx, e defensores das duas teorias defendem até o fim seus ideais como se fosse perfeitos para todos, querendo impor que sua forma de pensar vale pra todo mundo.Não existe uma verdade absoluta pra todo mundo, a economia e seus pensamentos não são capazes de explicar tudo que acontece mundo,de resolver todos os problemas, o problema maior do mundo n está somente se a gente vive no capitalismo, socialismo, o problema maior está no próprio homem, se todos n pensassem só no seu umbigo, se a sociedade fosse mais unida aos seus interesses, se n houvesse tanta corrupção, ambição, ignorancia, egoísmo exarcerbado, tenho certeza que viveríamos em um mundo bem melhor.Para mim essa é a questão mais importante, porque essa discussão liberal e comunista vai existir o resto da vida, um sempre vai tentar convencer o outro de que suas ideias são a certa e pronto, ou então convencer todo mundo, sendo que a forma como cada um pensa é uma particularidade de cada um, n tem como vc tentar impor seus ideais e querer que todo mundo aceite isso como sendo a verdade, a solução, a própria psicologia explica isso, é liberal, ótimo, seja feliz assim, só n tente achar que os comunistas são a pior raça do mundo e convencelos disso, é comunista, ótimo, seja feliz assim, só n tente convencer os liberais de que são uns desalmados, egoístas e a pior raça do mundo.

Bruno Furtado disse...

Anônimo, de modo geral concordo com você. Inclusive, a resposta liberal apropriada para o comunismo deveria ser justamente a aceitação do mesmo como uma preferência de certos agentes. Se existe uma comunidade que quer viver num Kibutz, ótimo, a sociedade de livre mercado deve dar espaço para essa preferências. Impedir as pessoas de viverem da maneira como gostariam, mesmo que isto signifique uma sociedade comunista, é por si só um comportamento anti-liberal. O que não pode acontecer é quererem impor o comunismo ou o capitalismo para todos os seres humanos, sem dá-los liberdade para escolha. Pondo de outra maneira, deveria haver um mercado de sistemas econômicos, de modo que cada indivíduo escolhesse o que mais lhe apetecesse, dados os custos e benefícios.

No entanto, tenho duas críticas ao seu comentário. A primeira é que a teoria de Adam Smith não tem nada a ver com pleno emprego. O livro Riqueza das Nações simplesmente não lida com esse conceito. A segunda é você ter falado que "se a sociedade fosse mais unida aos seus interesses (...), tenho certeza que viveríamos em um mundo bem melhor". Quais são os interesses da sociedade como um todo? Existe tal coisa? Se os interesses individuais já são tão heterogêneos, duvido que os da "sociedade" possam ser homogeneizados dessa maneira.

JV disse...

Tentar convencer esse anônimo que tomada não é focinho de porco é muito difícil, dê um tempo.

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email