segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Uma breve história do Liberdade na Estrada


Abaixo segue meu artigo publicado no Ordem Livre hoje.

Em 2012 ocorreu a quarta edição do Liberdade na Estrada. Um evento importantíssimo, organizado pelo Ordem Livre, que busca difundir as ideias de liberdade pelas universidades brasileiras. Tive a honra de participar de três dessas quatro primeiras edições (2009, 2010 e 2012). Como o evento está ganhando popularidade e força, acredito que seja um momento oportuno para um breve relato histórico. Aqui dou meu testemunho dos fatos.

Pelo melhor de meu conhecimento, a ideia original partiu de Lucas Mafaldo. Ele então trocou ideias com Diogo Costa e Bruno Garschagen, que rapidamente aderiram à ideia. Os três foram os grandes mentores, os três mosqueteiros, do Liberdade na Estrada. Me lembro deles percorrendo o Brasil carregando todo o material de divulgação na mão. Parecia uma equipe de mudanças, tamanha era a bagagem e o peso que eles carregavam para todos os encontros. Tive a honra de me juntar a eles, nesse primeiro evento, em Fortaleza e depois em Brasília.

Primeira edição do Liberdade na Estrada em Fortaleza, 2009

Eu havia marcado de me encontrar, pela manhã, com os três mosqueteiros na Universidade Federal do Ceará (UFC). De cara notei não haverem cartazes do evento espalhados pelo campus. Depois fui informado que tais cartazes haviam sido arrancados e destruídos. Aliás, por todas as universidades por que passavam, os três mosqueteiros, tinham que lidar com isso: sempre haviam radicais que destruíam os cartazes do evento.

Começa o evento na UFC e em menos de 30 segundos um professor já está interrompendo a palestra de Diogo Costa; a agressividade está no ar. E os embates foram até o final, infelizmente, tinha gente que ia assistir apenas para evitar que ocorresse a palestra. Iam apenas para criar confusão e impedir a livre circulação das ideias. A noite o evento foi numa universidade privada de Fortaleza: FA7. Aqui sim a recepção foi muito boa, muitas pessoas no auditório, e um debate rico em ideias.

Conversando com os três mosqueteiros, eles contaram sobre as enormes dificuldades que vinham enfrentando. Disseram que o que havia ocorrido na UFC era coisa pequena em relação ao que haviam sofrido em outras universidades. Só para os leitores terem uma ideia, haviam sites na internet que conclamavam os alunos a interromperem as palestras do Liberdade na Estrada. Em determinado site podia-se ler: yankees financiam excursão de traidores brasileiros (se referindo a nós).

Primeira edição do Liberdade na Eestrada em Brasília, 2009

Na época tive a oportunidade de levar o LIBERDADE NA ESTRADA para o auditório da Universidade Católica de Brasília. Foi a palestra de fechamento da primeira edição do evento. E foi um tremendo sucesso. Dessa vez os cartazes não foram arrancados, os professores foram avisados do evento, e os alunos responderam com um comparecimento maciço. Auditório lotado.

Ao final da palestra uma cena inusitada: um aluno de esquerda – daqueles acostumados a falarem qualquer besteira sabendo que tem o apoio da plateia – tentou ofender os palestrantes e recebeu uma enorme vaia do auditório. Como eu presidia a sessão, tratei logo de coibir a vaia. Afinal, todos têm direito a se expressarem e o evento procurava justamente difundir a livre circulação de ideias. Mesmo assim, o tal aluno gaguejou, ficou pálido, e por fim se esqueceu do que iria dizer, se levantou e saiu cabisbaixo. Não pude deixar de me lembrar das inúmeras vezes que os três mosqueteiros também foram vaiados, das inúmeras vezes em que foram ofendidos, mas, ao contrário do aluno de esquerda, não se intimidaram. Enfrentaram a situação de peito aberto e não se furtaram ao confronto de ideas. Os três mosqueteiros, sempre em menor número, sempre com menos recursos, nos deixaram uma valiosa lição: aqueles que lutam sem razão caem por qualquer razão. Eles não caíram, deixaram essa obra maravilhosa que hoje percorre anualmente o Brasil. Muito obrigado por sua coragem, determinação, espírito de luta e dedicação aos ideais da liberdade.

2 comentários:

nilo disse...

Também tive o prazer de acompanhar o Liberdade na estrada desde o começo, além de conhecer os três mosqueteiros!

Paulo Roberto Almeida disse...

Eu estava na plateia do Liberdade na Estrada da Catolica de Brasilua, em 2009, e agora, em 2012 tive a oportunidade de participar novamente com o Sachsida de mais uma sessao, desta vez na UnB, algo talvez muito dificil ou impossivel nos primeiros eventos.
Paulo Roberto de Almeida

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email