quarta-feira, 10 de abril de 2013

Delfim Netto e Beluzzo são chamados para falar sobre a alta dos preços


Conheço bem o Banco Central. Além de já ter dado uns 3 ou 4 seminários lá, também li vários artigos de seus funcionários. Vi apresentações deles em encontros de economia, e conheço pessoalmente outro tanto deles. O Banco Central do Brasil possui um quadro técnico formidável. Técnicos altamente qualificados, com tempo para estudos de profundidade, e questões de pesquisa bem definidas. Enfim, quando falamos de inflação poucos lugares estão tão bem preparados para essa discussão quanto o BACEN.

Dito isso, acredito que esteja na hora de Tombini (presidente do BACEN) pedir para sair. Infelizmente sua permanência no cargo só tende a diminuir a já abalada reputação do BACEN. Tombini é um técnico muito bem qualificado, ao contrário de sua contraparte no Ministério da Fazenda. Contudo, foi completamente dominado pelo jogo político. Claro que entendo o dilema de Tombini. Hoje o que está na cabeça de Tombini é uma questão pertinente: “se eu sair da presidência do BACEN provavelmente o governo colocará outro pior em meu lugar, e a situação do BACEN será ainda pior”.

Tombini pode até ter boas intenções, contudo se é para fazer esse papel que está fazendo, então não faz sentido continuar: ele mesmo está minando a credibilidade do BACEN. Tombini falhou em compreender sua real força: depois que foi colocado como presidente do BACEN, poderia ter peitado a equipe econômica e combatido a inflação. No Brasil atual, o custo de se demitir um presidente do BACEN que combate a inflação é muito alto. Dilma não teria como bancar essa demissão: ficaria clara a interferência política no BACEN. Por outro lado, demitir Tombini hoje tem um custo baixo, afinal a inflação está saindo de controle, e é ele quem irá receber a culpa desse fiasco.

Ainda restam duas saídas honrosas para Tombini: 1) bata na mesa e combata imediatamente a inflação com uma política monetária restritiva; ou 2) peça demissão antes de ser demitido. Contudo, é INADMISSÍVEL ver uma notícia dessas estampadas no jornal: “Dilma chama Delfim e Beluzzo para avaliar alta dos preços”. Além disso, Nakano e Augustin também participaram da reunião. Resumindo: hoje quem fala de inflação não é mais o BACEN.

Um dia ainda conheceremos os bastidores do BACEN durante esses dois últimos anos. Mas uma coisa é certa: a idéia de “vou continuar senão vem outro pior” poderia até fazer sentido caso houvesse algum tipo de combate a inflação. Contudo, hoje essa estratégia parece equivocada. Tivesse Tombini batido na mesa e combatido a inflação desde o começo, e sua posição estaria muito mais sólida do que está agora. No Brasil, depois que se nomeia um ministro, ou um presidente do BACEN, não é tão fácil e indolor retirá-lo do cargo. Infelizmente Tombini falhou em compreender esse aspecto político.

7 comentários:

Filipe Cavalcanti disse...

Posição política deve ser uma merda mesmo.

João Carlos Wanderico disse...

perfeito Adolfo

a armadilha criada pela demora em tomar as atitudes corretas cobra seu preço!

mas penso que sinalizar para todos que escuto DN, YN e LGB já diz tudo!!
parabéns
JCW

Edinailton Silva Rodrigues disse...

Isso é uma esculhambação.
Que espécie de autoridade monetária aceita isso?

Anônimo disse...

Ué, mas quem a Dilma iria chamar para discutir a inflação, o próprio Tombini? Aí você iria dizer que ela estaria fazendo pressão política.

Anônimo disse...

Quem chamar? Sei lá, qualquer um menos o cara que jogou o país numa trajetória de inflação crescente e o que esteve na equipe econômica do Sarney. Podia chamar o Vesgo, o Tiririca e porteiro do prédio dela, pior que esta turma que ela chamou não fariam.

Paulo Simões disse...

Tombini é patriota. Ser patriota significa querer o melhor para o seu país independente do que o governo considera certo. Dilma é turrona, Tombini pode ser demitido e deixar cair por terra o trabalho técnico que vem fazendo. É assim em todo o governo e em todas as áreas nas quais um técnico precisa convencer um político. Que mal há em Dilma consultar outros economistas que concordam com Tombini em aumentar os juros? Acho que Tombini aplaude a idéia porque é um reforço em sua argumentação. Eu também sou contra juros altos e aplaudi o Tombini quando ele começou a reduzir os nossos mais altos juros do mundo. Se agora precisa aumentar de novo, aumente!!! Caso o governo tivesse feito sua tarefa de reduzir gastos, os juros baixos poderiam ser mantidos. Se não é possível desta maneira, que venha o aumento da Selic.

Darlan Lopes disse...

Alguém mais percebeu que agora eles vão culpar o BACEN pela inflação e condenar a falta de medidas adotadas ? Certeza que vai ser o Tombini à pagar o pato pelos interesses próprios de Mantega e Dilma.
Absurdo, cada vez mais indignado com essa equipe política (política, não econômica, porque se interessam muito mais em política do que economia).

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email