sexta-feira, 29 de março de 2013

Mensagem de Páscoa do Sachsida

Jesus foi entregue a Poncio Pilatos para ser julgado e, possivelmente, condenado a morte. Pilatos então disse que não via culpa alguma em Jesus, e o encaminhou a Herodes. Este, também sem ver culpa em Jesus, o mandou de volta. Pela segunda vez, Pilatos considerou Jesus inocente e quis libertá-lo, mas cedeu às pressões dos acusadores. Então, pela terceira vez, Pilatos considerou Jesus inocente, e pela terceira vez quis libertá-lo. Mas, pela terceira vez ele cedeu às pressões. Pilatos então lavou suas mãos e Jesus foi condenado a morrer na cruz.

Lendo o parágrafo acima nos vem a pergunta: por que Pilatos é tão criticado? Afinal, por três vezes ele tentou libertar Jesus. A resposta é simples: um líder nunca deve abrir mão de suas prerrogativas. Um líder deve fazer o que é certo, independente de receber aplausos por isso. É por essa razão que o caminho da liderança é tão solitário. Não se buscam, e nem se deve buscar, apalusos. Busca-se fazer o que é certo.

Essa é a mensagem de Páscoa do Sachsida. Não busque o amor, ou o aplauso, das multidões (ou da imprensa). Busque sempre fazer o que é correto, o que é justo. Mesmo que isso te renda reprimendas e ataques infundados. Cedo ou tarde todos teremos que responder por nossos atos e, quando sua vez chegar, não irá adiantar muito dizer: “mas os outros também fizeram isso...”. Cada um de nós tem um conjunto de talentos, aqueles que possuem o talento da liderança devem exerce-la sem almejar pelo prêmio de miss simpatia.

Não se culpa a multidão por gritar “Barrabás”, mas se culpa Pilatos por tê-la ouvido. Então, quando a sua vez chegar, e a multidão gritar e hurrar em seus ouvidos “Solta a Barrabás”, o Sachsida deseja que nesse momento supremo de sua vida você diga “Não! Solta a Jesus”. Uma feliz Páscoa a todos vocês!!!

OBS: quando Jesus morreu na cruz, uma escuridão varreu o mundo. Mais do que figura de linguagem, esse evento realmente ocorreu. Mesmo em locais distantes, como a civilização Asteca, tem-se notícia de uma escuridão súbita que assustou a todos nesse dia (e não adianta dizer que isso era um eclipse, pois as civilizações da época já eram capazes de prever esse evento).

8 comentários:

Anônimo disse...

Muito legal mesmo seu texto, penso como você. Temos que tomar decisões baseadas em princípios e valores e não pensando nas reações de terceiros. Muito obrigada.

Breno Lima disse...

Religião e política separadas! Qual seria a convicção de Poncio Pilatos?

Anônimo disse...

A páscoa sempre acontece em uma lua cheia. Eclipses sempre acontecem na lua nova.

Rafael Vilela disse...

Excelente post, de muito bom gosto, e uma ótima leitura da situação

Vanessa Bezerra disse...

ótima Análise! e só complementando, Jesus, diferente de Pilatos, foi um líder nato, pois ele não desistiu de suas prerrogativas, lutou pelo que acreditava e até mesmo morreu por isso! Ele era convicto e muitos o rejeitaram, ele não estava ali para receber aplausos (por mais que merecesse), mas para ensinar qual o certo a se fazer na vida e a santificar o nome do Pai dele (Jeová/ Javé), nos incentivando a fazer o mesmo. Jesus é um Grande exemplo para nós!

Anônimo disse...

O que é correto pra voce pode não ser correto pra mim e vice-versa, ou seja, ninguém é dono da verdade absoluta, arrancar aplausos é questão de carisma e empatia, já vi muita gente falar merda e receber aplausos, shows horríveis receberem aplausos, na minha opinião lógico, e já vi muita gente que realmente merecem receberem aplausos.

Adolfo Sachsida disse...

Caro Anonimo de 1 de abril,

Condenar um inocente a morte eh ERRADO. Isso nao eh questao de opiniao.

Adolfo

Anônimo disse...

para um liberal conversador, você está demorando muito em sair na defesa do Feliciano

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email