quarta-feira, 13 de março de 2013

Uma Opinião Amadora sobre o novo Papa

Jorge Mario Bergoglio, arcebispo de Buenos Aires, foi escolhido para ser o novo Papa. Será conhecido por Francisco I. Entendo muito pouco de questões teológicas, e sei menos ainda sobre o novo Papa. Sendo assim, esse post é muito mais o resultado de uma angústia do que propriamente uma opinião técnica.

Bergoglio tem vários méritos: humildade e dedicação sendo as características mais óbvias. Como jesuíta fica evidente que é alguém acostumado a seguir a hierarquia, e exigir que a mesma seja seguida, o que parece ser importante no atual momento da igreja. Além disso, ao escolher o nome de Francisco I sinaliza para a importância da igreja buscar seus fiéis onde quer que estejam.

Noto que algumas pessoas se mostraram desanimadas pelo perfil conservador do novo Papa. Acredito que estão erradas. Desnecessário dizer que é absurdo, em nossa época, esperar que um Papa se posicione contra pilares básicos da igreja. Quando um Papa se posiciona contra o aborto, ou contra o casamento gay, isso nada tem de conservadorismo, mas é apenas o mínimo aceitável para a igreja. Dizer que um Papa é conservador pois ele não aceita o aborto é o mesmo que dizer que Friedman (um dos maiores liberais de todos os tempos) é petista pois seria a favor de programas de ajuda aos pobres. Friedman não é petista, e, em minha opinião, Francisco I está longe de ser um conservador.

Até o momento um detalhe importante tem passado despercebido da grande imprensa: o apelo e apreço de Francisco I pela “justiça social”. Acredito ser esse um detalhe negativo no novo Papa. “Justiça Social” é um conceito absurdo. Existe o que é justo, mas “justiça social” implica que nem tudo que é justo é socialmente justo. Ou seja, o conceito “justiça social” implica que as vezes deve-se fazer o que é injusto para se ter justiça social. Esse é o caminho sem volta para uma ditadura. Esse é um caminho sem volta para abandonarmos o estado de direito, e ficarmos a mercê do que for definido por “justiça social”.

Espero sinceramente estar errado a respeito de Francisco I. Mas acredito que sua busca por “justiça social”, em vez de justiça, será um calcanhar de Aquiles pesado para a Igreja Católica. O conceito “justiça social” envolve várias arbitrariedades, implicando ações tanto contra a liberdade econômica quanto contra o estado de direito. Tomara Deus que eu esteja errado, e que Francisco I seja brilhante em seu papado.

7 comentários:

Anônimo disse...

Adolfo,

O nome do papa é Francisco. Francisco I será se, no futuro, algum papa adotar o nome Franciso II.

Anônimo disse...

A Igreja é antiliberal, assim como é anticomunista...

A justiça social é algo que existe dentro da doutrinha da Igreja, mas não implica em ser contra a propriedade privada ou a riqueza.

A justiça social ao modo como é utilizada pelos esquerdistas é diferente da forma como a Igreja a usa.

Pedro Erik disse...

Como um cardeal que segue os preceitos da Igreja, Adolfo, tenho certeza que ele seguirá a Doutrina da Igreja também no que diz respeito à economia.

A Igreja defende os princípios da solidariedade e da subsidiaridade. A justiça social está inserida neste contexto, por isso vê problemas tanto no capitalismo, como no socialismo.

Eu tenho um blog que uso para discutir o que a Igreja defende em relação a economia.

Acesse lá, amigo, se chama Bloco 11, Cela 18
(http://bloco11cela18.blogspot.com.br/).

Lá você pode ver o que significa os dois princípios determinados na Encíclica Rerum Novarum (Papa Leão XIII).

Abraço,
Pedro Erik

Anônimo disse...

Rezemos pelo Papa!

Pelo menos até o momento parece que ele é católico, o que nos dias de grande desorientação que nós vivemos já é uma grande coisa!

Além do santo de Assis, existiram outros Franciscos santos e beatos, como Francisco de Sales, de Borja etc.

Cabe destacar também São Francisco Xavier, um dos primeiros jesuítas e grande missionário no oriente.

E Francisco também era o nome de um dos videntes de Fátima, que foi beatificado.

Anônimo disse...

Olha só Adolfo:

http://g1.globo.com/politica/noticia/2013/03/dilma-ira-missa-de-posse-do-papa-francisco-i-diz-planalto.html

A Comuna Gerente Dilma Roussef deicidiu ir a posse a posse do papa. Agora ela quer ir lá, mas não emitiu uma nota de apoio ou mesmo de respeito a renúncia do Bento XVI.

Absurdo

Claudio Chad disse...

Caro professor,

Para os católicos tradicionalistas vem aí uma grande BOMBA.
Já como Papa, Fracisco tem mostrado seu estilo:
Pediu benção para o povo! Onde já se viu um pai pedir benção ao filho. Ele equiparou a benção papal à dos fiéis leigos.

Abriu mão de diversos paramentos que contém simbologia milenar, em nome da humildade. Mas esse ato é até mesmo um insulto aos seus antecessores que usavam alguns deles para honrar a tradição católica.

A última foi pedir para que ao invés de ir à Roma que se faça caridade. Agora os católicos vão ficar com peso na consciencia de ir à Roma pq tem um sujeito passando fome no sinal pq o GOVERNO é incapaz de gerar trabalho.

TRISTE realidade para os católicos da tradição.

samuel disse...

O ponto de vista do Adolfo bate com
Buchanan: Pope Francis — Against the West? .com/2013/03/15/pope-francis-against-the-west/
O esclarecimento do Pedro Erik acho que está correto com o pensamento do novo papa e a facção conservadora (Ratzinger e Cia) da Igreja.

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email